Pessoas ocupadas não devem ter filhos

Charles Darwin é lembrado como o pai da evolução e também por sua enorme capacidade de reflexão. Foi casado com o amor da sua vida e teve dez filhos. Na questão do relacionamento à dois, contemplou os prós e os contras do casamento principalmente com relação à saúde e insanidade mental - A paternidade e a família foram pano de fundo para meditações amplas sobre o próprio amor e sexo, trabalho e felicidade.

Para se ter uma ideia, poucos dias antes de se casar, depois de pesar os custos - Ele era conhecido também por ser gastador - Escreveu para Emma dizendo que sentia uma boa dose de felicidade quando estava sozinho e que a solidão ou tranquilidade, era um tônus para ele querer também estar com as pessoas, além é claro, de sentir que a realidade ia além do que se passava em sua mente. Desculpou-se pelo seu egoísmo, de não compartilhar com ela das paisagens selvagens que viu em suas viagens, das florestas gloriosas, dos passeios que fazia pelo convés que lhe ocuparam os dias por longos cinco anos.

Também escreveu: “Eu acho que você irá me humanizar, e em breve me ensinar que existe uma felicidade maior do que a de construir teorias e acumular fatos em silêncio e na solidão”.

No final da carta, escreveu: "Minha querida Emma, ​​minha sincera oração, você nunca poderá lamentar da minha solidão, irei acrescentar ação em sua vida. A primeira você está a realizar na Terça-feira; minha querida futura esposa, Que Deus te abençoe".

Não sei vocês, mas eu senti um clima pesado no final da carta (rs*)

Charles Darwin foi, sem dúvida, um dos pensadores mais significativos produzidos pela humanidade. A carta que enviou à Emma, parecia um alerta, afinal, ele tinha hábitos mentais peculiares e uma rotina rigorosa que, quando não cumprida, afetava seus humores. Essa rotina pode ter sido uma estratégia de adaptação de Darwin para controlar uma doença que dominou sua vida, a mesma que afligiu Vincent van Gogh - A ansiedade crônica, que o colocou entre uma legião de grandes mentes que mantiam uma relação estreita entre criatividade e doença mental. Um diagnóstico póstumo comprovou a doença.

Se pensar muito enlouquece ou pensar muito é sintoma de loucura?

Pois certo que ele escreveu uma outra carta à um amigo, bem antes de decidir-se casar com Emma, em que dizia que o casamento limitaria sua criatividade e que lhe tiraria o prazer de trabalhar, que se tornaria um dever para ganhar dinheiro, que teria muito menos dinheiro para os livros, no entanto, haveriam as coisas positivas, como a casa se mantendo sempre limpa, o que seria uma perda de tempo para Emma limpar a casa todo dia...

"Eheu? Eu nunca saberei francês, - ou verei o Continente - ou irei para a América, ou subirei em um balão, ou irei em viagem solitária para o País de Gales. Escravo e pobre...". 

#Euri! Mesmo os gênios têm seus dias de desânimo...

Casaram-se, tiveram filhos, ficaram juntos por 43 anos, até a morte. Foi amor e foi trabalhoso - O que mais poderia de ser para Emma, que foi avisada de que não seria fácil...

Darwin foi uma criança que se seniu amada, veio de uma família estável, de onde intuiu as capacidades de "humanização" desde o início - Foi produto de uma paternidade amorosa. Em uma carta, seu pai lhe escreveu quando tinha 15 anos de idade: "Outro dia me senti muito triste olhando para o jardim. As flores... Lembrei dos momentos em que você e Catherine eram crianças e eu estava sempre com você ou pensando em você. Era a parte mais feliz da minha vida e me atrevo a dizer que sempre será".

Darwin sabia que a ciência e a felicidade pessoal lhe eram complementares e não excludentes. Em uma carta a seu amigo botânico Asa Gray, Darwin observa essa falsa escolha com partes iguais que as pessoas fazem e, com humor irônico e seriedade escreve:

"As crianças são minha maior felicidade, mas muitas vezes e muitas vezes ainda minha maior miséria. Um homem de ciência deveria ter nenhuma, - Talvez não uma esposa? Pois então, não haveria nada neste mundo grande para cuidar. Um homem pode trabalhar como um cavalo".

Alguns detalhes da vida do casal tomei conhecimento através do Projeto Correspondência de Darwin.

Darwin mudou de ideia sobre o casamento e os filhos, mesmo assim, por saber que para dar qualidade de educação para os filhos, não poderia deixar que terceiros o fizessem. Naquele tempo, as mães tinham as amas que as ajudavam e até um passado recente podíamos contar com babás ou mesmo com empregados domésticos. No entanto, os tempos são outros... Quem não pode contar com a ajuda da família, principalmente os avós, tem que sacrificar a profissão. 

Pessoas ocupadas não devem ter filhos ou mesmo dividir o teto com alguém, mesmo assim as pessoas querem filhos e querem se casar, sabendo de antemão que crianças não fazem os pais felizes e que casamento não é para todo mundo.

Podemos casar mil vezes, mas os filhos são para toda a vida.

O que realmente importa para as crianças?

A imagem que ilustra esse post entitula-se "A Batalha dos Vegetais". É um desenho feito no verso de uma folha original dos manuscrito de Charles Darwin de "A Origem das Espécies", realizado por um de seus filhos. Muitos outros desenhos acompanham os versos dos trabalhos de Darwin, demonstrando a importância que dava à sua família.
-----------------------------------------------------------------
Em tempo: A 9ª Edição do BookCrossing Blogueiro acontecerá entre os dias 08 e 16 de Novembro. Seja também participante de uma aventura!!

Ajude-nos a divulgar!



Assine para receber os textos do "Luz de Luma" em seu e-mail ou acompanhe pelo Facebook

Meu Voto é Racional

Coisas que eu achava quando criança

Vem aí a 9ª Edição do BookCrossing Blogueiro

Se você ama seus livros, deixe-os ir... Como os pais fazem com seus filhos.
Por que os livros são nossos companheiros, educadores, objetos de devoção...
Da ideia de libertar os livros da clausura das estantes, surgiu o BookCrossing.

Venha participar da 9ª Edição do BookCrossing Blogueiro!

O BookCrossing Blogueiro atravessa o tempo e o espaço, não conhece limites geográficos. O ato de libertar livros está no coração dos BookCrossers.

Um livro precisa ser pesquisado, lido, vivido para ser eterno e criar vínculo com o leitor - Para criar vínculo com a cidade, deve ir para além das paredes e prateleiras das bibliotecas. Libertá-lo em lugares públicos desperta a curiosidade e interesse, mesmo naqueles que não costumam ir à biblioteca. Desse modo serão criados leitores novos e incomuns.

Os livros seguem viagem através das pessoas que o encontram. Uma atividade que reúne pessoas que serão futuros leitores com aquelas que já gostam de ler. O espírito por trás dessas pessoas é diversificado, uma mistura de aventura - No verdadeiro sentido da palavra ... (aqui vai a caça aos livros!), paixão pela literatura e a generosidade irresistível. 

No BookCrossing as pessoas são veículos de uma biblioteca itinerante que reúne vidas, pensamentos, mãos e palavras

Uma ideia que também é interessante do ponto de vista econômico e que sinaliza uma atenção admirável para a prática do reuso. Porque muitas vezes temos tantos livros, sabendo que nunca iremos reler? (pausa para lembrar quantos livros tem em casa e quantos já releu...) Por que, então, em vez de deixá-los na prateleira sob a ação do tempo e da poeira, não libertá-los?

Alguns pontos comerciais ou mesmo escritórios de empresas, estão inaugurando aparadores ou estantes onde os utilizadores do espaço podem deixar os livros que já leram e não desejam manter, e você pode olhar se ali tem um livro que gostaria de ler... Um espaço de intercâmbio, onde até mesmo os títulos mais excêntricos tem "mercado" (sem dinheiro, é claro!) ... Curiosidade que muitas vezes vem acompanhada de descobertas inesperadas! Uma amiga blogueira fez isso na recepção do condomínio onde mora.

Nessa esteira, empresas de ônibus, estações de trem, metrôs e até mesmo nas ruas das cidades, estão disponibilizando lugares reservados para "guardar livros" disponíveis para viajar. As crianças são as maiores consumidoras e administradoras desses locais.
Recentemente uma garota dispensou sua festa de aniversário para doar livros para crianças carentes que não têm livros para ler, ideia incentivada por um ator mirim que se passou por menino de rua para mostrar reações das pessoas nas ruas ao pedir um livro, ao invés de pedir o que usualmente os moradores de rua pedem. A ideia da garota foi tão bem aceita pelos pais que ela resolveu envolver seus coleguinhas na escola. Por fim, toda a comunidade se envolveu. Isso foi mostrado em um programa de TV no intuito de divulgar uma boa ação que deve ser copiada e incentivada. 

O mundo atual é outro, não precisamos acumular livros para dizer que retemos conhecimento. O conhecimento é maduro quando é compartilhado. O conhecimento quando imaturo morre junto com quem o deteve.
BookCrossing Picnic
Os livros podem ser deixados aleatoriamente em qualquer lugar que queira deixar, um banco, uma estação, um escritório ou mesmo áreas selecionadas para troca. Acima, um picnic promovido por Tuula Anneli Salo.

Na prática do BookCrossing, existe um diálogo entre liberdade e a liberação, questões que envolvem filosofia e espiritualidade, que são bem mais profundas e que culminam com a libertação de algo tido como um bem e que indica desapego e boa vontade.

Qual é o valor agregado ao BookCrossing? Espalhar os livros e torná-los disponíveis para todos, não só para promover a leitura e alfabetização, mas, ao mesmo tempo, para fortalecer o espírito de comunidade em torno do "movimento" que se mistura com momentos da vida social, crescimento pessoal e que envolve um amigo especial: o livro.

Recapitulando:
  • Para participar do BookCrossing Blogueiro basta ter um livro que queira libertar. 
  • Escrever uma dedicatória ou bilhete, avisando que o livro não está perdido e convidando quem o encontrou a ler e depois libertá-lo novamente. 
  • Escolher um lugar público e protegido para libertá-lo.
  • Você pode fazer uma postagem em seu blogue contando qual livro libertou e, se quiser aprofundar na participação, faça uma resenha ou conte o que achou do livro - Muitos participantes gostam de fotografar o momento da libertação, mas você pode fazê-lo ou não. Fica à seu critério.
  • Quem não tiver blogue poderá participar através das redes sociais, publicando na página do evento ou em sua própria página.
Página do evento da 9ª Edição do BookCrossing Blogueiro no facebook.
  • Você pode usar as imagens dessa postagem e também de outras postagens da label "BookCrossing Blogueiro", assim como os banners que disponibilizo em "Banners BookCrossing Blogueiro". 
  • Fique à vontade para confeccionar o seu próprio banner, se os que disponibilizo não lhe agrade. 
  • Não se esqueça, o BookCrossing Blogueiro é um evento público e você pode convidar quem você quiser - eu sou apenas uma organizadora. Me ajude a divulgar o movimento chamando seus amigos blogueiros, leitores do blogue ou das redes sociais. 
  • Se não entendeu como participar mesmo clicando na label "BookCrossing Blogueiro", pode fazer perguntas no sistema de comentários. 
Estou muito feliz em ainda poder organizar o BookCrossing Blogueiro, um evento que não tinha a pretensão de passar da 1ª Edição. O sucesso é de todos vocês que participam!

Na ocasião da 9ª Edição do BookCrossing Blogueiro;- do dia 08 a 16 de Novembro - estarei listando os participantes em uma postagem. Até!!

Junto ao BookCrossing Blogueiro, também acontece o BookCrossing Blogueiro Kids, já em sua 3ª edição organizado pela Trícia Ferreira.
Página do evento do III Booking Crossing Blogueiro KIDS no facebook
Chamem as crianças para participar junto com vocês!

Assine para receber os textos do "Luz de Luma" em seu e-mail ou acompanhe pelo Facebook

A vida é um pisca-pisca...

Arquivo do blogue

Leve meu banner com você...

Algumas coisas não têm preço.

...bisbilhotaram em quietude, sem solidão

Affichez votre soutien

Obrigada pela presença

Copyright  © 2014 Luz de Luma, yes party! Todos os direitos reservados. Imagens de modelo por Luma Rosa. Publicações licenciadas por Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial- Vedada a criação de obras derivadas 2.5 Brasil License . Cópia somente com autorização.

Tem sempre alguém que não cita a fonte... fingindo ter aquilo que não é seu.

Leia mais para produzir mais!

Atenção com o que levar daqui. Preserve os direitos autorais do editor