Papai Noel, mentira danosa para pais e filhos

Papai Noel, mentira danosa para pais e filhos


Boa parte do Natal que existe hoje foi invenção dos jornais ingleses, no século XIX, quando recuperaram lendas cristãs antigas para ilustrar com arte gráfica as edições, em comemoração ao dia 25 de Dezembro. 

A literatura não ficou atrás. Assista ou leia, “Christmas Carol”, de Charles Dickens e sinta na pele, o que acontece quando as mídias se juntam para promover o "senso comum". No final do conto, o velho Scrooge se rende aos encantos do Natal e por isso, se torna mais humano. Entenderam como o espírito natalino consegue modificar as pessoas? A minha crítica é com relação a fazer as crianças se renderem ao espírito natalino através do medo, pois se assim não fizerem, não serão pessoas boas. Do contrário, os fantasmas dos natais, dos anos anteriores, irão persegui-las...

No passado, as pessoas eram mais otimistas, principalmente no continente europeu. Atualmente, as multidões sentem que suas vidas foram perdidas e que o Estado, anteriormente provedor, é na realidade um pai omisso e/ou mentiroso. Mas na vida é assim mesmo, para existirem os vencedores, tem que também existirem os perdedores. E para que haja um mundo mais justo, pessoas mais dedicadas aparecerão para dizer que a responsabilidade é de todos.

Para que o ser humano não tenha vergonha do mundo que ele está construindo ou aquele mundo que deixou para trás, precisa parar para pensar antes de agir, para evitar assimilar tudo o que lhe é imposto. Afinal, podemos ser vencedores com humildade ou perdedores com dignidade, quando reconhecemos os nossos erros.

Com relação ao Natal, os erros estão aí, expostos e esfregados em nossa cara. Mas quem toma a primeira atitude para mudar o imposto?

Há uma certa irresponsabilidade dos pais quando mentem aos filhos sobre a existência de um pai imaginário, que apenas uma vez ao ano lhes fazem uma visita com presentes. Isto é, se a criança se comportou bem.

Não é preciso pensar muito para entender a afirmativa acima, o pensamento tem que ser curto e conclusivo. Mentir para o seu filho, fará dele um grande mentiroso? A pergunta é curta e a conclusão merece delongas...

Em primeiro lugar, o Natal envolve um sistema de crenças religiosas em que Papai Noel não é, nem mesmo foi, um dos reis magos, talvez se quiséssemos aproximar da correção e ensinássemos sobre São Nicolau - que nos países do norte da Europa figurou no passado como uma espécie de Robin Hood (tido como acolhedor dos pobres e principalmente das crianças carentes, o primeiro santo da igreja a se preocupar com a educação e a moral tanto das crianças como de suas mães) - festejado todo dia 06 de Dezembro - não estaríamos destruindo a semente da fé num pequeno coração infantil.

Pense pelo lado da credibilidade que a criança sente pelos pais. A criança percebe, "Se os meus pais mentiram sobre papai Noel, talvez Jesus também seja uma mentira?'. Afinal, eles estão atualmente conectados ao mesmo dia, 25 de dezembro, Natal.

Uma criança que tem sido enganada pela mentira do papai Noel, não só duvida da verdade sobre Jesus, mas tudo que um pai diz. Seja sobre as drogas serem ruins ou mesmo sobre as questões sexuais na infância/pré-adolescência - As crianças descobrem o prazer do corpo, muito antes de entenderem a palavra sexo - Afinal, por que uma criança acreditaria em uma pessoa que mentiu para ela sobre Papai Noel por pelo menos cinco anos de sua vida?

É muito possível que a maioria das dúvidas que os cristãos têm sobre sua própria fé advém dessa mal traçada mentira; dúvidas subconscientes que surgem principalmente quando enfrentamos perigos ou estresse, quando somos esmagados pelo medo e covardia. A proteção que tínhamos antes da descoberta de que papai Noel não existia, não existe mais.

Além do dano espiritual ao mentir para nossas crianças sobre o Papai Noel, há o dano psicológico causado ​​a uma mente frágil de criança. Devemos nos lembrar quando éramos criança e descobrimos que Papai Noel era uma farsa, uma mentira; o mundo pode não ter desabado, mas pelo menos foi questionado porque mentiram por tanto tempo. Se foi outra a criança a contar sobre a não existência do papai Noel, ainda passou por tolo por "ainda" acreditar em papai Noel. Ah, você não se lembra? Nem eu, porque não passei por essa mentira e talvez por isso, respeitava tanto cada adulto que pertenceu a minha vida, meus pais, avós, parentes, professores e para tanto, posso enojar a mentira e mentirosos. 

Em quem a criança deve confiar, se até mesmo seus pais lhe passam mentiras? Alguns pais dizem: "As crianças logo esquecem tudo isso". Mas, e o que fica no subconsciente? 

Comentei em algum blogue - que não me lembro - sobre uma reportagem assistida pela tv, onde uma mãe com uma criança - ainda de colo - ao ser questionada sobre o que ela achava da decoração de natal do shopping, entre tudo o que ela disse ao repórter, destaco: "... até a minha filha (a de colo) já está entendendo quem é o papai Noel". Quem é papai Noel?

Veja bem, a criança ainda não fala e nem mesmo sabe sentar e os pais já injetam a mentira. O choque de perceber que papai Noel é falso e mentiroso, no mínimo faz a criança triste, deprimida, cheia de ansiedade e medo - de diferentes graus. O mundo perde um pouco da magia. O que esperar daqui pra frente do Natal? Para quê ter que se comportar o ano todo?

É muito possível que o estresse causado pela descoberta da mentira acerca do papai Noel, cause danos pós-traumático nas crianças, nunca associados pelos pais - afinal, foi uma mentirinha que será esquecida - Não se iluda, esses traumas podem causar uma gama de doenças mentais à medida que a criança atinge a Adolescência, como: urinar na cama, ansiedade, TOC e transtornos bipolares, hiperatividade, depressão, distúrbios alimentares, obesidade, comportamento antissocial e uso abusivo de álcool e drogas.
  • Leia: Não transforme o Papai Noel em um trauma: Busque entender ‘o que’ e ‘como’ o seu filho pensa (Revista Pais & Filhos)
Parece exagero, mas imagine você como um adulto, de repente acorda em um mundo onde todos mentem para você. Como você se sentiria? Preocupado, ansioso, confuso, com medo? Bem, você terá que multiplicar o que sentiu por cerca de 1000 vezes e daí sim você poderá ver a amplidão da mentira na cabeça da criança e imaginar o dano psicológico motivado pela mentira sistêmica, elabora e persistente, a mente de uma frágil criança.

Se você quer que seu filho cresça honesto, psicologicamente normal e tenha valores saudáveis, não alimente a mentira do Papai Noel de suas vidas. Trate papai Noel como todas as outras fábulas. 

Se você encontrou um lugar para mentir para uma criança sobre o papai Noel, não é tarde para também achar lugar para falar a verdade. Pelo menos as crianças vão aprender a verdade de você e não do mundo ou descobrir por si mesmos que mentirosos são seus pais.

Se há mentira entre o casal, a confiança é quebrada. Difícil será confiar de novo. Você cria o seu filho para ser sincero e os professores ensinam as leis da física. Que cara de pau dizer que nove renas voadoras puxam um homem imortal em seu trenó pelo céu para que ele entregue presentes a milhões de crianças ao redor do mundo em uma única noite por ano!

Apesar dos pais exigirem dos filhos que não mintam, por que eles podem mentir? Essa também não é uma "boa mentira" como a que você usa por preguiça: "não podemos ir no parquinho hoje, porque ele está fechado", quando, na verdade, você apenas não quer sair do sofá.
Papai Noel, mentira danosa para pais e filhos
Imagem

Não force uma criança a gostar do papai Noel! Que pecado!!

"Há bastante tempo existe certa oposição a que se ensine crianças a acreditar em Papai Noel. Alguns cristãos dizem que a tradição de Papai Noel desvia das origens religiosas e do propósito verdadeiro do Natal. Outros críticos sentem que Papai Noel é uma mentira elaborada e que é eticamente incorreto que os pais ensinem os filhos a crer em sua existência. Ainda outros se opõem a Papai Noel como um símbolo da comercialização do Natal, ou como uma intrusão em suas próprias tradições nacionais" (Juventude Ativa)

O ridículo dessa situação é que os pais são muito insistentes na mentira e as próprias crianças, quando descobrem a farsa e não se revoltam, fingem que ainda acreditam, só para não deixar os pais tristes. (CNN iReport) Investigue para não se passar por "esquisito".

134 comentários :

  1. nossa... tenho que parar de comentar de madrugada: 'as no lugar de aos', 'aqueles no lugar de aquelas' e por aí vai :( melhor ir dormir

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não prestei atenção! Pode ter certeza que o que mais me importa é a mensagem que deixou e não se a sua escrita está correta :)

      Eliminar
  2. Traumas semelhantes, iguais, ou, os mesmos estão presentes nos filhos de pais religiosos, como os testemunhas de Jeová, e de outras comunidades que vivem isoladas e descrentes destes valores, e que não acreditam e não ensinam aos filhos tais costumes.

    Nâo temos, neste ponto, semelhanças e opiniões iguais.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Adão, não posso criticar a fé alheia, pois acho que cada um vive bem, dentro daquilo que escolheu para si. Dentro de uma escala de valores sociais, os valores de família imperam. Cabe aquele membro da família que está contrário aos valores, procurar o seu caminho. Não serei eu a ditar o que as pessoas devem fazer com relação a religião. O tema aqui não coube a religião. Papai Noel não é figura religiosa. Para falar a verdade, entendi mas não compreendi a sua conclusão.

      Eliminar
    2. Ai Luma é que está o ponto x. Há milhares de familias que, agem e vivem dentro deste ponto cultural: Não cremos no papai Noel, nem ensinamos a nossos filhos; não cremos no natal; não damos presentes nesta época; e sim, eles agems desta maneira como descrita no texto, e no entanto, não é por causa de crerem ou não no natal na mentira do papai Noel.

      É um exagero atribuir a crença do Papai Noel tais traumas e doenças mentais.

      Não se iluda, esses traumas podem causar uma gama de doenças mentais à medida que a criança atinge a Adolescência, como: urinar na cama, ansiedade, TOC e transtornos bipolares, hiperatividade, depressão, distúrbios alimentares, obesidade, comportamento antissocial e uso abusivo de álcool e drogas.

      Não compartilho com você desta opinião. Eu citei os Testemunhas de Jeová, mas poderia ser por exemplo, judeus, islâmicos, amishs ... e vários outros grupos que não creem no natal, nem no papai Noel.

      Ficou mais claro agora?

      Eliminar
    3. Tais traumas não podem ser atribuídos apenas à decepção pelo trauma da mentira. Existem crianças que não traumatizam por nada e existem outras que traumatizam por tudo - aqui digo das crianças "frágeis" que confiam inteiramente nos pais e que sentem no dia a dia, diante de outras crianças, um desamor por parte do tal papai Noel, por esse nunca lhes visitar e deixar presentes. A mentira do papai Noel poderia ser banida do natal que simplificaria a vida das crianças.
      Existem mentiras piores, mas a do papai Noel cria ansiedade, a criança espera todos os anos pela sua chegada e os sentimentos que antecede a sua chegada e após o dia de natal é o que conta. Ansiedade e decepção para as crianças que são usadas pelos pais, que na inconsequencia da promessa não possuem condições de satisfazer a fantasia que criaram na mente da criança. Se os pais não têm condições financeiras de dar presentes no natal, melhor seria contar a verdade.
      Existem enes fatores que traumatizam as crianças, mas como disse no texto, muitos não são reconhecidos - porque pelo olhar adulto, é visto como besteira. Uma grande decepção para a criança pode gerar o mesmo sentimento que é gerado pela morte. Se o papai Noel visita sua casa e é chamado "papai", faz parte da família. Diferentemente da Branca de Neve que nunca vai à sua casa, pois vive somente dentro da história.
      Indico a leitura do livro "O bebê filosófico: O que as mentes das crianças conta-nos sobre o amor, verdade e do sentido da vida", de Alison Gopnik. Em um trecho, ela escreve:
      "Há uma relação entre ter uma infância longa e a habilidade de aprender e imaginar. A maneira da natureza de nos fazer aprender sobre o ambiente é ter essa infância protegida, quando tudo o que temos a fazer é aprender. Nós pegamos o que aprendemos quando somos crianças e colocamos em prática quando adultos. Nossos filhos são a divisão de pesquisa e desenvolvimento da espécie humana".
      A imaginação e fantasia fazem parte do processo de amadurecimento infantil, mas os adultos não podem interferir nas fantasias infantis. Ter um amigo imaginário é bem diferente de ter um adulto velho e barbudo (sábio) que chega uma vez ao ano apontando para a criança se ela é merecedora ou não de presentes. A maioria dos adultos não se lembra do trauma que tiveram ao receber a notícia que papai Noel não existe, porém ficou dentro da caixinha.
      Quem tem filho problemático em casa, procure saber se o problema está mesmo no filho ou em si mesmo. Família é a grande causa de terapias.

      Eliminar
    4. Eu nao quero estender a discussão religiosa que nao vem ao caso. Só gostaria de esclarecer algo. Testemunhas de Joevá e outras comunidades religiosas que não participam de comemorações relacionadas ao natal e por extensão ao Papai Noel não tem a intenção de traumatizar suas crianças pq primam por dizer a verdade sobre esses costumes. É só estudar sobre o Natal e suas tradições adaptadas das festas pagas como aniversario do sol e obviamente a não existencia de Papai Noel que se vê a intenção de educar pela verdade. Não estou falando de verdades absolutas de crenças ou dogmas, estou falando de história e de realidade. Fui educada como Testemunha de Jeová e só me lembro dos traumas da intolerancia das outras religiões. Hoje é mais comum ser diferente e a tolerancia é ensinada e incentivada. Apesar disso sinto a repreensão das pessoas quando digo abertamente a minha filha que quem compra os presentes que ela ganha são as pessoas que ela conhece e gostam dela e que Papai Noel é só uma estória que as pessoas gostam de contar no fim do ano. E não posso repreender ninguem quando mães, crianças e professores dizem pra ela que faça pedidos ao Papai Noel e os escreva deixando na árvore de natal, que sou corrigida na hora, como se a mentirosa fosse eu. Ainda é dificil ser diferente mas sou grata pro não ter crescido no meio de mentiras tolas e sem sentido (pra mim) e tenha aprendido a valorizar o esforço dos meus pais desde cedo qdo ganhava algo.

      Eliminar
    5. Nanci, a própria igreja católica mudou as datas originais das comemorações religiosas e adaptou com atrativos para não perder rebanho para as festas pagãs. Como você deve saber, sou deísta e para mim, Deus é onipresente, circunstancial e pouco importa a religião. Todos esses adereços que inventam para comemorar o natal, nada mais é do que invenção dos homens para deixar a festa mais atrativa. Rezar que é bom, nada! A escola devia de se abster a falar de coisas que dependem dos ensinamentos de cada família. Se tiraram a religião da lista de matérias da escola, não deviam falar de assuntos agregados. Quanto aos demais, acho que você deve ser tachativa e dizer que não ensina sobre o papai noel para a sua filha como uma pessoa real, pois é um personagem. Fico pensando em como as pessoas gostam de complicar suas vidas: Primeiro contam uma mentira e depois suam para contar a verdade. Pois então, que não contem mentiras!
      As crianças que mais sofrem com a não vinda do papai Noel, são as crianças pobres, pois as demais, adoram exibir seus mimos como os melhores e os pais entram na competição de quem deu o melhor presente para os filhos.
      Nanci, amanhã vou escrever um texto sobre essa compulsão consumista da época do natal.
      Beijus,

      Eliminar
  3. Essa coisa de mentira entre pais e filhos é complicado. Já fui babá em várias casas e sempre vi as tais 'mentirinhas' sendo ditas pelos pais com naturalidade 'diz que papai/mamãe não tá', quem é pai/mãe que nunca...? rs

    Aaaahhhhh... eu amo muito o Natal, com seu velhinho suando as bicas no calor do Brasil, coitado rs

    Eu vejo essa coisa da mentira em relação ao Papai Noel que os pais contam aos filhos, assim: as mentiras que são verdadeiramente danosas pros filhos são aquelas que não os preparam para o que é real na vida, e podem fazer a diferença na deles, de fato.
    Pai 'mente' para filho quando diz com convicção 'vc vai ficar bem...', 'tudo vai acabar bem', 'eu sempre vou estar por perto', 'eu nunca vou te abandonar'. Há uma grande possibilidade de que muitas vezes a vida se encarregue de mostrar que era mentira, os pais não só dizem essas coisas que no fundo são desejos, como não preparam os filhos no caso delas acabarem não se mostrarem verdades.

    Papai Noel... Coelhinho da Páscoa... essas coisas são sonhos, são fantasias que um bom pai e mãe deveria ensinar o filho a fazer a passagem pro dia que for só isso, uma fantasia de criança.

    É uma fantasia nem sempre alegre, claro. Muita criança sofre porque 'Papai Noel não lhe trouxe um presente...não lhe trouxe um sapato que não esteja furado, não lhe trouxe algo bom para comer'.

    Ah, e esse negócio de 'só ganha presente se for bom menino' é coisa dos pais que vivem achando um jeito pra facilitar a sua vida na criação dos filhos; igual ao 'se passar de ano, ganha tal coisa' ao invés de cobrar nos estudos porque em filme já vi muito pestinha ganhando presente de Papai Noel...

    Papai Noel é a metáfora de que tem sempre alguém que vai lembrar da gente... Problema é que a maioria das pessoas do mundo real restringe esse 'da gente' só aos seus, muitas vezes com exagero.

    Porque, ao invés de tirar a fantasia do Noel, não incentivar os filhos a bancarem ajudantes de Papai Noel?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Lu, as crianças são criativas para ter as suas próprias fantasias, como um amigo imaginário, por exemplo. O que o adulto faz ao criar uma mentira contada por longos anos é bastante diferente do que a criança faz dentro de usa cabecinha, criando suas próprias fantasias. Eu cresci sem papai Noel e coelhos da Páscoa, isso me tornou uma pessoa crítica quando o assunto é manipulação das massas. Muitas coisas são importantes para o desenvolvimento cognitivo das crianças e as histórias fantásticas promovem um tipo de jogo que acende a compreensão, criatividade social e até mesmo, por mais estranho que possa parecer, o desenvolvimento do raciocínio. Mas as crianças podem sozinhas raciocinar que aquilo não é verdadeiro. Quando os pais interferem, elas acreditam piamente. Por isso a decepção pela mentira. Lembro de ter perguntado para a minha mãe se papai Noel existia. Ela podia ter entrado na onda, mas ao contrário, me devolveu a pergunta: Você acha que papai Noel existe? Essa pergunta me fez questionar mais ainda e chegar nas minhas próprias decisões, sem a interferência mentirosa de um adulto.
      As crianças quando fazem teatrinho, compreendem melhor a dinâmica da imaginação e começam mais cedo a separar o que é real do que é obra da imaginação. Por isso, ler histórias para as crianças é muito bom também! Elas se colocam no lugar dos personagens e interagem de uma maneira que sabem que os personagens pertencem ao livro e não a sua vida real. Jacqueline Woolley, uma psicóloga infantil da universidade de Austin, no Texas, tem um estudo bacana nesse sentido.

      Eliminar
    2. Então... eu cresci acreditando em Papai Noel...aquele de roupa vermelha... e um dia entendi que ele era só a representação, uma fantasia de algo que fazia as pessoas mais doces, mas gentis umas com as outras no fim de ano. Tanta coisa pra comprar, e as pessoas não sabendo como e com o que gastar é que estraga o espírito natalino. Não é a fantasia do Papai Noel que é ruim, é as pessoas se esquecerem do espírito natalino e se ligarem só no espírito consumista.

      E sinceridade? Não acredito q tenha sido o fato de vc ter crescido sem Papai Noel e coelhos de Páscoa que tenha feito vc uma pessoa crítica em relação a manipulação das massas, e se foi, acho uma pena...

      Creio que vc podia ter se tornado isso sem ter pulado a fase do encanto natalino.

      Mas mesmo vc pensando como pensa, ainda acho vc legal, tá? :)

      (Teclado, livrai-me de muitos erros na escrita porque a essa hora, meus cérebro e meus dedos, não dialogam mais rs)

      Eliminar
    3. Ah, papai Noel e coelhos da Páscoa não foram o centro da minha vida. Pode ter certeza que sempre fui uma criança muito fantasiosa, até o ponto de querer voar.
      Guarde isso: Só sentimos falta daquilo que um dia tivemos. E dentro dessa lógica, duvido muito que uma criança por livre e espontânea vontade guarde alguma boa lembrança do papai Noel. Na maioria das vezes, ouvimos os pais dizendo: "Papai Noel é um velhinho muito bonzinho", apesar de prometer vir te ver no Natal e não vem. Quando vem, traz o presente que você não pediu...
      Já o pensamento crítico, formamos aos poucos e não será exclusividade do pai Natal promover isso. Ele apenas impedirá por um tempo. Um certo atraso, por assim dizer!

      Eliminar
    4. Por que tanto ódio nesse coraçãozinho contra a fantasia do Papai Noel? Parece até que vc traumatizou com algum Natal na sua vida... ou pela falta dele. Acontece :)

      Em relação ao 'apesar de prometer vir te ver no Natal e não vem. Quando vem, traz o presente que você não pediu...'

      Então nesse caso os pais estão, na verdade preparando os filhos pro futuro, pra quando ouvir coisas do tipo 'eu sempre vou te amar...' o que nem sempre acontece ou o sonho de ser determinada coisa no futuro, o que nem sempre vai acontecer faz parte.

      Muita gente, adulta, não lida bem com essas frustrações também. E nem todas elas cresceram acreditando em Papai Noel, outras sim...

      Eliminar
    5. Hahahaha sem chance... :)

      Eliminar
  4. Não gosto do Natal. Papai Noel é um monstro para as crianças e a troca de presentes é uma hipocrisia. Tomarei meu Rivotril mais cedo no dia 25.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Existem muitas crianças frustradas no mundo porque a família não teve condições financeiras para alimentar o sonho do presente que o papai Noel traria. Uma magia negra, por assim dizer. Desnecessária.

      Eliminar
    2. olha como essa coisa de não ter fantasia com Papai Noel prejudica... enquanto eu vou estar abrindo presente, o Flavio tá abrindo a embalagem de Rivotril rs

      Eliminar
    3. Acho que o Flávio fez referência a "Nação Rivotril", produto de um mundo cheio de hipocrisia. É o segundo remédio mais receitado no Brasil e erroneamente não são os psiquiatras que o receitam.

      Eliminar
    4. Luma eu acho que vc é que não entendeu a minha resposta... tudo bem, acontece rsrs

      Eliminar
    5. Entendi sim. Só que o "Luz" não é divã :)

      Eliminar
  5. Hola Luma...
    Adoro Natal... adoro este tiempo.. mesmo muitos humilde
    minha mãe siempre nos decias que comemoramos o nascimento de Cristo., pero nada al respecto del Papae Noel.
    que comemorabamos mais los Reyes que es el 06 de janeiro.
    Vou entrar amanha terminar de ler o seu texto...
    Beijos! adoroooo aqui!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Hola, doña!
      También me encanta la Navidad, para reunir a la familia y celebrar el cumpleaños de Jesús. Nuestro intercambio de recuerdos se hacen en Noche de Reyes, así como manda la tradición. El día de Navidad, justo al final del advenimiento y la Misa del Gallo.
      Sin embargo, cada cultura con su tradición. Santa Claus no es parte de la cultura brasileña: fue introducida por los medios de comunicación en un pasado muy reciente.
      Gracias por pensar en nosotros!
      beijus,

      Eliminar
  6. Aliás, essa coisa de fantasiar é comigo mesmo, como no caso do post sobre o sonho de brincar de roteirista diante das notícias dos jornais...

    http://pitacosdelua.blogspot.com.br/2012/12/num-mundo-justo-algumas-cenas-seriam-reescritas.html

    Aliás, Papai Noel tinha que deixar aquele povo todo lá sem presentes... gente má :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Imaginei... a mesma notícia sendo reescrita por várias pessoas ao mesmo tempo!! :)

      Eliminar
  7. Luma,

    Gosto muito de vir aqui quando eu tenho tempo para ler e refletir sobre tudo que você escreve.
    Meus pais são cristãos da Igreja Batista, e eles nunca mentiram para nós sobre qualquer coisa, muito menos sobre Papai Noel. Desde que tenho noção das coisas, lembro-me que tudo quando ganhava presente, isso quando ganhava, eles nos diziam toda a verdade.
    Eu, confesso que errei nesse ponto com minhas filhas, embora, isso não tenha perdurado muito. Ao ser questionada por uma delas, contei a verdade. Eu não menti para elas, mas omiti a verdade ao admitir que os avós paternos delas alimentassem esse tipo de coisa. De qualquer forma foi um erro também.

    Eu vi algumas fotos como essa na Internet essa semana, e não achei nenhuma graça. Fiquei foi com muita pena das criancinhas.

    Luma, o ser humano está perdendo todos os seus valores. Destaco uma parte de um dos parágrafos que me chamou à atenção.
    o ser humano "precisa parar para pensar andes de agir, para evitar assimilar tudo que lhe foi imposto".

    Lindo dia! Beijos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Verdade, Lucinha... em nenhuma religião existe a figura de papai Noel. Mas é uma lenda muito presente nas casas, ao contrário do que vem acontecendo na mídia que, pelo desgaste, não está mais usando a figura do papai Noel. Que diga-se de passagem, está mais para vovô.
      Ao contrário das outras lendas infantis, o papai Noel não passa nenhuma mensagem boa, a não ser incentivar na criança o desejo de possuir. Lembra-se da postagem que fiz sobre a inveja?
      Principalmente por estarmos vivendo em outros tempos, papai Noel não cabe mais. A "bondade" dele em dar presentes as crianças merecedoras, mais me parece com um chantagista que assedia moralmente em troca de favores.
      Lindo dia para você também!!
      Beijus,

      Eliminar
  8. Seu ponto de vista tem mesmo que ser levado em consideração. Lembro até hoje o dia que meus pais me contaram que papai noel não existia e lembro da minha decepção total, fiquei num canto pensando naquilo. Realmente procede tudo que disse.

    Beijocas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os adultos não imaginam a consequência do ato, apenas seguem a onda. Depois quando as crianças descobrem, deixam a onda morrer na praia. A criança lida sozinha com essa frustração - algumas digerem, outras ficam no subconsciente, onde os pensamentos geram a realidade.
      As crianças aprendem a ir à fonte errada para receber presentes, são encorajadas a se comportar bem durante o ano pelas razões erradas, e aprendem a amar os bens materiais, em vez de amar a quem dá simplesmente afeto.

      Eliminar
  9. Olá Luma!
    Gostei de ler seu texto e compreendi sua proposta.
    Como já vivi muitos natais posso te contar: nunca mentimos para nossos filhos sobre Papai Noel, mas ensinamos para eles que essa fantasia ajuda no encantamento que envolve a festa de aniversário do menino Jesus, {data essa, que por sinal, também é outra mentira}.Então fazíamos realmente um teatro em casa. Assim como os temas que são escolhidos para as festas de aniversário das nossas crianças...super homem, homem aranha, cinderela, branca de neve, e outros mais modernos hoje em dia.
    Particularmente eu cresci rodeada de encantamentos e em simultâneo sabendo da "vida real"... das pobrezas, dificuldades, etc....etc....etc...
    Os costumes em casa sempre foram baseados em costumes do norte da Europa e lá a vida usufrui da fantasia para alegrar o dia a dia...
    Te contei tudo isso por achar interessante a sua colocação do trauma que poderá ficar se descoberta a mentira...mentir realmente é muito feio....
    Beijão
    Astrid Annabelle

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Astrid, pois é assim que deve ser! Papai Noel deve ser tratado como um personagem e não como uma pessoa. Esse fato deixa as crianças bastante confusas, afinal, quem é essa pessoa que nunca está presente no cotidiano da família e chega no final do ano ditando quem fez o certo ou errado?
      Conheço os costumes do norte da Europa e acho linda a comemoração do dia de São Nicolau. Muito legal acordar pela manhã e encontrar gostosuras em nossas meias! A origem da árvore de natal também é dos países do norte, que adoravam árvores. Os monges se aproveitaram desse fato e escolheram o pinheiro, por sua forma triangular para explicar aos bárbaros medievais, o mistério da Santíssima Trindade. São Columbano, para tocar esses povos rudes e chamar atenção para si, tocou fogo em um pinheiro, para então contar sobre o nascimento de Cristo.
      Eu adoro essas histórias antigas! :) Se tiver mais, pode contar! Vou adorar!!
      Beijus,

      Eliminar
  10. Luma, se pensar assim, errei... Errei e fui criada errada nesse quesito..( e em tantos outros errei também,claro!)

    Enquanto as crianças acreditam na magia, a figura do P.Noel é legal e aui em casa, até hoje, estimulada.
    Nunca deixamos de falar o verdadeiro sentido do Natal, isso não, mas o P.Noel faz parte do imaginário meu e dos meus e hoje, dos netos.

    Mas, concordo, se for pensar na mentira. Mas desse ,tenho certeza, sou perdoada. Há bem piores,rs... beijos,tudo de bom,chica

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O papai Noel tratado como qualquer outra lenda, acho justo. E quando você diz: "Nunca deixamos de falar o verdadeiro sentido do Natal", não penso que errou quanto ao papai Noel. O que não acho certo é associar o Natal a uma mentira, colocando papai Noel no centro e esquecendo dos verdadeiros motivos. Algumas pessoas são bastante fanáticas com o tal velhinho e usam da imagem dele para fazer chantagens com as crianças. Eu não gostaria de ter tido esse tratamento! Beijus,

      Eliminar
  11. Compreendi as suas colocações, mas uma infância sem fantasia é chaaaata!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acho que não compreendeu as minhas colocações. Em nenhum momento afirmei que as crianças precisam de infância sem fantasia.

      Eliminar
  12. Há outras mentiras bem mais nocivas e perigosas. Sempre adorei o "imaginário" do Pai Natal e lembro-me bem da minha alegria quando via a pequenina prendinha que ele nos deixava. Nunca tirei fotos "ao colo do Pai Natal". Criei as filhas também "nesse imaginário e agora são dois netos, porque a que tem 7 anos já disse que sabe quem é o pai Natal, mas gosta tanto da sua figura que finge não saber. Nenhum deles tem fotos ao colo do Pai Natal, porque acho um disparate o que ilustra as fotos que colocaste.

    Mais, as minhas filhas e genros foram criados na ou pela Igreja Católica e afastaram-se por completo. Não, casaram pela Igreja e não Baptizaram os filhos (os meus netos) e dizem que respeitam se eles um dia mais tarde o quiserem fazer.


    A verdade está é sempre, mas sempre NA FORMA COMO OS PAIS EXPLICAM A ORIGEM "DESSE IMAGINÁRIO" como me explicaram a mim e expliquei às filhas e assim sucessivamente.

    Tenho quase 62 anos e ainda hoje ACREDITO NO PAI NATAL E GOSTO IMENSO DA SUA IMAGEM, e amigos (as) e até os meus, por saberem disso já tenho cinquenta e tal miniaturas que me têm oferecido ao longo dos anos e está hem? Mais, duas sempre andaram comigo e que a guerra não conseguiu destruir.

    Agora explicar a actual crise em que Portugal mergulhou e sobretudo a de falta de valores de políticos etc. etc...numa vergonha sem precedentes...é difícil, como foi difícil os meus pais explicarem que deveríamos ter CUIDADO com tanta coisa devido à ditadura de Salazar.

    Agora o Pai Natal? Tadinho...não roubem os sonhos das crianças porque estas quando recebem uma simples laranja ou dois rebuçados já mostram o seu sorriso sempre tão preenchente!

    Beijos e desculpa a minha opinião sincera:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Certamente, Fatyly! Enquanto não há desgaste do psicológico da criança, a magia se faz! Você e sua famílias possuem condições de alimentar essa fantasia, pois como escreveu, esse "imaginário" foi e é explicado de geração a geração. Mas nem sempre é assim. Em muitas famílias, a figura do velhinho sai do imaginário e entra no cotidiano. "Se você não se comportar..." e os brinquedos pedidos sempre vão além de laranjas. As crianças vítimas de consumo, sempre pedem além do que os pais podem comprar e muitas são pobrezinhas mesmo! Para não lidar com a frustração, acho mais justo contar, pois a frustração somatiza ano a ano e muitas crianças se sentem menos amadas porque seus amiguinhos recebem muitos mimos. Não acho justo mentir!
      Mamã, sabe que respeito muito a sua opinião!! :)
      Beijus,

      Eliminar
  13. Que texto perfeito! Concordo com tudo e a proposta é realmente a melhor.

    Adoro Natal, mas sem tanto consumismo e mentiras. Na minha infância, a coisa mais assustadora foi quando vi uma carta "escrita pelo Papai Noel", dizendo que não levaria presentes se não nos comportássemos bem. Se ele não existia, como escreveu uma carta? Muito medo! rsrsrsrs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caramba... Receber carta do papai Noel é mais que demais! Totalmente sem noção.
      Três anos passados, fui voluntária na ação "Papai Noel dos Correios", onde é feita a leitura de cartas endereçadas ao Papai Noel. Numa triagem, não é solicitado presentes diretamente à população, mas procuramos pessoas, empresas ou entidades interessadas em adotar cartas, ou seja, atender aos pedidos que as crianças fazem ao Papai Noel e doar os presentes.
      É deprimente o nível de pobreza de nosso país e você se emociona com tanta pureza das crianças. Isso me chocou demais e, por isso também critico a "Feira de troca de brinquedos" promovida pelo instituto Alana. Deveria ser "Feira de doação de brinquedos", previlegiando o desapego e incentivando o altruísmo nas crianças.
      Mas as pessoas estão muito interessadas em possuir.
      Beijus,

      Eliminar
  14. Teitei uma vez com meu filho mais velho quando tinha uns 3 anos e o resultado foi esse mesmo das imagens mostrada aqui.
    Hoje não recomendo que focem a que uma criança queira gostar de um homem fantasiado de papai noel, é realmente ruim o resultado.
    Gostei da matéria.
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Lu!
      Presenciei uma vez essa forçação de barra e fiquei muito constrangida. Não posso ver criança sofrendo! Beijus,

      Eliminar
  15. Todas essas invenções vêm em sua maioria desses povos aí citados.
    Eu nunca fui levada a crer em papai noel e afins, meus pais sempre me criaram, a mim, meus irmãos com essa visão realista, de que tínhamos o que podíamos ter com esforço, nada dessas
    fantasias. Nada de papai noel e sobrevivemos conscientes e sem traumas.
    Eu acho que pra não se ter vergonha do mundo que está se construindo tem que se trabalhar com a verdade, já está mais que na hora de abandonar certas fábulas, mentiras fantasiosas em tempos difíceis e de se falar a verdade, em meio a tanta pressão pelo politicamente correto.
    Em parte, o natal é feito de mentiras e como você coloca, a criança pode até duvidar do verdadeiro sentido da festa, do menino Jesus, enfim, será assim porque no fundo o que se quer mesmo é o emprego do capitalismo, o consumo, as arrecadações da data que mais gera lucros.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ruby, também fui criada do mesmo modo; sabendo o valor das coisas e fazendo por merecer. Nada cai do céu ou chega de trenó.
      Não sou radical ao ponto de acabar com todas as fábulas, mas muitas precisam de revisão. As crianças da atualidade não podem mais ser subestimadas. O cérebro delas é diferente do cérebro dos adultos. É feito para aprender. Formamos muitas conexões entre os neurônios durante a primeira infância, milhões de caminhos por onde a informação pode viajar. Por isso, o cérebro das crianças é melhor conectado entre suas diversas partes, o que nos oferece um monte de possibilidades de captar informações e aprender. Mas, a partir da adolescência, vamos cortando algumas dessas conexões que não são muito usadas. Nosso cérebro se torna muito bom em campos específicos, mas não em fazer coisas novas. As novidades sempre são bem-vindas! E chegará o tempo que essas crianças que acreditavam em Papai Noel, serão os empregados do capitalismo e consumo. Saber o valor das coisas desde sempre é importante! Beijus,

      Eliminar
  16. Estamos a poucos Dias do Natal
    agradeço seu carinho no decorrer de mais um ano ,
    que esta chegando ao Fim.
    Só tenho que agradecer a Deus por sua amizade,
    agradecer acima de tudo Deus por ter preservado
    minha vida por mais um ano.
    Em meio a tantos obstáculos passando
    por cada um deles movida pela fé e esperança de Dias melhores.
    E para encerrar o Ano com chave de ouro coloquei
    mais um livro em sorteio no meu blog.
    Para participar basta ser seguidor colocar o selinho de participação que esta na postagem do meu blog
    manter seu blog atualizado pelo menos 8 dias no Dia do sorteio.
    Conto com sua participação.
    Uma abençoado final de semana beijos no coração,Evanir..

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada pelo convite e carinho, Evanir!
      Beijus,

      Eliminar
  17. Luma,

    Li atentamente seu texto sobre a “invenção do Papai Noel” e os males que isso causou ou pode causar, como sempre, muito bem escrito e teoricamente bastante correto. Pareceu-me, entretanto, um pouco tendencioso no sentido de “julgar e condenar” o que já se tornou uma tradição em grande parte dos lares, pelo menos dos lares cristãos, católicos e capitalistas. Algumas pessoas gostam de falar mal do Natal, do Papai Noel, do consumo e da fartura das ceias e guloseimas próprias dessa festa. Tudo bem! Cada um tem o direito de gostar ou não, conforme suas crenças, convicções e até mesmo experiências. Mas existe o outro lado; o lado das pessoas que gostam, curtem e até se excedem nos preparativos dessas festas – ou de outras. Parece-me que isso é liberdade de escolha, livre arbítrio ou o nome que se queira dar.

    Teremos o direito de julgar ou condenar o que, ao longo de mais de um século, se tornou tradição?

    Venho de uma família católica e cresci em meio a todas as tradições de Natal, de Páscoa e outras. Foi-me dito que no Natal o Papai Noel trazia presentes para as crianças e, se durante o ano eu estudasse, fosse bom filho, bom irmão e bom aluno, poderia ganhar presentes que me deixariam muito feliz. Eu acreditei nisso até o momento em que acabei descobrindo que o Papai Noel eram os meus próprios pais e isso não me causou mal algum. A não ser a frustração de descobrir que aquela fantasia não existia (no fundo eu sabia que era uma fantasia!), nada mais mudou em minha vida. Continuei ganhando meus presentes no Natal e, para ter direito a eles, eu precisaria continuar sendo bom filho, bom irmão e bom aluno. Com meu irmão aconteceu a mesma coisa e da mesma forma. Meus primos e amigos de infância cresceram como nós e, que eu saiba, nenhum se sentiu tão incomodado com as “mentiras” paternas a ponto de se tornar viciado, bandido, marginal. Todos se casaram (menos eu!), tiveram filhos e os educaram dentro dos mesmos princípios, convicções e crenças. E essa nova geração já está aí, estudando, trabalhando, casando e perpetuando suas famílias, seguindo exatamente as mesmas tradições.

    E a figura da noiva, com seu vestido branco, véu e grinalda? Não poderia ser questionada como uma fantasia, assim como o bom velhinho e o coelhinho?

    Ah! E sobre as fotos com crianças chorando no colo do Papai Noel, convém lembrar que a grande maioria das crianças que acredita no bom velhinho quer tirar uma foto com ele. E saem sorridentes e cheios de esperanças. Os que choram, como se pode ver, são bastante novinhos e choram devido à figura estranha, diferente das pessoas com quem eles estão acostumados. Chorariam no colo de um palhaço, de um mágico, de um padre (daqueles que usavam batinas pretas, então!...), mas não por que aquela pessoa é alguém fantasiado de Papai Noel. E acredito que estão no colo do (trabalhador) Papai Noel por que a mãe, o pai, a avó ou alguém muito próximo as colocou ali, contra sua vontade.

    Não quero levantar nenhuma polêmica com você, que é uma pessoa que admiro muito. Apenas não concordo com tudo o que está escrito nesse texto – e isso mostra que nem sempre todas as pessoas pensam, agem, acreditam da mesma maneira. Já imaginou que monotonia? Estou falando das minhas experiências pessoais, que envolvem meus familiares e amigos próximos. Não sou nenhum especialista, mas também não vi nada de mal em ter sido criado dessa maneira. Pelo contrário, sinto orgulho de ter me tornado a pessoa que sou e de gostar de todas essas tradições, inclusive das noivas de branco e, pelo menos dentro do meu círculo mais próximo, não testemunhei nenhum mal causado por essas “mentiras” que os pais contaram aos seus filhos.

    Beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Zeca, o que expresso no texto é o meu descontentamento com o lugar que o papai Noel tomou de Cristo. A mentira começa quando associam uma data religiosa a um personagem que nada tem de religioso, fazendo desse personagem algo mais vivo e central que qualquer outro personagem das fábulas; ele ganha vida interferindo de modo direto no comportamento das crianças através de chantagens praticadas pelos pais. Se ele fosse tratado como qualquer outro personagem das fábulas, não haveria problema. Mas o papai Noel sai do conto e dita normas, participando do cotidiano da criança. Muitas não ganham presentes e se sentem menos amadas ao ver o coleguinha ganhando muitos presentes. A realidade a ser dita para a criança é que, ganha mais presentes aquela criança que os pais tem mais condições financeiras. Mas os pais não querem que seus filhos se decepcionem com eles e mentem.
      A união familiar se forma através da sinceridade, confiança e lealdade; três ingredientes que fazem gerar cumplicidade que, ao criar bases na infância, se perpetua pela vida toda. Acreditar nos pais e depois saber que esses mentiram, não surte bom resultado a longo prazo. A criança engole, mas a longo prazo com outras "mentirinhas" dos pais, os conflitos aparecem. Vejo pais dizendo: "Fiz tudo pelo meu filho e agora essa ingratidão". Será? Vamos procurar a raiz, quando as crianças eram inocentes e não foram respeitadas. A mentira do papai Noel é uma das piores, por que é alimentada por longos anos.
      Papai Noel, conforme conhecemos fisicamente, se tornou popular somente à partir de 1931. Antes era uma história contada por um professor de literatura grega. Cada família conta a história que lhes apetece, mas não pode usar de uma fábula para pressionar as crianças através de mentira.
      Você foi uma criança feliz! Você fazia e era recompensado, mas em muitos lares não é assim. As crianças fazem e se frustram, pois chega no Natal e necas! Ela olha para o lado e vê muitas crianças ganhando presentes, como já comentei acima.
      Ah, as noivas? Não entendi o que o vestido branco das noivas tem a ver com a mentira que os pais contam [estou sendo irônica] :)
      Pois as crianças choram no colo de um estranho e os pais acham graça, querem tirar foto... fala sério!
      Bem... acho que incomodou dizer dos problemas acarretados pelas mentiras que os pais contam. Aqui no texto, usei papai Noel... Mas é verdade, converse com algum profissional da área e você verá como a família pode exercer influência negativa na vida de seus filhos.
      Zeca, sou adepta das tradições de natal e festejo, assim como de todas as consagrações da igreja. Na minha casa tem papai Noel de enfeite, assim como tem ursinhos, estrelinhas, bolas, luzinhas... mas o presépio é a peça central. E posso garantir que as crianças da minha família preferem dormir agarradas a um ursinho do que com um papai Noel.
      Ah, na Finlândia papai Noel é chamado Joulupukki e sua casa de verão fica aqui no Brasil, em Itatiaia.
      Beijus,

      Eliminar
  18. Oi Luma!

    Adorei o texto. Adorei a maneira como abordou o assunto e todas as colocações e considerações feitas. Li os comentários também.

    É um assunto complicado... Meus pais " mentiam" pra mim sobre papai Noel. Quando descobri fiquei irritada, tinha seis anos. Mas ri demais depois de tudo. Passou.

    Não fiquei traumatizada e nem nada.

    Acho que vai de cada um.

    Não tenho fotos com papai Noel quando criança. Tenho depois de adulta kkkkkkk... Acho tão legal essa época de luzes e cores!

    Beijos!!!

    Selma

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acho que vai da maneira como você fica sabendo a verdade. Se foi com descontração, tudo bem! Mas e quando a criança vira centro da chacota de outras crianças? Depois de digerida a mentira, tudo fica mais tranquilo! Beijus,

      Eliminar
  19. Luma, assunto bem polêmico.
    A parte da mentira é bem verdade, mas essa tradição do Papai Noel já vem de muito tempo e tornou-se um tempo de magia, de alegria, de solidariedade para a época, mesmo achando que quem faz nessa época deve fazer durante todo o ano.
    Esse ano, revelei contrariada ao meu filho mais novo o Papai Noel.
    Aqui no blog:
    http://www.misturao.blogspot.com.br/2012/11/revelando-papai-noel.html

    Gostei dos comentários, em especial do Zeca.
    Acho que temos uma boa polêmica.
    Xeros

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como comentei no seu post, não sou contra as fábulas infantis, sou contra quando elas começam a interferir negativamente na vida das crianças.
      A criança que se comporta bem e é recompensada, se sente motivada a sempre se comportar bem. Já aquela que se comporta bem, mas no final do ano, papai Noel não a recompensa, começa a achar que o problema é com ela. Imagina isso acontecendo ano a ano? Não seria melhor os pais serem honestos e falarem a verdade?
      O Zeca é um querido!! :)
      Beijus,

      Eliminar
  20. Luma,

    Quando criança, eu acreditei. Quando descobri, não me senti traumatizada, nem deixei de acreditar nos meus pais ou de ter fé. Sempre entendi o símbolo natalino. Assim é com minha filha. Contudo, da mesma maneira que nada foi imposto a mim, tambem nao foi para minha filha.

    Eu não aprovo a atitude do adulto que não respeita seu filho, este acaba chorando ou entrando em desespero porque tem medo do Papai Noel e tambem de palhaços, ou de qq pessoa diferente e fantasiada. Se as crianças não se sentem seguras, se tem medo, não devem ser defrontadas. Isso sim pode levar a trauma que na infancia é esquecida e na fase adulta aparece como depressão, fobias, etc...

    Beijos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O processo é mais ou menos esse: Conforme vamos descobrindo as mentiras, o mundo vai ficando menos atraente. Depois os pais não sabem porque tem filhos mau humorados, pessimistas, antissociais... está agindo correto com sua filha. A infância deve ser respeitada em todos os sentidos e o adulto não pode se beneficiar da inocência da criança em benefício próprio. Tudo o que acontece na infância repercute na vida adulta! Beijus,

      Eliminar
  21. Luma
    polêmicas à parte, imagino que sua intenção foi questionar mesmo.
    Por que insistimos com as fantasias?
    Será que temos tanto medo assim de assustar as crianças com as realidades que oferecemos a elas?
    Papai Noel em casas de pais empregados e que podem comprar seus presentes (mesmo que fiquem longos meses pendurados no cartão) é ótimo.
    Agora, papai noel para os excluídos das possibilidades consumistas não tem nada de bonito, de fantasia.
    Dói e machuca e a criança fica magoada, injustiçada.
    Essa fantasia só perpetua a visão do nosso sistema consumista/capitalista.
    Assim como o tal aniversário, o dia dos pais e das mães, o dia das crianças.
    é uma questão de escolha e de reflexão.
    Iche... aposto que vou acabar escrevendo outro post, rs.....

    Abração.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isso mesmo, Lili!!
      Papai Noel, pode ser bom em algumas casas, mas em casas menos favorecidas, não tem o mesmo brilho. Papai Noel atualmente é símbolo do consumismo.
      Ah, tomara que vire um post!! :)
      Beijus,

      Eliminar
  22. Muy buena la reflexión. La navidad es compartir de nosotros (de nuestro interior) hacia nuestro prójimo. Es increíble los tiempos que vivimos y las cosas que vemos.
    Saludos
    David de observandocine.com

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. De hecho, David! El mundo se está moviendo para que nos daba miedo! Gracias por la sensibilidad y la percepción de la realidad. Saludos,

      Eliminar
  23. Luma, bom dia!
    Pois é, este é um assunto que envolve crenças.
    Você descreveu muito bem.
    Num tempo deste é preciso prestar atenção nelas.

    Beijos.
    Anny

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os tempos mudaram e a lenda do papai Noel mudou de forma a manipular pais e filhos. Para combater é preciso combater a mentira. Pais consumistas, filhos consumistas!! Mas e os filhos de pais poberes? A mentira do papai Noel é providencial, mas mutiladora da auto-estima das crianças. Beijus,

      Eliminar
  24. Oi, Luma. Vejo Papai Noel como um ser imaginário e a fantasia faz parte do universo infantil. Convivi com a ideia de que ele existia na infância e não fiquei traumatizada ou desconfiada quando percebi que ele não existia porque já tinha idade o suficiente para compreender que era um personagem infantil.
    Mas concordo que ele não deve ser usado como meio de repressão (só virá se for bonzinho) ou como forma de movimentar o comércio, uma vez que essa não é a intenção do Natal.
    Achei seu texto muito bem escrito e seus argumentos, válidos. UM abraço!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Bia!! Os tempos mudaram e a magia do Natal teve os seus encantos quebrados quando o consumismo passou a manipular as vontades. A figura do papai Noel é igual aquela que passa nos intervalos dos programas infantis, sempre vendendo algo. Mas reparou que somente nos lares a imagem do bom velhinho ainda é perpetuada? Tente observar a publicidade e perceberá como a figura do pai vovozinho se desgastou. Fitness and summer, até as crianças entraram na onda. Como diz o meu filho: "Mãe, as crianças não são mais bobas". Beijus,

      Eliminar

  25. Desculpe, mas achei seu texto um pouco exagerado com relação a traumas ocasionados pela "mentira" do Papai Noel. Em se tratando de um personagem que só aparece no Natal, por imposição do comércio, as crianças associam a imagem do velhinho, com ganhar presentes. Quanto às fotos de crianças chorando no colo dele, está mais pela idade da insegurança da criança em deixar o colo da mãe e ser colocada junto a uma criatura estranha. Eu vi essas cenas em minha casa, várias vezes, pois meus filhos foram o Papais Noéis para meus netos por alguns anos. Na minha infância, era o menino Jesus, quem trazia os presentes e colocava dentro do sapato que deixávamos na janela. A decepção de não encontrar presente dentro do sapato, nunca nos traumatizou, ou deixou "sequelas" psicológicas! No fundo, desconfiávamos que nosso pai não tinha como comprar presentes para seus 7 filhos. E a vida continuava sem traumas ou contrariedades! Não concordo com a ideia do presente em troca de bom comportamento e aplicação na escola: Essa chantagem sim, é perversidade e precisa acabar! FELIZ NATAL, LUMA! Bjs.

    13:44

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vamos dizer que eu sabia que essa seria a parte polêmica do post e mesmo assim, não querendo nadar à favor da corrente me expus de um modo a ir contra aquilo que os pais acham que sempre "fazem o melhor para os filhos", mas nem sempre o melhor para os pais é melhor para os filhos. O papai Noel, ao contrário do que afirmou, não está presente apenas na época do natal, ele aparece em várias situações no transcorrer do ano que antecede o natal, através de chantagens. A figura do papai Noel é bastante providencial para pais que não sabem impor limites. Você não traumatizou, porque os pais no passado, tinham mais tempo para o afeto - os pais da atualidade querem pontualidade dos filhos - que façam tudo conforme a correria deles. As crianças não tem tempo! Resta para facilitar, a chantagem. Não somente a do papai Noel, mas outras. Todas com o mesmo fundamento: "Se não fizer tal coisa, não vai ganhar presente, não vai passear, não vai brincar, não vai assistir..." o "não" é a palavra mais corrida na boca dos pais atuais. Espero que a conversação entre pais e filhos melhore, que o abraço seja um lugar confortável para dizer que "papai não pode comprar o seu presente nesse natal, mas assim que puder compro o céu pra você". Beijus,

      Eliminar
    2. Entendi. Acho que o estrago é maior quando vemos adultos vendo "fadinhas e duendes" e ensinando que isso é normal, como a XUXA. Isso eu acho muito pior!

      Eliminar
    3. Isso mesmo, meu amigo!! :)

      Eliminar
  26. Luma, como sempre um belíssimo texto.
    Mas lendo, concordo com relação a mentira, que criança pode ficar traumatizada com Papai Noel, assim como com palhaço. Existem pais e pais e cabe a cada um ter o bom senso de passar a magia do Natal a seus filhos.
    Eu nunca, nunca, conheci alguém que tivesse problemas psicológicos, ou TOC ou coisa parecida por conta de seus pais terem mentido que Papai Noel existe.
    Depois eu vou voltar aqui pra ler sua resposta, mas Papai Noel não seria uma figura lúdica? Sem falar do marketing, que é um exagero. Mas Papai Noel não seria uma figura de alguma história, que se torna real, que podemos tocá-lo, conversar? Assim mesmo, como Peter Pan, Branca de Neve, Os 3 Porquinhos.... são histórias contadas a nossos filhos, que são mentirinhas, são invenções de alguém. Não seria a mesma coisa?
    Concordo qdo vc diz que a criança tenha que ser pressionada a ser boa pra poder ganhar presente. Isso tbm acho um erro, mas a figura do Papai Noel não é nociva. Nem essa mentirinha que os pais inventam.
    Será que estou pensando besteira? Mas é o que eu acho.
    Tem muitas crianças traumatizadas por mentiras sim, e sei o que eu falo, mas não vejo mal algum em entrar nesse clima de Papai Noel e ficar esperando ele aparecer na noite de Natal pra dar o presente. Eu ficava imaginando por onde ele entraria, já que em casa não tinha chaminé. E qdo eu descobri que ele não existia, mesmo assim, continuei esperando pela noite de Natal, agora sabendo que quem dava presentes era meu pai. Mas a magia sempre permaneceu.
    Beijos....

    Vc deixou um comentário lindo no meu blog...
    Então, desejo a vc e sua família, um lindo Natal e um excelente Ano Novo, repleto de coisas boas, pensamentos bons, amor, amizade, fraternidade... carinho.... tudo de muito bom pra vc!
    E que vc tbm continue escrevendo esses textos magníficos que nos faz pensar, questionar, concordar, discordar... bem, que vc continue com essa luz acesa da inspiração, pra que nós possamos sempre aprender um pouco mais quando viermos aqui te visitar.
    Beijos, Feliz Natal, Feliz Ano Novo!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Papai Noel é mentira recorrente e feita por anos. Lógico que algumas crianças conseguem diluir essa informação com o tempo, mas se sabemos que outras apresentam problemas sérios quando percebem que foram enganadas pelas pessoas que ela mais ama, melhor não arriscar! Afinal, papai Noel nem existe! Por que afirmar que existe por tanto tempo? Multiplique essa mentira por pelo menos 5 anos, o tempo mínimo que uma criança acredita pelo número de dias em um ano. É muito tempo para uma mentira prevalecer na vida de uma criança! Não são todas que traumatizam, mas porque arriscar? Algumas crianças são bem frágeis e não acho que vale a pena colocar em risco a sanidade mental dessa criança.
      Assisti um vídeo no youtube que fiquei apavorada. O papai Noel na forma de um balão enorme, tipo Michelin, na porta de um shopping. A mãe filmava e a criança no colo do pai, chorando e dizendo "não". A mãe dizia o tempo todo "cadê o papai Noel, Murilo?" e ria, ria muito com o medo da criança. O pai com a criança no colo, aproximava daquele papai Noel imenso e a criança se agarrava nos braços do pai, dizia "não, não" e a mãe ria, ria... que espécie de pais são esses? Veja. Pais que se comportam como crianças crescidas sem medir as consequências de seus atos.
      As fábulas infantis são para alimentar a parte lúdica do cérebro e ajudar no raciocínio e criatividade, mas esses personagens estão nos livros, dentro das histórias - eles não saem e ditam normas de conduta como fazem com o papai Noel. Algumas crianças tem pesadelos com esse personagem porque os pais insistem em dar vida à eles no dia a dia através de chantagens.

      Deixei o comentário no seu blogue, feito de coração!! Beijus,

      Eliminar
    2. Vi o vídeo... que horror, meu Deus!
      Tem pais que não têm noção mesmo... pra esses, seu post é perfeito.

      Beijos, querida!!!

      Eliminar
    3. Ainda bem que os pais não são iguais!:)

      Eliminar
  27. OLá Luz de Luma , boa tarde!

    Gostei muito da sua abordagem sobre esse tema polémico, como muitos que já se enraizaram na psiquê humana.

    Com ou sem exagero nos seus argumentos, parabenizo a você pela coragem de expor seu pensamento, porque certamente muitos não concordarão, e outros vão logo, evocar a tal "fantasia" ou "magia" que permeia as mentes infantis e adultas, e outros bla...bla..bla...

    Penso que a tal "fantasia" só tem por objetivo afastar quem a cultiva do verdadeiro sentido de Natal, e das sérias responsabilidades que lhes cabe nessa vida.
    Ela não enriquece a alma de ninguém de esperança e confiança, ela não faz evoluir e crescer, e ela , não promove no ser um impulso para que se encontre com os próprios sentimentos.

    Deixo aqui, registrado a minha ojeriza por essa tal "fantasia/magia", desde a minha infância pobre em que o tal "papai noel" visitava todos os meus vizinhos, e a única casa da rua em que ele não entrava, era a nossa. Minha mãezinha confeccionava pra nós meninas da casa, bonecas com restos de retalhos das costuras que fazia pra sua clientela. Mal tinhamos comida pra nos alimentar naquela época, imagine , se teríamos bonecas louras, de vestidos floridos?
    Minha amada mãe, ao ver em nossos rostinhos a frustração em ver as outras crianças com brinquedos trazidos pelo Sr Noel, acabou por nos contar a verdade. Foi o dia mais feliz da nossa infancia pobre. Nós tinhamos a posse da verdade, e as outras crianças da rua, a posse de uma "fantasia" , de uma mentira.

    Bem que poderiam comemorar esse natal mundano em outra ocasião, para que nesse dia, brilhe o único e legítimo representante dessa data, o aniversariante Jesus, você não acha ?

    Escrevi um texto sobre o NATAL DE JESUS, em meu blog, creio que irá gostar. Apareça por lá...

    Feliz Natal de Jesus, hoje e todos os dias , minha querida!

    BJos da Lu...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Lu! Pensamos igual... eu sabia de antemão que estaria mexendo com algo que está enraizado dentro dos lares e que os pais acataram sem muito questionar, afinal, mais uma fábula infantil... mas sabemos que não é bem assim. Por detrás dessa mentira, existem muitas outras intenções.
      Não devemos brincar com a inocência e a infância deve ser preservada em sua integridade. Mentir para uma criança é o pior dos pecados.
      Sua mãe foi muito responsável e sensível. Deixo registrada a minha admiraçao por ela!!
      Logo mais vou lá, Maria Lúcia!
      Beijus,

      Eliminar
  28. Bom argumento para reflexão.

    Eu acredito em Papai Noel. Aliás, muito provavelmente serei o substituto dele, basta engoradar mais uns quilinhos e deixar a barba crescer. Conhece algum criador de renas?

    Beijocas

    :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se queres, aconselho ir em uma das festas de comemoração ao "Dias do Criador de renas", no extremo oriente da Rússia.
      Pois sabe que presto trabalho solidário a uma creche local como contadora de história infantis e bem sei o resultado de cada uma dessas fábulas no imaginário infantil.
      Vou lhe contar uma história:
      Era uma vez um sami - Na Lapónia, acima do círculo polar Árctico e do escritório do Pai Natal, encontra-se o único povo indígena do Norte da Europa. São os sami e continuam a criar renas - que estava a ir das colinas para o lago e se cruzou com um elfo - Na cultura sami há três dimensões; os deuses, os humanos e os elfos, criaturas pequenas como anões que vivem debaixo da terra - Os elfos têm muitas renas e o pastor perguntou a um porque tinha tantas renas. Então, o elfo disse-lhe que lhe dava todas e marcou um risco no chão com a sua faca. A única condição era o homem deixar uma rena cada vez que passasse por aquele risco. Então, sempre que o homem ia do lago para as colinas e das colinas para o lago deixava-lhe uma rena como combinado, apesar de os filhos insistirem para ele não deixar. Um dia, o homem estava muito velho e cansado e não conseguiu ir para as colinas. Era altura dos filhos tomarem conta das renas. Mas ao passarem pelo risco não deixaram nenhuma rena e não aconteceu nada. Passadas algumas estações, quando iam do lago para as colinas as renas fugiram todas e tiveram de pedir ajuda à população para as encontarem. Quando as descobriram repararam que estavam estranhamente todas juntas no sítio onde o pai fazia a oferenda. Mas estavam mortas.
      :)

      Eliminar
  29. Quando eu era menina, ninguém em Portugal falava do Pai Natal. Nos anos 50 o Pai Natal era muito associado à Coca Cola, que o Salazar proibiu em Portugal. Então quando eu era menina, meus pais sempre falavam de que o dia 25 era o aniversário da data de nascimento do Menino Jesus. E ELE próprio, vinha nessa noite a casa de cada um deixar presentes aos meninos para comemorarem a data e ficarem felizes. O problema é que na minha casa,eramos muito pobrezinhos. Então todas as noites de Natal, nós punhamos na lareira as tamanquitas de madeira que usavamos para o menino deixar o presente. Mas nunca havia brinquedos nem roupas ou calçado. Era dois ou três rebuçados e dois ou três figos secos. Na seca havia os netos do capitão, e as filhas dos empregados de escritório. meninos ricos que deixavam para nós algumas roupas que já não serviam ou não gostavam e que eram a nossa alegria. Ora esses meninos tinham todos os anos bons e bonitos brinquedos. Um ano eu resolvi esperar acordada a vinda do menino Jesus para "cobrar" satisfação e saber porque ELE levava boas prendas aos meninos ricos e a nós não trazia nada de jeito.
    A meio da noite vi a minha mãe ir à chaminé e deixar os presentes do costume nas tamancas. Fiquei muito zangada. Diria mesmo revoltada por perceber que o Menino não ia à minha casa. Mas como era muito pequenina, tinha só 5 anos ainda pensava que o Menino não ia lá porque eramos pobres e moravamos numa barraca. Pensei que o Menino só gostava de quem tinha uma casa a sério. Nessa altura minha avó explicou-me que o Menino não vinha à terra para dar presentes a ninguém. Disse-me que eram os pais que em memória do nascimento do menino, davam prendas aos filhos porque não podiam dar ao Menino Jesus e assim por uma noite era se como cada criança fosse o próprio Jesus. Cada
    um dava o que tinha e por isso era natural que os filhos de ricos tivessem melhores presentes. Entendi perfeitamente apesar de ser tão pequena.
    Agora só se fala do Pai Natal. O ano passado o meu filho que é segurança e trabalha de turnos saíu para o trabalhos com os presentes para a filha que ia fazer 3 anos. Quando voltou vinha vestido a preceito de Pai Natal. E não é que a Menina o reconheceu apesar da cabeleira, das barbas e da grande barriga.
    Dizia ela "Tu não és o Pai Natal. És o meu pai." E tentava puxar-lhe as barbas. E quando a mãe lhe perguntou porque é que ela dizia isso ela respondeu. "São os olhos do pai".
    Um abraço e uma boa semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que esperta é a sua neta!! Mas sabe, as crianças não mais são bobinhas e essas fábulas sem fundamento, logo cairão por terra! Nada contra as históirias que possuem um bom conteúdo e que passam mensagens sábias. Mas mensagens de opressão como a do Papai Noel, não devemos oferecer às crianças.
      O que as ciências do desenvolvimento têm mostrado nos últimos dez anos é que até bebês muito novinhos já têm habilidades de aprendizado muito específicas. Eles são muito bons em aprender sobre o mundo e eles podem até intuitivamente fazer estatísticas sobre padrões. As pesquisas sugerem que nós nascemos com algumas noções importantes para compreender o mundo. Nunca partimos do zero e isso nos ajuda a aprender. Temos noções básicas de matemática, sobre como os objetos se comportam e até sobre como interagir com as pessoas. Somos bons em colher dados dos ambientes e analisá-los para entender se eles se encaixam ou não nas teorias que formulamos sobre o mundo com a nossa imaginação. Essa combinação de conhecimentos inatos e da capacidade de aprender é o que nos faz humanos.
      Boa semana!! Beijus,

      Eliminar
  30. Boa tarde Luma, estava aqui lendo o texto e todos os comentários, o texto está muito bem escrito, assim como todos que você sempre nos apresenta..
    Os comentários, assim como seu texto expressam a forma de pensar de cada um, o que deve ser respeitado, aliás todos temos pensamentos muito diferentes, e aí está a graça da humanidade, porque se pensássemos todos da mesma forma seríamos como robôs..
    Eu nunca acreditei em Papai Noel, porque minha infância não foi uma coisa muito fofinha como eu queria, como filha de pais separados, morando de favor nos fundos de uma família que nos cedeu um quartinho, talvez não tivéssemos tempo de esperar pelo bom velhinho e minha mãe achou melhor me contar a verdade bem cedo.. mas eu sempre achei muito lindo a magia que trás o Natal, sempre tentei dar ênfase ao verdadeiro sentido..
    Quando minhas filhas nasceram e foram crescendo desde o início contei quem era o Papai Noel, o que significava, e quem eram os responsáveis pelos presentes debaixo da árvore.
    Elas cresceram sabendo que ele era como um personagem de contos de fada.. que era mais uma figura pra deixar o Natal mais lindo, mas que era só isso..
    Aliás eu sou meia estranha na criação das minhas filhas.. rsrs
    Por exemplo não gosto de dar presente em datas comemorativas, justamente para que nenhuma delas acredite que precise ganhar algo naquela data, e aprenda a comemorar sem presentes, seja aniversários, natal, páscoa.. vivemos e comemoramos as datas, mas os presentes podem ser dados em qualquer dia do ano..
    Ás vezes minha opção de criação não agrada muito as pessoas mas é como eu penso e como sempre fiz..

    E como eu disse lá no começo.. eu acho válido que cada um possa pensar e agir e se expressar da maneira que achar melhor... é assim que somos..
    Por isso parabéns mais uma vez pelo texto..

    Um beijo minha linda e que sua tarde de domingo seja especial..

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fiquei bastante emocionada lendo o seu comentário e bem sabe, muitas crianças passam por dificuldades na infância em consequência da vida oferecida pelos pais. Sou contra alimentar fantasias sem que possa satisfazê-las, fazendo com que a criança, que já vive em dificuldade, se decepcione mais ainda. A sua mãe agiu super certo ao contar para vocês a verdade, isso fez com que se unissem mais ainda. Ah, não acha que esteja sendo estranha na criação das suas filhas e pelo que contou, somos bastante parecidas.
      Obrigada pela compreensão. O pensar existe para que possamos evoluir!!
      Boa semana!! Beijus,

      Eliminar
  31. Oi Luma,
    Eu não fui daquelas crianças que acreditam no papai noel e acho que isso foi bom,já vi muitas vezes inventarem mentiras cabulosas sobre o papai noel para os seus filhos.
    É o espírito de natal?tudo bem,mas e o nascimento de Cristo?!
    Vamos ao shopping e vemos lindas decorações de natal,confesso que acho bonito ver porque é tudo realmente muito lindo,mas qual o lugar onde tem um presépio?!
    Será que as crianças de hoje sabem o que é um presépio?!Claro que não!
    Acho que assim algumas coisas deveriam mudar,tem pais que acostumam mal os filhos e essas crianças acham que natal é um presente,mas natal é só isso?!
    A história do nascimento de Cristo é linda,simples,natural,é como a vida deveria ser,então porque não passar adiante essa história,pra que os nossos filhos possam contar aos nossos netos e assim por diante?!
    Porque essa ideia que natal é dia de ganhar presente,não faz tanto sentido se lembrarmos do dia das crianças,do aniversário e por aí vai.
    Uma ótima semana,=)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Su, às vezes as crianças escutam as histórias e levam para casa. Nem sempre são os pais os mentores e fica bastante complicado bater de frente com o que está imposto. Mas não devem alimentar, dar muita importância, pois a criança acaba esquecendo como as outras fábulas que não são repetidas para elas. Entrar em contato com a história somente em época de natal, tudo bem. O que não é certo, são os pais que alimentam e usam da figura do personagem para chantagear as crianças a se comportarem bem.
      O Papai Noel tem perdido muito prestígio nas decorações e publicidade de natal, somente nos shoppings vemos alguma coisa, mas a preferência tem sido os ursinhos e luzinhas. É dentro das famílias que essa lenda ganha força e em muitas vezes, o nascimento de Jesus é esquecido.
      Não devemos esquecer o verdadeiro sentido do natal, como você bem escreveu!
      Uma ótima semana para você também!!
      Beijus,

      Eliminar
  32. Oi Luma!Acho que vc tá certa.As crianças deveriam aprender que o papai noel é só uma fábula de natal,uma estória que se repete todo ano.Uma estória como a de Branca de neve,Cinderela,etc.Estas fábulas marcaram minha infância.E deveria ser ensinado o verdadeiro motivo de toda a comemoração,o nascimento de Jesus dentro da religião cristã.Na verdade,a data deste nascimento não é exatamente 25 de dezembro,apenas se convencionou que foi neste dia.Acho errado também aquela estória de só ganhar presente se for bonzinho.E também esta coisa toda de presentes é só pra o comercio lucrar mais,será que alguém não sabe disso?Lá em casa nunca teve presentes no natal,nem ao menos papai noel,a gente comemorava o natal com o culto na igreja e depois com a ceia,que muitas vezes era almoço no dia 25.Beijos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Você me entendeu. Não sou contra a lenda, mas que seja tratada como as outras. Alguns fanáticos já acham que papai Noel é um santo e não é, confundindo com São Nicolau, um santo inspirador, nada mais!
      Em casa ninguém esperava o papai Noel e também íamos passar a meia-noite na igreja onde o meu tio era padre. Quando voltávamos mamãe nos colocava na cama e no almoço ela caprichava com comidinhas que a gente gostava, tudo para saldar a chegada de Jesus.
      Beijus,

      Eliminar
  33. Oi Luma!
    Eu tinha pavor de encontrar Papai Noel na sala, na manhã de Natal, assim como tinha medo de palhaços. Mas meus pais sempre trataram tudo com naturalidade e sempre me explicaram estas coisas. Mas eu gosto da magia do Natal e do sonho, de uma fábrica distante, porém sempre questionei, por que tal e tal criança não ganharam presentes? O que eu não aceito é se esquecerem de Jesus e de seu nascimento e sempre fiz questão de falar Dele em primeiro lugar. Acho que não sou tão radical, gosto de manter o conto, assim como as fadas e entes que sempre vi e criei em minha vida. Ótimo e oportuno texto! Beijos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. As crianças enxergam o que acontece ao redor, são espertas! Não tem muito cabimento tratar uma lenda como algo verdadeiro. Os pais deviam dar o exemplo - mentir é feio! (rs*) Mas sabe, acho que é ignorância mesmo. Pois muitos associam papai Noel com São Nicolau, que apenas foi uma fonte inspiradora para a construção da lenda. Você aprendeu o certo, Claudinha!! :) Beijus,

      Eliminar
  34. Acredite Luma, a mídia é tão forte, que falo a verdade para o Izaias (7 anos), ele não acredita, os mentirosos são os pais, ele sempre repete - Eu acredito em papai Noel!Pode? As vezes a própria escola reforça isto junto ao mercado de consumo...

    Tenha uma excelente semana!

    Beijooooooooooo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas é lógico, Bia! Se os amigos dizem que existe... os pais não estão com nada! (rs*) Boa semana para você também!! Beijus,

      Eliminar
  35. Luma, eu tinha uns dez anos - dez! - quando um vizinho me contou que não existia essa história de Papai Noel, e nossa, como fiquei decepcionado. Uma das primeiras coisas que pensei foi "e quem pegava minhas cartinhas amarradas na janela?", só podia ser o meu pai. Não custou muito pra que eu questionasse a razão de ele, meu pai, comprar um presente e me dar em nome de outro, não fazia muito sentido, e a decepção só aumentava.

    Se tivesse um filho não sei o que faria. Seguir contra a corrente poderia fazer dele o estranho no jardim de infância, o sem coração, mas não gostaria que ele descobrisse a verdade já quase adolescente. É complexo.

    Adorei o post, rendeu uma ótima discussão nos comentários ;)

    Grande beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu sabia que era uma lenda como as outras, mas que algumas crianças tinham imaginação fértil e acreditavam ser uma pessoa que vinha de verdade entregar presente no Natal, se a criança merecesse... por aí, a minha mãe pediu que respeitasse a ilusão dessas crianças, simples assim!
      Sim, a discussão está rendendo! Muito bom perceber que a maioria compreendeu o sentido do post!
      Beijus,

      Eliminar
  36. Luma:
    Tem toda a razão. Há dois objetivos camuflados na figura do pai natal: um é para desviar a atenção da religião cristã e o outro é para impulsionar o consumismo.Devemos dizer sempre a verdade,principalmente às crianças.«O adulto é o modelo que a vida mostra aos que iniciam os seus passos na vida.O exemplo de quem já cresceu, pode ser a escada de subida para quem começa a crescer.Como pode, também, ser a razão da sua queda.»
    Uma boa semana.Um abraço da Beatriz

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Beatriz, obrigada pelo comentário enriquecedor!! Toda essa mentira foi intencional e os pais nem sempre possuem informações suficientes para distinguir uma história inventada que traz certo encanto para as crianças, da realidade. Pois esse personagem é bastante usado pelos pais para conseguirem impor limites aos filhos, numa espécie de chantagem. Adorei a mensagem deixada! Os pais tanto podem construir, como destruir o crescimento dos filhos. Beijus,

      Eliminar
  37. Concordo plenamente. Mas diz o texto que para existir vencedores, deve existir perdedores. Mas não deveria ser tão desproporcional como é, não acha?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os perdedores sempre tem algo a aprender e, se um dia perdem, no outro podem ganhar! Na vida nada é certo! Quando alguém pensa que está por cima, pode muito bem levar uma rasteira.
      Bom te ver aqui, Ronald!!
      Beijus,

      Eliminar
  38. Luma... Não lembro quando eu aprendi que Papai Noel não existia... Meus pais nunca foram de ligar para essas coisas. Só lembro que minha mãe dizia para ir dormir que papai noel traria algum presente. Nunca falou que tinha que ser boa menina e nem nada disso. Pelo que eu me lembro, papai noel era alguém que trazia presente no Natal. :) Ah! e também lembro do meu pai perguntando o que queria ganhar de Natal do papai noel... depois dos 6 anos ele perguntava o que eu queria mesmo... mas sempre deixava debaixo da árvore depois que dormia. Minha mãe nunca gostou de fazer medo, com papai noel, homem do saco, polícia, etc. para educar. Ela ensinou que presente era algo sentimental e não de valor e ela comprava o que podia, as vezes era o que queriamos as vezes não. Acredito que hoje em dia, é muito consumismo o Natal. Adoro a magia do Natal, a história do papai noel etc, mas acho que não precisa ser exagerado né. Forçar a criança a tirar foto se não quer, forçar a escrever cartinhas, e principalmente forçar a ser obediente em dezembro!!! Criança é liberdade. Forçar só gera traumas. Bjos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também gosto de todas as histórias contadas na época do natal, mas gosto de distinguir as lendas, da história da nossa civilização. O Nascimento de Jesus foi pontual para que pudéssemos nos situar no tempo e a sua vinda, trouxe brilho e esperança para um mundo muito desgastado. Todos os anos, ao reunir a família, sentimos os nossos laços afetivos reforçados, pois é uma data para reunir aqueles que estão distantes.
      Seus pais foram corretos com você, não chantagearam, não usaram a lenda para personificar um "pai" que condena aqueles que não obedecem com o castigo de não receber presente. Sendo assim, tudo fica mais natural!
      Beijus,

      Eliminar
  39. O Pai Natal foi inspirado num ser real, mas a Coca-Cola o transformou num símbolo do consumo e o resultado foi que se perdeu o real motivo: a esperança que sempre significa a vinda ao mundo de uma criança, personificada por Jesus.

    Uma semana feliz, amiga

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Verdade, minha aniga!! O pai Natal foi inspirado em São Nicolau, mas não é um santo, é apenas um personagem lendário.
      Pois é, a coca-cola queria continuar com as mesmas vendas do verão e fez batismo!! A maioria conhece apenas essa nova roupagem do personagem e entraram na onda esquecendo quem deveria ser presenteado na noite de natal. Beijus,

      Eliminar
  40. Desculpe eu não concordar com vc amiga...
    Eu acredito em papai noel e acredito tb em Jesus... Não esse Jesus que falam por aí, um Jesus comercial...
    Acredito em Jesus, no deus-menino que nasce em mim em cada ano...
    Papai Noel é um ser real, apenas deturpado pela coca-cola...
    Acreditar ou não vai da cabeça de cada um...
    bjos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Continue acreditando, Mylla! E desejo-lhe que nesse natal o papai Noel traga tudo o que você tenha pedido para ele todos esses anos.
      Mas creia, a lenda foi baseadoa em contos hagiográficos sobre a figura histórica de São Nicolau. Uma história quase idêntica é atribuída no folclore grego e bizantino a Basílio de Cesareia. O Dia de São Basílio, 1 ou 1.º de janeiro, é considerado a época de troca de presentes na Grécia. Quem crê em São Nicolau deixa gostosuras para as crianças no dia 06 de Dezembro...
      Sou temente à Deus, venho de uma formação religiosa bastante rígida e quem me contou sobre a confusão que as pessoas fazem em torno dessa lenda, foi um tio que é presbitero. Sou tão temente a Deus, que na foto que ilustra esse blogue (cabeçalho), uso um tercinho nas mãos. Sim, quando sinto que preciso de proteção, pego o meu tercinho e rezo meu mantra católico.
      Acreditar ou não é saber destinguir o que é da palavra de Deus ou não.
      Beijus,

      Eliminar
  41. Engolimos as tradições européias e americanas sem questionamentos e isto vem de nossas gerações anteriores.Muitas das tradições são bem-vindas, mas o atrelamento da figura do Papai Noel ( São Nicolau)ao consumismo foi de fato uma negligência quanto às consequências disto na formação da personalidade infanto-juvenil.

    Tratei-a, para meus filhos como uma lenda antiga baseada na imagem do santo.Os presentes eram dados pelo papai daqui mesmo.
    Boa semana, Luma.
    Calu

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Calu!! Você é 10!! Nada de mentiras! Quem compra os presentes são os pais, nada mais justo que os filhos saibam! E terão pessoas reais para abraçar e agradecer os mimos recebidos. Isso aquece o coração! Beijus,

      Eliminar
  42. Compreendi perfeitamente o que quis dizer Luma com isso de mentir sobre o Papai Noel e criar na criança uma ilusão.

    Meus alunos pequeninos nunca compreendiam o motivo pelo qual o Papai Noel daqueles coleguinhas que eram mais pobres nunca trazia os brinquedos que queriam. Pensavam que o coleguinha ( mais pobre ) tinha sido mau... e outras coisas mais.

    Como tive uma infância ( aliás, nem tive ) muito dura pouco lembro de ter tido a ilusão de que Papai Noel existisse. Lembro vagamente de ver minhas coleguinhas com presentes e eu pensando que Papai Noel não gostava de mim. Um dia meu pai falou a verdade sobre Papai Noel e aí ( eu não ganhava os presentes que minhas amigas ganhavam ) me senti mais aliviada. Não era eu que era ruím. Meu pai é que não tinha dinheiro para comprar.

    Na salaa de aula nunca desmistifiquei aquilo que os pais contavam aos seus filhos, mas muito presenciei as crianças que já sabiam da não existência do Papai Noel contarem a verdade para as que ainda acreditavam.

    E muitos vinham chorando para mim e pedindo que eu reafirmasse que Papai Noel existia sim.

    Perguntavam a mim assim: Papai Noel existe sim, né professora?! Do outro lado o coleguinha que tinha revelado a verdade me olhava fixo e penso que naquela altura já estava em dúvida.

    Eu simplesmente dizia que tinham que perguntar às mães. Para mim era dever dos pais segurar aquela "batata quente". rsrs

    Beijos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A criança precisa saber que é uma lenda antes que crie espectativas. Pois se os pais contam uma mentira, depois terão que desfazer a mentira contando a verdade, não é mais fácil falar a verdade de uma vez?
      Fez certo, Iza! Os pais precisam assumir a responsabilidade na educação moral das crianças. A mentira é desvio de caráter e, mentir com a desculpa de que é "bonitinho" acreditar em papai Noel, é o fim da picada!
      Beijus,

      Eliminar
  43. Comentei lá em cima sobre outro comentário e esqueci de te elogiar pela abordagem corajosa. Essa época é estranha para mim pq não comemoro o natal, acredito em Jesus,mas não comemoro o Natal. Então Papai Noel sempre foi uma lenda boba pra mim. Só que depois dos filhos a gente vÊ como as pessoas levam isso a sério. Sou mesmo repreendida (claro,com sorrisos) qdo alguem toca no assunto papai noel com a minha filha e eu entro na conversa explicando que é só uma historia, que nao é de verdade. Mas aqui em casa optamos por dizer sempre o que acreditamos ser verdade. Papai Noel não é nem tema aqui, pq faz parte das histórias, mas como vc disse é uma história que nao ensina nada além da mentira de um velho imortal, voando em renas com presentes para os bem comportados, mais conhecidos como abastados. A parte final é minha. Não há muito espaço na rede para esses assuntos que são ditos como tradições, mas a tradição mesmo é reunir a familia, é pensar sobre o papel de Jesus na sua vida. Como disse lá em cima minha educação religiosa me livrou dessa mentira, mas sei o quanto a criança pode ser pressionada a crer nisso. Tenho uma amiga que acreditou até os 15 anos! A sorte ou azar dela foi que nos conhecemos depois pq pelo menos a duvida ia aparecer. beijos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Nanci!! Eu sabia de antemão que poderiam vir pedras por aí, mas até que o resultado foi ameno. Apenas sobre a questão dos traumas, houve quem se indignasse... oras, quem é pai acha que faz o certo, mas o certo dele, nem sempre é o correto. Por exemplo, a maioria dos pais acham ruim a lei da palmada, mas até explicar que existem pais que espancam e que a lei não pode analisar caso a caso, até que seja julgado.
      Não se importe com as pessoas. Família é tudo!! Quem vier com papo de papai Noel, pergunte se quer ser o papai Noel da sua casa, verá que não mais tocarão no assunto de papai Noel.
      Não sei como é a comemoração do nascimento de Cristo em sua religião. Pela igreja católica, seria a missa do galo e logo após, comer por causa do jejum anterior a missa, o que se transforma em reunião de família, pois no passado, muitos eram camponeses e os familiares se reuniam na casa do chefe do clã familiar. Isso é tradição antiga, que nos dias atuais, se compara ao dia de ação de graças, quando os membros das famílias se reunem apenas nessa data do ano.
      Nossa, 15 anos? Um pouco tardia a sua amiga (rs*)
      Beijus,

      Eliminar
  44. Oi Luma,

    gostei do texto, meus pais diziam que papai noel não existia e que ele representava aquelas pessoas que de vez em quando faziam uma surpresa prá gente. Um colega que compra um pastel na rua sabendo que você está com fome no escritório, um amigo que lhe ajuda a resolver um problema, enfim a imagem do papai noel sempre foi prá mim tudo de bom. As crianças não são bobas, elas percebem tudo e podem ficar até com trauma do Natal.

    Bejim.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que maneira legal de representar a imagem do papai Noel.
      Verdade, Meire! TEm muita criança dando lição nos adultos!!
      Beijus,

      Eliminar
  45. Luma, parabéns pelo texto. Graças a Deus nunca tive essa ilusão de Papai Noel, muito pelo contrário tinha pânico e jamais tirei foto com o bom velhinho. Tõ de volta.
    Big Beijos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Lulu!!
      Hahaha pânico. Pois é isso mesmo que percebo nas maioria das crianças. Os pais precisam convencer muito as criaças chegarem perto e o medo se perpetua durante o ano.
      Beijus,

      Eliminar
  46. São tantas mentiras desde que nascemos. Cegonha, papai Noel, coelhinho da Páscoa, homem não chora,... E Jesus fica esquecido.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se o homem esquecesse de si mesmo, passaria a valorizar o que realmente importa. Dizer a verdade para as crianças é difícil para o adulto sem imaginação. Beijus,

      Eliminar
  47. Considero o ato de condicionar desde cedo a boa conduta àlgum tipo de premiação, o que automaticamente significa que más condutas "não dão (em) nada" [em todos os sentidos do termo] muito mais danosas que a lenda do Natal, na essencia, comercial. Se você traça um paralelo com o crescimento economico vs. os problemas sociais causados por / oriundos de jovens e adolescentes, dá pra entender ainda melhor o que eu quero dizer...

    no mais, a boa formação, na essência do termo, blinda as crianças de tudo (como já dito de diversas formas nos comentários); até de entender que aquilo faz parte de uma determinada fase da vida sem necessariamente ser a sua vida. Aqui, como nunca tivemos condições e as lembranças de natal estão diretamente relacionadas à família e em especial ao meu pai, constituem o repertório do amadurecimento.

    bjo!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Punir a criança tirando aquilo que ela gosta é prática corriqueira entre os educadores - algo como: não vai comer a sobremesa, não vai assistir tv, etc - mas quando a promessa da punição é longinqua baseada em uma mentira, é como se um erro justificasse o outro. A criança faz a sua parte, mas nem sempre o papai noel chega para ela - isso gera muita ansiedade. Cada família possui seus próprios valores e adotar o papai noel como membro disciplinar para mim é um pouco demais. Como uma lenda, nada contra! Os excessos são realmente danosos! Beijus,

      Eliminar
  48. Oi Luma,
    Aqui o papai Noel é chamado de Santa Claus ou como os japoneses falam Santasan. Ele vem de trenó com renas e entrega presentes para as crianças.
    O meu filho até hoje ainda acredita no velhinho de barba branca, e nós ( eu e minha esposa ) não fazemos muita questão de desmentir. Isso vai acontecer naturalmente no momento que ele decidir pensar sobre o assunto.
    Eu cresci em uma casa aonde se fazia uma ceia com toda a família no dia 24 de dezembro e o ponto alto era quando alguém vestido do bom velhinho entrava pela porta da sala com o saco cheio de presentes e entregava para todos, para os que mereciam e para os que não mereceram fazia-se promessas de melhorar no próximo ano. Talvez se meus pais tivessem falado a verdade sobre o Papai Noel eu não teria essas lembranças tão agradáveis da minha infância.
    As pessoas mudaram, questionam mais os meios e esquecem a essência.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A minha familia, apesar da metade ser de origem européia, não adotou a lenda do papai noel como meio de dar limites aos filhos. Outras lendas participavam da minha vida cotidiana e as nossas condutas sempre foram baseadas nos exemplos dos meus pais e tios. O papai noel era apenas uma figura para animar a festa das crianças, como um palhaço no dia de aniversário. Nós sabíamos que os presentes vinham de pessoas reais e que estes eram fruto da economia durante o ano todo de trabalho. As minhas fantasias infantis, como também o meu sentimento com relação ao espírito de natal, não sofreram nenhum abalo por saber que o velhinho era apenas um personagem e que aparecia no meio da sala de algumas famílias vestindo fantasia.

      Eliminar
  49. Luma,

    Concordo em muitas coisas com você. Li o texto e os comentários quase todos (deu pano pra manga, né?).
    Como eu já comentei outras vezes, venho de uma familia muito pobre e não me lembro da minha mãe fazendo qualquer referencia a papai noel. Não mesmo. Acho que comecei a ouvir sobre ele na escola e depois, pela TV (que nao tinha em casa). Em casa, Natal sempre foi comemorado com a montagem do presépio. E iamos todos para a igreja participar da novena, que era para estar com o coração puro para receber Jesus, comemorando seu nascimento. Assim aprendi. E sempre gostei e até hoje, o presépio é montado bem antes dos enfeites do Natal.
    Não vou mentir que gosto das decorações, das luzes, do brilho. E por vezes me pego admirando, mas sabe Luma, não só na minha casa, mas na cidadezinha onde nasci, o ponto alto desta Festa eram as canções, os dias em que, mesmo aqueles que como nós, nao tinha muito a oferecer, doava alguma coisa. Minha mãe ia visitar algumas senhoras que viviam sozinhas, e fazia uma limpeza na casa, ou lavava uma roupa para quem estava adoentado, por exemplo. Por outro lado, recebiamos doações de roupas, coisas assim. Era a partilha. Era o dia de ter uma comidinha especial. Mas nunca presentes. Minha mae, até pelas condições financeiras (e viuva com 6 filhos menores de 10 anos), sempre deixou claro que não podia dar presentes. E a gente nao criava estas ilusões. E esta mesma ação se repetia na Páscoa. Claro que viamos alguns coleguinhas ser presenteados e nos perguntavamos por que a gente nao ganhava, mas a nossa mãe ia direto ao ponto, sem mentiras.
    Acho quer falar a verdade sempre é melhor.
    Quando podia comprar, ela sempre dizia que tinha sido ela, para valorizar e cuidar, rsrs.
    Não sou contra o papai Noel,mas também acho que o Menino Jesus nao pode ser deixado de lado em troca da figura comercial.
    Um beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Parece que o papai Noel é bastante elitista, não? Ele leva presentes melhores para os filhos de famílias abastadas, mesmo que elas sejam malcriadas e mimadas. É muito triste para a criança vinda de família pobre presenciar tudo isso e não se sentir diminuída. A verdade é sempre o caminho mais curto! Você não precisa mentir e depois desfazer essa mentira... o que é um desgaste de energia desnecessária.
      O Natal em casa sempre foi comemorado de forma a reforçar os laços afetivos, dividindo dificuldades, participando das orações referentes ao advento e também com a montagem do presépio. A árvore de natal eram enfeitadas pelas crianças e no dia 24 minha mãe adicionava biscoitos, balas, bombons... que a gente poderia comer no dia seguinte. Esse era para as crianças o ponto alto da festa.
      Acho que a minha mãe combinaria muito bem com a sua!!
      Beijus,

      Eliminar
  50. Feli Natal beijo Lisette.

    ResponderEliminar
  51. Luma, sou mãe de primeira viagem, e ainda não precisa me preocupar com o papai noel (rsrsrs) pois meu filho arrecem fez 5 meses. Concordo q não devemos mentir para as crianças a sobre ele. Bom, eu não tenho religião, su ateia e o pai do meu filho tbm. Quando era pequena, na minha casa se comemorava o natal, minha avó era uma pessoa muito catolica. e sim, eu acreditava no papai noel, mas acho q isso não acrescentou nada em minha vida. Para mim o natal é apenas um feriado capitalista. Na minha casa não comemoramos o natal, não montamos arvore... enfim, mentir para a criança sobre o papai noel (qualquer mentira) pode prejudica-la, mas não acreditar, tbm não pode? para tds q eu falo q meu filho não acreditara no papai noel me criticam de alguma maneira, dizem q eu não estarei deixando ele ser infantil, ou vou estragar a magia do natal... minha pergunta é a seguinte, não acreditar pode o prejudicar de alguma maneira? tenho medo q ele ache q sua familia é estranha, "diferente das outra" e isso possa afasta-lo. ou fazer ele se sentir mal. me preocupo q futuramente ele possa sofrer algum tipo de preconceito, sei lá, pois sabemos como são as crianças. como seria a melhor maneira de explica-lo q o papai noel não existe, e como poderia passar para ele a minha visão do natal. qual seria a idade certa para se conversar a respeito? Agradeço se me ajudar. Obrigado. Larissa Dionello

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Mirella!!
      Compreendo todas as suas questões porque também sou mãe. Você não precisa ser taxativa com seu filho ou lhe contar uma lenda como se ela existisse realmente, como a maioria dos pais fazem. Não acha que é muita energia empregada errada? Primeiro você tem que contar uma boa mentira e depois tem que desfazer essa mentira! As crianças criam suas próprias fantasias que muitas vezes fogem do controle dos pais. Meus pais nunca me falaram nada sobre o papai Noel e passei a minha infância sem saber da sua existência de modo direto. Nas escolas não falavam, pois estudei em escola católica e somente os meus amigos de diziam de um tal papai Noel, que para mim, nada dizia respeito.
      Mas repense as suas crenças! Se você e seu marido são ateus e conclusivamente imagino que não acreditam na existência de Deus, por que acreditariam no papai Noel?
      Isso posto, digo que mais vale os ensinamentos dentro da família, do que a imposição da sociedade. Apesar de que, seu filho irá crescer e vocês terão que o deixar livre para ter as suas próprias crenças.
      Mas nunca repasse para o seu filho, algo que vocês não acreditam somente para satisfazer a vontade alheia. A fantasia do papai Noel pode ser restrita a uma lenda, como outra qualquer. Ninguém traz o Chapeuzinho vermelho ou o lobo mau como personagem vivo para dentro de casa.
      Espero que tenha compreendido o meu ponto de vista.
      Feliz ano novo!!

      Eliminar
  52. Como eu descobri a tecla , me sinto confortável em comentar que o processo de elaborar fantasias e compreender o imaginário como imaginário, tem sua importância na formação da personalidade da criança. Só que os pais preguiçosos/omissos que não ouvem e portanto não conhecem seus filhos, não sabem quando parar e querem que a criança construa sozinho essa relação entre o real e o imaginário. Pais preguiçosos -> Crianças inseguras -> Adultos mentirosos -> Pais preguiçosos (e segue o ciclo viciado).

    Desejo bons filhos em 2013 (e nos anos seguintes) para todos os pais do mundo.

    #kissingluma

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Perfeito, Roberto! Pensamos igual!! Beijus,

      Eliminar
    2. Preguiçosos não contam estórias para seus filhos

      Eliminar
    3. Preguiçosos não contam estórias para seus filhos

      Eliminar
    4. Verdade, Irene!
      Pais preguiçosos deixam rolar...

      Eliminar
  53. como eu não tinha visto essa publicação antes?
    Bom, na verdade eu sei, nessa época estava envolvida com a fase terminal de um câncer, não percebi muita coisa desses dias...
    Acho tudo isso tão difícil de entender, talvez eu seja burra ou, talvez eu seja tão bem resolvida (desde criança) que nunca pensei em nada disso como um problema, as fotos das crianças me deixaram com pena... elas ficam mais aterrorizadas ... eu jamais poderia conceber isso.
    Não sou mãe, não posso dizer se eu tentaria uma criação lúdica para meus filhos mas, eu gosto desse mundo fantástico, dessas fábulas , não vejo ( não consigo ver) se há mau nisso.

    Bom, nessa hora fico a pensar que ser um 'ser estranho' como eu tem lá alguma serventia...rs e, lembro também que meus pais eram pessoas preocupadas em nos dar sustento e escola, acho que nunca perderam muito do tempo deles mentindo sobre a vida e 'seus encantos'. Acho que esse é o segredo, nós sempre imaginavamos por conta própria , nada foi forçado para dentro de nossas cabeças.

    Gostei da abordagem do assunto, até dei alguma risada porque eu, particularmente, gosto muito de natal bizarro como o ' Nightmare Before Christmas ( Estranho Mundo de Jack) , e ver essas fotos me deu vontade de rir...desculpa eu?!...rs

    beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Desculpo, Cintia... na verdade, pode rir à vontade!
      O mundo está ficando cada vez mais bizarro! Meus pais também nunca deram vida a personagens fabulosos e é o que vem acontecendo atualmente, principalmente com o Papai Noel. Esse praticamente se tornou um membro tirano da família, pois é aquele que pune a criança no natal se ela não se comportar direito durante o ano. Ao meu ver, Papai Noel é personagem de uma lenda do natal e deve permanecer em seu lugar. As crianças devem saber de outras lendas natalinas, até para compreender seu significado e o Papai Noel não está proibido, ele pode até participar do natal como peça decorativa, mas nunca como uma peça viva na vida da criança. Beijus,

      Eliminar
  54. Um assunto polêmico, sem dúvida alguma. Volto assim que puder para apreciar melhor a matéria e tentar absorver a essência das centenas de opiniões dos visitantes. Um grande abraço e voto de sucesso para você e seu Blog, que passei a seguir desde já.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Fernando! Fico agradecida por seguir o blogue e participar das postagens. Vamos interagir!! Beijus,

      Eliminar
  55. Excelente texto!! Meu filho tem quatro anos e sabe que Papai Noel não existe e pergunta porque as outras crianças acreditam. E eu explico pra ele o mesmo de sempre. Desde que veio ao mundo tratei de mostrar-lhe essa farsa intolerável que engana milhões de pessoas a cada ano. É raro ver alguém montar um presépio nessa época, mas esse ente mitológico e árvores decoradas se encontram aos montes, infelizmente.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Carlos!
      Você evita muitas questões erráticas ensinando para o seu filho sobre o verdadeiro significado do natal. Imagina se o Menino Jesus acreditasse em papai noel? Presentes não caem do céu e a criança saber a real situação financeira dos pais, evita também muitas decepções com sonhos não realizados.
      Sou à favor da montagem dos presépios,apesar de também montar a árvore. No entanto, essa serve somente como um lugar para ali depositarmos surpresas - lembrancinhas que fazemos com nossas próprias mãos, incluindo desenhos e cartões que as crianças adoram confeccionar para decorar a árvore!
      Obrigada pela visita!

      Eliminar
  56. Fantasia e desilusão fazem parte da vida. Por que queres fugir delas? Quando você descobre uma farsa, logo está acreditando em outra ilusão. Talvez até hoje não consigas lidar muito bem com isso... Já parou para se perguntar em que ilusão acreditas hoje? (Sem ser o Papai Noel).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Perder as ilusões é perder os sonhos? Ilusões são mentiras, já os sonhos podem se tornar realidades... Você não entendeu o que eu escrevi no texto. Somos manipulados pelas grandes empresas e o papai noel foi criação de uma delas. Uma farsa que não é necessária. Pq não contar a real história do natal para as crianças?

      Eliminar
  57. Luma,
    entendi perfeitamente sua mensagem!
    Concordo com você, não devemos mentir para nossos filhos, sei que a mentira do Papai Noel é muito polêmica, mas podemos mudar essa visão de Natal!
    Adorei seu texto,amiga!
    Bravo!
    FELIZ NATAL SEMPRE!
    http://www.elianedelacerda.com

    ResponderEliminar
  58. Nossa meu Deus o mundo está perdido mesmo, porque não se pode contar os dois para as crianças? A fada do dente também te incomoda? Cara são fábulas feita para crianças elas não precisam ser tratadas como adultos, só se é criança na infância e além disso tem muito cristão que cria seus filhos na igreja porém quando eles crescem se tornam ateus ou seguem outros caminhos... Tudo isso está ficando tão chato, detesto aquelas crianças que viram pra dua e dizem que tal coisa não existe, uma vez um moleque falou pro meu filho, que fadas, duendes, dragões e nada disso existia, que a mãe mentiu isso, a eu logo falei pro pivete que tudo existe SIM existe dentro de um coração inocente e de uma mente criativa e que quem foi enganado foi ele, pq os contos são feitos para sonhadores, para encantadores e para ensinar lições... Que com certeza muitos não aprenderam, tem gente que não crê em Deus e nem por isso fica de mimimi de mentir prós filhos, cabe as duas histórias no Natal e cabe muitas mais... Cabe lembrar que nessa época nasceu Jesus e que ele era amor incondicional e se toda lenda de Natal se basear em ter compaixão com o próximo já está valendo. E casa qual educa seus filhos como quiser.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Irene! Cada um educa seus filhos como quer. O texto expressa minha opinião pessoal e eu respeito a sua. Jesus não é lenda e a vida de São Nicolau é muito mais bonita do que a lenda do Papai Noel.

      Eliminar

Tenha identidade, não seja anônimo na web. Crie sua identidade virtual.

...bisbilhotaram em quietude, sem solidão

PlagSpotter - duplicate content checker tool
Licença Creative Commonsget click

Algumas coisas não têm preço


finalista the weblog awards 2005finalista the weblog awards 2006
finalista the weblog awards 2007weblogawards 2008
Verificar conteúdo duplicado

Me leve com você...

Leia o luz no seu celular

Copyright  © 2014 Luz de Luma, yes party! Todos os direitos reservados. Imagens de modelo por Luma Rosa. Publicações licenciadas por Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial- Vedada a criação de obras derivadas 2.5 Brasil License . Cópia somente com autorização.

Tem sempre alguém que não cita a fonte... fingindo ter aquilo que não é seu.

Leia mais para produzir mais!

Atenção com o que levar daqui. Preserve os direitos autorais do editor