Mar doce lar – Alguém te espera no cais

Morar em Barco
A vida em uma embarcação reserva muitos prazeres para os aventureiros que nem pensam em voltar à terra firme.

Morar em Barco
Adormecer olhando as estrelas e embalado pelas ondas é previlegio de poucos.

Morar em Barco
Para consegui-los, eles trocaram a segurança da terra firme pelo desafio de morar em barcos.

Morar em Barco
Alguns condomínios marinhos se espalham pelos Estados costeiros do Brasil. No Rio de Janeiro, apenas alguns metros distantes da confusão da cidade, veleiros tornaram-se o lar doce lar de gente fascinada pelo prazer de viver no mar. Rotina não há: quando dá na telha, é só levantar ancora e mudar de bairro, de cidade ou até de país.

A qualidade de vida é muito superior à de muitos que possuem o carro do ano, avião particular etc. Alguns usam o barco para o próprio sustento, fazendo expedições pela baía de Guanabara, dando aulas de vela...

Acomodados nas cabines, não é possível sentir falta de porteiro eletrônico. Você não está livre de síndicos ou vizinhos. Na Marina da Glória, existe cerca de dez condomínios marítimos que fornecem além da vaga do barco no píer, energia elétrica e água doce. Um número bem pequeno se comparado à Mônaco. Ali na Marina, os vizinhos não se incomodam com o som alto e sempre se ajudam, como numa pequena cidade flutuante, o seu cockpit (popa do veleiro) pode se tornar uma varanda. A casa pode ser pequena, mas o play-ground e a piscina são os maiores do mundo.

Morar em Barco
Alguns moradores flutuantes, trabalham de manhã ou à noite em terra firme. Para morar em um barco a pessoa deve ter noções básicas de mecânica, carpintaria e eletrônica. Os contratempos, como um mastro quebrado em alto-mar, por exemplo, devem ser encarados com alguma habilidade e muito espírito esportivo.

Quem sabe esse não pode ser o inicio de uma aventura? Afinal, morar em um barco é fazer parte da paisagem. Dali, pode-se ir à Patagônia ver as baleias jubartes que migram pra lá todos os anos e dirigir-se ao Chile. Daí não tem volta, é o inicio da volta ao mundo.

Mas como se sustentar? Na falta de dinheiro, não faltam interessados em passeios turísticos. Se faltar água em alto-mar, comprimidos de cloro tornam a água da chuva potável. A luz pode ser recarregada com painéis solares que recarregam as baterias.

Morar em BarcoQue tal chegar no fim do dia estressado, desfazer as amarras e recarregar as baterias no horizonte?
Para viver é necessário desprendimento e quem sabe Dorival Caymmi tenha errado:

Doce é viver e não morrer no mar.

E porque não?

6 comentários :

  1. Lobos do mar!! Fui apaixonada por um e sou apaixonada pela ideia de viver assim, so me faltou o essencial: coragem! Coragem de soltar todas as amarras e sair pelo mundo.
    Amei esse post, me colocou em alto mar! BJS

    ResponderEliminar
  2. Hoje prefiro as montanhas, mas jah gostei muito..



    bj

    ResponderEliminar
  3. Sou da terra, passo firme, pegada forte, mar é pra peixe e um ou outro passeio...
    Sim, Luminha, dia 20 foi meu aniversário, obrigada!
    lindo dia,
    beijossssssssss

    ResponderEliminar
  4. Luma sabe ali Pensando e escrevendo rsrs era eu rs
    Meiroca
    www.meiroca.com

    ResponderEliminar
  5. Realmente uma vida assim é bem aveturesca...

    Perengue no mar é phoda, também tem de ter um pouco de conhecimento de cuidados médicos, pelo menos para presta um primeiro socorros.

    Fique com Deus, menina Luma Rosa.
    Um abraço.

    ResponderEliminar

Tenha identidade, não seja anônimo na web. Crie sua identidade virtual.

...bisbilhotaram em quietude, sem solidão

PlagSpotter - duplicate content checker tool
Licença Creative Commonsget click

Algumas coisas não têm preço


finalista the weblog awards 2005finalista the weblog awards 2006
finalista the weblog awards 2007weblogawards 2008
Verificar conteúdo duplicado

Me leve com você...

Leia o luz no seu celular

Copyright  © 2014 Luz de Luma, yes party! Todos os direitos reservados. Imagens de modelo por Luma Rosa. Publicações licenciadas por Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial- Vedada a criação de obras derivadas 2.5 Brasil License . Cópia somente com autorização.

Tem sempre alguém que não cita a fonte... fingindo ter aquilo que não é seu.

Leia mais para produzir mais!

Atenção com o que levar daqui. Preserve os direitos autorais do editor