Meu autor favorito

Albert Camus in Luz de Luma, yes party!

Eu me encontrava frequentemente com Camus. Uma noite, após termos jantado no Chez Lipp e bebido no bar do Pont-Royal até que este fechasse, ele comprou uma garrafa de champagne que nós esvaziamos no Louisiane, conversando até as 3 horas da manhã. E apesar d'eu ser mulher - e ele, sendo um tanto feudal, não fazia se mim uma igual - ele me contava coisas íntimas, me deixava ler passagens das suas anotações, me falava dos seus problemas privados. Ele voltava sempre sobre um assunto que o preocupava: Um dia ele teria que escrever a verdade! O fato é que havia um abismo mais profundo entre ele e sua obra do que na maioria das pessoas. Quando nós saíamos juntos, bebendo, falando, rindo até tarde da noite, ele era engraçado, cínico, um pouco canalha; ele tinha suas emoções, ele cedia aos seus impulsos; ele podia se sentar na neve que acumulava num meio-fio às 2 da manhã e meditar pateticamente sobre o amor: "devemos escolher, ou dura ou queima, o drama é que não dá para durar e queimar" De La force des choses I - Simone de Beauvoir)

Filósofo de um universo sem Deus, sentido ou esperança e antes de se atirar de corpo e alma na direção da literatura foi goleiro do Racing de Argel. Costumava dizer, sem nenhum sinal de humor, que tudo o que havia aprendido sobre ética e obrigações morais devia ao futebol.

Talvez pudesse ter dito o mesmo acerca de todo o conhecimento filosófico destilado em sua obra.

Camus chegou a Paris no mesmo ano dos nazistas, 1940. Dois anos depois, lançava seu primeiro livro, “O Estrangeiro”, na cidade ocupada.

Era o livro certo no lugar certo. Nele, um pied noir (“pé negro”, denominação pejorativa dada na metrópole aos franceses nascidos na Argélia) chamado Mersault assistia ao desenrolar da própria vida com se dela fosse mero espectador e não protagonista.

No primeiro parágrafo, antológico, ele recebia a notícia da morte da mãe e não conseguia sequer reparar se ela se dera ontem ou anteontem. Livro adentro, sua alienação crescia a ponto de ele matar um árabe na praia sem nenhum motivo aparente. Condenado à morte, só então, na marca do pênalti, se reconcilia com a vida.

Como todo clássico, “O Estrangeiro” se presta a várias leituras. O que garantiu sucesso imediato ao livro foi a correlação que muitos franceses fizeram entre a situação de Mersault – perdido no meio da própria vida – e a deles mesmos – perdidos em um país ocupado e, pior, em grande medida simpático ao ocupante.

Era uma situação absurda. E o absurdo, com letra maiúscula, era o conceito filosófico fundamental na obra de Albert Camus. Definido como “o divórcio entre o homem e a vida”, o Absurdo colocava o homem diante de um universo indiferente, idéia que ecoava Schopenhauer e Nietzsche, um universo sem Deus, sentido ou esperança, diante do qual era preciso assumir responsabilidades e riscos. Camus desenvolveria essa idéia em romances como “A peste” (1947) e em ensaios filosóficos como “O mito de Sísifo” (também 1942)

Coerente com seu ideário, Camus foi um dos fundadores do jornal clandestino “Combat” (marco na história da imprensa francesa). Ao se desenvolver com a resistência francesa, trabalhou com outro escritor existencialista, Jean-Paul Sartre, com quem viria a se desentender no pós-guerra por causa do apoio deste aos dogmas stalinistas.

Jean Paul Sartre disse a frase “Nenhum homem merece ser consagrado em vida” ao se recusar a receber o Prêmio Nobel em 1964. Ofendido, desprezou o prêmio concedido por "velhuscos" da Academia Sueca. Preferindo se entupir de anfetaminas e se engrandecer apoiando Stalin e Mao Tsé Tung.

Albert Camus, ao contrário, aceitou a ofensa em 17 de Outubro de 1957, como Nobel de Literatura. Não deu piti, não reclamou da sociedade burguesa, não idealizou líderes comunistas e muito menos fez apologia à qualquer coisa. Simplesmente subiu ao palco e por ser tímido, solícito agradeceu e voltou para sua casa em Paris.

Muitos repórteres o abordaram, eram muitos convites, entrevistas, conferências, enfim muitas homenagens. Camus, não estava preocupado com os holofotes, a sua única preocupação era com um jogo decisivo, entre o Racing de Paris e FC de Mônaco, válido pela Copa da França.

Camus sentou-se ao lado de um repórter e sem sabê-lo. ainda comentou sobre o goleiro parecer inseguro. Touché!! Ele sabia muito bem do que estava falando; porque enquanto foi goleiro do Racing de Argel por dois anos, as críticas esportivas direcionadas à ele, faziam referência ao seu espírito de liderança e bravura. (In)felizmente por causa da tuberculose, parou com o esporte, porém, antes disso ajudou o time a ser campeão da Copa Norte-Africana, em 1930.

As diferenças entre Sartre e Camus eram imensas. Um preferia o teatro, o outro o futebol. Foram amigos até 1952, enquanto lutavam pela Resistência Francesa (La Résistance). Logo após, Camus lançou o ensaio "O Homem Revoltado", crítica direta aos regimes totalitários (marxistas) e a moral superior dos revolucionários de qualquer espécie.

Sartre, o ofendidinho, ficou furioso com o ensaio que ia contra os seus pensamentos e escreveu críticas contra Camus, chamando-o de contra revolucionário, reacionário, direitista, imperialista...não satisfeito chamou a intelectualidade francesa a boicotar as suas obras.

Fiel à sua consciência, Camus preferiu se recolher e mesmo no ostracismo defendeu suas idéias e hoje o mundo o lê. Em contrapartida, Sartre ainda hoje, recebe críticas, até mesmo da própria esquerda que um dia o glorificou.

É preciso um pouco de demência e de luar para encarar esse mundo! 

Sugestões: O Medo do Goleiro Diante do Pênalti (Die Angst des Tormanns beim Elfmeter, 1971) longa de Wim Wenders, baseado na novela alemã de Peter Handke. Dizem que foi uma homenagem do cineasta para Albert Camus. As comparações com o personagem de "O Estrangeiro", são bastante óbvias.

Albert Camus in Luz de Luma, yes party!
O texto acima é parte integrante da blogagem coletiva:

"Meu autor favorito" promovida pela Aleska Lemos,  que acontece até o dia 06 de Maio.
Ainda dá tempo para você participar! 

80 comentários :

  1. Curioso como não tenho uma autor preferido. Tenho fases e Camus foi uma fase. Hoje me divirto muito com Camilleri.

    Mudando de assunto, deixo aqui a minha admiração pelo seu empenho e competência na última edição do Bookcrossing Blogueiro. Além da cooptação e divulgação, me impressionou o cuidado em citar todos os participantes e pela repercussão. Fui atrás de muita indicação sua no Facebook e achei o seu envolvimento empolgante.

    Parabéns, Luma!!!

    Beijoca

    :D

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Allan!
      Difícil escolher um autor preferido. Digo até, que é o autor que nos escolhe, afinal, mesmo que não queiramos, suas palavras começam a bailar em nossa mente em situações que menos esperamos. Quando tomamos conta, os pensamentos do autor tomaram conta dos seus pensamentos. Lógico, você pode até achar um livro bom para logo depois as palavras começarem a cair no esquecimento... isso quer dizer que o autor não te contaminou. Assim, pode também o escritor ser contaminado por um personagem e seus livros começarem a serem escritos partindo desse personagem. Aconteceu com Camilleri e seu personagem Montalbano :) Li somente um romance policial de Camilleri e foi bom você ter me feito lembrar dele.
      Obrigada pelos elogios! Tudo o que fiz foi motivada pela animação de todos! O mérito é de todos os participantes :)
      Beijus,

      Eliminar
  2. Para mim, embora desconhecesse totalmente essa história que vc contou nessa postagem, sempre foi não associar Camus a Sartre e também a Aldous Huxley, George Orwell e Kafka... Toda vez que eu penso que enquanto minhas atuais companheiras de leitura estavam lendo Harry Potter enquanto eu lia esses malucos eu tenho vontade de matar meu professor de filosofia por ter indicado a leitura kkk...

    Esses autores foram as primeiras pessoas a me fazerem pensar a respeito da minha fé de forma questionadora e de certa forma direcionaram meu olhar para coisas que eu não veria hoje se não fosse eles... E a parte meus surtos homicidas "O estrangeiro" faz parte de minha biografia literária, já perdi a conta das releituras e nem sei porque direito, uma história tão absurda, a vida é tão absurda e eu sempre tenho a impressão que ele foi mais julgado por ter deixado a mãe em um asilo do que por ter matado um homem... mas posso está enganada quanto a isso...

    Enfim, curti Luma, foi um texto informativo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Pandora!!
      Agradeça ao seu professor por mim! Se tu tens a cabeça que tem hoje, não deve a Harry Potter... rs.
      A sociedade não quer aceitar as críticas e por isso prefere condenar! Matar um homem, existem explicações para isso, mas deixar uma mãe no asilo... vamos dizer que na Europa os velhos mofam sozinhos e por mais que as famílias tenham sido unidas, acham normal que a velhice seja solitária.
      Obrigada. Pandora!!
      Beijus,

      Eliminar
  3. Li e aprendi. Gosto muito de "ouvir" histórias.
    Na realidade também não tenho autor preferido...depois de ter perdido a conta de quantos livros que eu li durante a vida sei que coleciono trechos, frases, por vezes algum capítulo.
    Mas, eu amei seu post.
    Beijos Luma

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Astrid!
      Vamos dizer que Camus é um dos meus preferidos, mas que entre esses preferidos é o que mais me faz a cabeça... rs. Também gosto de transcrever as frases para um livro de anotações, afinal, o livro pode um dia se perder, já as anotações, estão por agora guardadinhas. Beijus,

      Eliminar
  4. Como diz a Astrid, também sempre aprendo aqui contigo! Por isso sempre volto! beijos,lindo domingo!chica

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Chica!! Você é muito querida! Beijus,

      Eliminar
  5. Nunca li Camus. gostei de aprender sobre teu autor goleiro!
    E concordo comm ele sobre demência e luar para encarar este mundo!
    Beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Ana!!
      É preciso um cadinho de loucura e sonho para encarar os dias!!
      Beijus,

      Eliminar
  6. Luma, é sempre um prazer e uma verdadeira aula ler seus textos. Como foi esse! Li O estrangeiro no ano de 1996. Um ano após começar a trabalhar nessa biblioteca em que estou até hoje. Fiquei muito impressionada com esse livro. E ler seu texto me fez ter vontade de reler novamente. El, Sartre, Bouvoir, Marguerite Yourcenar são autores que disse a mim mesma: ainda vou ler mas a hora certa ainda não chegou. Sei que vai chegar! Quem sabe agora, na maturidade eu os compreenda melhor. Parabéns pela participação sempre boa demais!
    Bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Roseli!
      Está certa, antes de ler um livro precisamos ouvir o seu chamado, mas as vezes um livro chama tão baixinho que é preciso aguçar os ouvidos para ouví-lo! Quem sabe agora você se anima? Beijus,

      Eliminar
  7. Oi Luma!Conheço pouco do seu autor favorito,apenas alguns trechos de textos que encontro pela net.Preciso conhecer mais deste autor!Ultimamente tô apaixonada por Rubem Alves...
    Beijos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uma paixão também salutar!! :) Beijus,

      Eliminar
  8. Camus, não é meu autor favorito. A bem da verdade não tenho um favorito. Às vezes leio um livro de um autor que só conhecia de nome. E se gosto e tiver como conseguir o resto da obra, sou capaz de ler todos, como aconteceu com Hemingway, Jorge Amado, Irving Wallace, Eça de Queiros e mais uns quantos. Se não consigo entender o que leio ou não me diz nada a leitura, nunca mais pego nesse autor.
    E Como em Portugal se festeja o dia das mães deixo um abraço especial.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bom gosto, Elvira!! Tenho muita inclinação por Camus, mas tem outros autores que gosto muito e Jorge Amado é um deles!
      Obrigada pelo carinho!! Aqui no Brasil, comemoramos o dia das mães no próximo domingo! Beijus,

      Eliminar
  9. Texto esplêndido, Luma, escolha adorável. Não poderia esperar menos vindo de você. Gostosa esta breve revisita a Camus, através do teu olhar sensível e inteligente. Na briga entre os dois gigantes do pensamento francês, meu coração sempre se inclinou um pouquinho para o lado de Jean Paul (sacumé, sou um velho comunista renitente), mas nunca deixei de lado a afeição pelo ideal libertário de Albert. Por brevíssimo tempo, nos anos 80, em homenagem ao filósofo cheguei a dar baforadas em Gauloises nos botecos do Bomfim, na época o ponto de encontro da intelectualidade gaudéria (no meu caso, um pretenso intelectual). No mais, a questão por ele colocada continua atual: "O suicídio é a grande questão filosófica de nosso tempo, decidir se a vida merece ou não ser vivida é responder a uma pergunta fundamental da filosofia".
    ***
    Não vou participar da blogagem coletiva. Compromissos profissionais e a falta de organização não me permitiram escrever nada digno de publicação. Mas é bom te ler. Beijo e abraço. Pra cima com a viga.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Jens!!
      Acho que ao preferir Sartre, você está defendendo o seu ideal, mas aceito as suas justificativas... Ah, gostei!! Você não é taxativo e isso é bom demais!! (rs*)
      Eu entendi, Jens... e também que não está com o blogue ativo. Fica o meu convite, se quiser publicar no "Luz".
      Beijus,

      Eliminar
  10. Luma
    como eu gostaria de participar de meu autor favorito. Mas estou muito atarefada esta semana e ainda vou viajar sexta feira.
    Pra onde envio mesmo?
    Vou fazer amanha mas se ficar muito ruim. Voce nao publica tá?
    com carinho Monica
    Obrigada por seu comentario

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tudo bem, Moniquinha...
      Fica para a próxima!!
      Você não envia, você publica em seu blogue como eu fiz aqui. A blogagem está sendo organizada pela Aleska Lemos e você pega o link dela abaixo.
      Beijus,

      Eliminar
  11. Uau Luma seu autor favorito é um luxo hein? kkkkk nunca li nada dele, mas essa biografia é inspiradora. É uma pena que Simone de Beuavoir tenha preferido o Sartre. Se tivesse com o Camus tlavez não tivesse tomado tanto chifre.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Verdade, Alê!!
      Acho que o grande erro da mulher é acreditar que o homem pode mudar um dia. As pessoas não mudam com o passar do tempo, elas só pioram... rs.
      Beijus,

      Eliminar
  12. Poxa, seu texto me fez refletir que não tenho um autor preferido. Quem sabe agora eu mude? ;] beijos e bom restinho de domingo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Barbie!
      Você só escolhe o seu autor favorito depois que tiver lido bastante e acontece naturalmente... deixe acontecer!!
      Beijus,

      Eliminar
  13. Luma, passeia lá pelas estações do metrô

    http://www.facebook.com/metrospotted?ref=stream&hc_location=timeline

    Bj

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Ana Paula!!
      Li a reportagem na revista Veja, muito legal!!
      Beijus,

      Eliminar
  14. Vou tentar participar.... já vou lá ler!

    Agora quanto ao seu autor, quanto luxo hein?? Chique mesmo!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, amore... Camus é um luxo acessível para todos :) Vamos nessa? Beijus,

      Eliminar
  15. OI LUMA!
    GOSTO MUITO DE LER, MAS, CONFESSO QUE NÃO CONHECIA CAMUS, MAS VOU TENTAR CONHECER ALGUMA OBRA DELE PARA PODER TER UMA IDEIA DE SUA OBRA.
    ABRÇS AMIGA
    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Faça isso, Zilani!!
      Beijus,

      Eliminar
  16. Luma eu não conheço Albert Camus, mas a frase “É preciso um pouco de demência e de luar para encarar esse mundo!” me arrebatou, tô até pensando em pegar emprestada pra por no layout do Pitacos de Lua - tudo a ver comigo, e até 'combina' com o título do blog 'lua...luar...' :)

    Ma principalmente, creio que tem relação com a minha forma de ver a o mundo.

    Eu já tive autores preferido, hoje leio um livro por ouvir falar dele, leio alguns antes de ver o filme, enfim, leio pelo livro, pela história, não pelo autor.

    Ler por causa do autor eu já li quando era garota: Adelaide Carraro, Sidney Sheldon, Shakespeare... eram coleções que um vizinho tinha.
    aliás, por causa da Adelaide Carraro eu quase fui expulsa do colégio de freiras que eu estudava por fazer um trabalho usando um livro dela rs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Lu!!
      A frase em questão não é de Camus... rs. Fico feliz que ela tenha dito alguma coisa para você.
      Eita, expulsa de um colégio por gostar de um autor? Ainda bem que o mundo "evoluiu".
      Várias pessoas que participaram da BC não escolheram apenas um autor e compreendo. Tenho vários autores favoritos, mas Camus defende algumas ideologias que batem com o meu modo de pensar a vida!
      Beijus,

      Eliminar
  17. Luminha... Camus é a sua cara, ou seria o contrário? Dizia ele que diante do absurdo, devemos "nos revoltar". A "revolta" é a consciência de um destino esmagador, mas sem a resignação que deveria acompanhá-lo. Gostei do homem revoltado e a peste. Bjs,

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nem um, nem outro... mas por obra das circunstâncias da vida, eu sou conivente com vários pensares de Camus.
      Você faz a constatação que algo está errado e não fazer nada, é o mesmo que concordar com o imposto. A revolta é manifestação de vida!
      Beijus,

      Eliminar
  18. Confesso que não conheço a obra de Albert Camus, mas vai entrar na minha lista de autores para ler antes de morrer. Parabéns pelo post!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não demore... vai que goste demais, então não espere muito para ler! Beijus,

      Eliminar
  19. Bem... pra uma mulher do teu "calibre" a gente nem poderia esperar menos pra um "autor favorito"... hehehehe! Arrasou, Luminha!
    Morri com o link que deixastes no TPM... realmente alguns melhoram e outros simplesmente "desbundam"... hahahaha! Beijos,queridona!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O calibre de Camus satisfaz várias vertentes do pensamente e tenho quase certeza, pois isso não podemos afirmar, de que possivelmente gostaria dos seus escritos.
      Ah, se esse desbundar fosse no bom sentido... rs.
      Beijus,

      Eliminar
  20. Bela escolha, Luma! O meu favorito é o Gibran, mas o Camus é mesmo muito bom! Boa semana.

    ResponderEliminar
  21. Querida quero deixar aqui meu abraço e meu aplauso pelo sucesso da campanha Bookcrossig Blogueiro.Parabéns!
    Sobre Camus realmente merece a nossa deferência. Meu carinho e agradecimento pelo generoso e lindo comentário deixado no meu Blog.
    Bjs Eloah

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Eloah!! Não seria um sucesso se não fossem os participantes. O mérito é todo deles!!
      Você é muito generosa! Merece todo carinho!
      Beijus,

      Eliminar
  22. nossa, e eu nunca o li :( vc o mostrou muito interessante :)
    amiga, sua visitinha me deixou feliz, vc sabe que a admiro muito =) enfim.. realmente outra fase, sem tempo para me inspirar e escrever como antes.. mas me divertindo com papel quando a filhota dorme e fazendo assim uma carreira paralela muito mais colorida rsrsrs faço álbuns de scrapbooking e outras coisas afins.. precisando de algo, é só falar. =) beijocas, rah

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Rah!! Ele é interessante, pode acreditar! :)
      Eu entendo... é o tempo que arruma para si. Curta bastante a filhota!! Beijus,

      Eliminar
  23. Aprendi muito sobre esses dois autores e descobri que
    até os famosos se estranham!
    Pelo que li Camus era mais decidido .
    Como existe livro para ser lido! acho que não li nada na vida.
    sempre tem livros que jamais pensei em ler!
    beijos e tenha uma boa semana
    Zizi

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Dois homens que a ideologia separou. Sartre era um doido varrido, chato e egocentrico. Eu não seria amiga dele! (rs*)
      Beijus,

      Eliminar
  24. Querida amiga

    Cada palavra
    ou autor,
    que inspira
    nossa vida,
    acorda novos
    sentidos
    em nossa caminhada.

    Viver é acima de tudo,
    a arte de abraçar os sonhos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Enquanto não pudermos viver os nossos sonhos, vamos sonhando com eles!! Nossos autores favoritos são especialistas em nos colocar em outros mundos! Obrigada pelos comentários sempre encantadores!! Beijus,

      Eliminar
  25. Oi Luma,

    que texto interessante, adoro filosófos e grandes escritores.

    Bejim e ótima semana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que ótimo!!
      Boa semana para você também!
      Beijus,

      Eliminar
  26. Oi Luma
    Agradeço o carinho e votos pelo dia de hoje.
    achei graça quando você mencionou por lá que é de Lua, na verdade acumulei os selos recebidos e fiz só um post, então fica meio que confuso, estava sem poder postar na semana passada e foi uma confusão total.
    Imagine que aqui no Pará a comida leva muita pimenta e tenho que avisar a todo instante que sou alérgica, com você poderia dividir um prato com certeza.
    Pregar partidas pelo que pude entender é dar calote, não tenho certeza e ganza é baseado.
    Sou muito curiosa em questão de livros e este seu texto atiça muito bem algo dentro da gente querendo mais, não conhecia estas obras e já ouvi falar dos autores, mas nunca me chamou a atenção, fico as vezes pensando se estou lendo corretamente, se é que existe uma maneira certa de ler, na verdade leio de tudo. Mas percebo que tem leitura mais interessantes e com elas podemos aprender mais.
    Parabéns por sua participação nesta blogagem que virou um luxo de autores e obras, fiz uma lista dos próximos livros a comprar.
    Mais uma vez agradeço a carinhosa visita.
    Boa semana. Beijos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Verinha!!
      Você merece todos os votos de felicidade.
      Não estava confuso, pelo menos para mim...
      Esse lance da pimenta, já tentei comer aos poucos, mas não teve jeito, o mínimo que como começo a inchar todinha! Então não arrisco. Já pensou ter um choque anafilático por causa da ardida?
      Não podia imaginar o significado dessas palavras!
      Não me lembro como cheguei a Camus, mas tenho certeza que não foi por causa das minhas amigas. Tenho amigas que odeiam ler, olha só! O melhor modo de conhecer de tudo um pouco é o modo que faz!
      Beijus,

      Eliminar
  27. Oi Luma, sou a Gabi filha da Verinha, obrigada pelo seu comentário no meu texto que mamãe postou fiquei muito feliz! Beijos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Gabi!!
      Fiquei super feliz com a sua visita!! Seja bem-vinda!! Os elogios foram porque mereceu!! Beijus,

      Eliminar
  28. Luma,
    com sua postagem fiquei pensativa: não tenho autor preferido. Na verdade, nunca pensei sobre o assunto.
    Também descobri que nunca li Camus. Outro assunto para ser pensado e mudado.

    Uma semana bem feliz para você! :)

    Abraços,
    Carol
    Um blog simples
    Facebook

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Carol!
      Bom saber que é susceptível as mudanças!! Sou a favor de a cada dia provar algo novo!! Isso realmente alimenta a nossa alma e a novidade nos faz bem mais feliz!! Beijus,

      Eliminar
  29. Oy, Luma,

    Camus é o melhor ~ Rock On ~ beijus ~!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Hi, Erik!
      Good to see you here, gone!
      Miss you, my friend!
      :)
      Beijus,

      Eliminar
  30. Eu gosto mt de "o estrangeiro", acho mt bom mesmo, esse livro. Mexeu comigo qd li, mas nao conheco mais nada de Camus, devo confessar... acho que vc despertou algo em mim, agora, Luma.

    E adoro Simone de Beauvoir, ja li esse livro, a forca das coisas, para mts, deve ser entediante, mas eu adoro,tenho aqui em casa mas ninguem nunca teve coragem de ler, é enorme, rsrs, eu ja to querendo reler.. ela conta parte de sua vida, ate mesmo qd esteve no Brasil. eu adoro essas coisas cotidianas, sabe? principalmente de antigamente, e mais ainda, passadas em paris, tenho um vontade danada de ter vivido ali, naquele tempo, naquela epoca, em meio aqueles intelectuais fumantes, beberroes e sempre ouvindo blues... ahhhhhh, por isso adoro o filme meia noite em paris, ahahahah

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Nina!!
      São autores de uma mesma época de muita reflexão!!
      Esses livros "entediantes" não é para ler em uma sentada. Por exemplo, a bíblia é um livro entediante para muitos e mesmo para aqueles que adoram ler a bíblia, eles não lêem em uma sentada. Existe um modo diferenciado para ler esses livros... mas se você conseguir ler em uma sentada, tanto melhor! :)
      Eu também queria viver aquela época em Paris! Fiz até um postezito falando sobre isso... Tonitruantes!
      Beijus,

      Eliminar
  31. Oi Luma! Um autor fantástico e a frase que encerra a postagem é extravagante e como serve à atualidade! Lembra-me outra frase ouvida de um padre: "a ignorância salva". Um dos meus autores favoritos é José Murilo de Carvalho. Beijo!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Renata!!
      Não quis vir blogar com a gente? :)
      Beijus,

      Eliminar
  32. Luma, também gosto muito de Camus. Já li todos os livros dele traduzidos em português e como na minha juventude li também todos os livros de Simone de Beauvoir e Sartre, (que tenho até hoje na estante) "encontrei" muitas vezes com Camus por lá...
    Falando em autor preferido, tenho muitos... qualquer dia vou fazer um post sobre eles.
    Entre os brasileiros, o meu mais querido é o maravilhoso Pedro Nava, que inclusive há tempos fiz duas matérias sobre ele no extinto "Jornal da Tarde "(do grupo Estadão).
    Ótimo post, como sempre!
    Beijos e uma boa semana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Sônia!!
      Quase não sei nada sobre você e pude constatar agora! Eu não sabia que trabalhava para jornalões... eu quero te ler!!
      :)
      Beijus,

      Eliminar
  33. Passando para ver as novidades por aqui, parabéns. Uma otima semana
    Um abraço carinhoso
    Paty Alves
    Amor Verdadeiro
    Patyiva
    Vou Conseguir

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ótima semana para você também!!
      Beijus,

      Eliminar
  34. Olá amiga!
    Há quanto tempo?! Saudades muitas!
    Desde que a minha princesinha mais pequena nasceu, não tenho tido muito tempo nem energia para as bloguisses. Com muita pena minha, não tenho tido tempo para as visitas aos blogues das amigas virtuais que tanto gosto.
    Hoje obriguei-me a vir, porque além de querer espreitar como andam as coisas nestes pequenos mundos, tenho também uma novidade para contar:
    Fiz uma página no Facebook que se chama “Stock Off Bem-Trapilho” para escoar as peças Bem-Trapilho que ainda me sobram cá por casa. O objetivo é acabar de vez com as caixas e caixinhas que ainda por aqui andam. Então, tenho tudo a preços baixinhos baixinhos. É aproveitar amiga!
    Por isso, venho convidar-te para passares por lá (www.facebook.com/BemTrapilho), fazeres um “gosto” na página (para não perderes pitada das novidades que por lá vou pondo) e se puderes divulga please! Dada a minha falta de tempo, a divulgação por parte dos amigos é fulcral para o “negócio” andar para a frente. ;) Muito obrigada, amiga!
    Um beijinho muito grande.
    Paula
    Facebook: www.facebook.com/BemTrapilho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Paula!!
      Que felicidade ter uma princesinha em casa!! Está certa em deixar o mundo blogueiro de lado! Eu também faria o mesmo!!
      Vou lá visitar e qualquer coisa me avisa!!
      Beijus,

      Eliminar

  35. Olá, Luma..:)



    Hum...segundo Camus, "é preciso um pouco de demência e de luar para encarar esse mundo", por isso sempre achei que os "normais" são mais felizes...:))
    No primeiro semestre de 2013 será lançado o novo filme denominado " Koto no Ha no Niwa"= Garden of Thousands Pieces of Words, de Shinkai Makoto.
    Vou deixar links para quem quer saber mais tah:
    01- Shinkai Makoto - Koto no Ha no Niwa=The Garden of Words - Trailer version
    03- Shinkai Makoto - Koto no Ha no Niwa-Garden of Words - Blog
    Ótemo e ótima semana!
    A big Hug and Tchauzinho
    Música:
    01 - Barbara Streisand - Evergreen


    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Elena!!
      Barbara Streisand, linda!! Houve tempo que a ouvia o dia todo!! Amo!!
      Que arte bonita, que delicadeza!! Vou querer assistir ao filme!
      Obrigada!!
      Beijus,

      Eliminar
  36. muito interessante, confesso q ñ conheço este autor mas me intrigou a sua descrição para o primeiro livro citado, axo q vou procurar para ler rsrsrs
    bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Hei, Carol!! Leia bastante!! Sempre bom para a nossa mente! :) Beijus,

      Eliminar
  37. Nunca li nada de Camus. Prá mim é dificil escolher um único autor. Gosto dos livros do Sidney Sheldon, da Agatha Christie e de outros autores.
    Big Beijos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Compreendo, Lulu... Beijus,

      Eliminar
  38. Luma,
    curto demais estas peculiaridades que vc sempre nos traz sobre os escolhidos aqui.Me senti no filme do Allen, no "de Flore" atenta e sedenta deste embate personalíssimo de cada um dos interlocutores.
    Não li Camus.Ensaiei muitas vezes e outros interesses o colocaram pra escanteio na minha pilha;ô injustiça!
    Me redimirei, ainda mais agora diante deste teu instigante texto.Aprendi e curti muito.Valeu!
    Boa semana.
    Bjkas,
    Calu

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Calu!!
      Isso também aconteceu comigo! Negligencie Camus por muitos anos e num dia que "não tinha nada para ler" peguei-o e nunca mais larguei! Não estou com nenhum exemplar comigo, pois os amigos e a família resolveram ler influenciados por mim! Ah, esse filme do Woody Allen satisfaz um sonho de muitos leitores - imagina conversar com Hernest... rs.
      Beijus,

      Eliminar
  39. Comprei "A Peste" através do Círculo do Livro (nem sei se existe ainda!). Não sei se escolhi erradamente este livro para minha idade na época. Talvez um outro livro dele tivesse um destino diferente. Uma colega do colégio pediu emprestado e me emprestou um livro fotográfico sobre viagens. Lá ficou, pois ela gostou. Não cheguei ao meio do livro. Pedi ao Rui o dele e vai buscar a casa da mãe dele para eu reiniciar a caminhada com o Camus.
    Bjs.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que boa notícia, Luciene!!
      A Peste é um livro que você precisará ler mais devagar. Lembro que lia uma frase mais de duas vezes, não porque não entendia, mas porque pensava na genealidade da escrita do pensamento! (rs*) Doidinha, né?
      Beijus,

      Eliminar
  40. Oi Luma! Comecei a ler Camus no ano passado e quero ler absolutamente tudo! É preciso um pouco de loucura sim. Não tenho um autor preferido, não consigo escolher. Bjs.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Patty!!
      É mesmo muito difícil escolher. Vou pelo momento e Camus surge em meus pensamentos em muitas circunstâncias. Já sentiu como se conversasse com os livros que leu? Essa loucura a que me refiro na postagem :) Beijus,

      Eliminar

Tenha identidade, não seja anônimo na web. Crie sua identidade virtual.

...bisbilhotaram em quietude, sem solidão

PlagSpotter - duplicate content checker tool
Licença Creative Commonsget click

Algumas coisas não têm preço


finalista the weblog awards 2005finalista the weblog awards 2006
finalista the weblog awards 2007weblogawards 2008
Verificar conteúdo duplicado

Me leve com você...

Leia o luz no seu celular

Copyright  © 2014 Luz de Luma, yes party! Todos os direitos reservados. Imagens de modelo por Luma Rosa. Publicações licenciadas por Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial- Vedada a criação de obras derivadas 2.5 Brasil License . Cópia somente com autorização.

Tem sempre alguém que não cita a fonte... fingindo ter aquilo que não é seu.

Leia mais para produzir mais!

Atenção com o que levar daqui. Preserve os direitos autorais do editor