Paixão antiga

Você certamente tem a sua sobremesa preferida e, - foi conversando com uma amiga, que contou de uma sobremesa favorita da sua mãe, uma receita ancestral! Tempo em que as famílias se reuniam no Domingo em torno da mesa, horas e horas gastas em conversas e desconversas. Dias em que as mulheres antes e depois da comida pronta, trocavam figurinhas, receitas e confidências. Os homens idem, só que a eles eram reservados os lugares onde a fumaça não era somente a do fogão - que lembrei da saudade.

O mundo se encontra dividido entre os que se lembram e os que se esquecem. É preciso energia para lembrar, é preciso outro tipo de energia para esquecer. Coisas de família, há quem goste e quem desgoste! É preciso ser um herói para saber lembrar e saber esquecer! As pessoas que se recordam estão cortejando um pouco a dor, porque saudade dói! Saudade é festejar a morte de um fato. Parece loucura! Porque cortejamos a loucura por meio da dor. As que esquecem, cortejam um outro tipo de loucura, a de negar a saudade. O mundo se encontra dividido e os corajosos perto do número de loucos, são poucos.

A sobremesa era detalhe, lógico!

Suflê

Nos encontros familiares, os meus pais sempre foram os mais animados. Gostavam das circunstâncias e tudo virava motivo para Mamãe sentar ao piano e meu pai se enroscar no violão. Eram felizes. Eram? Tudo passou, a felicidade ainda existe, mas eles já não estão mais aqui.

Meu avô Policarpo e meu tio "Zequinha" cantavam, os outros ensinavam os mais jovens tudo que se imagina, passavam as suas experiências de vida... as minhas melhores lembranças da infância, sempre foram em torno do alimento, de saciar os olhos e o corpo, lapidando a alma com a convivência familiar.

O "Suflê Especial", tinha uma fina camada de bolo ao fundo, depois vinha um recheio de frutas e por cima o dito suflê como merengue.

suflê

Ainda na lembrança estão os doces de compota, os cremes e os licores.

Eu não gostava de manteiga de amendoim e "isto" sempre tinha na despensa. Quando me deparava com "aquilo", sempre questionava: "Porque compram isto?". Numa dessas, mamãe escutou e retrucou: "Ora, menina! A manteiga de amendoim é ingrediente da "sua" sobremesa favorita! O Suflê Especial sem manteiga de amendoim, deixa de ser especial".

Este foi o meu primeiro drama alimentar, me senti enganada! O dia ficou nublado, o "Suflê Especial" perdeu totalmente a graça e foi substituído pelos queijos grelhados com geleia, que do segundo plano foram promovidos e passaram a ter um outro gosto! Troquei uma paixão por outra!

Então, mamãe mudou a alquimia, cedendo espaço para outros ingredientes. Fez um suflê diferente, leve, vaporoso e cremoso ao mesmo tempo. Simplesmente atingiu a perfeição e a receita do suflê que desaparece na boca passou a ser disputado pela família! O que o tornava tão cremoso?

Paixão antiga revisada, foi a que permaneceu!
Ah, querem a receitinha?

Suflê

Jamais!!

Você tem uma noção muito engraçada do tempo ou então não tem noção do tempo. Como se houvesse muito tempo, você conseguisse colocar tudo em seu devido lugar. Quando digo "tudo", digo de todas as coisas sérias e temíveis, como a saudade, a morte, a dor, o amor... porque quando você não tem tempo, acha que essas coisas estão longe de acontecer.

O tempo da saudade é simples e comum, todos tem! É como água para um peixe. Todos estão na água, ninguém sai dela, ou se sair acontece-lhe o mesmo que sucede com o peixe; ele morre. E sabe o que acontece nesta água? O peixe maior come o menor e o oceano pouco importa! Assim substituímos uma saudade menor por outra maior e a vida não irá se importar. Porque é sempre melhor estar atrasado do que adiantado em relação à vida, para não ser levado para águas profundas e perigosas.

E você, tem paixão antiga?

29 comentários :

  1. Hummm, este suflê deu água na boca !!!
    Puxa vida, paixao antiga ? sei nao.. sao tantas paixoes, tantas que nao consigo saber nenhuma de cabeça ! Se falarmos em comidinhas especiais, como por exemplo uma sobremesa... tenho a torta de sorvete da minha vó paterna Helena.
    É feita com biscoito champagne, uma delicia e inesquecivelmente saborosa. Ahh, adoro me lembrar da infancia que tive, dos menores detalhes, mas que para mim sao tao maravilhosos, que procuro fazer isto com meus filhos...fazer a infancia deles especial !!!
    Bjks pra vc !!!

    ResponderEliminar
  2. Olá, querida
    Bem que vou tentar fazer algo parecido com o que vc sugeriu... Na xícara assim mesmo!
    Ah! Tanto tenho paixão antiga como atual... em todos os sentidos...
    Bem, vou citar um tipo para que não fique curiosa:
    antiga: filhos...
    atual: netos...
    Hum!
    Que delícia!
    Post inteligentemente escrito. Parabéns!
    Muita serenidae e bjs pra vc.

    ResponderEliminar
  3. Luma, e agora? O que eu faço com essa vontade de experimentar este Suflê tão Especial? Estava tão certa de que teríamos a receita no fim da postagem!
    :)
    Agora a saudade... Essa é danada demais... E quando vem, traz cheiros e sabores que nos despertam tantas emoções... E sentimentos até então "esquecidos"...
    Coisas da gente... Coisas que fazem o coração bater mais forte!
    :) Um beijo!

    ResponderEliminar
  4. psé, não consigo deixar de lembrar [ou começar a esquecer, conforme o mundo a que se pertença] do que me é familia. Cheiros. Modos de cozinhar. Rumos das conversas. Almoço de domingo. Silencio das noites. Sinceridade dos diálogos. Empatia no trato. O mesmo vale para algumas pessoas. Sinto-me daqueles herois sem face, que vive dias de loucura, e noites de paz, no silencio dos proprios pensamentos.

    As receitas secretas aqui são as dos chás para gripe, o modo de preparar a canjica, e o pastel. Imbatíveis. A minha, é a do mané pelado [bolo de mandioca/aipim].... cá tem muitos peixes, tenho estado numa fase de oceanografo, mergulhando fundo e estudando quem vai mais além, e quem já pode ser devorado pelo tubarão do tempo.

    a mais antiga das paixoes é a musica [e anacronica, também], e algumas receitas com frango. Beijão :D

    ResponderEliminar
  5. Sou saudosa e adoro relembrar bons momentos principlamente de receitas feitas e aprovadas.
    Adorei teu texto.
    Parabéns memso.
    xeros

    ResponderEliminar
  6. Luma, apaixonante seu texto. Faz a gente reviver tanta coisa. Você vem de uma família italiana? Portuguesa? Lembrei dessas famílias, como a minha, onde a festa gira em torno da mesa, onde a comida é carinho oferecido pelas avós, tias e mães. Minha paixão é a comida, sempre foi. Por isso agora luto para perder peso. mas como perder a paixão? Seu texto sobre a saudade está uma delícia. bjs

    ResponderEliminar
  7. Bom dia Luma!
    Venho de um "dia cinzento" para uma
    "lembrança antiga". Se tenho uma? Claro. Com fogão a lenha, conversas misteriosas e tudo.
    São as boas lembranças que guardo com carinhho e são revisitadas quando, por exemplo, leio um texto como o seu e sorrio pensando nelas...

    Beijos.
    Anny.

    ResponderEliminar
  8. Luna
    Lindo seu texto e o que me fascina é esta diversidade do ser humano de percepção e sentimentos. Saudade, para mim, não dói, muito pelo contrário dá vida aos afetos entranhados na alma e que se expande no transcorrwer da vida por outras seres queridos.
    Fiz um texto na blogagem vida simples que fala justamento desta forma de entender a saudade, aque dei o nome Sabor do Afeto.
    Maldade sua não passar para nós a receita deste suflé que nos encheu os olhos, rs,rs,
    Bjs,

    ResponderEliminar
  9. Luma, cliquei no "Jamais!" pensando que ali estava a receita! Humpt! Você é mazinha, heim?!
    Nossas melhores lembranças de infância, fora as brincadeiras, passa pela comida.
    Agora, imagina: o que as crianças de hoje vão ter para lembrar? (a maioria).
    Qual o melhor sanduiche? Qual fast food oferece a melhor lembrancinha? Que batata frita é a mais crocante, de qual lanchonete? Que pizza tem melhor sabor? Sei lá!
    Já não se fazem mães como as de antigamente (exceções há, muitas)nem avós... (minha parte).
    Beijos!

    ResponderEliminar
  10. Se eu for comentar, choro. Hoje não posso. Fica para um próximo post.

    Bj,
    Michelle

    ResponderEliminar
  11. Ah! E esse texto é pura poesia. Assim como a receita da sua mãe.

    O que você anda lendo? rs!

    ResponderEliminar
  12. Oi Luma.
    Gostei pra caramba deste texto memorialístico à maneira de Proust (ele era impulsionado pelas "madeleines" você, pelo "suflê especial", que pressinto ser um manjar digno dos Deuses).
    Destaco as tuas observações sobre a natureza dos atos de lembrar e esquecer. "As pessoas que se recordam estão cortejando a dor, porque a saudade dói", é uma sentença irretocável pela verdade que encerra. Quem pensa bem, escreve bem.
    ***
    Ah sim, tenho duas sobremesas preferidas: torta de bolacha e aquela que chamo de manjar celestial, preparada por minha Mariana Timm, à base de chocolate, leite condensado e morangos (ou uvas). Nhamnhamnham!

    Beijo.

    ResponderEliminar
  13. Não vou esconder: te xinguei. Já tava com papel e caneta na mão sua torturadora! kkkk
    Uma paixão antiga são as mentiras fritas da minha mãe. Sempre que ela vem aqui peço para fazer. Já tentei fazer várias vezes. Desisti. Nunca irá ficar igual a dela. Não são os simples ingredientes. É a pessoa que faz :)
    Beijos

    ResponderEliminar
  14. Luma,mesmo que você desse a receita,ninguém conseguiria acertar no ponto do amor,da graça e da nostalgia,abraços.

    ResponderEliminar
  15. Delicia (um tanto agridoce, para ser honesta), enquanto leio as entrelinhas escorre agua dos meus olhos, meio que involuntarias...
    Eu sei que vivo para esquecer, nao sei explicar o pq, talvez tenha esquecido.
    Beijos.

    ResponderEliminar
  16. Puxa! :-(
    Fiquei toda feliz achando que vc iria dar a receita pra gente... parece tao bom! Agora estou aguando... :-))
    Bjs

    ResponderEliminar
  17. Luma,

    Esse seu texto me fez lembrar de várias coisas do passado, inclusive as tais reuniões e a saudade bateu e doeu. Faço parte dos loucos que não querem lembrar para não sofrer. Sofri, mas valeu.

    Beijocas

    ResponderEliminar
  18. Luma, tu conseguiste me levar lá pro tempo do "epa".Lembrei de coisas lá do fundo do baú. Fiquei um tempão aqui lembrando das coisas da minha infância, da minha mãe, tias e avó, todas exímias cozinheiras e doceiras. Mas o que lembrei primeiro foi de uma sobremesa que minha mãe fazia especialmente pra mim quando ganhava os filhos e voltava do hospital e quando voltava das viagens em que ela ficava com meus filhos. A receita está aqui:

    http://rosacc60.blogspot.com/2006/11/sobremesa-de-abacaxi.html

    Cada vez que faço volto para o colo dela.

    Luma, tu és maravilhosa, obrigada!
    Bjim.

    ResponderEliminar
  19. Amiga, querida, adorei sua postagem, independente do que chamou atenção no dihitt, devido sim. Alias, já mandei um email para a administração.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  20. Mamãe fazia um bolo de fécula que até hoje me deixa com água na boca. Eram tempos difíceis e não eda sempre que tínhamos doces para o lanche. Mas acho que assim, as coisas eram mais gostosas

    Boa semana

    Bj

    Milton Toshiba

    ResponderEliminar
  21. Huuum...

    Fiquei com água na boca, que delíicia!!

    Uma lembrança de dode da infância que eu tenho, é um delicioso pão de côco que meu vô fazia... Consigo até sentir o cheirinho de tarde, misturando-se com o cheirinho da infância... E nesses aromas tem o pãozinho de côco!! Hum, que delícia!!

    Nunca aprendemos a receita, mas era delicioso!!

    Beijos Luma

    ResponderEliminar
  22. Estou a dieta, linda...

    Mas como adoro chocolate, qualquer doce que o comporte é minha paixão, rrsss

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  23. Oi Luma!
    Bom, quanto ao título eu também já me deparei com o robozinho dizendo que o título era curto. Curto com conteúdo acho que não tem problema algum, não é? Enfim...coisas de máquinas programadas mesmo.
    Quanto a esse tipo de saudade, tenho tantas lembranças do meu passado, de uma infância de família reunida não apenas nos almoços dominicais, mais em todos os momentos (alegrias e tristezas) que eram compartilhados com o verdadeiro espírito familiar e solidário... Os anos foram passando e todos nós fomos engolidos pelo egoísmo de sermos e fazermos o nosso próprio destino... Lamento porque poderíamos ter tido tudo isso e ainda mantermos as velhas e boas conversas e risadas em volta de uma mesa farta e calorosa...Hoje, só nos restam as saudades e lembranças de um tempo que ficou para trás, mas que em minhas memórias permanecem vivas...
    Grande beijo querida!
    Jackie

    ResponderEliminar
  24. Que textinho delicioso... provei vários gostos ao ler...
    dos 'comestíveis' eu lembrei nao de sobremesa, mas do feijão da minha mãe, uma vez que já sai da casa dos meus pais...

    o gosto ''sensitivo'' veio da infância perdida, dos amigos q vão ficando pelo caminho e se misturando as lembranças

    saudade do colo da namorada...

    água na boca.



    Das sobremesas eu adoro bolo com soverte, mas destesto Mousse de Maracujá... sabe-se lá!


    Obrigado pelas palavras 'suculentas'...]


    bjo Luma

    ResponderEliminar
  25. PAIXAO ANTIGA?
    tenho muitas, Luma...
    Tenho a do bolo suave que meu cunhado servia quando o visitávamos...O bolo de macaxeira que minha mae fazia...na época da Páscoa...Mas, algo que me dá saudades é um quebra-queixos que vende em Mocambique. A ultima vez que vi meu filho, ele me estendeu a mao e me deu um pedaco enorme..Eu nao poderia comer por que eu tenho sensibilidade nos dentes..Nao como nada duro...Mas, essa foi a ultima vez que o vi...
    a PRÓXIMA VEZ, nao terá, mas em setembro, eu vou em busca do irmao gêmeo dele. soube, esta manha, que a crianca vive entre a Tanzania e Quenia..Acho que, no fundo, eu quero mesmo, Luma, é resgaar uma parte que se perdeu e nao votla mais, nesta vida.
    Ah, eu vou chorar,...
    bjs e dias felizes
    Grace Olsson

    ResponderEliminar
  26. Ah, Luminha...
    Eu gostei tanto deste seu texto...
    Estou até agora matutando na sua frase: "Saudade é festejar a morte de um fato". Huum... Não sei se eu concordo. Mas, sem dúvida, para mim que escrevo um blog saudosista, ela é tão instigante que será tema de post no Antigas Ternuras (não o próximo, que já está pronto, vai ao ar amanhã e é sobre a expressão "não ter papas na língua").
    Gosto quando você escreve sobre suas antigas ternuras... E quando você fala na sua mãezinha, que foi tocar violão para o seu pai lá no céu, fica mais bonito e comovente ainda. Você devia fazer isso de vez em quando: escrever sobre suas histórias.
    Assim que escrever sobre saudade, te aviso.
    Fique bem, querida.
    Carpe Diem. Aproveite o dia e a vida.

    ResponderEliminar
  27. Esqueci de dizer: minha sobremesa paixão é o manjar de coco de minha mãe.
    Carpe Diem.

    ResponderEliminar
  28. Interssante, comi sufle ontem a noite. Coisas da Lu que também não dá algumas receitas, esta é uma delas. rs
    Grande abraço menina

    ResponderEliminar
  29. Paixão antiga relamente eu não tenho, só se for para os animais (algo que eu diria que é mais antigo para mim)...

    Fique com Deus, menina Luma.
    Um abraço.

    ResponderEliminar

Tenha identidade, não seja anônimo na web. Crie sua identidade virtual.

...bisbilhotaram em quietude, sem solidão

PlagSpotter - duplicate content checker tool
Licença Creative Commonsget click

Algumas coisas não têm preço


finalista the weblog awards 2005finalista the weblog awards 2006
finalista the weblog awards 2007weblogawards 2008
Verificar conteúdo duplicado

Me leve com você...

Leia o luz no seu celular

Copyright  © 2014 Luz de Luma, yes party! Todos os direitos reservados. Imagens de modelo por Luma Rosa. Publicações licenciadas por Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial- Vedada a criação de obras derivadas 2.5 Brasil License . Cópia somente com autorização.

Tem sempre alguém que não cita a fonte... fingindo ter aquilo que não é seu.

Leia mais para produzir mais!

Atenção com o que levar daqui. Preserve os direitos autorais do editor