Carta ao sentimento de perda [update]

Caro sentimento de perda:

Quando você vier, peço que seja tranqüilo e brando. Não me faça entrar em desespero, pois tenho que lidar com o que perdi, com o que ficou, comigo e com você.

Peço também para que não seja vazio e sem sentido, de tal maneira que, mesmo que sua presença seja algo negativo, eu possa colher algo que me faça amadurecer nesse estado ressentido.

Venha, e quando vier, faça-me sentir que perdi apenas o que realmente foi embora, e não todas as milhares de coisas ao meu redor que me fazem ter motivos para viver.

Já que você tem que vir, que me morda e me assopre, não me faça afogar em lágrimas e nem me sufocar no meu amor-próprio, mas sim a noção de que as coisas vão e vêm, e que nenhuma Vida é um caminho de terra trilhado no meio dos campos verdejantes, e sim asfalto esburacado no meio de uma cidade barulhenta e cheia de curvas.

Ao invés de me prender à coisa perdida, venha e me traga a Liberdade daqueles que amam puramente, sem egoísmo e com olhares gauché sobre tudo que já foi embora, prezando apenas pelo bem-estar dos que ficaram e de mim mesmo.

Enfim, queridíssimo Sentimento de Perda, seja Divino, e não Humano.

Esta carta foi assinada pelo Bruno do Blogue "Sem sombra de certeza".

Não vou dizer da carta, porque ela por si já diz tudo, mas vou dizer do porque que postei essa carta hoje.

Em geral associamos o sentimento de perda, à perda de alguém querido ou mesmo de um sonho, porém esquecemos que a perda é sentimento constante que acompanham as pessoas. Perdemos a cada minuto; - um minuto e, se objetos; - objetos que para nós teve algum valor, para outros esse mesmo objeto, pode ser nada mais que uma tranqueira; indo mais além, perder um pedaço de nossa parte criativa, que é o mesmo que deixar a nossa inspiração evaporar-se no mundo. Pessoas que trabalham com o processo criativo, seja um artesão, um arquiteto, um poeta, um escritor e tantos outros profissionais, sabem bem o que é isso.

Vou contar uma história, é curta: Tenho uma vizinha que começou a receber aulas de trabalhos manuais, inicialmente um passatempo, mas com o passar do tempo e com a qualidade dos trabalhos desenvolvidos, ela passou a ser chamada para exposições e lógico, lá se vendia os trabalhos. O que acontecia? Ela inconscientemente dessestimulava o pretendente comprador a não comprar e quando percebia que uma peça chamava muito a atenção, escondia essa peça. Com o tempo, ela teve que lidar com o sentimento de perda, mesmo que não obrigada a isso. Desvencilhar-se do valor afetivo que aquele objeto simbolizava e imagino que para muitos artistas, deve ser difícil ver sua obra sair do seu raio de visão.

Vou contar uma outra história: Quando vim morar em Cabo Frio conheci um artista 'anônimo' e me encantei com seu trabalho. Adquiri um deles e coloquei em destaque no hall de entrada de minha casa. Eu queria outros trabalhos deste artista e o chamei novamente em casa. Ele chegou e ao ver seu trabalho tão bem exposto, ficou surpreendio e chorou. Agradeceu pelo reconhecimento e disse que agora sabia que aquele trabalho estava preservado, bem cuidado e tals. Esta obra é sempre admirada e a assinatura do autor está lá, para quem quiser conferir a autoria e perguntar quem é o artista.

Nos meus devaneios, pensei em Michelangelo quando foi chamado pelo Papa Julio II para trabalhar com o teto da Capela Sistina. Ele já era conhecido como escultor e por isso relutou em fazer um trabalho de pintor, mesmo assim encarou a responsabilidade por aquele trabalho. Mas vamos pelo caminho das suposições. Suponhamos que após a finalização deste trabalho, visitantes chegassem à capela e admirados com o trabalho, alguém se vangloriasse diante de ignorantes dizendo "Este trabalho foi eu que fiz". Os ignorantes seriam enganados, porém um dia qualquer, viria mais outro alguém dizer: "Não, este trabalho é de Michelangelo. Eu lembro quando ele estava fazendo este trabalho". Quando o mentiroso se deparou com um não ignorante, este poderia já naquele tempo, ter-lhe pedido uma retratação.

Pela Teoria da Metapsicanálise Freudiana o sentimento da perda é um sentimento de desamparo. Uma lacuna, uma falha, que nenhuma outra pessoa pode sentir, o mesmo sentimento de vazio. A mãe que dá a luz e é afastada do seu bebê, o bebê que é afastado do seio materno, são exemplos das primeiras perdas, primeiros grandes prazeres que perdemos e que com o tempo e reconhecimento da perda, adquirimos 'amadurecimento' para vencer as adversidades, alçar vitórias com prosperidade, sejam elas materiais ou espirituais.

Dentro deste contexto, eu estou escrevendo este texto, perdendo. E cada palavra que pra mim carrega um sentimento, pode não valer nada para ninguém. Pode alguém chegar, não ler e mesmo assim, escrever: "Legal seu texto!" - Essa pessoa não compreendeu o ato de escrever, senão teria comentado convenientemente. Mas essa pessoa, em nada me prejudicou ou tirou de mim, certo? Pode também chegar outra pessoa, achar legal 'de verdade' e por gostar tanto, levar para si, postar em seu blogue ou mandar por e-mail para alguém sem me dar a devida autoria. Esta pessoa também não entendeu o que é o ato de escrever. Me roubou as idéias que quando viabilizei através das palavras, me envolveram horas e sentimentos.

Pessoas que fazem isso o tempo todo, são seres vivos parasitas.

"Um blogueiro parasita é aquele que depende da criatividade de outro pra sobreviver. Ele já não vê necessidade em trabalhar sua capacidade, pois suas habilidades não são mais de criação, mas são técnicas parasíticas: sucção indiscriminada de palavras, aproveitamento descarado e e sem referência de textos alheios e surrupiamento sutil de boas idéias. Blogueiros parasitas também matam. Assassinam a dignidade, criatividade e confiabilidade da blogosfera" (blogosfera Cristã)

Estou em Campanha contra o blogueiro Parasita mpulssionada principalmente pelo último fato ocorrido na blogosfera, donde uma blogueira e seu marido tentaram reverter uma situação deveras evidente para quem acompanhava o blogue da plagiadora e após copiar vários textos de autorias diferentes - os leitores que não lêem somente os textos da moça, reconheceram os textos de vários autores diferentes, sem a devida referência da autoria.

Como já disse antes: A internet não é tão vasta assim, é um mundinho bem pequeno! Aquela velha e manjada história em que ao ser descoberto, o plagiador, chama o plagiado de seu plagiador. E se isso não bastasse, os blogueiros que tentaram alertar o casal para o fato, além de serem ignorados pelos mesmos, foram taxados de conspiradores.

Resultado: Menos dois parasitas na blogosfera brasileira.

Você não sabe do que se trata? Um resumo

Entre na campanha contra o blogueiro parasita!


Esta campanha foi inciada em outubro do ano passado e espero seja impulssionada, para que seja dado o devido valor ao trabalho de nossos amigos bloggers, com gestos simples, que certamente ao invés de destruir laços, fortalecerá mais a blogosfera brasileira.

Tome cuidado, previna-se! Se possível registre seus textos, porque qualquer dia é você o plagiado sendo acusado de plagiador!! Não espere isto acontecer!! O Plágio é crime!! Não copie sem autorização!

15 comentários :

  1. menina, que historia!!!!
    To passada!!!!!

    Comigo ja aconteceu diferente, alguém escrevia poesias suicidas e publicava num site de poesias me colocando como autora, depois d muito tentar consegui que tirassem do ar.
    Vou aderir a campanha, embora isso não seja apenas um problema da blogosfera, ja vi materia de jornal impresso com um texto completo de um blog dando autoria a jornalista, o texto foi postado pelo blogueiro meses antes da publicação no jornal.

    "legal" o seu post.


    Beijinhos

    ResponderEliminar
  2. E, pode acreditar, eles são muito mais do que se imagina. Os "chupadores" de conteúdo estão aumentando com uma rapidez inacreditável. É o velho jeitinho do brasileiro que acha o roubo, a falcatrua e a enganação algo "normal".

    E isso é muito triste.

    ResponderEliminar
  3. Luma
    Se na gente, que não tem nada a ver com a coisa, dá um sentimento horrível de desilusão, tristeza e sei la eu o que mais, imagina para o Bruno. Eu que fui roubada muitas vezes posso avaliar o sentimento de perda.
    Teu post está sensacional e, embora eu não escreva, então não tenho nada pra plagiador, vou entrar nesta e direcionar pra cá.
    Bjim.

    ResponderEliminar
  4. Infelizmente Luma, o q mais tem é plagio na internet e vc pode processar por isso sabia?
    Big Beijos

    ResponderEliminar
  5. Aconteceu que agora no 1º de Maio, uma pessoa foi ao meu blog e roubou a primeira parte do post que se referia à situação actual do país, não para um post no seu blog, mas para espalhar como comentário seu, por todos os blogues que frequentava e que postaram sobre o 1º de Maio.
    Fiquei passada.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  6. Estava mesmo inspirada. No começo não entendia no que ia dar essesseus exmeplos, quando vc falou do pplágio na blogosfera. Mas é assim mesmo, não me entenda como conformada não. Eu entendo essas pessoas que copiam, copiam pq nao tem criatividade, ou querem se mostrar. As vezes pensam que não estão fazendo nada errado pq nao imaginam o sentimento que foi dado ao que foi feito pela pessoa criativa. Eu uma vez copiei uma imagem, e colei no meu antigo blog com a poesia que estava, sem me atentar a colocar o autor. Achava que era a cola da cola de alguem. Esse alguem foi atrás do meu blog para esculhambar. Eu tb deixei p lá, mas hoje, lendo isso, penso que não so roubei uma mera imagem com poesia, como tb uma arte provavelmente da pessoa. E que ela me achou graças talvez a esse mundo pequeno da blogosfera ou até a esse registro de texto que vc mencionou e que ainda não entendi como se faz. Mas vou ler com mais calma e ver como é isso. Beijos e obrigada pela reflexão.

    ResponderEliminar
  7. Olá Luma!
    Obrigada pela visitinha!
    Se vc realmente deixou de assistir Os Goonies por causa da citada cena em minha resenha, você cometeu um grande erro rsrsrs Não existe tal cena de "nojeira" apenas um diálogo em que tal fato é citado por uma das crianças rsrsrsrs
    Espero que pegue o filme e assista-o pois como falei, é um dos melhores filmes de aventura infato-juvenil de todos os tempos, todos que assistiram qndo crianças guardam no coração até hoje!
    -
    Muito bom teu post! Infelizmente já fui vítima de plagiadores (copiadores de trabalhos, pesquisas e resenhas) e isso é muito, muito chato e pelo bem de nós blogueiros, escritores, criadores isso deveria acabar e ter punição mais severa!
    Beijos
    Até...

    ResponderEliminar
  8. Oi, a carta eh simplesmente linda.
    Seus comentários em seguida super embasados sem deixar o sentimento de lado.
    um texto objetivo e ao mesmo tempo aliviador.

    conseguiu captar aquilo que estou sentindo.

    obrigado pelas palavras e comentário no meu blog.

    abraços

    ResponderEliminar
  9. Bela carta! E sua campanha é bem dirigida, os plagiadores não escasseiam. Isso é um engma pra mim, afinal todos têm o que dizer por si mesmo, a forma de dizer varia conforme o indivíduo, mas a diversidade não é isso mesmo? _Beijos.

    ResponderEliminar
  10. Gostei da carta.
    E a respeito da campanha contra o blogueiro parasita, achei o máximo.
    kkkkkkkkkkkkk

    ResponderEliminar
  11. Oi Luma! Nesses últimos dias iniciei leituras sobre o assunto aqui e ali, eis que (ainda) fico pasma com atitudes assim? Quanto desrespeito com a "propriedade alheia", mesmo sendo esta "intocável no momento da sua criação", já existe, ali dentro de alguém e, portanto, pertencente a quem o gerou, sem sombras de dúvida. Seria possível tomar-nos o embrião e chamá-lo por filho depois? Lindo post o seu e, especialmente, muito consciente! Bjins e até!

    ResponderEliminar
  12. Existem muitos artistas no Brasil que merecem reconhecimento e não têm. Ainda bem que este teve.
    Hum... que chato este povo que fica copiando texto dos outros.Se não quer escrever, pra quê ter um blog?! Não entendo...
    bjo!

    ResponderEliminar
  13. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  14. Olá...

    Me solidarizo com todos blogueiros de verdade... Me considero um deles, por que tudo que publico é meu essencialmente...


    Mas não me surpreende a existência de "parasitas". Assim como não me surpreende a falta de bom gosto, de originalidade, de educação... e a falta de sensibilidade...


    Gente assim merece ser ignorada. E é o que procuro fazer.


    Me somo a todos que, com indignação, se sentem meio órfãos ao verem seus textos sendo apresentados como sendo de outros. A maior farsa!

    ResponderEliminar
  15. Luma
    Gostaria de usar a imagem da campanha do blogueiro parasita em meu blog. A quem peço autorização?
    Obrigada

    ResponderEliminar

Tenha identidade, não seja anônimo na web. Crie sua identidade virtual.

...bisbilhotaram em quietude, sem solidão

PlagSpotter - duplicate content checker tool
Licença Creative Commonsget click

Algumas coisas não têm preço


finalista the weblog awards 2005finalista the weblog awards 2006
finalista the weblog awards 2007weblogawards 2008
Verificar conteúdo duplicado

Me leve com você...

Leia o luz no seu celular

Copyright  © 2014 Luz de Luma, yes party! Todos os direitos reservados. Imagens de modelo por Luma Rosa. Publicações licenciadas por Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial- Vedada a criação de obras derivadas 2.5 Brasil License . Cópia somente com autorização.

Tem sempre alguém que não cita a fonte... fingindo ter aquilo que não é seu.

Leia mais para produzir mais!

Atenção com o que levar daqui. Preserve os direitos autorais do editor