Tudo que oprime (deprime) o ser humano

Escreverei sobre uma metáfora quase ingênua, senão muito substanciosa e esclarecedora - A metáfora do bolo queimado.


A dificuldade de nos separarmos da pessoa amada, o difícil processo de nos reencontrarmos em nossa essência mais íntima e a libertação da nossa individualidade sempre passa por um bolo queimado.

Quem de nós já tentou fazer um bolo? Se não fizemos, sabemos como se faz. Um bolo é cheio de manhas. Mas o problema surge quando o bolo queima. E muitas são as vezes que o bolo queima.

Agora pensemos que um relacionamento é um bolo.

Um bolo feito dos ingredientes que cada um de nós colocou naquela relação. Amor, expectativa, sonhos, alegria, dedicação, fidelidade… enfim, todo o tipo de sentimento. Mas por um processo doloroso e demorado, brigas constantes, ofensas, desconfianças e desrespeito, ou mesmo traições reveladas, brigas passionais, violência e por um universo de outras situações críticas, o bolo queima. O relacionamento queima.

Todos os sentimentos que investimos perdem a harmonia, perdem o sentido, frustram nossas expectativas e algo fundamental se rompe. Pronto! O bolo queimou!

Mas nós investimos tanto, nós sonhamos tanto, nós queríamos tanto, não é possível que o bolo tenha queimado, e se queimou, sempre acreditamos que dá para recuperar alguma coisa.

O engano!
Já experimentou tirar a casquinha preta do bolo queimado? Que gosto tem depois?
De queimado!

Já experimentou colocar recheio no bolo queimado? Que gosto fica?
De queimado!

Já experimentou colocar cobertura? Que gosto fica?
De queimado!

Bolo queimado tem gosto de bolo queimado. Todos os sentimentos que formaram o bolo se perderam entre as situações sérias e críticas que passamos.

Tudo e qualquer tensão entre nós e as pessoas que amamos são bolo queimado? Não, claro que não! Mas algumas situações, definitivamente, destroçam nossos corações e subvertem nossa tolerância. Estas são o bolo queimado.

O que fazer então? Duas opções.

Primeira. Feche os olhos e engula o bolo inteiro, com todas as decepções, frustrações, tristezas e ressentimentos. Esqueça de tudo. Nunca mais comente sobre o que aconteceu. Aceite, porque é assim que você quer. Tente levar a vida para frente apesar do gosto ruim de queimado. Esta é uma opção. Mas não tente regogizar o que ficou mal compreendido, o que ficou mal acertado, o que ficou queimado. Queimou, queimou. Não há o que consertar. Ou aceitamos e calamos, ou tomamos a outra atitude possível.

Segunda opção. Jogue o bolo fora. Mas jogue de uma vez. Jogar o bolo fora significa abandonar todas as lembranças, significa romper o relacionamento de uma só vez, significa não responder às tentações, significa não ligar para ele ou ela nem lhes atender se for possível, significa não perguntar a ele ou ela ou a si mesmo o que foi que deu errado ou de quem é a culpa, significa tomar consciência de que seu coração pode ter uma nova chance, a chance de fazer outro bolo, com os ingredientes e sentimentos que você quiser. Provavelmente não um bolo como o outro, mas um bolo diferente, com um gosto novo, saboroso, prazeroso.

Para que um bolo queimado se podemos fazer um bolo novo? Tenham certeza, se não adotamos a primeira opção de engolir o bolo com tudo de ruim que ele tem, então, a melhor opção é fazer um bolo novo, porque o bolo queimado, passe o tempo que for, faça o que fizer sempre terá gosto de bolo queimado.

Então, aproveite que se desvencilhou do bolo queimado e vá experimentar novos sentimentos, livre do passado, com novas expectativas, novos sonhos e muita esperança. E se o bolo novo demorar a surgir, então aproveite para estar consigo mesmo, para conhecer suas preferências, para dividir a alegria e o entusiasmo com pessoas queridas, aproveite para arriscar, para tentar, para errar, para tentar de novo, enfim, aproveite para ser você mesmo.

O Texto acima "Bolo Queimado" é de autoria de Michel Cutait 

14 comentários :

  1. Seu blog não abre, igual ao meu... uma chatice...
    enfim, depois de algumas tentativas... e paroveitando q sou a primeira a comentar... vou sair do assunto do bolo queimado, tbm me separei de um mais ou menos namorado recentemente, mas em compensação meu filho de 7 anos aprendeu a fazer um bolo de chocolate q é uma maravilha... e não deixamos queimar... kkkkkkkkkkkkk...
    o assunto é:
    consultoria gratis... como fazer no blogger várias páginas, como vc fez no seu, com os botões de home, blogger, perfil etc... pq quero limpar a minha página principal, sem perder os meus penduricalhos, q eu acho cá pra mim, q são esses balangandãs q pesam a página do blog, provocando dificuldade pra acessar e as consequentes reclamações... ui... será q vc pode me ensinar... como se eu tivesse 5 anos... kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk... abreijos... Nana (pode ser por email...)

    ResponderEliminar
  2. Luma, você disse com outras palavras o que eu quase ia dizer, que o exagero leva ao sufoco.

    Quanto ao bolo de chocolate, por mais que eu seja viciado, nunca consegui fazer um que desse certo.

    ResponderEliminar
  3. Luma que texto barbaro... meu bolo queimou varias vezes ano passado mas mesmo assim comí, e no final do ano torrou. Agora estou preparando a forma para novos bolos, e agora quero um recheio especial. Boa semana querida, bjo!

    ResponderEliminar
  4. Luma!

    Que texto lindo...
    Acho que esta metáfora do bolo pode também ser usada para relacionamentos não-amorosos. Me identifico muito com essa situação de bolo queimado com meu emprego do qual acabo de me demitir. Graças a Deus, tive a coragem de jogar o bolo fora. O gosto de bolo queimado era muito amargo.

    AXÉ
    Gabi Dread

    ResponderEliminar
  5. Belo post, Luma! E muito bom também o texto que vc colocou. Boa semana, amiga!

    ResponderEliminar
  6. Luma,

    Estou bem, obrigado por perguntar, só estava sem net e assim, não podia podia visitar e postar. Essa metáfora é muito certeira, eu gostei do texto. Também me separei recentemente, é um bolo queimado, mas a Gabi Dread acima, disse o que eu ia dizer: a metáfora pode caber em outros formas de relacionamentos.

    No mais é um ótimo texto pra ler no início da semana, até pra gente não repetir besteiras que fizemos ontem.

    Bj.

    ResponderEliminar
  7. Oi, Luma!
    Uma vez eu estava preparando um bolo (leia-se relacionamento...ihihih...) e nele depositei tudo quanto é ingrediente, e dos melhores! Mas o bolo queimou, e eu não quis comer bolo queimado. Queria outro. E como na cozinha quanto mais a gente faz algum prato, mais experiente e sabida vai ficando, assim também é na vida. A tendência é o bolo ficar mais gostoso quando a gente vai fazer outro, e saber o ponto certo para não queimar. Pronto! Fiz outro bolo e dessa vez? Muitooooo mais gostoso! :D

    Ótimo texto. Perfeita sensibilidade. ;)

    Ah! Achei o máximo a tua dica, tanto que a levei para o corpo do post. ;)
    Fiquei imaginando uma mesa como a que sugeriu, e realmente deve ficar bem divertido. :)

    Obrigada por sua contribuição. Foi especial. ;)

    Beijos!

    ResponderEliminar
  8. Alguma relações estão mais para bolo solado, aparentemente está bom, mas quando vc chega mais no fundo vc percebe que está solado, sem cumplicidade, sem amor, que é mais uma relação de conveniência ou de acomodação.

    ResponderEliminar
  9. oi Luma, estou aqui viva ainda... hehehe... ando sumida do blog pq estou super ocupada e com o pensamento no meu filho que vai nascer em julho... se sentir a minha falta rsrs entra no blog que eu fiz pra ele http://mamyrenata.blogspot.com

    espero retomar o ambiente e etc em breve

    bjs

    ResponderEliminar
  10. Luma,
    Saí de uma relação "bolo queimado" no começo desse ano. Cansei de "dar murro em ponta de faca", "tentar leite de pedra".
    Fiz o que ninguém esperava que eu fizesse... acabei com tudo!!!
    Belo texto! Serve para abrir os olhos de quem está vendo mas não quer enxergar!!!

    EStou aqui prá lhe informar que dia 04/06 é Dia Mundial Contra a Agressão Infantil!
    E como sei que você está enjada nisso, vou colocar um post em meu blog Ideias de Milene; http://ideiasdemilene.blogspot.com

    Bjo grande

    ResponderEliminar
  11. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  12. "A vida é um rio, doutor. A água junta e separa"

    ou ainda seria...

    "Amor é uma sensação de paz e aconchego"

    Acho que os impedimentos internos ao amor seriam: perda da individualidade, perda da felicidade e medo de sofrimento. Isso faz com que o amor acabe.
    Acho para vivermos bem no amor é preciso sermos inteiros, não metades. Quem sabe viver sozinho, viver relações de boa qualidade.

    Amor é conjugar qualidades e defeitos.

    #euacho

    .::.Susy.::.

    ResponderEliminar
  13. Olá Luma, passei para agradecer a visitinha e conhecer o seu espaço. Vou virar seguidora para voltar mais vezes.
    Beijos mil,
    Isa

    ResponderEliminar
  14. (Só uma correção)

    "Quem sabe viver sozinho, ViVE relações de boa qualidade."

    =)

    ResponderEliminar

Tenha identidade, não seja anônimo na web. Crie sua identidade virtual.

...bisbilhotaram em quietude, sem solidão

PlagSpotter - duplicate content checker tool
Licença Creative Commonsget click

Algumas coisas não têm preço


finalista the weblog awards 2005finalista the weblog awards 2006
finalista the weblog awards 2007weblogawards 2008
Verificar conteúdo duplicado

Me leve com você...

Leia o luz no seu celular

Copyright  © 2014 Luz de Luma, yes party! Todos os direitos reservados. Imagens de modelo por Luma Rosa. Publicações licenciadas por Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial- Vedada a criação de obras derivadas 2.5 Brasil License . Cópia somente com autorização.

Tem sempre alguém que não cita a fonte... fingindo ter aquilo que não é seu.

Leia mais para produzir mais!

Atenção com o que levar daqui. Preserve os direitos autorais do editor