"Abomino as vossas ideias, mas deixar-me-ei matar para que tenhais o direito de as exprimir."

vicento byrneQuem paga a conta do hospital em que Terri está? O dinheiro está ajudando a prolongar sua vida?

O judiciário americano deu parecer favorável a Michael Schiavo. A Lei americana segue o dispositivo na seguinte lógica; escolhemos com quem nos casamos, esse parente eleito responde por nós, o que não vale para outros parentescos. Essa lei da Flórida foi batizada de "Terri's Law” em função da ocasião. Essa morte em questão é chamada ortotanásia (eutanásia ativa), deixa-se que a doença siga seu curso natural, sem intervenção médica.

Se deixá-la viver é errado e deixar morrer também não é?

A única pessoa que pode decidir é o marido; ele voltar atrás e deixar Terri viver, pode se divorciar e deixar Terri com os pais. O Divórcio faria com que ele devolvesse US$ 1 milhão ganho na indenização ganha em 1992, pelo não diagnóstico da hipocaliemia causadora da parada cardíaca que deixou a moça assim.

Manter a moça viva deve dar lucro para alguém. Quem? Porque preservar uma vida que, para a ciência está numa zona cinzenta entre a vida e a morte? É óbvio que há muita MERCANTILIZAÇÃO DO FATO JORNALÍSTICO. Elementos novelescos como o direito de decidir sobre a vida e a morte, relações familiares, tribunais, dinheiro e religião. Questões complexas envolvem o caso.

Até onde vai a sabedoria iátrica, seu córtex cerebral ficou severamente comprometido: ela respira sem o auxílio de aparelhos, mas não tem vida relacional, não tem a menor consciência do que se passa à sua volta. Existem alguns casos de recuperação de estado vegetativo persistente, mas isso depende fundamentalmente do tipo de lesão, suas causas e extensão.

No começo Michael chegou a fazer um curso de enfermagem para tratar da mulher, acreditava em sua recuperação. Ele também processou o ginecologista de Terri por não ter diagnosticado a hipocaliemia, baixo nível de potássio no sangue. (Cuidado especial com diuréticos crianças!!!).

Em 1997 ele perdeu as esperanças e apelou à Justiça para que a sonda nasogástrica que faz a alimentação de Terri fosse retirada. Em fevereiro de 2000, o juiz George Greer deu-lhe ganho de causa. Para o magistrado, ficou claramente estabelecido que Terri escolheria não prolongar sua vida artificialmente.

O juiz também aceitou a opinião dos médicos de que a paciente não tem chances de recuperação. Dois anos e meio de apelações se seguiram. Michael acabou vencendo em todos os processos, estaduais e federais. Em 14 de outubro passado, a última apelação dos pais foi rejeitada, Já no dia 21 do mêsmo mês o Legislativo da Flórida cedeu às pressões dos grupos pró-vida e aprovou uma lei que deu ao governador Jeb Bush um prazo de 15 dias para suspender decisões da Justiça e mandar religar aparelhos de suporte de vida em casos como o de Terri.

Os pais de Terri não estão brigando para que ela fique viva, estão brigando para que o hospital continue pagando pra que ela permaneça com seu *ESTADO VEGETATIVO PERSISTENTE*.

Difícil tomar partido, dizer quem está certo ou errado. Michael tem o amparo da lei e é difícil para ele aceitar o estado degradante a que Terri ficou reduzida. O fato de os pais amarem a filha e por isso desejarem que permaneça viva, mesmo que sem nenhuma qualidade de vida, talvez indique que eles não suportando a dor da perda, amem mais a si próprios.

A melhor decisão do caso seria encontrar um ponto intermediário, entre o que dizem os partidários de Michael e os pais de Terri.

O que seria certo moral e juridicamente?

A frase título é de Voltaire.
12:00 - Terri Schiavo morreu agora a pouco, após 15 anos de sofrimento e 13 dias longe dos aparelhos que a mantinham viva.

28 comentários :

  1. Nanda19:56

    Acho que é a escolha dela, ela decididiu assim e que assim seja.
    Sofrer é cruel.
    Beijos

    ResponderEliminar
  2. Kith19:57

    Juridicamente, já foi decidido: o correto é não prolongar esse sofrimento, já que não há uma vida que ela gostaria de ter.
    Moralmente, cada um tem a sua concepção. E todas são corretas, pois a verdade é como uma moeda, tem mais de um lado.

    ResponderEliminar
  3. Viva19:57

    Difícil opinar num caso tão cheio de detalhes jurídicos e morais porém retirar a fonte de alimentação me parece a opção mais cruel de todas.

    ResponderEliminar
  4. Betsy19:57

    Olha cara,se no caso do Christofer Reeve eu já achava que morrer era melhor do q ficar naquela situação,no caso dela então demorou demais pra tomarem uma atitude.
    Tá certo q é abominável a idéia de deixar alguem morrer de fome e sede,mas continuar do jeito q ela está é viver?

    ResponderEliminar
  5. Yvonne19:58

    AH! Luma, como é difícil opinar sobre esse assunto. Realmente não tenho idéia. Beijocas

    ResponderEliminar
  6. Patricia19:58

    Ah Luma...sei lá sabe...por um lado não gostaria q desligassem os aparelhos de um filho meu...por outro não gostaria q ele continuasse sofrendo...ja no lugar de Terri preferia q desligassem sim...akilo não é vida...pra q continuar sofrendo não eh?Bjus...

    ResponderEliminar
  7. Ribs19:59

    luma, é realmente uma sinuca de bico. eu, sinceramente, não me arrisco a apontar uma direção. sinceramente não sei o que seria o "certo", nisso tudo. brincamos de deus ao querer tirar a vida de terri, mas tb continuamos brincando de deus em querer deixá-la viva com aparelhos...

    ResponderEliminar
  8. AdéliaTheresaCampos19:59

    Tirar a vida é assassinato. Neste caso com aprovação da justiça. E pior... permitindo com que a morte seja por inanição. Alguém já se imaginou morrendo de fome e sede? Morte com direito a tortura. Os campos de concentração do nazismo estão ainda tão presentes... Beijos, carinho.

    ResponderEliminar
  9. Jaqueline Sales19:59

    Essa questão é complicada, mas acho que é bem típico dos americanos. Eles apelam à suprema côrte quando os argumentos humanitários esgotam, e o mundo inteiro aplaude. Se duvidar, daqui há pouco tempo o rsto do mundo vai copiar esse terrível fato.
    Acho que a vida é mais importante que qualquer coisa "na vida", e isso basta.
    Beijoooooooossssssss da Loba

    ResponderEliminar
  10. Clark Kent20:00

    Cortar os alimentos e água...
    Sinceramente, prefiro a eutanásia do que essa morte lenta.(injeção letal)
    E tem mais não existe comprovação de que ela tenha optado por morrer. Tenho dúvidas também a respeito deste marido dela...
    O fato é que isso só acontece nos EUA.
    Os americanos, em geral, são uns debilóides, grossos e sem bom senso.

    ResponderEliminar
  11. Edgar Borges20:00

    texto muito longo, do tamanho de minha preguiça. POde desligar minhas máquinas para ver se consigo dormir.

    ResponderEliminar
  12. Visão20:01

    Sim.. ela morreu.... o marido embolsou o dinhero e está tudo bem agora... justiça americana... até já comentei isto lá no Blog... enfim.. que ela encontre a paz em outro lugar pois aqui ela não teve mesmo...
    Abraços

    ResponderEliminar
  13. Clara20:01

    Ela morreu...enfim, seu desejo foi realizado...independentemente de egoísmos paternos, politicagem, cifras ou mídias sensacionalistas. Agora, quem tiver a consciência livre e leve, que descanse em paz.

    ResponderEliminar
  14. Alline20:02

    Realmente é mto difícil opinar, Luma. Eu vi um filme outro dia, "Mar adentro", lindíssimo, que trata do direito a eutanásia. Se fosse eu, pediria para desligar os aparelhos...Mas é mto mais complicado quando estamos dentro da situação, né?!
    Enfim, acabei de ouvir (e ver aqui tb) que ela morreu. Sinceramente, acho que foi o melhor para ela.
    Adorei seu texto, mto bem escrito.

    ResponderEliminar
  15. Lulu on the sky20:03

    Luma, juro q não entendi qdo vc disse q seu blog é o contrário do meu... Enfim, a respeito da eutanásia, eu tb noticiei esse fato inclusive promovi uma discussão sobre isso. Só sou favorável a isso, desde q a pessoa em sã consciência autorize alguém da família a fazer isso caso entre em estado vegetativo.
    Caso contrário, ninguém tem o direito de tirar a vida de ninguém. Deus cria e Deus tira.
    Big Beijos

    ResponderEliminar
  16. César Tavares20:03

    Só li o seu post após o desfecho do caso. Aliás nem sabia ainda do desfecho, mas vc o colocou no fim. Só resta agora: Descanse em paz.

    ResponderEliminar
  17. Jackie20:06

    Oi quelida amiga Luma... desculpe por ter sumido mas é q não estou muito legal... mas morro de saudade de vir no teu blog, e por isso estou por aki! Um abração e obrigada pelo carinho...

    ResponderEliminar
  18. Luciana Monte20:09

    Felizmente, morreu.
    Juridicamente, não há o que falar. Lei é lei e ponto.
    Moralmente é que a coisa complica. Achei extremamente egoísta a atitude dos pais - você falou isso no texto: por medo de perder, queriam prolongar o sofrimento da filha. O amor pode ser muito egoísta às vezes. Acho que esse foi o grande ponto polêmico, na verdade. Não acredito que o dinheiro tenha ou pudesse ter influenciado qualquer decisão. O egoísmo, sim. Se eu estivesse no lugar da Terri, gostaria muito de ter um marido como o dela.

    ResponderEliminar
  19. Tesco20:10

    Matéria controversa e com muitos detalhes, porém há uma estranha prioridade na valorização destes assuntos. Os tubos da Terri foram retirados na sexta, 18/03; no domingo, 20/03, foram assassinados pelos americanos 26 iraquianos; na segunda, 21/03, mais 11. As estimativas mais recentes são de 25 mil mortos no Iraque desde a invasão. Destes, pouco mais de 1500 são de militares americanos, 5500, de militares iraquianos e de 17000 a 19000 de CIVIS iraquianos.
    Tira o tubo ou deixa o tubo?

    ResponderEliminar
  20. eu adoouro esta frase do voltaire! foi uma das coisas que mais me chamaram atenção no 1o ano do faculdade rsrsrs

    Bem, sobre Terri Schiavo, este caso me angustia. Eu não sei porque tanto positivismo (legalismo) e este apêgo à letra da lei tão ardoroso se a solução mais justa está diante dos olhos de todos os magistrados dos EUA. Qualquer leigo poderia vislumbrar que a solução mais coerente seria transferir a custódia de Terri para os pais da mesma, já que estes assim se disponibilizam. Estão apegados à burocracia e ao legalismo.
    Acho que o pensamento americano sobre a vida e a morte é rasteiro demais.. prático em excesso e muitas vezes nada razoável. Muito se critica a legislação brasileira, mas eu tenho orgulho de nosso país não acatar a pena de morte. Para mim, a pena de morte é a barbárie total, e já nao bastasse ser aplicada esta punição nos EUA para criminosos, no caso em tela estão condenando terri tmb, embora inconsciente. Nâo entendo porque festejar a tecnologia avançada no primeiro mundo se quando ela se faz necessária, se utiliza sem rodeios o botão off.
    Eu sou contra a eutanásia. Não condeno nem julgo o marido dela. Acho que o problema está nos aplicadores da lei qeu poderiam escolher uma solução menos grosseira.
    beijosss e girassóis,
    Rah

    ResponderEliminar
  21. falei como se ela estivesse ainda viva, mas vc entendeu neh? critiquei o desenrolar.
    beijaum

    ResponderEliminar
  22. Bhya20:11

    Luma, a indignação é imensa, a injustiça é enorme, e isso faz as pessoas se sentirem impotentes, mas não esqueçam de que a justiça divina é certa e com certeza esse caso servirá de exemplo para muitos. bjus, fiq bem e obrigada pelo giro no meu mundo. Ah, tem um post lega novo.

    ResponderEliminar
  23. Micha Descontrolada20:11

    q ela vá em paz, e q Deus guarde um bom lugar pra ela.

    qto a postura do marido, da justiça..lamentável.

    Tem tema pra post comunitário no ar.
    Se você participar, ficarei muito feliz.
    Beijos.

    ::: (\_(\
    *: (=' :') :*
    •.. (,('')('')¤°.¸¸.•´¯`»

    ResponderEliminar
  24. Manoel Carlos20:12

    Embora não seja contrário à eutanásia, creio que no caso, a paciente não podendo se manifestar, e, a cada dia sendo possível o surgimento de novas técnicas e tecnologias, o marido deveria se divorciar ou deixar que os pais dela cuidassem da filha.

    ResponderEliminar
  25. Mariah20:12

    Tenho que ser muito sincera sobre esse caso: ainda não consegui ter uma opinião. É difícil, muito difícil.

    ResponderEliminar
  26. Renata20:13

    Ainda não tenho opinião formada sobre isso... É polemica d+

    ResponderEliminar
  27. Denise20:13

    Vix, eu achei a maior hipocrisia isso viu! Infelizmente, usaram de uma pobre mulher que nem sabia mais de nada, pra aparecer na mídia.. RIDICULO! q q o Bush tem que se meter nisso?? É da família dele? Ah meu, eu fico revoltada com isso.. Eu acho que certos cuidados só atrapalham... não considero o que fizeram assassinato, muito pelo contrário.. deixaram com que a vida seguisse seu curso natural.. e ela morresse.. pelo menos agora ela tá descansando em paz. Pq "viver" desse jeito é desumano.. que vá de vez, e tenha uma morte digna..
    Claro que dor de pai e mãe a gente entende.. realmente é difícil.. mas eu acho que sse seria um assunto que eles tinham que se resolver.. e não botar Bush dentre outras coisas no meio.. =(

    ResponderEliminar
  28. Mago20:14

    Bem moral e juridicamente a decisão tomada está errada. Considerando que ela estava viva, ainda que em estado vegetativo, estava viva e cortar o alimento é como deixar uma criança que não sabe se alimentar morrer de fome, é assassinato pois ainda havia vida nela, ainda que não fosse da forma que ela queria. Considerando a existência do espírito e tendo ele que se desligar do corpo um dia , o que fizeram foi pior ainda, pois o sofrimento é a forma do espírito a ele ligado evoluir, aprender ou não com o sofrimento, se ela tivesse que morrer teria morrido, ficar daquele jeito era o que tinha que acontecer, ela morreria um dia, sim, mas ninguém tem o direito de decidir esse dia nem mesmo ela, isso foi decido antes de vir para esse mundo terreno. Quem pode dizer que ela não poderia voltar a viver, os médicos ?
    Ninguém sabe o que nos aguarda amanhã, quantas pessoas depois de terem sido consideradas sem saída se recuperaram ? Não são poucos os casos. O futuro pertence a Deus...

    ResponderEliminar

Tenha identidade, não seja anônimo na web. Crie sua identidade virtual.

...bisbilhotaram em quietude, sem solidão

PlagSpotter - duplicate content checker tool
Licença Creative Commonsget click

Algumas coisas não têm preço


finalista the weblog awards 2005finalista the weblog awards 2006
finalista the weblog awards 2007weblogawards 2008
Verificar conteúdo duplicado

Me leve com você...

Leia o luz no seu celular

Copyright  © 2014 Luz de Luma, yes party! Todos os direitos reservados. Imagens de modelo por Luma Rosa. Publicações licenciadas por Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial- Vedada a criação de obras derivadas 2.5 Brasil License . Cópia somente com autorização.

Tem sempre alguém que não cita a fonte... fingindo ter aquilo que não é seu.

Leia mais para produzir mais!

Atenção com o que levar daqui. Preserve os direitos autorais do editor