Vida de Escritor

os passarinhos
imagem

Cláudio Brites, inicia o texto "Vida de Escritor", assim:

"Quem nunca teve a visão romântica do escritor by século XXI? Que fica em frente do laptop em um cenário paradisíaco, e isolado, escrevendo seus romances entre uma tragada e outra enquanto arrecada milhões de best-sellers já lançados, mesmo que tenha sido só um..."

Sim, eu imagino como deve ser dura a missão de suceder o século dos romances...

É muito difícil - a nossa posição, depois de um final de século tão amaldiçoado e de uma forma ou de outra, mítico. - Compreender o que se pensava a cem anos atrás sobre o futuro, deve ser mais difícil do que compreender a vida do escritor de antigamente.

Faz sentido que, no terreno da literatura, aquele habitante do epílogo oitocentista, com seu pincenê, fosse um sujeito metido à besta. Vá lá que o século XX estivesse fadado a ser uma época de maravilhas tecnológicas, como previa Júlio Verne. Mas seriam as mentes do futuro capazes de criar portentos da imaginação como "Guerra e Paz", de Léon Tolstói, ou "A Comédia Humana", de Honoré de Balzac, com sua mistura quase impossível de painel histórico e acuidade psicológica?

A arrogância do nosso personagem do século XX se justifica: O Século XIX tinha sido o século do romance. Os americanos exibiam Herman Melville, Mark Twain e Nathaniel Hawthorme; os britânicos, Jane Austen, Charles Dickens e Oscar Wilde; os franceses, além de Balzac, Gustave Flaubert e Émile Zola; os russos, além de Tolstói, Fiodor Dostoiévski e Ivan Turgueniev; os portugueses, Eça de Queirós; os brasileiros, Machado de Assis. Se os oitocentos tinham começado sob o signo da poesia, com Lord Byron cristalizando a dicção e o grande personagem do romantismo, sob a marca do intimismo articulado com o social - mistura mais adequada à prosa - que estavam terminando.

O florescimento romanesco em todo o Ocidente se deu em vários planos: estético, comercial e - coisa inédita - até comportamental. Ao levar uma pequena multidão de amantes infelizes ao suicídio com seu romance epistolar "Os Sentimentos do Jovem Werther", um dos pilares de fundação do romantismo, em 1774, o alemão Wolfgang Goethe antecipava uma época que veria a consagração do adjetivo "balzaquiana" e o substantivo "bovarismo" - neologismos literários e correntes.

Pode-se perguntar qual era a novidade. Sendo acessível a um público maior - por ser menos culta - a prosa de ficção não tinha ocupado esse posto desde sempre? Não. Moldar consciências costumava ser atributo da poesia. Em versos se exprimiram os fundadores das versões modernas de nossas línguas: Dante, Camões, Shakespeare. Talvez por se confundir, desde o início, com fórmulas ritualísticas e religiosas, a poesia guardou essa reverberação que a tornava veículo perfeito das questões elevadas, do tipo que se aprende "de cor" (ou de coração, o que é a mesma coisa) como forma de perpetuação de conhecimentos históricos e preceitos morais.

Basta ver que a prosa de ficção custou a tomar forma, enquanto que a poesia nasceu pronta. Homero, que teria vivido no século XII antes de Cristo, segue sendo um ícone estético e um desafio para tradutores do mundo inteiro. A prosa inventiva não tem antepassados tão remotos. Surge no momento em que o herói épico e trágico, uma criatura próxima dos deuses (nem que fosse para brigar com eles), dá lugar ao anti-herói demasiado humano, figura prosaica e imperfeita às voltas com questões terrenas. "Satiricon", de Petrônio, do século I d.C., costuma ser citado como um marco da virada. No plano econômico-ideológico, diz-se que o romance surgiu para expressar uma nascente visão burguesa do mundo, em oposição ao aristocrático poema épico.

O passo seguinte, que dominaria a Idade Média, resgatou o épico e o injetou na prosa, agora no contexto das lutas cristãs contra os "infiéis". O romance de cavalaria criou, com suas peripécias mirabolantes, uma forte tradição na maioria dos países europeus, mas era visto como lixo ou, no máximo, passatempo: seus autores não gozavam do prestígio social dos poetas. Foi, porém, uma sátira à fórmula estereotipada de cavalaria que - segundo a maioria dos historiadores - fundou em 1605 o romance moderno: "Aventuras do engenhoso fidalgo D. Quixote de la Mancha", do espanhol Miguel de Cervantes.

(Faça-se uma pausa para a ressalva de que todo marco tem algo arbitrário. Em sua retrospectiva dos cem eventos que moldaram o segundo milênio, a revista americana "Life" escalou o livro de uma japonesa como o primeiro romance do mundo: "A História de Genji", de Murasaki Shikibu, de 1008. Certo. Em tempos politicamente corretos, não será surpresa se Shikibu for destronada em breve por algum Homem Neanderthal albino e gay. Mas é vazia essa competição por um pioneirismo que, de resto, não teve qualquer impacto na literatura ocidental, pela simples razão de que as pessoas que a escreveram não tomaram conhecimento dele. Fim da ressalva.)

Reelaborando a herança de Cervantes, o século XVIII começou a preparar o terreno para o iminente boom do romance: vieram Daniel Defoe com seu "Robinson Crusoé" e Voltaire com seu "Cândido", além do já citado Goethe. No entanto, foi só no século XIX que o gênero ganhou público de massa (através da coqueluche da serialização em jornais, os folhetins) e até uma consciência crítica de sua própria forma, como prova o narrador auto-irônico de Machado. Enquanto isto, a poesia ia sendo confinada ao âmbito lírico ou vista como o laboratório radical da língua, em que já não cabiam amplas visões do homem e da História. Faz sentido. Como memorizar e declamar o francês Stéphane Mallarmé?

O mais curioso é que nosso convencido personagem inicial, partidário da superioridade literária do século XIX, acaba tendo uma certa razão. Sua época fixou parâmetros que o Século XX, apesar de toda a sua inquietude, não conseguiu romper. Os poetas permaneceram pouco lidos e os ficcionistas foram os melhores tradutores do espírito do tempo, paparicados como tais - bajulação que foi além das décadas de 70 e 80, quando começou a ficar evidente o declínio do papel do escritor numa sociedade cada vez mais visual.

É claro que o vigésimo século da era cristã aprontou. Acompanhamos James Joyce reinventando a língua inglesa e Marcel Proust montando um ambicioso modelo de percepção humana do tempo; Franz Kafka redefinindo o fantástico e Virgínia Wolf transformando o próprio pensamento caótico e condutor de tramas vagas.

No entanto, seculocentrismos à parte, não foi preciso revogar nenhuma das leis básicas dos oitocentos, para que tais autores coubessem na categoria de romancistas. Os poucos nomes que tentaram destruir essas leis, como Alain Robbe-Grillet e seu noveau roman, só destruíram a paciência do leitor. Nosso personagem de pincenê gostaria de saber que o desafio fica de herança para o século XXI.

Os escritores evoluem a medida que o trabalho literário faz do leitor não apenas um consumidor mas também um produtor de textos. Ele é educado ao ler e sua conduta evolui a medida que seu pensamento evolui, numa educação cerebral para também produzir. Todos são produtores de textos em potencial, a medida que alimentamos nossas fontes de inspiração. Como escreveu Barthes:

"Um divórcio impiedoso que a instituição literária mantém entre o fabricante e o usuário do texto, seu proprietário e seu cliente, seu autor e seu leitor."
(Barthes, 1992, pág. 38).

"Ler é desejar a obra, é pretender ser a obra"

O leitor traça o destino do escritor.

Este texto é uma contribuição para a blogagem "Vida de Escritor" promovida pelo blogue "Fio de Ariadne", editado por Vanessa.

9 comentários :

  1. Oi Luma,
    Tb estou nessa blogagem mas ainda não postei meu texto...
    Vou falar do Sabino mesmo...

    A tendência é de que o Escritor evolua mesmo... Ficar estagnado num mesmo tipo de escrita ou texto literário deixa a desejar, pois a leitura se torna chata e previsível!!!

    bjão

    ResponderEliminar
  2. Poxa....gosteii muito da postagem, principalmente esse trecho:

    Ler é pretender ser a obra.


    Perfeito.


    abraços

    Hugo

    ResponderEliminar
  3. Pôooooxa, Luma, desta vez você foi fundo.... Meu texto ficou rasinho, rasinho, rs Também acho que a participação do leitor é fundamental na realização do texto. Beijo.

    ResponderEliminar
  4. Oi, Luma
    Somos todos produtores e consumidores de cultura, ainda mais em tempos de internet, né? A História caminha, e nós fazemos a História, um dos motivos que não nos permite ficar de telespectador da vida!!!!

    Beijos, Marcia

    ResponderEliminar
  5. Ola!
    Vim lhe dizer que a postagem já está lá.
    Gostei do seu texto estou participando da blogagem coletiva com o meu blog: Uma Interação de amigos, agradece a sua visita.
    http://sandrarandrade7.blogspot.com
    Com carinho
    Sandra

    ResponderEliminar
  6. Oi Luma.

    Eu adoro ler.
    Já para escrever, acho que eu não levo muito jeito ...

    Parabéns a todos os escritores pois sem eles o que eu leria ?

    Bjs,
    Elvira

    ResponderEliminar
  7. Luma,
    Que texto brilhante! Vivi o texto do início ao fim...
    Fui criando imagens, rebuscando lembranças...
    E senti como se o peso de séculos pousasse sobre minhas palavras.
    Parabéns por mais um texto genial!

    Ah sim! Saudades de você, viu! =)

    Beijo.

    ResponderEliminar
  8. Sabe que eu estou de acordo, leio muito tudo e meu sonho é escrever um livro que a minha preguiça não me permite começar...mas até já escrevi um como ghostwriter ;).
    O Marco Luque é ator, ótimo comediante e apresenta o CQC.
    Beijos amore.

    ResponderEliminar
  9. Passando rapidinho só para convidá-la a conhecer o novo layout do Mundinho e de quebra participar da Promoção.
    Estou te esperando.
    Bjs

    ResponderEliminar

Tenha identidade, não seja anônimo na web. Crie sua identidade virtual.

...bisbilhotaram em quietude, sem solidão

PlagSpotter - duplicate content checker tool
Licença Creative Commonsget click

Algumas coisas não têm preço


finalista the weblog awards 2005finalista the weblog awards 2006
finalista the weblog awards 2007weblogawards 2008
Verificar conteúdo duplicado

Me leve com você...

Leia o luz no seu celular

Copyright  © 2014 Luz de Luma, yes party! Todos os direitos reservados. Imagens de modelo por Luma Rosa. Publicações licenciadas por Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial- Vedada a criação de obras derivadas 2.5 Brasil License . Cópia somente com autorização.

Tem sempre alguém que não cita a fonte... fingindo ter aquilo que não é seu.

Leia mais para produzir mais!

Atenção com o que levar daqui. Preserve os direitos autorais do editor