Comentários racistas e pedófilos sobre a mulher angolana no programa de Jô Soares geram onda de protesto no Brasil

Talvez essa seja uma notícia que particularmente o Jô Soares queira esquecer, mas resolvi mostrá-la somente para ilustrar a nossa ignorância quanto ao continente africano.

Quantos assistiram a este programa e sem conhecimento, acreditaram em tudo que o entrevistado argüiu, para uma platéia exclusiva, que se auto entitula "esclarecida", pela justa explicação que dão ao selecionar o programa para o horário em que é apresentado.

Tomei a liberdade de grifar a indignação de Mailsa Carla Passos e Aldo Medeiros.

Comentários racistas e pedófilos sobre a mulher angolana no programa de Jô Soares geram onda de protesto no Brasil

"Acabo de receber um e-mail que originalmente foi postado por Vilma Piedade do Movimento de Mulheres Negras do Rio de Janeiro.

Ela envia o link de um recente programa do Jô Soares onde ele entrevista um sujeito que atende pelo nome de Rui Moraes e Castro.

O tal foi no Jô sabe para quê? Para explicar a relação do penteado das mulheres negras de Angola com as suas vaginas", escreve Ranato Rovai, editor da revista Fórum no Brasil.

"Entre outras coisas o tal mostra um corte de cabelo, que segundo ele foi armado com bosta de boi e fala que aquela mulher quer mostrar que está "mais apertada". E diz, em resumo, o seguinte: "como o negro começa sua relação sexual com seis, sete anos e essa mulher já tem 20, 21 anos ela está velha, acabada, larga. Então ela fez uma operação no clitóris a sangue frio, com uma faca de sapateiro, e fica mais fechada. Com esse cabelo ela está dizendo ao homem que voltou a ficar fechada e que vai dar tanto gozo ao homem como uma garota de sete ou oito anos...".

"Sabe o que o Jô fez, divertiu-se a beça com a história. E continuou a entrevista com preconceitos e histórias horrorosas assim por mais uns cinco minutos."

Outros protestos referem que o "Jô Soares e sua equipe deveriam se informar melhor sobre a história pessoal de seus entrevistados e o conteúdo que supostamente têm a oferecer. Em sua ignorância o senhor Morais e Castro chega a afirmar durante a entrevista – entre outras coisas – que certa região de Angola situa-se perto “da fronteira com a África do Sul”. (!)
Ficamos nos perguntando no que aquele conjunto de impropérios, preconceitos, comentários jocosos e degradantes, absolutamente descontextualizados, vem contribuir para um projecto de sociedade mais justa, mais tolerante, mais equânime – projecto com o qual nos identificamos e para o qual temos trabalhado em nossas áreas de actuação profissional e de militância política.
A cena dantesca de dois homens “bem-sucedidos” e com acesso a uma rede de televisão com o poder da Globo (não só no Brasil, mas também em Portugal e em Angola) fere gravemente tanto a nossa constituição quanto o projecto – construído a duras penas – de uma sociedade brasileira aberta à compreensão e ao respeito pelos diversos grupos culturais que a compõem, suas práticas e sua história. A nosso ver, isto é o que torna a humanidade o que ela é: rica, porque diversa.
É impossível silenciar diante desta manifestação torpe de racismo e etnocentrismo. Esperamos como cidadãos e cidadãs uma retratação dos protagonistas deste circo dos horrores, para que possamos continuar nosso trabalho diário junto a jovens, educadores e crianças e reafirmar que o tempo de desqualificar o que não compreendemos e de tratar o diverso como animalesco já passou", escreve Mailsa Carla Passos e Aldo Medeiros. VEJA O VIDEO AQUI.
O programa do Jô Soares a muito deixou de ser um programa cool e passou a ser chato, com um apresentador que a toda hora quer nos dizer "Olha como sou engraçado" entre outros adjetivos. Não sei que fim deu este caso, após o protesto do Movimento de Mulheres Negras do Rio de Janeiro, mas este fato vem nos provar que, não somente nós corremos o risco de nos equivocar com a cultura alheia, também aqueles que se dizem esclarecidos estão expostos à isso. Infelizmente não há desculpa para um programa se equivocar; as matérias passam por triagem e nessa triagem é feita uma pesquisa para saber, entre outras coisas a aceitação do tema - bizarrices à parte, que um programa público tenha mais critério ao analisar aquilo que será mostrado ao público. Chega de apelação!

Além da matéria ser de extremo mal gosto, é preconceituosa e, se o Brasil acha que está um passo à frente do continente africano, deveria se resguardar e se reservar a não rir da desgraça de uma nação irmã.

Este texto faz parte da blogagem coletiva, proposta pelo Carlos Hotta, do lablogatórios, cujo tema: África - foi escolhido para nos dar a chance de conhecer mais sobre este grandioso continente. Muitos já postaram suas participações na blogagem que teve início no dia 14 e termina hoje, dia 20. Então, está esperando o que? Participe também!!

12 comentários :

  1. Luma, eu escrevi um comentário tão grande que preferi publicar no blog deste link:

    http://www.holistica.com.br/artigo1

    Outro detalhe, é que o entrevistado não diz que Angola faz fronteira com a Africa do Sul... ele diz que a região de Katakero, quase na fronteira da África do Sul, mas, não diz que é a Angola que faz fronteira com a Africa do Sul.

    ResponderEliminar
  2. Na verdade o Jô, apesar de ter um jeito especial de fazer entrevistas, peca sempre pelo inrustido preconceito. Com relação ao nordestino este comportamento é antigo e este é um dos motivos pelo quais deixei de vê-lo. Você fez muito bem em dar guarita a este tipo de protesto. Um abraço, Lygia Prudente.

    ResponderEliminar
  3. Enalteço e parabenizo ponderação inserida a esta publicação, até porque tenho também minha reserva quanto ao movimento negro desencadeado no Brasil, por considera-lo preconceituoso. Mas, o que interessa e enalteço aqui é que, na codição de porfissional de televisão, digo que tais fatos acontecem porque as emissoras entupiram suas equipes de produção com estagiários e profissionais jovens demais, inexperientes. Daí vazarem situações com esta e num programa que, concordo com a publicação, se perdeu no tempo e no espaço.
    Cadinho RoCo

    ResponderEliminar
  4. Que absurdo, Luma!
    Eu não vi o referido programa até pq de uns tempos pra cá o Jô perdeu um pouco do seu brilho e eu tenho conseguido (grazie a Dio) dormir mais cedo, mas se realmente aconteceu este fato narrado por você, é o caso gravíssimo e inadmissível! Nem tenho mais o que dizer.

    Beijo

    ResponderEliminar
  5. Extremo mau gosto, para alguém que pretendia ser o David Leterman do Hemisfério Sul, cruzes, passou longe.

    Horrivel e dispensável

    Abraço

    ResponderEliminar
  6. Luma, há muitos aspectos neste episódio que merecem análise separada.
    O primeiro é o programa do Jô, as pessoas dizem: "no programa do Jô", sem saberem quem disse algo, qual a credibilidade, portanto, tudo que é dito no programa, caso não haja explícita manifestação contrária do apresentador, recebe a chancela de Jô Soares.
    A segunda questão é o que o entrevistado disse, provavelmente uma série de ilações sem base em metodologia científica, achismos tratados como fatos.
    A terceira questão é mais delicada, pois há patrulhismo ideológico de grupos militantes que também não adotam metodologia científica no tratamento de questões envolvendo negros. Por isto estamos consolidando o engodo das cotas, um passo para acentuarmos o racismo e chegarmos ao segregacionismo. Nas sociedade tradicionais africanas há poligamia que envolve casamento de crianças com homens adultos e até mesmo velhos. A venda de mulhers, por suas famílias, têm até nome, alembamento em Angola, lobolo em Moçambique... Podemos até discutir as causas econômicas, como o fato de o homem, nas economias tradicionais africanas dedicar-se à caça e a mulher dedicar-se à agricultura; o fato de não existir propriedade privada da terra, como entre nós, apenas a posse (é dono quem usa a terra), a mulher subordina crianças e velhos na agricultura, quanto mais mulheres um homem tem, mais terras ele tem, pela expansão da atividade agrícola, a ponto de tornar-se régulo. Os grupos de militantes negros tendem a esconder isto, como escondem o fato de a escravidão ser um negócio de brancos e de negros. Vou parar por aqui, pois deixou de ser comentário está quase virando postagem.

    ResponderEliminar
  7. Não sei de onde é o amigo Manoel Carlos, Vivo em Moçambique, sou Brasileiro. Devo respeito as tradições e a cultura do país que me acolheu assim como eles respeitam minha cultura e tradições. Acabei de ver o filme e o que vi não foi comentários a respeito da cultura ou da tradição, vi claramente o típico branco que cá chega, usando da África de turismo sexual (assim como tem no brasil) e um total desrespeito a mulher, negra africana. Por muito menos o programa do Jô abriu espaço para outras pessoas falarem o contrário, espero que este espaço seja aberto, mas se não espero que muitos e-mails cheguem a rede globo a respeito. Os brasileiros não aceitam este tipo de ação depreciativa, do mundo para com nós e de nós para com o mundo!

    ResponderEliminar
  8. ai vai o site para reclamarmos!
    http://programadojo.globo.com/

    ResponderEliminar
  9. Jô Soares? Esse cara não presta. Ele é racista sim. Ele só tem o bira para imitar o Connan O'Brien. Se você soubesse as piadas que ele diz em privado acerca de negro...

    ResponderEliminar
  10. Um absurdo isso. Desconhecia também este fato. Com certeza os dois senhores em questão desconhecem a terrível tradição em alguns povos africanos da Mutilação Genital Feminina (MGF), prática esta que é combatida fervorosamente por muitos. Como alguns amigos comentaram, deve-se conhecer melhor as culturas para comentá-las.

    ResponderEliminar
  11. Se o vídeo não estiver disponível, por favor me avisem! A Rede Globo tem tentado tirá-lo do ar e sempre tenho que atualizar aqui. Obrigada!

    ResponderEliminar

Tenha identidade, não seja anônimo na web. Crie sua identidade virtual.

...bisbilhotaram em quietude, sem solidão

PlagSpotter - duplicate content checker tool
Licença Creative Commonsget click

Algumas coisas não têm preço


finalista the weblog awards 2005finalista the weblog awards 2006
finalista the weblog awards 2007weblogawards 2008
Verificar conteúdo duplicado

Me leve com você...

Leia o luz no seu celular

Copyright  © 2014 Luz de Luma, yes party! Todos os direitos reservados. Imagens de modelo por Luma Rosa. Publicações licenciadas por Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial- Vedada a criação de obras derivadas 2.5 Brasil License . Cópia somente com autorização.

Tem sempre alguém que não cita a fonte... fingindo ter aquilo que não é seu.

Leia mais para produzir mais!

Atenção com o que levar daqui. Preserve os direitos autorais do editor