Importando Folclore [update]

Pessoal, penso que não tem ocasião mais oportuna para responder a um pedido, feito no sistema de comentários, por uma pessoa que não deixou e-mail e, sei lá, tradução (?) não compreendi muito bem. Quanto aos significados das palavras que aparecem na cantiga "Escravos de Jó", tentarei ser breve, levando em consideração de que é sabida a letra da música:

Caxangá - tipo de jogo com pedrinhas ou ifá para tirar a sorte de quem seria o escolhido ou escolhidos à fugirem para o quilombo
Tira - os escravos que seriam tirados da senzala naquela noite de fuga
Põe - seria posto ou colocado em rota de fuga
Deixa ficar - ao jogar essas pedrinhas, as que sobravam seriam os escravos escolhidos para vigiar durante as fugas.
Guerreiros com guerreiros - escravos guerreiros filhos de pai José, reprodutor e guerreiro que lutava pela liberdade dos irmãos.
Fazem Zigue-Zigue-Zá- andavam e corriam em zigue-zague para escapar e confundir os capitães do mato durante a caçada aos fujões!

[update] - Parece que muita gente não sabe quem era Jó ou nem sabe da existência da música. Eu conheci como brincadeira de crianças, quando estamos esperando por algo e principalmente no almoço, sem que a mãe visse, passávamos os pratos de lá pra cá como se fossem caxangás. Mas pra quem não sabe, aí vai: essa era uma estratégia de fuga para os escravos dos quilombos na época da escravidão. Jó grande fazendeiro de café, possuía muitos escravos. Estes sofriam castigos e não podiam conversar durante a colheita e também na senzala á noite. A única forma de combinarem suas fugas era através de cantigas entoadas durante o trabalho e em algum dialeto para que os brancos não compreendessem. A língua dos escravos pode parecer estranha para nós nos dias de hoje e anos mais tarde, quando olharmos para trás e enxergarmos as mudanças na língua portuguesa - no campo das suposições, respeitando as mudanças sofridas, na linha de evolução de que é natural a qualquer língua - com a adoção do unificação ortográfica entre os países de língua portuguesa, sei não, acho que retroagimos no processo. Não vou entrar no mérito da questão, eu não gostei, mas a maioria é a favor e sabem do que falam, fico quieta - enfim, a língua portuguesa nos parecerá estranha?

“O diálogo das linguagens não é apenas aquele das forças sociais na estaticidade de sua coexistência, mas também o diálogo dos tempos, das épocas, dos dias, daquilo que morre, vive, nasce: neste plano, a coexistência e a evolução são fundidas, juntas, na unidade concreta e indissolúvel de uma diversidade contraditória em linguagens diversas.” (Bakhtine: 1999, 176.)

How "American" Is Globalization?

Este é o título de um livro super interessante publicado pela Universidade Johns Hopkins em 2006, que analisa e questiona se a globalização tornaria o mundo mais americanizado.

No índice, alguns tópicos importantes e cito alguns:

- No que menos os americanos pensam?
- O inglês ainda conquista o mundo?
- Filmes, programação televisiva (principalmente seriados)
- McDonalds
- Internet, distância comunicativa, blogues e tribalismos
- As companhias americanas dominam a economia mundial?
- A resistência da cultura local às outras culturas
- O trabalho e instrução
- Utilização da terra e impostos
- Corrupção e contrabandos
- O mercado financeiro e fabricação flexível
- Isenção de importação, fretes aéreos, fretes containerzados
- Códigos de barra, computação e logística...dá pra sentir que o livro é detalhista.

Vejam também que a necessidade para escrever esse livro, veio através de dados, daquilo que o autor captou no senso comum americano e sentindo que a cultura local não estivesse assim, tão apreciada entre outros povos.

Constata-se que a porcentagem da população do mundo que são nativos do inglês declinou 9.8 a 7.8 por cento. A porcentagem de nativos da língua principal do mundo, o mandarino, igualmente declinou ligeiramente, 15.6 a 15.2 por cento… os grupos de língua que aumentaram em porcentagem da população no mundo é o árabe e bengali, respectivamente 3.5 por cento e a 3.2 por cento. Os falantes Hindi aumentaram 5.2 a 6.4 por cento, espanhóis de 5.0 a 6.1 por cento.

O inglês como primeira língua caiu de posição, do segundo lugar para quarto, quando o segundo milênio terminou e, o mais relevante indicador reflete que mais e mais pessoas estão falando mais de uma língua.

A análise da língua é apenas um dos enfoques do livro, basicamente é fonte atual e definitiva no questionamento das culturas, se elas ganham ou perdem em suas respectivas áreas culturais. Como o livro ainda não tem tradução para o português, adianto que a conclusão final é de que o mundo não está se tornando americanizado e portanto, não tenham medo - brincar de 'Halloween' deve ser encarado apenas como uma mordida em um McDonald's.

McDonald's é citado no livro, como exemplo principal da globalização e suposta hegemonia americana no mundo devida à sua popularidade. Ademais o autor mostra, em uma série de estudos, que as culturas locais americanas são intrínsecas e resistentes às influências externas, como línguas, hábitos alimentares, utilização da terra, educação nas escolas e vários outros testes, de padrões sociais que determinam a extensão a que a cultura americana é importada ou adaptada às necessidades nativas.

Discutir a globalização pode ajudar a acentuar as nossas culturas locais, reforçando a nossa própria impressão sobre o que realmente importa - principalmente a nossa língua - Pode-se evitar o uso indiscriminado de termos em inglês? - Quem trabalha com computação sabe que isto é quase que impossível, mas podemos valorizar mais os filmes nacionais, a grade de programação televisiva local brasileira, adotar somente cardápios regionais brazuca (Chibés, vatapá, caruru, mungunzá, tacacá...vê, pão de queijo chega a ser 'light' comparado a tudo isso), banir de vez o 'egocentrico' rock americano...

Tá bom, sei que estou pegando pesado e já é quase impossível retroagir. Eu não ficaria sem o velho e novo blues-rock americano e não suportaria outros isolamentos culturais. Na verdade, podemos conviver com tudo o que vem de fora, não somente dos EUA. Faz parte do processo de interagir dentro de um mundo globalizado, mas o que o brasileiro precisa urgentemente, é valorizar mais as festas regionais, relembrar e comemorar no sentido exato da palavra, sua História.

Enfim, as tradições culturais de um povo não são abaladas se esse povo se leva à sério. O que falta ao brasileiro é acabar de vez com essa 'sindrome de vira-latas', evocando aqui Nelson Rodriguês.

*Sobre a 'Nossa Síndrome de Vira-latas' - leia excelente análise aqui.

*Para ler o livro How "American" is Globalization? de William Marling em versão e-book, aqui.

O texto acima contribui para a blogagem coletiva promovida pelo Ronaldo Santos do Vida Blog.


Você tem algo a dizer sobre o assunto? Participe!!

Estarei adicionando os links permanentes mais adiante, para minha comodidade e dos leitores do "Luz de Luma", a lista de participantes:

Pensieri e Parole por Meiroca, Leio o Mundo Assim por Andréa Motta, Acqua por Lunna Guedes, Universo Desconexo por Lys Figueredo, O mundo na luneta por *Renata, Saia-justa por Geórgia, Hippos por Luci Lacey, .Blog por Jorge C. Reis, Na casa da vovó... por Rosane, Juliu's Pub por Júlio Moraes, Lavanderia virtual por Juca, Lino Resende por ele mesmo, Diário de Iza por Iza, Meu Conto de fadas particular por Camila, Ironicamente perdedor por Zek, Jamille Lobato por ela mesma, Despindo Estórias por Tatah Santini, Aprendemos por Mikasmi, Cissa.EU, heim! por Ciça Donner, Fio de Ariadne por Vanessa, Annah World por ela mesma, Pensieri por Elvira, Entre Marés por Suzana, A Moça do Sonho por Du, Alma Poeta por Serena Flor, Mãe e muito mais... por Fernanda, Oscar Luiz por ele mesmo, Talma Simplesmente por Talma, Aprendendo Nihongo por Yoko, Lucas Oliveira por ele mesmo, Entre Amigos por Tetê, PoudBrasil por Douglas Fert, Coffe & Colloquy por Mateus Bonez, Coisas Nossas por Du, Auto-retrato por Karla Hack, KrekKrek por Krek, Sensata Paranóia por Urbano, O Cantinho da Borboleta Azul por Sõnia, Criança Genial por William Mendes, Carnaval por Biazinha, Vivendo de Histórias por Marisa Pimenta, Chronicles & Tales Unlimited (RED) por Cidão, Cidão 2, Blogosfera Solidária por , Arte e Fotografia por Gaspar de Jesus, Instinto Coletivo por Cristiano Miranda, O Blog do J.F. por ele mesmo, Blog do Beagle por Elzinha, O Grito, notícias por Renato Fernandes.

Boa blogagem!!
Beijus,

12 comentários :

  1. Pois tem razão relativamente à lingua que deveriamos preservar. A americanização é a destuição de um bem precioso que são os nossos idiomas.
    Muita coisa veio com a informática e generalizou-se.

    Abraços

    ResponderEliminar
  2. Luma. Participei num "rápidão". Me inscrevi as oito da manhã e postei as dez horas.
    ...
    O que mais me chamou a atenção é que eu "marronzinha" que sou nem sabia o significado dos termos da música Escravos de Jó.
    ...
    Vou tentar ler todas as postagens. Levei um susto ontem, por isso me atrasei.
    ...
    Estou louca para ler o livro e ele já vai para a minha fileira de leitura no mundo real.
    ...
    Beijos!

    ResponderEliminar
  3. Acho que a americanização acontece mais nos grandes centros, não deixando de ocorrer nos locais menores, é claro.
    Não vejo problemas em brincarmos com folclore, as escolas de inglês brincavam com o festa em questão, mas quem realmente a importou foi o comércio. hehehe
    Um ótimo texto, Luma querida, que leva a reflexão.
    Beijos e um ótimo final de semana pra ti

    ResponderEliminar
  4. Ótima a explicação sobre o Escravos de Jó. E também boa abordagem sobre a globalização. Aliás, gostei da indicação do livro, que vou procurar, já que sou curioso a respeito do tema.

    ResponderEliminar
  5. Luma eu conhecia a musica do escravos de Jò, mas confesso que nao sabia a historia, valeu.
    A proposito desde 2005 hoje comemora-se o dai do Saci...
    Bjs

    ResponderEliminar
  6. Adorei saber o significado da música... sempre cantei quando criança, mas não fazia idéia do seu significado nem da sua origem.

    Quanto à globalização x folclore, infelizmente, o que vejo aqui pelo nordeste é que televisão e internet simplesmente estão dizimando a cultura popular. Uma pena, mas é verdade. A rica e bela cultura popular nordestina está acabando, saindo das ruas e comunidades rurais e sobrevivendo aqui e ali, em grupos folclóricos cada vez mais raros.

    Abração, parabéns pelo belo blog.

    ResponderEliminar
  7. Vim apenas agradecer seu solidário apoio.
    Não resisti e li a postagem.
    Sou contra a reforma ortográfica, ditada por interesse de editores.
    Manoel Carlos

    ResponderEliminar
  8. Luma, vim aqui tirar suas dúvidas, e não precisava pedir desculpa, talvez eu deveria ter explicado melhor, mas não quis alongar muito o post.

    Bom, todo ano, uma árvore nova, que esteja mais ou menos dentro dos padrões (altura, espessura, peso...), é escolhida na mata da Chapada do Araripe (cidade fica próxima ao “pé” da chapada). A escolha e o corte da árvore também fazem parte do ritual e acontece alguns dias antes da festa em si.

    E o tronco, depois de erguido, fica lá até o final dos festejos em homenagem a Santo Antônio. Os festejos duram entre 20 e 30 dias e a Festa do Pau da Bandeira geralmente é a primeira.

    Se você tiver mais dúvidas, é só perguntar, ta? É um prazer divulgar essa festa cearense.

    Falando sobre seu texto, adorei saber o significado da musica que tanto cantei, quando criança, mas não sabia o que significava. E acho que toda forma de cultura é válida, quanto mais e diferentes conhecermos, melhor. A gente só precisa achar um meio termo.

    Bela participação!

    Beijos!

    ResponderEliminar
  9. E a Andréa ( bem grandinha rsrs) cantando "Escravos de Jó jogavam o caxangá..." enquanto lia o post!

    Você citou os empréstimos lingüísticos, que acontecem naturalmente quando se tem importação de cultura. Eu havia planejado algo sobre esse assunto para publicar no Conversa e participar da coletiva analisando um outro aspecto da influência cultural, mas cheguei morta, acabada...

    Bom final de semana! Andréa

    ResponderEliminar
  10. Muito bem lembrado, Luma, que nada impede que absorvemos novas culturas, desde que não coloquemos a nossa de lado!

    Enquanto lia o post, assim como a Andréa, também fiquei lembrando e tentando cantarolar a musiquinha. Transporte-me, por alguns segundos, aos meus tempos de criança! :-)

    Parabéns por participar de mais esta blogagem coletiva! :-)

    Beijos!

    ResponderEliminar
  11. Maravilhoso!!!hehehe
    Nossa!Sempre brinquei de Escravos de Jó, com aquelas pedrinhas e tal,mas jamais imaginei os significados das palavras.Muito bacana, e interessante tbm.Quem diria que aquelas palavrinhas que fixam na cabeça teriam um significado tão importante na época.
    Realmente obrigada por mais uma informação.
    Beijos

    ResponderEliminar
  12. Também fiz parte da Blogagem coletiva! Foi a minha 1a. participação e adorei, todas as postagens são muito interessantes e a sua é uma delas. Me sinto um pouco mais enriquecida culturalmente. bjs

    Aprendendo a Língua Japonesa

    ResponderEliminar

Tenha identidade, não seja anônimo na web. Crie sua identidade virtual.

...bisbilhotaram em quietude, sem solidão

PlagSpotter - duplicate content checker tool
Licença Creative Commonsget click

Algumas coisas não têm preço


finalista the weblog awards 2005finalista the weblog awards 2006
finalista the weblog awards 2007weblogawards 2008
Verificar conteúdo duplicado

Me leve com você...

Leia o luz no seu celular

Copyright  © 2014 Luz de Luma, yes party! Todos os direitos reservados. Imagens de modelo por Luma Rosa. Publicações licenciadas por Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial- Vedada a criação de obras derivadas 2.5 Brasil License . Cópia somente com autorização.

Tem sempre alguém que não cita a fonte... fingindo ter aquilo que não é seu.

Leia mais para produzir mais!

Atenção com o que levar daqui. Preserve os direitos autorais do editor