É proibido morrer!

Na mitologia, Kratos se alimenta das cinzas de Prometeu para ganhar novos poderes, entre eles, a magia de causar terremotos devastadores. Na atualidade, virou personagem da saga God of War. Enfim...

É proibido morrer
Lembrei-me desse fato ao ler o comentário da Van no post anterior:

"Morte é coisa séria, imbui-nos de toda consternação e tristeza que o fato acarreta, mas já fui a um funeral de cinzas que mais pareceu uma comédia, impossível as pessoas ali reunidas não rirem juntas e isto me pareceu interessante, deveriam ser cômicos todos os funerais. dentre tantos episódios hilários neste dia, vou contar só um: estávamos no alto de uma montanha, as cinzas seriam jogadas de lá, a filha abre o jarro e o sacode, neste exato instante uma rajada de vento passa por nós, resultado: Todos os presentes receberam um pouquinho do defunto em si, a filha num ímpeto diz, "ai engoli papai". Alguém sussurra ao meu ouvido, "feche a boca para não engolirmos também, teremos de descer a montanha não podemos ficar bêbados, ele morreu de cirrose". Tem como não rir? Neste dia todos riram e afinal descemos a montanha um pouco menos tristes e levando a morte menos a sério"

Me diverti muito com outros comentários, da lembrar de Keith Richards ao confessar que cheirou as cinzas de seu pai. A Vanessa lembrou que Courtney Love andava com as cinzas de Kurt Cobain numa mochila ursinho de pelúcia. Pepa, lembrou do filme "As cinzas da Vovó" e também me lembrei de Roman Tyc, um artista que criou a coleção “Grave Robber” (Ladrão de Sepulturas) composta de 19 obras usando cinzas humanas. Para ele essa técnica reflete a libertação das cinzas da garrafa. Você gostaria de ter essa obra em casa?

Parece que não é somente as pessoas excêntricas que procuram destinos diferenciados para suas amáveis cinzas. Vi um anúncio na internet da Funerária Mundial em que era oferecido alguns serviços:

  • Lançamento de Cinzas a bordo do veleiro Leão Holandês - Numa manhã calma ou numa tarde com um pôr do sol, a qualquer hora do dia...
  • Lançar as cinzas ao mar ou rio.
  • Transporte para outro local, serviço nacional e internacional.
  • Transportar as cinzas consigo para qualquer parte do mundo.
  • Mostruário de potes para colocação de cinzas.
A título de curiosidade, pesquisei se por acaso, alguém sentiu vontade de ser enviado para o espaço e não é que encontrei diversos famosos enterrados no espaço? Entre eles, Gene Roddenberry, o criador de Star Trek.

É proibido morrer
Falando sério, as cinzas seriam uma boa solução para a falta de espaço nos cemitérios. A partir de agora, republico um texto que escrevi seis anos atrás com os devidos comentários.

Em 12.01.2006, o Prefeito da cidade de Biritiba-Mirim, município que abastece de hortifrutigranjeiros a capital paulista; veio à público prestar esclarecimentos da sobrelotacão do cemitério local:

"Fica proibido morrer em Biritiba-Mirim. Os munícipes deverão cuidar da saúde para não falecer” (não vale tentar morrer!)
“Os infratores serão responsabilizados pelos seus atos” (depois de morto?)

O problema é que, enquanto para a terceira parte, no caso o prefeito, esta é uma manobra mediática e justificada para chamar a atenção do governo para o problema que a sua cidade sofre a muitos anos; porque o cemitério local não pode ser ampliado por várias razões.... as duas primeiras são mesmo a sério.

O cemitério local está a transbordar de cadáveres e 98% da cidade está em área de proteção ambiental (89% do território é zona de nascentes e os restantes 11% pertencem à Serra do Mar) e o Conselho Nacional de Meio Ambiente (Conama) proíbe a construção de cemitérios. Antes da medida do prefeito os mortos estavam sendo enterrados em sepulturas de amigos e vizinhos, até o coveiro generosamente, cedeu o túmulo de um familiar para enterrar uma criança.

Se não morre ninguém o problema está resolvido, então é proibido morrer!

E se não cumprir a lei o morto é sancionado? os inimigos do prefeito têm-se manifestado ironicamente dizendo que não deverá ser a pena de morte.

O caso é sério. A votação na Câmara Municipal foi marcada. O Ministério do Meio Ambiente já autorizou a revisão da medida que impede a construção de cemitérios em áreas de mananciais. Como é um processo demorado, o Conama analisa medidas emergenciais para atender Biritiba-Mirim.

Em Biritiba-Mirim,
no interior paulista,
o prefeito inventou
uma lei surrealista:
decidiu que quem morresse
pagava multa, à vista.
Desde já criou-se um clima
de grande inquietação;
a funerária faliu
por não vender um caixão;
o coveiro aposentou-se
por falta de ocupação.

Um certo dia a sogra
do prefeito adoeceu,
melhorava e piorava,
e sabe o que aconteceu?
depois desse vai-e-não-vai
a velha sobreviveu.
Para não pagar a multa
a velha não quis morrer,
deixando assim o prefeito
desesperado a sofrer,
pois uma gorda herança
deixava de receber.

O prefeito que sonhava
pela sogra colocar luto,
tomou firme decisão,
deixando o povo puto:
isentou a querida sogra
de todo e qualquer tributo.

Sextilha de José Pedrosa/RN
Gosta de Cordel?
+ sobre morrer em Biritiba-mirim.

Em 20.12.2010, Biritiba-mirim inaugurou o novo cemitério, colocando fim a essa polêmica.

Estão pensando que isso é notícia antiga? Vemos que não é só na cidade de Biritiba mirim que o cemitério está lotado. Quem vai ao cemitério vê sobradinho, duplex, 2, 3 janelinhas e puxadinho. É problema nacional e Os cemitérios do país inteiro estão lotados! Acho que o fim dos mortos é mesmo o céu. Estou brincando, mas é sério.

Era prática judaica enterrar os mortos na terra ou em túmulos de pedra (Gn. 15:15). Nunca foi do costume judeu cremar os corpos e contemplavam essa prática com horror (Am. 2:1). A cremação só era prescrita como castigo (Js. 7:15).

Os cristãos seguiram o exemplo judaico no que concerne ao respeito aos mortos. Aceitavam o ensino de que o corpo do Cristão é o Templo do Espírito Santo e, como tal, deveria ser respeitosamente enterrado (I Cor. 3:16 e 6:19). Esses cristãos primitivos procuravam sepultar seus mortos num mesmo lugar, dando a esse lugar o título de cemitério, cujo significado é dormitório (Mt. 27:52).

"Não vos admireis disso, porque vem a hora em que todos os que estão nos sepulcros ouvirão a sua voz e sairão"(Jo. 5:28).

Todos nós sabemos que com o tempo a carne se putrefaz, ficam os ossos que logo serão descalcificados. Não seria melhor doarmos os orgãos para os que precisam e num gesto romântico guardar as cinzas ou jogá-las por sobre o oceano, espalhar sobre um jardim... muitos destinos podemos escolher e não poluiremos o meio ambiente, preservaremos os mananciais e não beberemos água moribunda.

Com a mania da eternização dos momentos, a ditadura de ser feliz a qualquer custo: Queremos preservar o corpinho depois da morte para quê?

83 comentários :

  1. Nossa!
    Nenhum comentário!
    Pelo menos uma vez na vida, serei o primeiro a comentar no "Luz de Luma" rsrsrsrs.
    Amiga querida, como pouca gente leu o meu post até agora, fiz um updatezinho discreto, sem alarde, incluindo um link pra cá, tá?
    Beijinhos e uma boa semana!

    ResponderEliminar
  2. Pois é Luminha, foda é eu convencer o povo aqui que quero ser cremada,me arrepia pensar em estar debaixo da terra cheia de bichos escrotos me comendo,aff!!
    Não saberia conviver com cinzas de ninguem...
    Lidar com a morte é dificil e ninguem além dos papa defuntos sabem tratar desse assunto com naturalidade.
    Sou doadora de tudo que puderem aproveitar..que eu possa ajudar muita gente!
    Lindo dia
    beijossssssssssssssss

    ResponderEliminar
  3. Quero muitas velas em meu velório, rs! Não suporto escuridão. Dei risada nas cinzas do marido dentro de um jarro, que horror...rs! Obrigada pelas palavras carinhosas deixadas em meu cantinho. Tenha um ótimo dia especial da Mulher. Beijos!

    ResponderEliminar
  4. Oiiiiiiii........To com saudade......
    Tbm sou viuva e nunca ia ficar com as cinzas de ninguem...Temos que nos lembrar da pessoa viva e não morta...A saudade fica, as lembranças,mais o tempo se encarrega de tudo.
    Gostari de doar meu corpo todo...se puderem aproveitar né?
    Bjus...e vai conhecer meu novo cantinho.....

    ResponderEliminar
  5. Luminha, o post ficou cinza...


    Biritiba-Mirim tem um aeródromo conhecido como Granja Irohy, onde nós do AeroClube de São Paulo vamos bastante quando em instrução. Bom que não pode morrer ninguém por lá, hehehe...


    Beijão.

    ResponderEliminar
  6. Gostei mesmo foi do texto do Bocage....
    E o imposto hein? Puxa já tinha até esquecido dele. E ninguém cobra, ninguém paga...
    Bisbilhotar casa que visitamos quando o dono sai da sala... um must!
    Obrigada pela visita!

    ResponderEliminar
  7. Oi Luma, é difícil para mim, imaginar um pote com cinzas, na minha casa, mas cada um faz como prefere. Eu nunca pensei em ser cremada, creio que prefiro o enterraro convencional, afinal, quando morremos, a nossa alma sai do corpo e o corpo deixa de ser importante, mas é um facto que muitos orgão podem ser doados, nunca havia pensado nisso, confesso. Um óptimo dia para ti. Beijinhos

    ResponderEliminar
  8. Bom dia Tia Luma, eu realmente fico mal em velórios mas em dois deles eu tive que ir. E ainda cuidar, o que é muito dificil!

    E eu já decidi que vou doar meus orgãos e ser cremada e isso eu tenho para mim a muito tempo já.
    Depois de morta para que e vou querer me manter???Minha alma com certeza ja estrá livre por ai

    Bjokas
    Bom dia

    ResponderEliminar
  9. Quando era mais nova sempre falava que queria ser cremada... mas hj, mesmo sabendo que vou estar mortinha da silva sauro, só de pensar na dor que as queimaduras provocam ... aff! Desisto!!! Mas uma coisa eu já falei aqui em casa: quero doar todos os meus orgãos, pq eles eu não quero que virem comida de bicho, quero que se tornem vida pra outras pessoas!

    BeiJUs

    ResponderEliminar
  10. É algo muito complexo,LUMA. Envolve amor e religião. E aí vc ja viu o babado que pode acontecer se alguém IMPOR algo. Particularmente eu concordo que os órgãos deveriam sim salvar vidas. Mas como neste país tudo é muito suspeito e sinistro,logo iam começar a justificar mortes para "salvar" outros...
    Sei as respostas não...
    Beijos!

    ResponderEliminar
  11. Oi Luma!Obrigada pela retribuição do comentário.

    Mais uma vez, Gostei mesmo do seu blog p além de td é inteligente.

    Sobre o seu post d hj, n gosto d falar sobre o tal assunto, me dá arrepios, sei la, n gosto de pensar sobre isso. Amo tanto viver q n consigo lidar c isso, sendo uma coisa natural. Pois td q vive, morre um dia, natural! Ja ouviu q p morrer so basta ta vivo?? Credo! Faz td sentido..Bahh

    E sou doadora d td! Td q prestar p alguma coisa, digo SIM, alias, depois d morta n digo mais nada neh?..bahhh Mas assino embaixo.

    Te add no meu bRog, ok?

    Beijos e ate +

    ResponderEliminar
  12. De vez em quando penso nesse assunto, apesar da morbidez. Quero ser cremada, mas por aqui ainda não tem como; então, só Deus sabe... E quando alguém morre; incrível como muitas pessoas se afastam. Não sabem o que dizer; fazer... Ás vezes, só estar por perto faz um grande bem. Beijos.

    ResponderEliminar
  13. Oi Luma!!!
    Não tive tempo de passar por aki ontem, então to te dando hoje os PARABÉNS pelo nosso dia!!!
    Grande abraço

    ResponderEliminar
  14. É avida e seus mistérios..

    Boa quinta-feira, bj..

    ResponderEliminar
  15. e Luminha assunto serio esse, engraçado pensando assim eu acho que nao queria as cinzas de ninguem na minha casa nao, teria medo. apesar de sempre brincar com minha mae que eu morrer primeiro que ela quero que meu marido lve minhas cinzas numa caixinha chinesa bem chique pra ela que e pra ficar na cabeceira da cama dela, perversa eu ne? lendo seus coments achei que seria legal vc fazer um post sobre doaçoes de orgaos tem muita gente que nao sabe que se quizer doar orgaos tem que escrever na identidade... bom fui beijins!

    ResponderEliminar
  16. Nossa, sombrio esse tópico, não??? hehehe... Achei bonito o texto da sua amiga lá em cima...

    Kisses

    ResponderEliminar
  17. Ah, eu queria virar purpurina. Talvez peça pra misturarem glitter com as minhas cinzes. Só não sei onde quero que as joguem...

    ResponderEliminar
  18. Eu tenho vontade de ser cremada, nao me imagino dentro de um caixao, entrando pra debaixo da terra...mais nao quero cinzas minhas na sala de ngm...rss
    Eu nao gosto de velorio, enterro e afins...e tenho pavor de qndo alguem morre...fico apavorada, sentindo a presença da pessoa, foi assim qndo minha irma morreu, ate eu voltar a dormir sozinha, demorou anosssssss! E fotos de mortos pela casa? never! nao aguento nao!rs
    Aff, odeio morte!

    Bjitus

    ResponderEliminar
  19. Esse prefeito come bosta de maconheiro (*ela é alucinógena),cara conviver com as cinzas do morto alí na sala deve ser foda!imagina ela se decidir dar?! impossível... já que o "falecido" talí bisbilhotando que nem tu!falando nisso ele deve ter achado graça mda tua cara... eu acharia!
    esses dias pensei no dia que eu morresse quem iria no velório e pior quem tomaria conta da minha propriedade virtual?! Ninguem hauahuahauah

    ResponderEliminar
  20. Não me preocupo com isso, no momento quero viver MUITO e INTENSAMENTE. Quando for minha hora as pessoas podem decidir o que fazer, o que me importa é ter sido feliz
    Beijo

    ResponderEliminar
  21. Após serem retirados todos os órgãos ainda utilizáveis do meu cadáver, minha vontade é que meu corpo servisse de alimento para os urubus, esses higienistas da natureza. Como isso não é possível nesta sociedade tão arcaica, que façam o que quiserem com a carcaça, não vou reclamar não.
    Eu mesmo não tenho interesse em guardar restos mortais de ninguém. Nem em casa nem em lugar algum.
    A essência de uma pessoa não fica no corpo morto.
    Beijos.

    ResponderEliminar
  22. Nessas horas a historieta de Saramago em Intermitências da Morte, viriam bem a calhar. não acha? Rs...

    Beijocas!

    ResponderEliminar
  23. Oi Luma,
    Teu blog que é um must, um jarrinho não é nada perto disso aqui!
    Obrigada pelo comentário viu e ainda estou tentando me familiarizar com tudo o que vi por aqui, não entendi o que são os Morcegos :oO
    Bjo

    ResponderEliminar
  24. Não quero choro, nem vela...
    Já leu 'As intermitências da morte' do Saramago. É soberbo, beijõ

    ResponderEliminar
  25. Oi Luma,
    obrigado pela visita.
    Antes tinha pavor da morte, a primeira vez que fui ao cemiterio já era burra velha e fui por ser a morte de uma irmã. Hoje em dia convivo com a morte pois trabalho em um asilo e sempre morre idosos que eu preciso preparar para o enterro. Sabe esta dos cemiterios estarem lotados , pensei que fosse coisa só de filmes. O unico meio é a cremacão, pois as cinzas ocupam menos espaco. Acho muito melhor do que tirarem os ossos e jogarem fora depois de alguns poucos anos, como fazem nos cemiterios caso não se compre o tumulo.
    Voltarei, Beijos Beth

    ResponderEliminar
  26. Bom ...
    começar na mundo global com visitas tão interessantes é muito bom!
    Quanto a seu post...antes pensava que queria ser cremada ...por conta disso que todo mundo pensa....bichos, caixão fechado...debaixo da terra...e se eu num tiver morrido de verdade? Mas depois ...ser queimada tb num é uma coisa digamos mais heróica...sei lá. Agora acho que quero ser enterrada mesmo....fechar um ciclo...colaborar, devolver ?pra natureza.

    ResponderEliminar
  27. ser cremada é a melhor solução, mas acho q é caro, né? eu tb preferia ser, e ter as cinzas jogadas ao mar, ou ao vento, enquanto tocasse um berimbau, ou mesmo na sapucaí, enquanto as escolas de samba passassem...

    essa do prefeito foi demais, proibir de morrer..ahaha

    beijosssssssssssss

    ResponderEliminar
  28. Concordo com vc, em genero numero e grau. Vamos doar tudo que for possivel e salvar vidas assim até dimuniu o tanto de gente morrendo por aí...
    Também não ia conseguir conviver com as cinzas de ninguem, por isso concordo com a ideia romantica de ter as cinzas jogadas no mar, ou quem sabe no gramado do Corinthians, minha paixão hahahaha....
    beijocas

    ResponderEliminar
  29. Eu concordo com vc, mas não gosto de falar na morte...

    ResponderEliminar
  30. A certeza da vida: morte. Encarar a coisa é difícil. Pior é a proibição de morrer do dito prefeito. Hehehehe.
    ...
    agora viver com o pó do marido...do jeito que esqueço de tudo... eu ia dar como comida aos Betas por lapso.
    ...
    Aviso: linkei vc , ou ,melhor seu blog no meu. E meu endereço de blog mudou. O Terra não dava chance de editar nada e nem de linkar amigos. Fui para o blogspot.
    ....
    []s

    ResponderEliminar
  31. Acho que o morto quer mesmo é vigiar a viúva... As cinzas em urna urna dentro de casa acho um tanto macabro!
    Ah, eu tbm conheço uma cidade que precisa cuidar do seu cemitério... Fui a um enterro e vi umas covas muito rasas, terra muito fofa aqui e ali... Fico imaginando se não vi coisas piores e nem percebi por causa do momento que estava vivendo! Deus me livre de tanto descaso!
    Bjos...muitas emoções.

    ResponderEliminar
  32. Olá Luma,

    O corpo que a gente tem é apenas uma carcaça que, depois que a alma vai para outro lugar, não serve mais para nada. Tanto que, para quem acredita em reencarnação, nós nascemos diferentes a cada vida. Então, pra que se preocupar?

    O grande problema da cremação é o custo elevado. Eu gostaria tbm de ser cremada quando morrer (e espero que seja beeeem mais pra frente! rs)mas não são todos que têm dinheiro para isso.

    Vc ver uma pessoa amada indo pra debaixo da terra é muito difícil, só isso eu sei!

    Beijos!

    ResponderEliminar
  33. Luma, quando eu partir desta para outra dimensão, podem pegar tudo o que ainda presta...e doar para quem precisa. Quando ao destino da minha carcaça é ruim que vá para a terra. Quero ser cremada e depois joguem na terra , na água, onde quiserem o pó. Nada de guardar em jarrinho, urna...nananinanão! Quero liberdade...

    Bjos.

    ResponderEliminar
  34. Oi Luma!
    Vi o seu comentario no meu blog, e resolvi fazer uma visitinha no seu! Super interessante!
    Quanto aos seu posting, eu também quero ser cremada quando eu morrer...e que as minhas cinzas sejam colocadas no mar (no Rio).
    Você mora aonde?
    Beijinhos
    Ju

    ResponderEliminar
  35. luma...quando eu morrer podem tirar tudo q estiver funcionando e queimar o resto. roupa velha a gente põe no lixo...enfim...sei lá...este assunto me deixa meio assim...um beijo!

    ResponderEliminar
  36. Luma, eu vinha aqui ontem, mas minha conexão me deixou na mão. Esse post está tragicômico, não? Boa mistura.

    ResponderEliminar
  37. eu quero ser cremada, mas acho que não quero ficar num jarrinho... no jardim, talvez...

    ResponderEliminar
  38. Ser cinzas e virar comidinha de peixes em cabo Frio.
    Esse é meu destino.

    ResponderEliminar
  39. Eu também tenho horror a velorio, cemiterio e defunto, não coloco a mão em defunto por nada desse mundo hehehe

    Eu li uma vez, sobre um cara que pintava um quadro da pessoa falecida com suas cinzas, fica muito bom o quadro, uma boa utilidade para as cinzas hehehe
    E vc ainda não me respondeu, tem ou não tem msn????

    bjs

    ResponderEliminar
  40. Oi Luma, muito obrigada pela visita!
    Nossa, como seu blog é lindo!!!!!!!!!!
    Tô até meio perdida....hihihi
    Depois eu volto com mais calma.
    Beijos

    ResponderEliminar
  41. Luma esse negócio de morte faz as pessoas fazerem coisas que elas acreditavam que nunca fariam na vida! Já vi muito disso acontecer ...

    Bjs

    ResponderEliminar
  42. Essa desse prefeito me fez lembrar a novela "O Bem Amado" ao contrário! Lá o prefeito dava tudo pra morrer alguém e inaugurar o cemitério! hehehehehe! Essa de punir os infratores foi ótima! De que manicômio saiu ele? hehehehe!
    Beijos e quero ser enterrada. Não quero ser cremada.

    ResponderEliminar
  43. Quero que minhas cinzas sejam jogadas ao mar. Se pudesse , o corpo todo... :D.

    Bjs!

    ResponderEliminar
  44. Adorei o texto Luma... de fina estampa e qualidade... apesar de suas trapalhadas com as cinzas do finado. Mas acho que quero ser cremado ou enterrado em qualquer pasto por aí, e servir de adubo pra um ficus, ou uma amoreira. Apareça no Jerico.

    ResponderEliminar
  45. Que horror ser proibido até de morrer! Credo!
    Luma? Vim te fazer um convite.
    Sábado estréia o programa Casal 20 na Rádio Cidade Online. Eu e o Marcelo estaremos das 2h às 4h da tarde por lá, com música, informação e entretenimento.
    Quer saber mais? Dê uma passada no Hopes & Fears e confira!
    E isso não é spam, tá?
    Contamos contigo!
    Abração!

    ResponderEliminar
  46. Putz! Sei não... é difícil conviver com as cinzas... e, não sei se gostaria de ser cremada... ainda não pensei sobre isso.
    Beijns Luma!

    ResponderEliminar
  47. Depois de morta, tanto faz né? é só o corpo que fica por aqui.....uuy, arrepio!nem gosto de pensar nessa parada. Mas sou doadora de tudo que quiserem aproveitar.

    Beijos

    ResponderEliminar
  48. Todo mundo qdo morrese deveria virar um 'plim' esumir, não haveria velórios e tristeza: plim, sumi!
    beijos para ti

    ResponderEliminar
  49. Ah! Que triste é a partida de nossos entes queridos. Aqui na Alemanha é proibido (qual é a palavra certa?) espalhar (?) as cinzas no meio ambiente. Tem que deixar no jarrinho. Eu nao gosto dos jarrinhos, quero ser jogada por aí, nem que seja para virar Pipicat ou matéria prima na construcao civil. Embaixo da terra me dá calafrios!

    Ah!!! Lindíssima a poesia de Cora Coralina, vc lembrou muito bem as mulheres da vida no dia da Mulher. É triste o preconceito com que sao maltratadas. Se nao fossem elas os estupros em nossa sociedade poderiam ser piores e mais recorrentes.

    Beijos! Adorei teu blog, teu jeito de escrever, as fotos que postas!

    ResponderEliminar
  50. Ah, Luma, tão complicado...
    Pq será que ninguém gosta de falar na morte se é a única certeza que temos?!
    E vc. me fez lembrar de Chocolate (lembra que ela carregava o vaso com as cinzas da mãe?!) e do Lenin - corpo conservado até hoje.
    E tb. As pontes de Madson...
    eu já falei, quero minhas cinzas espalhadas no Mediterrâneo ... Ilhas Gregas, mais precisamente!
    Rapha me pergunta: não pode ser no piscinão de Ramos?! Esculhambou comigo...rs!!!
    bjs!

    ResponderEliminar
  51. Luma, a preocupação não é somente no Brasil. Lembro que autoridades na Inglaterra estudavam retirar os mortos das covas para abrir espaço para novos cadáveres.
    As pessoas devem ter uma escolha realista nas preparações do funeral de seus parentes, e os cemitérios devem ser bem administrados e acessíveis.
    No mesmo ano, uma senhora como exemplo social, levou as cinzas do marido para dar a volta ao mundo, já que em vida ele tinha medo de avião. Depois os netos usaram as cinzas do avô para misturar a tinta e fizeram tatuagem. Penso que foi bom destino para as cinzas, porque ficaram dentro da família.

    ResponderEliminar
  52. Eu ri e alto kkk... Não sei se é pq minha família é dada a gaiatice, mas os enterros dos velhos da minha família são sempre fontes de histórias engraçadas, além de ser ótima oportunidade de reunir toda a "raça" \o/

    Ruim é quando morre gente gente jovem ou os que estão no meio do caminho entre a juventude e a velhice!

    Mas, a parte isso, o tal do cemitério também anda com problemas graves de super lotação em um país que parece viver em estado de guerra urbana, os públicos então, para onde vai a população mais carente é um horror só, um nojo só. Não sei se é assim em todo Brasil, mas em recife os mortos ficam enterrados apenas por 2 anos, depois os ossos são tirando e a cova ou a gaveta passa para outro, nem precisa lavar :)

    Enfim... Como dizem os historiadores que a vontade do morto só é seguida quando interessa aos vivos, vou deixar o destino dos meus restos aos que sobreviverem a mim, se, lembrando o eterno jargão das senhoras da minha Igreja, "Jesus não voltar antes"!

    Cheros Luma!

    ResponderEliminar
  53. Genial Luma.

    Nos deu uma boa cultura sobre cinzas e afins, adorei!
    Sabe, que saí daqui ontem decidida a fazer um post com este meu comentário? Gostei de relatar este fato, pensei que isso dá pano pra manga e você mais que me prova que dá fazendo um post incrível destes. Farei o meu mais adiante.

    Dê um pulinho lá no Retalhos quando der, eu estou em seu post e você no meu.

    Beijos.

    Ainda estou rindo do seu post, nada como dar alguma comicidade ao inevitável e ser humano é por natureza uma tragicomédia, não é mesmo?

    ResponderEliminar
  54. Morte, vida, tudo muito natural, a gente é que tem a mania de complicar.

    Deixo um poema do poeta português José Gomes Ferreira, com uma visão bem ao meu gosto sobre o ato de morrer. Espero que goste também.

    Beijinho

    Devia morrer-se de outra maneira
    Devia morrer-se de outra maneira.
    Transformarmo-nos em fumo, por exemplo.
    Ou em nuvens.
    Quando nos sentíssemos cansados, fartos do mesmo sol
    a fingir de novo todas as manhãs, convocaríamos
    os amigos mais íntimos com um cartão de convite
    para o ritual do Grande Desfazer: "Fulano de tal comunica
    a V. Exa. que vai transformar-se em nuvem hoje
    às 9 horas. Traje de passeio".
    E então, solenemente, com passos de reter tempo, fatos
    escuros, olhos de lua de cerimônia, viríamos todos assistir
    a despedida.
    Apertos de mãos quentes. Ternura de calafrio.
    "Adeus! Adeus!"
    E, pouco a pouco, devagarinho, sem sofrimento,
    numa lassidão de arrancar raízes...
    (primeiro, os olhos... em seguida, os lábios... depois os cabelos...)
    a carne, em vez de apodrecer, começaria a transfigurar-se
    em fumo... tão leve... tão sutil... tão pólen...
    como aquela nuvem além (veem?) — nesta tarde de outono
    ainda tocada por um vento de lábios azuis...

    ResponderEliminar
  55. Sou super a favor da cremação. Eu queria muito ser cremada e minhas cinzas fossem jogadas em qualquer lugar, nada de ficar guardando bauzinho de cinzas... rs

    Eu não enfrentei muitos enterros na minha vida. Pouca gente mais íntima morreu. E dessas fui a poucos enterros. Não curto esses cerimônias em cemitérios, acho desnecessárias.

    Beijocas

    ResponderEliminar
  56. Olá Luma, bom dia. Hilariante, os meus parabéns pelo texto. Terei só uma pergunta, se me for permitido, onde fica Biritiba-Mirim? Estou a pensar mudar-me para a cidade que trata a morte como uma responsabilidade, mesmo a titulo póstumo. Um abraço e muito obrigado por este texto.

    ResponderEliminar
  57. Por SUA CAUSA, D. LUMA, eu morri de rir aqui no trabalho, precisei me segurar, senti colicas! Imaginei a cena: aiiii engoli papai! kkkkkk

    O meu pai foi enterrado ao natural! kkkkk.. e mesmo assim, haviam piadinhas ligadas a ele que era um contador de piadinhas nas horas certaas.

    Quanto a mim, bom, já recebi a INTIMAÇÃO: Fadusca, se voce morrer eu ti mato! (foi a Jucifer - Guria Faceira) que me mandou esta e imortalizei a frase.

    Não posso nunca mais morrer!

    Contudo, se eu, Fada, morrer, que seja assim, levada pela ventania, mas por favor, apesar de não ter doenças contagiosas, não precisam em engolir depois de morta. THANKS.

    BEIJOS

    ResponderEliminar
  58. Luma, Luma... Hoje li sobre você no post do Bicha Fêmea: Há vida inteligente na blogosfera feminina? e a Patrícia Pirota só esqueceu de dizer que além de inteligente, você tem muito bom humor! Sou suspeita para te elogiar, porque te amo! Besitos,

    ResponderEliminar
  59. Luma,
    Concordo com vc quando se refere ao fato de que a cremação é o melhor remédio e solução pela superlotação de cemitérios no Brasil e mundo afora, mas daí é que o processo deveria ser mais barato para a população em geral... Normalmente, esse processo é muito caro!
    Se a moda pega, amiga, o que vai ter de corpos sendo carbonizados por aí não vai ser brincadeira!
    E para aqueles que morrem de bebedeira? Vão levar 1 ano para apagar todo álcool do corpo! (rsrsrs)

    Adorei o cordel!

    Feliz 2012!

    bjos

    ResponderEliminar
  60. Muito interessante.

    Conhece a obra de José Saramago "As intermitências da morte"?

    Acho que você iria gostar.

    Beijo da Nina

    ResponderEliminar
  61. Isso tá ficando cada vez mais legal...rs, gosto de falar da morte, porque dela não tenho medo?

    Sei lá o motivo mas... tb não saberia do medo em si... nunca morri!

    De qualquer forma, a morte tem lá sua beleza e, poder levar as consequencias dela com menos peso é o melhor do evento , me diverti muito com a história do pozinho bêbado ao vento ...rs.
    Que minha morte seja leve e divertida para os outros ( quando acontecer, voce já esta convidada Luma, venha! ) assim pelo menos sentirão muitaaaa saudades de mim :D

    Beijo

    ResponderEliminar
  62. Luma. Apesar de sabermos que um dia vamos morrer, a morte nos deixa sempre perplexos. Obrigada pela visita e Feliz Ano Novo. Beijos.

    ResponderEliminar
  63. Oi Luma!!!!
    Lembra da "Trilogia de 5"?
    Ela está aki... http://belfreitas.blogspot.com/2012/01/uma-trilogia-de-5.html
    Bjs... :)

    ResponderEliminar
  64. Oi Luma!

    Doação e cremação - necessáriamente nessa ordem - creio ser a solução perfeita. Como disse MarciaClarinha, também não quero ser enterrada para virar comida de bichos que não gosto nem de pensar...

    Cinzas espalhadas em algum campo florido será o ideal - no mar, não!

    E essa cidade que você citou está me lembrando uma novela global, não ? (rs)

    beijos querida e bom fim de semana!

    ResponderEliminar
  65. Morrer é um assunto que não me grada nem um pouco e tenho pensado muito para decidir o que devem os meus entes queridos fazer com o meu corpo depois que eu morrer, mas não é tarefa fácil..
    abs,

    ResponderEliminar
  66. Aqui, eu e a minha irmã somos doadores de órgãos, e os demais também não veem problema em serem cremados. Não que exista discussão sobre isto entre nós, mas é consensual que a vida é cada dia... a última coisa com a qual precisamos ter apego é o corpo!

    óótimo final de semana, beijos!

    ResponderEliminar
  67. Biritiba-mirim é Sucupira!!!
    boas risadas.
    bj

    ResponderEliminar
  68. Que a fé e a esperança anda de mãos dadas, bem juntinho de você.
    Esta esperança é nossa esperança. É com esta fé em Deus que
    estou para 2012.
    É com esta fé que nós seremos capazes de transformar esse mundo se cada um de nos
    fizermos nossa parte.
    E a esperança não ilude, porque o amor de
    Deus foi derramado sobre todos nos.
    Esta luta do filho de Deus não anda de mãos dadas com renúncias e tristezas,
    e sim de esperança num amanhã mais feliz.
    Um feliz final de semana.
    O primeiro de 2012.
    Muita paz muito amor para você.
    Beijos no coração.
    Evanir..

    ResponderEliminar
  69. Oi, Luma! Estou tentando voltar a ler os blogs, apesar de ser difícil com a Ju chorando no meu ouvido... :-)))
    As cinzas certamente são uma ótima saída, mas tem gente que acha que se for cremada, quando Jesus voltar não vai ter o corpo de volta. O pensamento é o mesmo em relação à doação de orgãos. :-( A religião da minha vó ensina isso. Por estas e outras que as igrejas deixaram de fazer sentido pra mim há muito tempo.
    Beijos!

    ResponderEliminar
  70. Quando estiver perto vou pensar sobre isso, só que é a única viagem em que a passagem chega de surpresa...rsrsrs! Tuas visitas e teus comentários estão se tornando imprescindíveis! Ótimo FDS p/vc! O nosso país abriga todas as etnias e todas as religiões e culturas e é uma pena que dentro dessa diversidade toda ainda existam pessoas com este tipo de preconceito! Independente de religião, somos todos cristãos, pois somos todos filhos do mesmo Deus e irmãos em Cristo, portanto Cristãos. Trabalhei durante 12 anos na doutrina espírita, o que me trouxe um aprendizado pra sempre. Parei há muitos anos por motivo de mudança de resid. na época. Ultimamente, quando estava saindo mais, estava frequentando um centro de Umbanda, que as pessoas insistem em separar, mas é uma outra maneira de ver e praticar o espiritismo. Ultimamente, por problemas de saúde, quase não tenho saído.
    Fica com Deus e aparece, viu! Bjo no coração!
    Elaine Averbuch Neves
    http://elaine-dedentroprafora.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  71. OI Luma,
    Eu quero ser cremada e já disse para meu marido e minha filha espalharem minha cinzas no meu local favorito, ou seja, num shopping center. Quero que deixem um pouquinho das minhas cinzas na Santa Lolla, outro tanto numa mega store, não devem se esquecer da Le Lis Blanc, um pouquinho pelos cafés e por aí vai, é imprescindível que me espalhem tb pelas salas de cinema!
    Não posso doar os meus órgãos, vez que o CA não me permite ser bondosa, mas se quiserem, podem levar (não estão em bom estado de conservação, já vou avisando).
    Beijos 1000 e um final de semana maravilhoso para vc.

    www.gosto-disto.com

    ResponderEliminar
  72. Luma:
    E aí, o assunto rende e se torna comentários...
    Mas concordo que este bem que podia ser um acontecimento engraçado.
    Um outro jeito de encarar um assunto que não conhecemos, nem temos noticias de alguém que teve.
    Cada um tem uma forma particular de ver a morte. Uns levam para o lado engraçado outros ficam com medo. E ainda há que nem toca no assunto.
    Bom já comentei.
    Beijos.
    Anny

    ResponderEliminar
  73. Luma
    Primeiro vou responder sua pergunta senão eu esqueço.
    Capz que ficou confuso para todos mas nao vou explicar no blog nao. Estou desanimada.
    Mas é que a vovò Zica tinha um filho chamado Tobias. A estampa no seu oratorio era especificamente para ele. E mamae nao devolveu.
    Alguns santos que mamae sabia que era rezados para determinado irmão mamae devolveu após o falecimento de minha avó. Pr isso fiquei supondo pra quem ela rezava.
    Mas agora mame tem um neto chamado Tobias também.
    E mamae colocou algumas fotos de tres filhos e de um neto só o Rpahael. Vou voltar lá e cer se escrevi errado.
    Os outros netos talvez naquela epoca não estivessem nascidos.

    Quanto a falar em morte.Eu nao tenho medo da minha morte mas morre de medo de defunto.Infelizmente até hoje depois de 50 anos nao com tanto terror mas um pouquinho.
    Depois te conto o tanto de velorio que evitei ir e nao pude evitar de estar lá.
    com amizade e carinho de MOnica

    ResponderEliminar
  74. A escritora Hilda Lucas nos diz em uma de suas entrevistas que:“a única maneira de alguém que perdeu um ente querido superar a dor é abraçar a vida com unhas e dentes, enfrentar a morte, olhá-la nos olhos, perder o medo de viver/morrer e ousar ser feliz de novo; senão, você reduz a morte daquela pessoa ao único acontecimento importante da vida dela. E quem viveu o suficiente para deixar dor, saudade e boas lembranças fez muito mais em vida do que apenas morrer”.

    Gosto dessa visão sobre a morte! Ela nos ensina que há um limite, mas que podemos passar por ele sem tanto sofrimento. E, ainda nos lembra que:"não sabemos o que pode acontecer daqui a um momento, e esse momento pode estar perdido para sempre". Portanto, Carpe Diem!

    ResponderEliminar
  75. Que maravilha de post...que delícia de blog!
    Li com atenção e me tocou, verdadeiramente, tua mensagem. Dá que pensar...refletir.

    Olha, te agradeço tua visita: vê só como nossos países têm tanto em comum: aquele casebre não é do interior do Brasil, mas sim do interior de Portugal, perto do local onde moro. Mas as semelhanças são incríveis, né?
    Espero voltar.
    Um beijo
    BShell

    ResponderEliminar
  76. Falar de morte é um assunto difícil, nos deixa triste, preocupada, enfim, mas pela primeira vez me diverti com o assunto e ri com os 2 posts feitos. Nota 10!
    Sou a favor da cremação sim. Depois de meu último resmungo, aproveite o que der e depois queime e espalhe pela mata. Pelo menos vou ter mais uma utilidade, servir de adubo! Não vejo maneira mais nobre de dizer adeus...
    bjs e continue iluminando nossos dias.

    ResponderEliminar
  77. Luma amaaaada!
    Postagem que dá o que falar (e já deu). A vida é dura...a vida é luta...viver é como ir à escola: dão a vc muitas licões a estudar; quanto mais você aprende, mais difíceis ficam as licões. Quando aprendemos as licões, a dor se vai! O dia que aprendermos que a morte faz parte de uma VIDA contínua, pouca importará como seremos enterrados.
    Beijuuss, estalados de novos, n.a.

    ResponderEliminar
  78. Luma,
    Lembrei-me de Odorico Paraguaçu, que queria exatamento o contrário, para inaugurar o cemitério de Sucupira, hehe.
    Penso que, após a morte, nada mais resta, a não ser pó, cinzas. A alma já se foi, e não entendo porque mantemos cemitérios com jazigos perpétuos. A lembrança de que, de alguma forma, nossos queridos se despediram de nós ali, na última morada, dá um alívio para o coração. Não sei explicar. Morte é tão mistério ainda para nós.
    beijo, menina

    ResponderEliminar
  79. Não pude deixar de sorrir (até dei gargalhada! ). Ainda bem que hoje me inspirei para vir a este cantinho, um dia soturno de Inverno gélido. Aliviei!!!
    Bjo :)

    ResponderEliminar
  80. Em Angola e bem dentro da mata era hábito tribal cremarem os corpos, mas e não sei dizer a razão à vista, ou seja nas cidades e cá em Portugal não havia a cremação.
    Todos nós, a minha família somos a favor e queremos ser cremados.
    Antes de continuar, o que mais me custou ver, porque assisti a vários, era o envio aos familiares da metrópole(como chamávamos a Portugal, dos caixões de jovens soldados tombados na maldita guerra colonial. Se 80% das famílias abrissem veriam apenas pedras em vez de ossos, porque de muitos e muitos por vezes só restava...um horror!
    Voltando ao tema. O meu irmão ficou em Angola e teve que cumprir serviço militar já após a independência. Morreu num acidente de moto, funeral militar e enterrado. Seis anos depois os meus pais que já cá estavam foram chamados para ir lá levantar as ossadas ou passar a sepultura definitiva. Os registos estavam trocados, o meu irmão era filho de outros, num bagunça em 3 sepulturas. Em nenhuma delas conseguiram identificá-lo, porque numa altura em que não havia nada apesar de já independentes, quem vestia os mortos com a roupa dada pelos familiares, guardava-as para si ou para os seus ( o meu irmão mais velho assistiu pela porta entreaberta e não teve a coragem de dizer nada porque sabia que era "por necessidade" e o meu irmão, como outros, foram nus e a urna já não era aberta. Resultado? Os meus pais mandaram fechar e fizeram as 3 sepulturas, porque não podiam cremar, isto já lá vão 32 anos!

    Felizmente que o povo português tem aderido imenso, talvez pelo exemplo de muitos famosos e de dois crematórios já temos vários e assim muitos cemitérios continuam na mesma, mas com tendência a ficarem como "memórias".

    O meu pai foi cremado há 14 anos, não foi caro e hoje ainda é mais barato. O que é caro é tudo que uma Agência funerária "vende" na hora da dor da perca que dizem tudo que sim, porque a maioria não tem alguém que diga o contrário tal como eu:: caixão XPTO? Nada o mais barato, Coroa de flores? Nada porque ele não queria que levassem flores, velas e velinhas nada e foi o mais simples como ele era.
    Foi cremado e as cinzas que nos deram, foram deitadas num recipiente próprio para quem não quisesse levar ou deitar na terra. A quantidade é mínima, mas não alinho em parvoeiras de pessoas como conheço: tenho ali o meu pai, ou o meu filho...nada...morreu...acabou-se!
    Mais vale isto do que a hipocrisia de familiares, vizinhos ou até falsos amigos que andaram sempre à tareia e morrem lá vêm com a santa flor, um ar fúnebre de grandes condolências e que era uma rica pessoa, para não falar das idas semanais ao cemitério.
    Dou tudo de mim e sou amiga enquanto seres vivos. Morrem, raramente vou a um funeral, ou passo por lá só para dar um abraço aos familiares, porque tudo aquilo nada me diz e quem não gostar que ponham na borda do prato.
    O pai das minhas filhas também foi cremado, mas eu já separada dele há muito, não o fui ver ao hospital nem fui ao funeral, mas sempre fiz questão de as educar na base que ele as amava à maneira dele, que elas deveriam visitar o pai (uma com 16 anos e a outra com 10 anos) e fizeram-no sempre de livre e boa vontade, mas eu que nunca lhe quis mal, mas santa paciência...quem não me amou, gostou ou foi amigo em vida, não é depois de morto que vira santo e funerais para mim é das mais puras fantochadas e hipocrisias!

    Quando eu morrer quero ser cremada, não quero flores (Dêem-me em vida) e que batam ou chutem latas:):):)

    Beijocas e gostei imenso deste debate de algo que tem que mudar nas sociedades actuais, porque a natureza agradece.

    ResponderEliminar
  81. Encaramos a morte com medo e evitamos ao máximo pensar nela. Eu, particularmente não quero morrer tão cedo e, se pudesse, ia querer viver para sempre. Mas, acho muito legal enterros festivos que celebram a vida da pessoa e não lamentam apenas a sua morte.

    A cremação é mesmo mais racional, mais limpa e mais sensata. Sou favorável e já disse por aqui que este será o meu final.

    ResponderEliminar
  82. Então, tá!

    Li o texto inteiro, mas quero comentar somente o título.
    É proibido morrer.
    Ordem dada. Pensamentos e ações em marcha para executá-la.
    Achei o título uma beleza para que eu comece a manhã...

    Também quase morri rindo com o comentário de Van

    ResponderEliminar
  83. Todos esses rituais pós-morte são refletem as vontades dos que ficam e que sofrem ou são egoístas a ponto de não querer ficar sem o ente querido que se foi. Sabemos que após a morte, nosso espírito não tem nenhum contato possível com esse plano terreste e, portanto, tanto faz tanto fez o que farão com nosso corpo. Bj e fk c Deus.

    ResponderEliminar

Tenha identidade, não seja anônimo na web. Crie sua identidade virtual.

...bisbilhotaram em quietude, sem solidão

PlagSpotter - duplicate content checker tool
Licença Creative Commonsget click

Algumas coisas não têm preço


finalista the weblog awards 2005finalista the weblog awards 2006
finalista the weblog awards 2007weblogawards 2008
Verificar conteúdo duplicado

Me leve com você...

Leia o luz no seu celular

Copyright  © 2014 Luz de Luma, yes party! Todos os direitos reservados. Imagens de modelo por Luma Rosa. Publicações licenciadas por Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial- Vedada a criação de obras derivadas 2.5 Brasil License . Cópia somente com autorização.

Tem sempre alguém que não cita a fonte... fingindo ter aquilo que não é seu.

Leia mais para produzir mais!

Atenção com o que levar daqui. Preserve os direitos autorais do editor