Sociedade excitada [update]

"A sociedade do espetáculo do pós-Guerra se transformou hoje na sociedade da sensação, mergulhada num excitamento contínuo de efeito similar ao das drogas"


Polaroids: Mapplethorpe

Leia a entrevista de Christoph Türcke, na "Folha São Paulo" de 04 de setembro de 2010.

Respeitando as leis de Copyright não posso trazer a entrevista na íntegra para o blogue, portanto, acessem! Intrigante, inteligente, verdadeiro, instigante...

Christoph TürckeProfessor de Filosofia da Academia de Artes Visuais em Leipzig e autor de obras importantes sobre a teoria da sociedade. É um dos grandes pensadores atuais da Teoria Crítica, tradicionalmente associada à Escola de Frankfurt.

Autor de mais de quinze livros, com traduções em inglês, italiano e português. No Brasil, publicou O louco: Nietzsche e a mania da razão (Vozes, 1993) e agora os livros Sociedade excitada – Filosofia da Sensação (Editora Unicamp) e Filosofia do Sonho (Editora Unijuí).
+ informações Goethe-institut

Na agenda:
Mesa redonda Christoph Türcke
Participação de Eduardo Guerreiro Brito Losso(UFRRJ) e Oswaldo Giacóia Júnior(Unicamp)
9 de setembro, 19h
Goethe-Institut São Paulo - Rua Lisboa, 974
Tradução simultânea
Entrada franca
Tel. 11 3296 7000
cultura@saopaulo.goethe.org

Se você estiver em São Paulo, não perca a oportunidade. Quem não estiver, #ficaadica de leitura dos livros acima citados. Entrada franca, ligue antes para reservar os convites.

A vida é sonho?
Seria bonito. Mas não é assim. A vida é um conjunto de vários estados. Um deles é o sonho. Representa o subsolo da nossa vida, É a massa de fermentação de todos os nossos desejos, planos, projetos. Ninguém aguenta a vida sem sonho. Sem sonho não há esperança, não há humanidade.

UPDATE: A frase citada acima é sobre sonho, mas afinal, do que estamos falando mesmo?

Sobre o excitamento social causado pelo excesso de imagens, de um modo de sonhar material que sacraliza o imediatismo, do choque que a máquina audiovisual causa naqueles que todos os dias estão à frente do écran ou se não estão, querem registrar os fatos do dia a dia, como se as imagens pudessem substituir a nossa memória, a nossa consciência. Neste frenesi de imagens visuais e também de injeções sensuais (não pense em sexo, sensual no sentido de anestesiar o lúdico) que destiladas evoluem para uma distração concentrada daquilo que é real e que caminha para a não realização, tornando-se apenas fetiche.

Talvez tenha que destacar outro trecho da entrevista para podermos "sintonizar" a excelência do pensamento coerente:

"O vício é real. Surge em organismos físicos, não num agregado de pixel. O mundo virtual tem sua própria realidade, uma realidade prepotente, mas por outro lado fraquíssima, muito fugaz, não consistindo senão numa constelação de impulsos eletrônicos. Ao desligar a eletricidade a virtualidade inteira desaparece"

Não quero falar do sonho, porque este sonho pode ser confundido com o desejo pelo ineditismo. Porque queremos sempre falar daquilo que nunca foi falado? Essa atitude pode fazer com que não nos aprofundemos em assuntos corriqueiros mas que são essenciais para o nosso bem-estar. A tecnologia pode ser uma besteira se encarada com reflexão e racionalidade, porque não somos apenas receptores robôs, somos seres pulsionais.

Além das imagens, poderíamos analisar campos educacionais ou sociais, onde somos obrigados a escolher o tempo todo, ou não. Veja por exemplo, o momento atual que estamos vivendo - época de eleição - estamos refletindo? O Brasil passa por um momento histórico de grande decisão, talvez o mais importante desde a sua independência e que o voto individual poderá decidir o futuro da nação, os moldes de forma de governar, pelo menos no espaço dos próximos 20 anos. O que estamos fazendo? Nos entregando a tecnologia do audiovisual e dentro deste jogo de imagens, esquecemos de olhar à nossa volta e perceber que, aquilo que está na TV, não acontece no dia a dia. A realidade mostrada não é REAL.

O livre arbítrio está liquidado? 

28 comentários :

  1. Interessante a entrevista, mas acabei lembrando de uma atitude que os jovens tem feito, na qual se trata de tirar fotos mais ousadas / sexuais e trocar entre si, não lembro o nome correto da pratica...

    Penso que seria um dos resultados deste vicio virtual.

    Fique com Deus, menina Luma.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  2. parece ser bem interessante mesmo.

    /(,")\\
    ./_\\. Beijossssssssss
    _| |_................

    ResponderEliminar
  3. ah, e nao posso esquecer de falar, como admiro sua ética....

    continue sempre assim, nos orgulhando.

    /(,")\\
    ./_\\. Beijossssssssss
    _| |_................

    ResponderEliminar
  4. Como disse Shakespeare em Sonhos de uma Noite de Verão:
    "Há quem diga que todas as noites são de sonhos...
    Mas há também quem diga nem todas...
    Só as de verão...
    Mas no fundo isso não tem muita importância...
    O que interessa mesmo não são as noites em si...
    São os sonhos...
    Sonhos que o homem sonha sempre...
    Em todos os lugares, em todas as épocas do ano...
    Dormindo ou acordado..."

    ResponderEliminar
  5. Bela indicação. E, realmente, sem os sonhos não nos seria possível resistir à realidade. :) Boa semana, Luma!

    ResponderEliminar
  6. Interessante, muito interessante, Luma.
    Penso muitas vezes dessa forma.
    Beijo

    ResponderEliminar
  7. Não li a reportagem, mas pensar nesta sociedade "drogada" q antes era chamada d alienada é às vezes repugnante.
    Outro dia percebi q não tenho mais sonhos e é realmente ruim. Parece q perde-se o brilho da vida.
    Bjs, bom feriado.

    ResponderEliminar
  8. "O sonho comanda a vida"

    António Gedeão


    Um abraço grande, linda.

    ResponderEliminar
  9. SONHAR NAO CUSTA NADA. O medo que pode fazer é virar pesadelo. mas ai, ja´nao tem tanta importancia.
    dias felizes

    ResponderEliminar
  10. É a era da Tecnoína.

    Derivada do arbusto HiTech, com efeitos anestésicos e cujo uso continuado pode causar outros efeitos indesejados como dependência, hipertensão arterial e distúrbios psiquiátricos. A produção desta droga é realizada através de placas de hardware e bits de software, utilizando como solventes mobiles, monitores, teclados e outros.

    ResponderEliminar
  11. Bem interessante.

    Obrigao pela sua visita, espero poder contar mais vezes com vc Pelos Caminhos da Vida.

    Um excelente dia.

    beijooo.

    ResponderEliminar
  12. O livre arbítrio está liquidado, ou as pessoas decidiram se abster dele?

    ResponderEliminar
  13. Olá querida e sensível amiga Luma, tema de muita profundidade, com profissional competênte. Parabéns, você sempre ligada e ilustrando os nossos momentos com muita qualidade e inteligência.

    forte abraço

    C@urosa

    ResponderEliminar
  14. oi querida
    só hj vi seu comentário...estive meio mal, afastada do blog, sem vontade de escrever...mas to de volta
    bjooo

    ResponderEliminar
  15. as ideias da entrevista estão por aí no nosso mundo sujo de verdades tristes

    ResponderEliminar
  16. Infelizmente, não poderia ir à mesa redonda. São Paulo fica muito longe daqui (rsrs), mas valeu pela dica de leitura.

    Os sonhos são o combustível da vida. Significa que temos alvos e que vivemos em função deles.

    O advento da internet intensificou o vício da imagem. Vê-se, por exemplo, a compulsão do Orkut em que a maioria das pessoas utilizam-no para postar foto e ver as fotos atualizadas dos amigos.

    A Campanha Eleitoral começa a "esquentar" com a propaganda na TV. Isso demonstra a força que a imagem e, particularmente, a televisão exerce sobre as pessoas. Aqueles programas são verdadeiros peças teatrais.

    Beijos, Luma

    ResponderEliminar
  17. Tenho até um certo receio quanto aos filósofoa contemporâneos. Para mim, parece que a filosofia(um dos tipos de pensamento, que se baseia na razão) acaba em Aristóteles.

    Os outros, que vieram depois(estou falando na filosofia do ocidente) apenas tentaram explicar com a razão, o que com a razão não pode ser explicado.

    Desde o advento da televisão, vivemos nesta profunda apatia, dominados pelo jogo de imagens e por causa disso nem sequer podemos falar de livre arbítrio. Para adquirí-lo novamente teríamos que fugir para as montanhas.

    Já leu "Mente, linguagem e sociedade" de John R. Searle? Quando tive que estudar o livro, para uma prova na faculdade senti o quanto "estamos sós com tudo aquilo que amamos"(frase sua).

    Espero terminar logo meu curso, para não ter que racionalizar tudo.

    Beijos no coração!

    ResponderEliminar
  18. Ola Lindinha Luma, tudo bem? Primeiro, obrigada por comentar no Politica... e segundo agradecer pela dica do artigo. Amanha comentarei pois se faz tarde e eu preciso me recolher aos meus aposentos. rsrsrsrsrsrs. Parabens pela sua sensibilidade. Abracos, Tereza

    ResponderEliminar
  19. O execesso de imagens pode até parecer irreal, mas o vício que essa máquina traz, esse sim é real e devastador.


    Bjo
    Mah

    ResponderEliminar
  20. Estava doida para ler os posts aqui mas não estava conseguindo abrir o blog, que bom que deu certo hoje. Vou já ler os outros que perdi.

    Estou precisando sonhar mais.

    Beijo

    ResponderEliminar
  21. Correndo lá pra ler a entrevista. Livre arbítrio liquidado? NUNCA!!!

    ResponderEliminar
  22. Olá Luma!

    Uma ótima notícia, pois, costumo dizer sobre as coisas que passam a ser compulsivas, mesmo que pareçam ser boas, nos levam a uma espécie de droga, pois nos embaralha a visão nos tirando a nítida percepção de nós mesmos, caindo para a insatisfação de uma coisa que se completa no vício da outra. Muito bom saber que não sou a única que horas me vejo tão pequena para pensar, entender certas coisas, porém fazemos parte deste todo, do macro, e é nisso que reside minha confiança, se eu sinto isso está vindo do todo e assim repasso ao todo também e que a consciência, a clareza de pensamentos surgirá a todos e que cada um possa fazer parte deste momento que se faz lucidez a cada momento como oportunidade para o nosso desenvolvimento.

    Um abraço,
    "Todo o Conhecimento é Luz que Inspira a Alma" -*Vera Luz*-

    ResponderEliminar
  23. Caríssima Luma

    Não queria morrer sem deixar um comentário nesta casa(rsss, rsss, rsss).
    Lembrei-me que costumo dizer:
    "Os sonhos e os desejos são as únicas coisas etéreas que se podem realizar !
    Mas não esqueçam que um sonho é só isso mesmo, um sonho".

    Sobre a época de eleição, deixo isto que me enviou uma amiga brasileira.

    No dia 1 de Janeiro de 2011, um indivíduo vai até ao Palácio dos Despachos (vulgarmente chamado Palácio do Planalto) e pede ao segurança para falar com Lula da Silva
    - Lula da Silva não é mais o presidente.
    No dia seguinte repete-se a cena. O mesmo indivíduo quer falar com Lula da Silva.
    O segurança volta a dizer-lhe que Lula da Silva não é mais presidente.
    Isto sucedeu ao longo de 5 dias.
    Ao sexto, o segurança, irritado diz:
    - O senhor não me ouviu já dizer umas quantas vezes que Lula da Silva já não é o presidente?
    Diz o homem para o segurança:
    - É que gosto tanto de ouvir isso ...

    Agora anedotas aparte, para toda a Europa, Lula da Silva fez mais pelo Brasil que qualquer dos seus antecessores.
    Está para todos como um grande estadista.
    Os brasileiros (nem todos) podem pensar de outra maneira, mas a verdade é que o Brasil, pelo que nos é dado ler, é um dos países do mundo que mais cresce, a seguir à China.
    Alguém lançou as bases.

    É tudo.
    (a anedota não é gozação minha. Não me intrometo na política de outros países e a ideia que faço de Lula da Silva é a de um grande homem, que poderá ter grandes defeitos, mas implementou políticas sociais, de grande alcance, que mais nenhum antecessor fez. Difícil mesmo é contentar a todos e chegar a todos os lares)

    Chega de conversa.

    Cumprimentos deste lado do mar.

    ResponderEliminar
  24. Oi, Luminha.
    Template novo... A bela morena da foto é você, eu presumo.
    Quanto à entrevista, sim, é bem interessante. Ainda há pouco eu estava lendo o e-Mail de uma amiga que dizia que a cidade dela, antes bucólica, hoje está partida como o Rio, com uma banda triste tomada pelas drogas. Estamos perdendo esta guerra.
    Quanto ao livre arbítrio, pois é, a propaganda, o marketing, com muita habilidade fazem o cliente acreditar que está escolhendo o que acha que quer, mas na verdade está sendo conduzido a. Isso em todos os níveis.
    Carpe diem. Aproveite o dia e a vida

    ResponderEliminar
  25. O ponto não é eu dar nome aos fatos... é você fazê-lo e assim revelar uma pontinha do que lhe passou ao ler. É uma forma de roubar-lhe um pensamento em gota, em uma palavra... em um nome.

    Beijo querida,
    Volte sempre.

    ResponderEliminar
  26. Luma, obrigada pelo post. Eis um assunto que me interessa. Pena que não estarei em sp.

    bjs

    ResponderEliminar
  27. Letargia... Não existe mais "o carinho", o acalanto de sonhos, o cuidado com as sementes. Cruelmente, foram substituído por um friccionar constante e entorpecente, por uma urgência que não cabe aos devaneios, pela mágica do "aconteça, nós podemos!".

    Umberto Eco já indicava algo parecido, antes de sermos todos submersos nesse universo fake de Matrix (até isso!), nos seus estudos semióticos, quando declarava que à sociedade americana (de novo, eles?!!! rsr Juro que não é pessoal, mas...) tinha que haver um realidade mais real que a própria.

    A peça que lhe faltava desse quebra-cabeças era exatamente esse banalização tecnológica. Não se criam mais produtos para suprir necessidades. Criamos necessidades com a apresentação de novos produtos. Steve Jobs que o diga.

    E, mesmo assim, apesar de todo ar high-tech, o que vejo a maioria das pessoas buscar é "só um pouquinho de magia" para colorir um cotidiano P&B. As dietas tem que ser mágicas. Sem esforços, zup, um corpo escultural. A sabedoria prescinde do sofrimento. Stalo! e somos quase tibetanos, após uma rápida leitura, na transversal, do novo best-seller de Paulo Coelho (de novo, nada de pessoal). E o sucesso vem em 10 lições, facilmente assimiláveis, lidas nos intervalos para almoço e congestionamentos infernais, respaldadas pelo pensamento mágico de um segredo mal contado.

    Não conhecia esse alemão. Alemães tendem, por obstinação, a complicarem nossas cabeças (que o digam os frequentadores de velhos e empoeirados divãs freudianos!). Por isso, não fazem tanto sucesso, antes de serem "polidos e adequados" às vitrines de uma mega-book-store. Ou que caibam no kindle rsr

    Vou ler. Um nó a mais nas tripas do cérebro, não deve me deixar com muito mais sequelas. Cabelos, já estão todos brancos mesmo. Uma calvíce? Ah, é inevitável mesmo...

    Abraços

    ResponderEliminar
  28. Olá Luma querida!
    Excelente matéria e o tema proposto é muito pertinente ao momento. Somos bombardeados por diversas informações e o poder do marketing, esse que impulsiona o consumismo e o pensar, tem nas imagens o seu grande trunfo! A sociedade não é mais o que pensa e sim o que visualiza. Sonhar com a imagem do carro recém lançado é símbolo do status e não precisa fazer parte da realidade, basta apenas ser conveniente aos sonhos! Pensar? Deixem para depois...pensar dá trabalho! Formar opiniões requer inteligência, e para quê precisam dela se tudo está pronto diante dos nossos olhos? Consumir é a nova lei!
    Grande beijo, minha querida!
    Jackie

    ResponderEliminar

Tenha identidade, não seja anônimo na web. Crie sua identidade virtual.

...bisbilhotaram em quietude, sem solidão

PlagSpotter - duplicate content checker tool
Licença Creative Commonsget click

Algumas coisas não têm preço


finalista the weblog awards 2005finalista the weblog awards 2006
finalista the weblog awards 2007weblogawards 2008
Verificar conteúdo duplicado

Me leve com você...

Leia o luz no seu celular

Copyright  © 2014 Luz de Luma, yes party! Todos os direitos reservados. Imagens de modelo por Luma Rosa. Publicações licenciadas por Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial- Vedada a criação de obras derivadas 2.5 Brasil License . Cópia somente com autorização.

Tem sempre alguém que não cita a fonte... fingindo ter aquilo que não é seu.

Leia mais para produzir mais!

Atenção com o que levar daqui. Preserve os direitos autorais do editor