O Pelé das drogarias



Nos dias que passei no hospital, a tv ficou ligada o tempo todo e, que complicado é assistir algo prestável! Zapeando vi tudo bizarro, desde venda de produtos, pregação de política e de religião. Bem a cara da realidade hoje, não? Não vendem armas de fogo na tv - mas vendem a idéia, inúmeros programas que têm o bandido como personagem principal. Vi também uma outra arma ser vendida pela tv e pelo “rei do Brasil”, que passou da fase vitaminada e agora vende pastilhas para a dor - droga poderosa que atenta contra a saúde se não tomada quando realmente necessária.

Não gosto de tomar remédios por conta própria e fico incomodada com pessoas que administram sem controle algum. Você pode entrar em um ciclo vicioso em que o analgésico ao invés de tratar a dor, seu uso excessivo pode ser o maior potencializador desta mesma dor. Existem alguns tipos de enxaquecas que surgem devido ao uso indiscriminado de analgésicos para o tratamento de uma simples dor de cabeça.

Os analgésicos e antiinflamatórios são os medicamentos mais utilizados para tratar inflamações e aliviar dores em geral. Mas se de um lado eles têm ação imediata e acabam com a sensação incomoda, de outro podem estar mascarando ou mesmo agravando uma enfermidade mais séria.

A reação inflamatória e a dor são mecanismos fisiológicos importantes para a preservação do organismo. Toda a vez que há uma lesão celular, o sistema nervoso central é avisado e toma providências para diminuir o que está causando a dor. Se, por exemplo, pisamos em uma brasa de cigarro, inicia-se localmente a produção de substâncias para estimular os neurônios sensitivos, que passam a informação dolorosa ao cérebro, fazendo com que a pessoa instantaneamente retire o pé.

No caso da reação inflamatória, o processo desenvolvido pelo organismo é um pouco mais complexo. Nessa reação há uma degeneração dos tecidos, muitas vezes provocada por bactérias, que produzem substâncias que são captadas pelo sistema imunológico. Este, por sua vez, organiza imediatamente uma ação de defesa, liberando autacóides, substâncias também conhecidas como autofarmacológicas ou hormônios locais. Nelas estão presentes as prostaglandinas, formadas por certas enzimas, entre as quais a ciclooxigenase.

Não estou complicando, só acho importante a explicação para entenderem o processo. A primeira reação que ocorre no processo inflamatório é a vasodilatação local, ou seja, a região afetada passa a receber mais sangue. Paralelamente há extravasamento de líquido do sangue para o tecido lesado, através de uma alteração dos capilares, permitindo que a área receba proteínas e leucócitos para ajudar na defesa do organismo. Isso produz um aumento de volume no local, que se torna mais rígido. Em seguida, surge a dor.

Num processo infeccioso, os analgésicos tiram as defesas do organismo

Como as reações inflamatórias tem por objetivo proteger o organismo, este processo não deve ser bloqueado de início, porque é o resultado da liberação dos autacóides, que atuam como mediadores da inflamação.

Nem sempre as dores são causadas por inflamação. A dor de cabeça é um exemplo; até hoje não se sabe como ela se instala, embora saibamos que ela acontece por causa da liberação dos autacóides. Quando tomamos uma aspirina, ela atua como analgésico, agindo em uma primeira aproximação, da mesma forma como acabaria com uma inflamação.

A ação dos analgésicos e antiinflamatórios não é a mesma para todos os diferentes tipos de dor. Como as dores de cabeça ou mesmo as enxaquecas não são causadas por uma infecção, não há agressão às células. Mas como o organismo detecta algo diferente, o sistema nervoso central começa a liberar substâncias de defesa, ocasionando a dor. A aspirina, dipirona e outros analgésicos bloqueiam as enzimas responsáveis pela formação dos mediadores da dor.

O uso indiscriminado de antiinflamatórios pode ser maléfico porque a inflamação é muitas vezes um fenômeno de defesa e acabam por tirar do organismo as armas contra aquela inflamação. As infecções na maioria das vezes deve ser combatida apenas com antibiótico. Evidentemente, certos processos inflamatórios precisam ser combatidos porque são nocivos ao organismo, mas sempre sob orientação médica.

Graves efeitos colaterais

Embora analgésicos e antiinflamatórios pareçam medicamentos simples, eles produzem efeitos colaterais graves, porque a medida que inibem a produção de prostaglandinas – que atuam como mediadores da reação antiinflamatória – também alteram a atuação em outras partes do organismo. As prostaglandinas, por exemplo, são fundamentais para a proteção do estomago contra o suco gástrico. Quando tomam antiinflamatórios, alguns pacientes sentem dores fortes no estômago e pode haver até ulcerações e sangramento gástrico. Por essa razão quem tem histórico de gastrite ou úlcera, deve evitar certos tipos de antiinflamatórios. A aspirina é um deles que pode causar sangramentos para quem tem úlcera.

Os analgésicos e antiinflamatórios estão divididos em três grupos que pode ser da classe do salicilato, em que se encontra a aspirina; do pirazolônico em que se encontra a dipirona; e do paracetomol. Outros analgésicos e antitermicos mais potentes, derivados dos piroccênicos, também podem trazer efeitos colaterais mais fortes. De um modo geral, quanto maior a capacidade antiinflamatória do remédio, mais potente é a sua atuação benéfica e, muitas vezes maiores também seus efeitos colaterais. Isso é uma regra em farmacologia.

Outra reação fisiológica própria do organismo é a febre, que serve para aumentar a defesa do corpo contra agente infecciosos. A capacidade imunológica do organismo é bem maior numa temperatura de 38 graus do que a 37 graus. Mas ao atingir 39,5 ou 40 graus, crianças e idosos correm o risco de convulsões, enquanto que pessoas com problemas cardíacos podem ter aumentada a freqüência cardíaca.

A febre é um sintoma importante

Hoje, a tendência dos pediatras é de não tratar febres de 38 graus. Como ela causa mal estar, também obriga o paciente a manter repouso. Seguir o ritmo de vida normal, ao contrário, leva a uma demora maior no tempo de recuperação. Como os antiinflamatórios e antitérmicos retiram do corpo seus mecanismos fisiológicos de defesa, o ideal é usar antipiréticos quando a febre for muito alta.

Entre os diversos tipos de dor, as dores de cabeça são as mais freqüentes e na maioria das vezes desaparece com qualquer analgésico. Embora aparentemente não haja qualquer problema em ter que tomar um analgésico; certas dores de cabeça podem ser sintomas de doenças graves, como um infarto do miocárdio, de um acidente vascular cerebral, ou mesmo de uma insuficiência renal.

A dor de cabeça pode ser ainda sintoma de um tumor cerebral. Cefaléias que se repetem com freqüência devem ter suas causas diagnosticadas, ou seja, o paciente precisa procurar um clinico antes de tomar um analgésico, evitando mais complicações futuras.

Cada um sabe da dimensão da sua dor de cabeça, mas se essa dor é repetitiva, não repita medicamentos sem orientação médica.

Beijus,

13 comentários :

  1. Parabens pelo post, Lu. Realmente tomar qualquer tipo de drogas quimicas, principalmente produzidas pelo homem, deverá ser tomado com cautela. Visitar um médico é sempre o mais indicado.

    Mas gosto de dizer que sou abençoado de ter uma 'luz' em minha vida que cuida de mim quando estou 'dodoi'. :D

    beijos,

    &&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&
    &&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&
    &&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&
    &&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&

    ResponderEliminar
  2. denise rangel16:52

    Luma, gostei do novo visual!
    Eu sou viciada em analgésicos e anti-alérgicos.
    Todos receitados por médicos. Mas, quando a dor volta, nem vamos mais ao médico.Repetimos aquele remédio que já conhecemos.
    Bem lembrado, ao tentarmos nos livrar de uma dor, estamos mascarando uma situação mais grave.
    Valeu pelo toque.
    beijo, menina

    ResponderEliminar
  3. Realmente, mais do que oportuno teu artigo, o uso indiscriminado e sem acompanhamento médicoa acaba por trazer muito mais do que efeitos colateriais, também cria um mercado de auto-medicação que não sabemos onde vai acabar.

    Excelente post..

    ResponderEliminar
  4. Oi Luma
    Também sou contra a auto-medicação, não pago um plano de saúde caríssimo para na hora da dor ou doença me auto-medicar ou seguir orientações de um farmacêutico. Sou radicalmente contra a propaganda de remédios em qualquer veículo de comunicação.

    ResponderEliminar
  5. Oi Luma!

    De dor de cabeça "eu sei tudo!" (ou seria: sinto tudo?) E febre? Pode ser pouca coisa, mas nunca será nada! Mãe não esquece essa...

    beijos querida e boa 4 feira.

    ResponderEliminar
  6. Ich já tomei tanto remedio propria...
    e já me ferrei tanto com isso!
    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk


    Beijus

    ResponderEliminar
  7. Minha mulher é expert em dor de cabeça. Enxaqueca. Devidamente diagnosticada. Beijos.

    ResponderEliminar
  8. Luma,
    Excelente lembrança. Eu louca para escrever sobre o tema e chego aqui tem um ótimo. Só disse verdades, e a propaganda a que você se refere havia sido suspensa pela ANVISA, mas eles repaginaram e ela está no ar novamente. Cabe lembrar que apesar de necessário nnem todas as pessoas tem acesso a várias consultas médicas por ano. Farmacêuticos formados e sérios - e não balconistas de farmácia - podem e devem ser solicitados para informações na hora de aquirir esses medicamentos ou qualquer outro.
    Parabéns!
    Abraço
    Lis

    ResponderEliminar
  9. Luma...muito bem lembrado...
    Todos nós sabemos que não devemos nos auto-medicar...mas parece que às vezes esquecemos disso, não é mesmo??
    Existem pessoas que são praticamente viciadas em tomar remédios pra enxaqueca...
    Minha mãe por exemplo, pra colquer dor que ela esteja sentindo, quer dor de cabeça, ombros, rins, dente, seja oque for...ela toma um remédio chamado DICLOFENACO...e eu sei que é um remédio altamente prejudicial, se não for por orientação médica...mas não adianta falar com ela...nem ouve a gente...
    Fazer oque...mas mesmo assim vou tentar mais um pouco e ver se ela para com essa mania...

    Beijos

    ResponderEliminar
  10. Oi Dra. Luma (hehehe...)
    Daqui pra frente vou tomar mais cuidado na ingestão de analgésicos.
    Quando ao Rei Pelé, foi um craque dentro dos gramados. Já fora dele, tsc, tsc, tsc...
    Beijo.

    ResponderEliminar
  11. Muito bom, Luma. Com analgésicos não se brinca. Aliás, com remédio nenhum!
    Minha mulher escreveu um livro sobre reações adversas de medicamentos (do ponto de vista do alergista) que é um verdeiro livro de horror!
    Você vai vendo aqueles "remedinhos simplesinhos" cheios de efeitos colaterais cabeludos!!!!
    Remédio só com orientação médica, sempre!
    Um beijão.

    ResponderEliminar
  12. Engraçado que ao assistir à propaganda pela primeira vez, fiquei me sentindo incomodado. Achei que fosse simplesmente birra minha contra o Pelé, mas agora lendo seu texto entendi o porquê!!

    Beijos!

    PS: Algum tempo atrás você me pediu orientação para inserir o recurso de 'expandir/sumarizar' postagem aqui no Luz. Respondi que ajudaria com o maior prazer e lhe pedi que me passasse seu email para que pudesse lhe enviar o código e as explicações, pois não queria colocar algo fora de contexto aqui nos comentários. Enfim, deixo aqui um link com a explicação completa, em português. rsrs O link: http://themeclarice.blogspot.com/2008/07/sumrio-do-post.html

    ResponderEliminar
  13. Só para confirmar: o comentário acima é meu. Esqueci de assinar. rsrs

    Beijos, de novo!

    Juca

    ResponderEliminar

Tenha identidade, não seja anônimo na web. Crie sua identidade virtual.

...bisbilhotaram em quietude, sem solidão

PlagSpotter - duplicate content checker tool
Licença Creative Commonsget click

Algumas coisas não têm preço


finalista the weblog awards 2005finalista the weblog awards 2006
finalista the weblog awards 2007weblogawards 2008
Verificar conteúdo duplicado

Me leve com você...

Leia o luz no seu celular

Copyright  © 2014 Luz de Luma, yes party! Todos os direitos reservados. Imagens de modelo por Luma Rosa. Publicações licenciadas por Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial- Vedada a criação de obras derivadas 2.5 Brasil License . Cópia somente com autorização.

Tem sempre alguém que não cita a fonte... fingindo ter aquilo que não é seu.

Leia mais para produzir mais!

Atenção com o que levar daqui. Preserve os direitos autorais do editor