Apetite Insaciável

Estou lendo esse moço que diz que escreve para saber o final das histórias.

Ele simpatiza muito com o Brasil, viveu e tem parentes por aqui.

Conhece bem a alma do brasileiro.

Sempre causa muita polêmica com alguns comentários que faz.

Já afirmou que o Brasil é colônia


Cidadão de três continentes; sua mãe é brasileira, o pai é português e JOSÉ EDUARDO AGUALUSA nasceu em Angola. Junto com Mia Couto (Moçambique) e J. M. Coetzee (África do Sul) formam a tríade africana dos escritores mais festejados da atualidade.

Seus personagens saltam de um livro a outro, como se fossem de uma única história - Nessas histórias, o fantástico coexiste harmoniosamente com a crítica social emprestando sua voz àqueles que não possuem meios de se fazerem ouvir.

Acredita que a internet tem o poder de quebrar ditaduras, de transformar utopias em realidades, de aproximar os povos, independente das classes sociais - cita como exemplo crianças de aldeias indígenas - por que não, num futuro trocando idéias e experiências com os filhos de Bill Gates? A informação disponível aos pobres e ricos de forma igualitária - Isso é democracia.

Estou lendo "O Ano em que Zumbi Tomou o Rio", anteriormente li "O Vendedor de Passados" que uma amiga de Luanda me mandou - uma estréia! Lerei a obra completa, com certeza!

"O Ano em que Zumbi Tomou o Rio", parece que é obrigatório no curso de Letras - Quem faz Letras poderia confirmar - Apesar de ser ficção, o livro retrata bem a realidade do Rio de Janeiro. Mostra-nos que dia a dia invadimos fronteiras e mesmo assim, outras barreiras são erguidas. Temos medo da violência, dos estranhos e por isso reprimimos tudo que é diferente.

A Minha alma é carioca!



Mas o meu coração sempre se volta para o verde das montanhas de Minas!

O Pablo pensa que sou "Cariocasssss" e muitos da blogosfera também pensam assim. Na cidade onde moro pensam que sou "do sul".

Sou mineira, uai! Mas não falo o mineiro de Belo Horizonte - nem o mineiro do sul de Minas, onde nasci. Misturei os vários sotaques dos lugares que vivi. Verdade, penso que não tenho sotaques, mas não fujo de vez ou outra dar umas escorregadelas.

Na minha cidade contamos a história de uma pessoa que veio morar no Rio e receoso de ser chamado caipira ou de desagradar os cariocas (sei lá o que pensou), prestou-se a falar o carioquês. Em dado momento de um "pelada" de futebol e na eminência do parceiro de time finalizar um gol, ele gritou: "Carcanha, carcanha!!" - que não era um termo usado como usam atualmente no futebol, queria dizer apenas; chute! Chute! hehehe e ele se entregou.

Essa história ilustra um modo de ser do mineiro, que é fazer piada da própria desgraça. E sobra tempo para proseá, seja de janela, no portão, na beira do fogão ou numa mesa de bar.



O DEBA - Desafio Enviado para Blogueiros Amigos pede para falarmos daquilo que é usual em nossa terra. Acho que isso é invenção do próprio Pablo.

O modus vivendi do mineiro depende da região que ele habita. O Estado é grande e sofre influência das fronteiras de outros Estados. Algumas coisas são inerentes ao mineiro, como o orgulho de ser mineiro.

Dizem que só a mineira consegue encantar sem encarar os olhos e Joaquim da Mata, o Velho Quincas, filósofo dos cafundós de Minas, compara o jeito de ser de uma mineira com o de outra mulher e afirma que a "deferença" está no preparo.

"Que a Mineira não mente, conta lorota.
Não menstrua, fica úmida.
Não paquera, espia.
Não fica bonita, já nasce formosa.
Mineira não usa tênis, enfeita as alpargatas
Mineira não curte um som, ouve música.
A mineira não segue moda: faz moda"

Procure entender o modus vivendi do mineiro ou o modus cogitandi do nosso homem do campo e entenderá somente se habitar por lá. Se não puder, leia a narrativa da raiz de nossa História em Sagarana de João Guimarães Rosa.

Há 36 anos o "Clube da Esquina" reuniu músicos de Minas que não precisaram ir à São Paulo ou Rio de Janeiro, para fazerem aquilo que mais gostavam e conseguiram inovações harmoniosas e rítmicas, reunindo em um disco de vinil, vários estilos musicais, passando pelo erudito, gregoriano e há quem diga até pelo pop britânico. Tanta pluralidade para ecoar suas vozes, sufocadas pela repressão política.

Hoje são mais de 80 músicos que representam mais de três décadas desta História e celebrada com direito a jornal; O "Ponto dos músicos" que tem como editores Ronaldo Bastos, Milton Nascimento...e muitos outros. Consta por lá, o prefácio do livro de Márcio Borges, escrito por Caetano Veloso que fala muito desse modo de ser mineirinho - Os sonhos não envelhecem...


Foto site Clube da Esquina

O atual mineiro está bem diferente daquele de outrora e uma das características que mudou foi em relação a sua religiosidade. Antes o Barroco mostrava que a religiosidade para o mineiro tinha características humanas e agora no futuro, constatamos que o movimento dos inconfidentes só contribuiu para intimidar essa religiosidade e a intelectualidade mineira que à época era o berço da nação. Alguns culpam a teogonia de José. Será?

Mudamos também quanto à política. Credo, nem vou falar disso!

"Regressamos sempre aos velhos lugares aonde amámos a vida.
E só então compreendemos que não voltarão jamais todas as coisas que nos foram queridas.
O amor é simples e o tempo devora as coisas simples"

(José Eduardo Agualusa, "O Ano em que Zumbi Tomou o Rio")

Ser mineiro, é ser simples e direto. Como diz minha mãe "não estranhe a palavra minha filha, são coisas de velha e de mineira" Vai saber!

Gostaria muito de ler sobre o modo de ser de muita gente por aqui. Sei que nem sempre agregamos valores de onde nascemos e sim, somos o resultado de tudo aquilo que vivemos. Por hora deixo a tarefa para a Meire (Ribeirão Preto/Itália), Márcio Pimenta (Salvador/Chile), Júnior (Curitiba/São Paulo), Yvonne (Rio de Janeiro/Guarapari) e Tina Blue (São Paulo com pensamento em United Kingdom).

Estou no lugar onde sempre quis estar. Amanhã posso mudar, quem sabe? Porém os meus valores permanecem intactos, sempre serão os mesmos.

20 comentários :

  1. Eu acho os mineiros trem bão demais! São cheios de histórias pra contar, têm um jeito muito peculiar, é meio difícil confundir um mineiro, no seu caso, é pq já misturou tanto sotaque que leva um tempo pra descobrir, né?
    Bjão, ótima semana!

    ResponderEliminar
  2. Voce sempre descreve os livros que le com tanta perfeicao que eu fico morrendo de vontade le-los tambem! ;-)
    Se me mandasse chutar, eu nunca acertaria que vc eh mineirinha... Se bem que acho que li algo sobre pao de queijo por aqui... ehehehe..
    Uma semana linda para vc!
    BJS

    ResponderEliminar
  3. Luma,
    Eu não sabia que você é mineira. Eu admiro o talento dos mineiros: para a música, para as artes e para a cozinha também! Linda a sua visão do ser mineiro. Também fiquei com vontade de ler os livros do Agualusa.
    Beijos,
    Rosana
    PS: o visual natalino tá lindo!!

    ResponderEliminar
  4. Oi Moça...

    Temos pelo menos uma coisa em comum, ehehe. Eu sou mineirim também, nasci em BH!!! Mas nunca pude exercer minha "mineiridade", mudei ainda no primeiro ano de vida para Sampa.

    Achei super legal a indicação do Agualusa.

    O link que você me enviou não abriu, manda de novo??? please???
    Qualquer coisa meu email é algernon.br@hotmail.com

    Abração e boa semana!

    ResponderEliminar
  5. Já coloquei livro e autor na minha infindável lista. E o seu texto sobre "mineiridade" está muito gostoso de ler!
    abraço,

    ResponderEliminar
  6. Querida, n deu pra ler o post, deu aquele erro...

    beijos

    ResponderEliminar
  7. Acho que, como vc, incorporo várias regiões... Não que eu viaje muito, mas tenho contato com gente de todo Brasil pelo fato de trabalhar embarcada. E sou mais o que vivo do que o lugar onde vivo...
    Beijos.

    ResponderEliminar
  8. Querida Luma,
    Vim agradecer a sua amizade e o carinho que sempre levou quando visitou o meu blog e o Entre Amigos!

    "Um ótimo Natal, e que os dias do Ano Novo sejam uma seqüência de proveitosas realizações e repletos de paz e felicidades!

    Feliz Natal!
    Feliz 2008
    Deus abençoe você e sua família, hoje e sempre!
    bjs
    Cláudia Pit
    http://claudiapit.zip.net

    ResponderEliminar
  9. Lili13:43

    Olha q isso eu não sabia: LU mineirinha.
    Bem parece aquela história de vc pensar q sou Portuguesa e eu tô logo ali no Ceará. rss
    Acho q é a graça desses blogs, sempre descobrimos algo novo das pessoas.
    Bjocas

    ResponderEliminar
  10. Luma, eu fiquei meio perdida com esse lance de sotaque. Em Brasília, dizem que tenho sotaque de carioca. No Rio, sempre me perguntam se sou paulista. Em São Paulo não fazem a menor idéia do que sou... é até engraçado. :-)))

    ResponderEliminar
  11. Como bom mineiro que também sou, gosto do Clube da Esquina e recomendo uma HQ muito bem feito sobre o grupo no site http://www.museudapessoa.net/clube/index.htm. Vale a pena. Abraço e boa semana.

    ResponderEliminar
  12. Adoro a mineirada.
    Big Beijos

    ResponderEliminar
  13. o Pablo é doido, conseguiu travestir a palavra mais bicha da blogosfera rs.

    ResponderEliminar
  14. Eu também gosto muito do Agualusa, adorei o Vendedor de Passados, achei mto imaginativo da parte dele, colocar-se na pele de uma osga para contar a história :) delicioso simplesmente.
    Agora estou a ler Italo Calvino, O Barão Trepador não sei se conheces?

    beijo de portugal

    ResponderEliminar
  15. Oi Luma! O seu blog ficou muito lindo enfeitado para o Natal, parabéns!
    E esse post ficou fantástico. Nesse ano eu conheci um grande amor, que é mineiro, então literalmente viajei com seu post! Um dia ainda quero conhecer as tão famosas montanhas de Minas!

    Beijos

    ResponderEliminar
  16. Só sei uma coisa: ter o coração mineiro é bom demais.
    Adorei o trecho q vc colocou do livro Zumbi, vou colocá-lo na minha listinha tbém.
    Bjks carinhosas

    ResponderEliminar
  17. Eu adoro o Milton. Tenho um monte de discos dele. E em especial os dois Clubes da Esquina. O Clube da Esquina 2 eu tinha comprado em fita cassete no início dos anos 1980. Recentemente o comprei em CD. O Clube da Esquina eu tenho em vinil e CD. E não canso de escutá-los.
    Quanto ao Agualusa, ótima dica. Acho que vou copiar a citação em algum dos meus blogs.
    []

    ResponderEliminar
  18. Que trem bão esse que peguei aqui:uma linha atravessando Agualusas e unindo continentes como você bem usa a ferrovia da palavra num jeito maneiro de ser e rezar nO Terço que me fez voar antes do 14 Bis no clube que me fez sonhar com essa esquina do Milton & outros reNascimentos... Gon'Salves esses dias ao sul de tantas belas minas como tu - e assim Luminha a humanidade!

    ResponderEliminar
  19. Esse é o retrato desse gigante Brasil
    a diversidade dos costumes, sotaques desse povo maravilhoso! Eu, por exemplo, sou Paranaense de nascimento e Paulista de coração, casado com uma carioca!

    Um abraço!

    ResponderEliminar
  20. Luma, quer hilario seu comentario. Comigo é assim: pensam que sou do sul, oras que sou então mineira. Nada disso, eu sou messsssmo carioca!

    rsssssss

    ResponderEliminar

Tenha identidade, não seja anônimo na web. Crie sua identidade virtual.

...bisbilhotaram em quietude, sem solidão

PlagSpotter - duplicate content checker tool
Licença Creative Commonsget click

Algumas coisas não têm preço


finalista the weblog awards 2005finalista the weblog awards 2006
finalista the weblog awards 2007weblogawards 2008
Verificar conteúdo duplicado

Me leve com você...

Leia o luz no seu celular

Copyright  © 2014 Luz de Luma, yes party! Todos os direitos reservados. Imagens de modelo por Luma Rosa. Publicações licenciadas por Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial- Vedada a criação de obras derivadas 2.5 Brasil License . Cópia somente com autorização.

Tem sempre alguém que não cita a fonte... fingindo ter aquilo que não é seu.

Leia mais para produzir mais!

Atenção com o que levar daqui. Preserve os direitos autorais do editor