Isto não é um blogueiro


René Magritte foi o primeiro pintor figurativo do pensamento abstrato a querer apresentar numa imagem, o sonho e o pensamento humano. Você provavelmente conhece "ceci n’est pas une pipe" (Isto não é um cachimbo) 🔝 

São muitas as questões que esta obra-prima nos coloca. Mas se não é um cachimbo, o que é? :)

René Magritte destaca a relação entre o objeto, sua representação e a linguagem "A tinta deve ser usada para outra coisa que não a pintura". Poucas emoções emergem de suas obras, mas dão rédea solta à sua imaginação.

Magritte era calmo e sábio e, não deixava transparecer seu mundo interior. Esta famosa frase foi repetida inúmeras vezes! Você pode não entender o porquê... Mas é bom constatar que já pensamos nisso! 

A escolha de Magritte neste cachimbo não é trivial! Você realmente pensa que ele também não pensou nisso? Não existe realidade se não existe verdade. 

"Não existem fatos, apenas interpretações" (Nietzsche) 

Moralmente, a verdade mudaria conforme a interpretação de cada pessoa ou seria o tempo, o responsável por mudar os valores, mudando a moral de um povo, a interpretação dos acontecimentos e representação dos fatos? A pressão do meio molda o comportamento? 

Décadas após a criação do primeiro blogue, não é nenhuma surpresa que eu ainda veja espanto nas pessoas quando digo que tenho um blogue e mais ainda quando percebo que não entendem o que consiste o ato de blogar. 

Acessar a internet não causa entendimento para as motivações do outro e ironicamente, após passado tanto tempo, usam "blogueiro" como pecha quando querem desclassificar um jornalista. Mais absurda essa prática quando parte justamente daqueles que deveriam saber a diferença entre um blogueiro e um jornalista. 

“A informação divulgada pelos meios de comunicação pública se pautará pela real ocorrência dos fatos e terá por finalidade o interesse social e coletivo.” artigo 3º do Código de Ética dos Jornalistas.

Já somam dois jornalistas que foram recentemente presos e chamados "blogueiros" com intuito de desqualificá-los e retirar dessas pessoas a proteção que a profissão de jornalista recebe com a classe jornalística conivente, pois não houve defesa pública dos mesmos.

Procuramos justificativas para explicar porque pessoas aparentemente sensatas possuem comportamentos irracionais. Quando o coletivo age de forma sincronizada, sem o tempo como agente, logo a moral é posta em dúvida. Quando validamos um erro, o fazemos para não contrariar o conceito de tudo o que pensamos. 

“Para os autores, a razão não se desenvolveu para nos aproximar da verdade nem para nos tornar mais sábios (ainda que possa fazê-lo), mas, mais mundanamente, para fazer com que fôssemos capazes de justificar nossas ações e persuadir nossos pares a tomar nosso partido.” Helio Schwartsman


Arrisco de ser chamada radical por estar citando esses jornalistas, mas longe de mim defendê-los, não é isso que estou fazendo aqui e independente do que fizeram, me senti incomodada pelo uso depreciativo de "blogueiros".

Qual estímulo temos para a criação digital, senão o amor pela escrita, se ainda precisamos desconstruir preconceitos daqueles que influenciados por outras mídias, querem passar uma informação não real? Também não ofende querer saber sobre os motivos pelos quais querem que a internet seja restrita. Mas antes de falarmos sobre isso, vamos concordar que um blogueiro é um ser livre. Somos os rebeldes! :) Falamos de paixões e sobre assuntos da atualidade por uma ótica que nos é particular. 

No passado já houve censura aos blogueiros e o "Luz" entrou nessa leva porque se meteu a dar pitacos sobre política e olha, ainda não existia a polarização que hoje contamina e emburrece. 

O cérebro da idade da pedra nos engana todos os dias. Por outro lado, cada um de nós provavelmente tem ao menos cinco mil mensagens guardadas dentro de si e só saberá da existência delas, quando tentar colocar essas mensagens para o lado de fora. Usar os recursos da Internet com esse propósito cria um efeito cascata que beneficia a todos. Ainda podemos dizer que blogue também é terapia.

Justin Hall foi o primeiro blogueiro; ele publicou seu blogue em 1° de janeiro de 1994 e seu artigo descrevia sua experiência na Internet. As razões para blogar foram resumidas em cinco funções principais: identidade; compartilhamento; interação social e comunidade; benefício e necessidade; e sociedade e ordem social.

Razões mais específicas incluem o compartilhamento de revelações pessoais, divulgação seletiva, uso de blogues como uma saída emocional ou criativa, redes sociais e publicidade. 

Para aqueles que estudam ou ensinam, os blogues podem ser uma saída para conteúdo relacionado à pesquisa, reflexões sobre sua vida pessoal ou acadêmica (por exemplo, uma jornada de doutorado) ou uma combinação de várias funções diferentes. É fácil encontrar exemplos populares de cada um desses diferentes tipos de blogues. O que eles têm em comum é que são uma saída para o autor compartilhar e escrever sobre seus próprios interesses e obter através dos comentários, opiniões e endossos dos outros.

Você pode ser apenas blogueiro, pode ser um jornalista blogueiro, mas ser um blogueiro jornalista é estranho no meu entendimento, apesar da interação entre os espaços. Alguns jornalões costumam contratar blogueiros e diferenciá-los dentro de um espaço próprio. 


"René Magritte nega aquilo que estamos a ver. A uma primeira análise, o significado desta negação torna-se claro, pois aquilo que estamos a ver não é um cachimbo verdadeiro, mas sim a representação de um cachimbo. Deparamo-nos com um desafio àquilo que se convencionou chamar de "cachimbo", pois a nossa imagem de cachimbo está negada" Paul-Michel Foucault, no livro "Ceci n'est pas une pipe"
 
Estou aqui dizendo "Isto não é um blogueiro" e defendendo nós blogueiros dessa depreciação!

Em tempo: Quero agradecer ao Herbert Drummond a homenagem feita ao "Luz" em seu blogue "Oficina de Gerência". Uma surpresa que muito me emocionou!! Mais ainda quando li um outro post, dessa vez do "Blog Day" onde o Herbert cita o "Luz". Se ainda não conhecem seu blogue, deveriam conhecer! 

50 comentários :

  1. Li tudo ao pormenor e desconhecia algumas coisas e esta obra sempre foi um pouco controversa num tempo em que não havia este mundo de cabos. Quase que diria que René Magritte previa o futuro.
    Nunca fui e nem jornalista mas prefiro mil vezes ler blogues - e o teu é super, mas super desafiante e magnifico porque aprendi e aprendo muito - do que andar no Facebook e outras onde pelo que me dizem é um mar nada navegado e em muitos esbarra-se com ataques horrendos.
    A meu ver um jornalista pode ter um blogue e porque não? Blogueiro em tom depreciativo é caso para dizer que "o mundo está louco" e olha nunca desistas porque marcas e muito a diferença! OBRIGADO!

    Beijocas e um bom dia

    ResponderExcluir
  2. Luma, que impecável teu texto,no capricho! As pessoas realmente não entendem que temos blogs apesar de rapisez das redes sociais da vida... E recebemos os mais diversos nomes > blogueirinhos, defasados, etc. Mas seguimos. Eu ,por exemplo, tenho consciêncoia que continuo pois me faz bem gosto da interação. Nos blogs colocamos nossas ideias, nossos gostos, desejos e seguimos. Acho triste o lado pejorativo dessa palavra !Mas, aqui vemos cada uma e não é de agora,como bem lembras. Apenas agora tudo está mais em destaque pois tudo vira mimimi político e coisas desse tipo... Um saco tudo isso! Gostei de passar aqui! Linda semana! beijos, chica

    ResponderExcluir
  3. Texto bem reflexivo, Luma!
    Por certo, que em tempos atuais, além da falta de liberdade de expressão, onde algoritmos avaliam o que pode ou não ser dito ou escrito, todo e qualquer assunto, vira uma guerra, não se falam de pontos de vista distintos, mas digladiam, por uma única verdade absoluta.
    Acho lamentável, quando depreciam o termo Blogueiro e os tais jornalistas que hoje em dia, por ideais políticos censuram outros de sua profissão, os classificando como Blogueiro, eles estão cavando sua própria sepultura, dia há de chegar que cairão em descredito, assim como o tentam fazer insistentemente , ao depreciar e designar os que pensam diferente deles, como blogueirinho, torcendo inclusive para que estes, sejam punidos, desmonetizados, presos e calados! E ainda tem a pachorra de dizer que é em prol da Democracia. Estranho, uma tal democracia, que somente alguns podem falar o que pensam.
    Gostei de ver a sua manifestação em prol de todos os Blogueiros!
    Boa semana, beijos
    Valéria

    ResponderExcluir
  4. Luma,
    Que reflexão interessante. Não entendo por que rótulos são mais importantes que o conteúdo em si. Após tantos anos, mudei minha maneira de blogar. Vejo meu blog como um espaço íntimo, um caderno de reflexão. Não quero mais ganhar o mundo. Apenas escrever. Você faz um trabalho de qualidade tal qual a de um jornalista, e isto é admirável. Parabéns pelo seu trabalho. No final, esta terapia é que nos acalenta a alma, não?
    beijo, menina

    ResponderExcluir
  5. Gosto da reflexão do seu texto. A crítica dos outro não deve importar-nos se fazemos o que achamos certo. Gosto da sua tomada de posição.
    Uma boa semana com muita saúde.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  6. Concordo plenamente com o comentário da graça!" Gostei de ler!
    .
    Olhar tentador ...
    .
    Beijos. Votos de uma excelente semana.

    ResponderExcluir
  7. Gostei muito deste texto. Parece impossível que tantos anos depois do início deste mundo da blogosfera, ainda haja quem o memorize. E é isso, ou talvez por isso: "somos rebeldes"!

    Beijos e boa semana!

    ResponderExcluir
  8. *menorize. Queria dizer menorize. Quem ache que este é um mundo menor.

    ResponderExcluir
  9. Oi Luma, muito bem elaborado o seu texto!
    Penso que tudo depende do uso, hoje em dia o crime organizado investe em infiltrar ou criar delegados, juízes, jornalistas, advogados, vacilar até médicos estão "formando", tudo isso serve de apoio aos seus interesses.
    Se a pessoa se favorece de uma rede enorme como blogueiro, muito mais do que como jornalista, por exemplo, que tem regras de ética mais exatas e compromisso com os fatos, acho correto ser chamado de blogueiro e não é no sentido pejorativo, é porque a pessoa fez uso dessa ferramenta para seus interesses.
    Infelizmente o bem e o mal existe em tudo que estiver envolvido o bicho homem, em qualquer função que atue ou profissão.
    Ser blogueiro, youtuber, tiktoker... é muito pessoal por mais elitista que se queiram fazer parecer. E outras plataforma sempre aparecerão tirando o "brilho" das anteriores.
    Abração e boa semana!

    ResponderExcluir
  10. Boa noite, Luma!
    Estou com você, precisamos fazer ouvir a nossa voz em defesa da dignidade do termo "blogueiro" que alguns desavisados estão querendo espezinhar. Penso que a utilização do termo "blogueiro" como pecha para desclassificar colegas de profissão é puro preconceito resultante da insegurança dos jornalistas da mídia convencional, que não querem aceitar o crescimento dos blogs sérios e informativos. Talvez resulte também do medo de perder audiência e patrocínios. A meu ver essa atitude, que deprecia por depreciar, além de equivocada é maldosa, - e deve ser combatida sim! - pois du-vi-de-o-dó que eles não saibam que blogueiro não é uma profissão e muito menos uma profissão concorrente com o jornalismo. O que move o blogueiro a escrever é a pura paixão pela escrita. Já os jornalistas, alguns têm essa paixão, reconheço, mas vem sempre imbricada nos interesses pessoais e profissionais, afinal jornalismo é, antes de tudo, uma profissão. Eu vejo assim: não conseguiram calar os blogues, nem tirar-lhes a credibilidade, voltaram-se então contra os blogueiros. Bjs. Marli
    .
    Blog da Marli

    ResponderExcluir
  11. O problema não são as interpretações, as ideias diferentes.
    Essas são saudáveis, bem vindas.
    O problema é a má-fé, as segundas intenções.

    ResponderExcluir
  12. Nossaaaa... li duas vezes de tanto que me identifiquei.Eu iniciei blogueira e pelo blog me formei jornalista. Hoje vivo um conflito constante com essas duas funções. Tenho um post com o título "Me formei jornalista e emudeci" escrito 60 dias após a formatura. Não cursei a faculdade para ser jornalista nos moldes tradicionais de ir em busca da notícia e trabalhar nas grandes mídias, mas aprendi o que é ser jornalista e me orgulho muito do que alcancei. No meu TCC fiz uma análise a partir da observação de elementos textuais e estratégias discursivas, como blogs políticos arquitetam estruturas de argumentação e prática jornalística pessoal em blogs ligados à grande mídia. Muitas vezes já pensei se não era melhor quando eu só achava que eles nos manipulavam, sem a certeza que tenho hoje. A impotência de alcançar tantos ouvidos quanto eu gostaria e a punição sobre quem se joga nesse mundo parecem contraditórias, mas não são. As palavras tem poder, as escritas mais ainda. Um amigo jornalista @profeborto sempre escreve que #pensarnaodoi e eu sempre o contradigo com #pensardoiemuito. Somos seres pensantes e isso para muitos é assustador.

    ResponderExcluir
  13. Oi Luma.
    Mais um ótimo e necessário texto que encontro por aqui. Infelizmente nós os blogueiros raiz, estamos em extinção. Estamos sempre sendo depreciados e geralmente não temos o devido valor ao nosso trabalho, seja ele em qual área for. Gostei muito da sua reflexão e devo dizer que tenho me sentido muito triste com a forma que as coisa vêm caminhando em nosso país. Bjus

    ResponderExcluir
  14. Pois eu sou jornalista blogueiro com muito orgulho! Parabéns por trazer essa reflexão tão pertinente para todos nós.

    Boa semana!

    O JOVEM JORNALISTA está de volta com muitos posts novos! Não deixe de conferir!

    Jovem Jornalista
    Instagram

    Até mais, Emerson Garcia

    ResponderExcluir
  15. Olá Luma
    Elogio e Aplaudo o seu texto.
    Amo interagir e fazer amizades e isto os meus blogs tem me proporcionado.Para mim blogar é uma terapia.
    Deixo aqui um carinhoso abraço para tí.
    Verena.

    ResponderExcluir
  16. Demais a citação do Foucault, perfeita para essa reflexão. O livro, aliás, é maravilhoso e lendo o seu post me deu vontade de relê-lo. Um abraço!

    Não Me Mande Flores

    ResponderExcluir
  17. Um texto superbom, Luma. Há blogueiros e blogueiros. As pessoas também ficam admiradas quando digo que tenho blogs, rsss,além de ser terapêutico, deixo um pouquinho de mim naquilo que compartilho. Sinceramente, conservo os meus "espaços", principalmente por algumas amizades que fiz e que tive até oportunidade de conhecer ao vivo. A gente aprende um tanto sendo blogueiro.
    O meu carinho...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estamos junto Anete. Assino embaixo do teu comentário

      Excluir
  18. Uma reflexão muito interessante...

    Voltei e sinto sua ausência nos meus 'blogs'...
    Me despedi no final de julho, na festa da Amizade...
    Bom fim de semana. Abraço.
    ~~~~~~~~~~~~

    ResponderExcluir
  19. Tens tanta razão!
    Eu levei muito tempo a abrir um blogue pessoal, talvez por ser contida e não gostar de exposição. Uma aluna me convenceu...afinal usava blogue no trabalho :) Há tantas finalidades... Beijinho

    ResponderExcluir
  20. Boa noite. Amei seu texto. Eu nunca me senti diminuida de ter um blog e sempre fiz menção, pois na realidade considero o meu melhor intrumento de trocas de conhecimentos e aprendizado. Cresci muito com os 12 anos de escrita no pensandoemfamilia e lá consta os meus diversos "eus". Bjsss

    ResponderExcluir
  21. Excelente reflexão. Há no mundo da blogosfera, grandes blogues didáticos, criativos, culturais numa diversidade imensa de temas, sendo alguns absolutamente fantásticos e que não são em nada inferiores, a um qualquer artigo feito por um jornalista para um jornal. Cada um cria o seu blogue tendo um objetivo em mente, eu por exemplo, criei o meu blogue como uma forma de aliviar o stress, de me abstrair um pouco das preocupações. É um cantinho muito simples, mas do qual tenho orgulho e nele gosto de partilhar aquilo que me é especial. É uma forma de tentar tornar também mais colorido e feliz o dia de quem me visita.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  22. After read few of the blogposts on your site since yesterday, and I truly like your style of blogging. I tag it to my bookmark internet site list and will be checking back soon. Please check out my site too and let me know what you think.
    Sarah Berger

    ResponderExcluir
  23. Eu faço o que gosto o resto nao me emporto muito se gosram ou nao gostei muito do seu texto bravo bjs saude

    ResponderExcluir
  24. Amei o seu texto! Cada um cria o seu blog com o conteúdo que gosta, muitos serve como uma terapia.

    Parabéns pelo texto.

    Votos de boa semana, beijos.

    ResponderExcluir
  25. Se bloguero es arduo requiere paciencia y constancia. Concuerdo contigo no es lo mismo ser periodista que ser bloguero. Yo utilizo en blog para mandar mis escritos y otras cosas que me interesante. Te mando un beso

    ResponderExcluir
  26. Que baita análise, Luma. E realmente o adjetivo blogueiro é usado de forma depreciativa. E essa analogia que voce fez ficou perfeita. Aliás, desconhecia sobre o primeiro blogueiro. Bjsss

    ResponderExcluir
  27. Ótimo texto! Obrigada pela visita!
    O pano de forno se usa pendurado na porta do forno.
    Ótimo restinho de semana pra você!
    Grande abraço.
    http://dedeartes-denise.blogspot.com

    ResponderExcluir
  28. Luma, primeiramente não vou cometer a redundância de dizer que seu post "Isto não é um blogueiro" é simplesmente magnífico. Um hino aos blogueiros e ao ato de blogar.
    "Segundamente", quero agradecer a menção ao Oficina de Gerência junto ao teu belo conjunto de leitores.
    "Terceiramente" quero te pedir autorização para transcrever este post na Oficina, visto que, como você, sou um orgulhoso blogueiro (desde 2007) e comungo com a tua justa indignação. Grande abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fique à vontade, Herbert! :)

      Excluir
    2. Obrigada Luma. Aproveito para te sugerir que conheça (se ainda não o tenha visto) um novo canal de apoio social que está bem ao teu estilo. É o "Pode Falar". Tem o patrocínio da UNICEF e mais diversos parceiros de peso. Fiz um post de apresentação que está bem completo, mas também o link para visitar o site que é https://podefalar.org.br/ Abraço de sempre.

      Excluir
  29. Ser bloguero es como tener un trabajo más xD

    ResponderExcluir
  30. Muito bom teu texto, Luma, penso que as pessoas que falam muito de uma coisa, e procurando destruí-las, é porque estão muito incomodadas. Não vi em blog algum, ainda, pessoas agressivas, destrutivas, raivosas. Pode até ter alguém, mas não com a frequência que se vê nas redes sociais.
    Infelizmente essa atitude meio doentia é fruto de outras coisas, há pessoas que querem menosprezar o que não fazem. Não ligo nadinha, tenho muito carinho pelos amigos blogueiros, tenho encontrado gente muito querida.
    Luma, quantos profissionais que conhecemos poderíamos dizer "você é 'apenas' um..."
    Mais um cheio de maracutaias! Vemos isso na Mídia todos os dias!
    Na verdade, o que faz um médico, um advogado, um jornalista ou seja o que for, é seu caráter, sua postura diante da sociedade. Blogar não é profissão, pra mim é escrever o que quero, num espaço que me deram na internet; é poder dizer o que quero sem ser interrompida! E isso me basta, gosto disso. Não é profissão!
    Parabéns, querida!
    Beijinho, um feliz fim de semana.

    ResponderExcluir
  31. Oi Luma, se você estiver em Campos do Jordão, a melhor forma para chegar a São Bento do Sapucaí é pela Rodovia Floriano Rodrigues Pinheiro que liga ao Vale Paraibano. No meio do trajeto há indicação para chegar a São Bento. Já para chegar no restaurante Olic, antes de chegar a São Bento há indicação para o bairro Cantagalo (siga o gps). A estrada é de terra, mas fácil tráfego (não precisa ter um 4x4). Vale a pena a visita, pois o lugar é maravilhoso. Sim, em Maria da Fé se produz azeites de excelente qualidade - em nossa penúltima viagem, fomos conhecer.
    Dessa vez chegamos a São Bento saindo de Monte Verde. Pegamos a estrada que liga Monte Verde até Camanducaia. No meio do trajeto há indicação para pegar o acesso, passa por dentro de algumas cidadezinhas do sul de minas e paulistas. Fomos seguindo as indicações até chegar. Também há acessos, por estradinhas de terra que ligam Monte Verde a Campos do Jordão, mas é melhor um 4x4.
    Beijos

    ResponderExcluir
  32. Muito oportuno o seu texto!
    Para além da reflexão que nos propõe, desmistifica aquilo a que se convencionou chamar de "blogueiro".
    A palavra "blogueiro" é um abuso linguístico e inadmissível.
    Entrou no vocabulário apenas para ser um instrumento de fácil utilização para depreciar quem usa um blog para expressar as suas opiniões, talentos e comentário.
    Isto é simplesmente DEPLORÁVEL!
    Tanto mais, que todos sabemos, que os principais inimigos de quem escreve em blogues são os jornalistas. É tão legítimo apelidar os utilizadores de um blog de "blogueiros" como eu entender que os jornalistas ( há excepções), são jornaleiros!
    Basta ler alguns artigos nos jornais, ou estar atento a alguns programas televisivos, para aferir da má qualidade jornalística!

    Muito haveria que dizer... mas já me alonguei demais!

    Um bom domingo e um abraço!

    ResponderExcluir
  33. O pensamento de Nietzsche é aceitável. Perante diferentes situações são possíveis variadas interpretações.
    Afinal, cada cabeça cada sentença.
    Abraço amigo.
    Juvenal Nunes

    ResponderExcluir
  34. Uma ótima reflexão.
    Gosto desses textos que nos fazem analisar e pensar.

    www.vivendosentimentos.com.br

    ResponderExcluir
  35. Oi Luma querida, bt!
    Parabéns pelo belo post e pela reflexão.
    Que vc tenha uma semana de alegrias e sucesso é o que eu desejo!
    Bjsss

    ResponderExcluir
  36. Very interesting post!
    Thanks for sharing 😍😍
    Regards:)

    ResponderExcluir
  37. Buon inizio settimana.

    ResponderExcluir
  38. Não existem factos?! Claro que existem factos!


    Texto muito interessante, como sempre.

    Beijinhosss

    ResponderExcluir
  39. Great article. Succcess for your blog

    ResponderExcluir
  40. Olá, minha cara...
    Sempre admirei Magritte, principalmente por sua "chuva de homens" que sequestrou o meu olhar desde a primeira vez. O seu não-cachimbo me permitiu outras leituras, como escrever um não-livro. Gosto de pensar o contrário das palavras e Magritte serviu como estimulo.
    Estava com saudades de parar por aqui e dialogar. Há tempos que leio-te apenas na caixa de entrada. Mas, hoje Magritte serviu-me de ponte. Não a realidade. Não faço idéia de quem são os ditos jornalistas e como ambos se identificam, qual palavra usam para si.
    Sei, no entanto, que o momento é de extremismos aqui e em outras partes do mundo. Pior é a sensação de fita rebobinada.

    bacio

    ResponderExcluir
  41. Sempre valiosos os seus textos, Luma, que nos provocam muitas reflexões. Pessoalmente, não sei se me definiria como "blogueiro", mas tenho muito orgulho do trabalho que pessoas como nós realizamos por aqui. ;) Meu abraço, amiga; boa semana.

    ResponderExcluir
  42. Interessante análise, eu tenho orgulho em ser blogueira, adoro o trabalho que faço! Como aposto que voc~e também adora!
    xoxo

    marisasclosetblog.com

    ResponderExcluir

...em quietude, sem solidão

Leia o luz no seu celular
get click

Algumas coisas não têm preço

finalista the weblog awards 2005finalista the weblog awards 2006
finalista the weblog awards 2007weblogawards 2008

Me leve com você...

facebooktwitter

Copyright  © 2021 Luz de Luma, yes party! Todos os direitos reservados. Imagens de modelo por Luma Rosa. Publicações licenciadas por Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial- Vedada a criação de obras derivadas 2.5 Brasil License . Cópia somente com autorização.

Tem sempre alguém que não cita a fonte... fingindo ter aquilo que não é seu.

Leia mais para produzir mais!

Atenção com o que levar daqui. Preserve os direitos autorais do editor