Potências Fracionárias de um Povo

Hoje terminei de ler esse livro - Vertentes e Evolução da Literatura de Cordel - Achei que poderia ser difícil para mim que nunca tinha me interessado pelo assunto. Leitura muito fácil.

No dia 7 de setembro foi aniversário da ABLC (Academia Brasileira de Literatura de Cordel). Completou 17 anos de empenho em divulgar a literatura de cordel para o Brasil e para o mundo e a comemoração foi no Auditório da Federação das Academias de Letras do Brasil, no Rio de Janeiro. Ganhei o livro de presente de uma amiga que participou da comemoração.

A literatura de cordel já existia desde a época dos povos conquistadores greco-romanos, fenícios, cartagineses, saxões. Chegou à Península Ibérica e recebeu os nomes de "pliegos sueltos" (Espanha) e "folhas soltas" ou "volantes" (Portugal). No Brasil se estende da Bahia ao Maranhão como manifestação da inteligência dos poetas de bancada e de gabinete. Futuramente nossos bardos do improviso.

Patativa do Assaré era um desses repentistas, talvez o mais famoso para nós aqui do sul.

Mas o destaque desse post vai para Severino de Andrade Silva, mais conhecido como Zé da Luz. Nasceu no início do século, em Itabaiana, PB, precisamente no dia 29/03/1904 e faleceu no Rio de Janeiro-RJ, em 12/02/1965. Seu trabalho é conhecido pela linguagem matuta presente em seus cordéis. Admirado por Manuel Bandeira e por José Lins do Rego, nordestinos como Zé da Luz.

Onde ressalta o charme do Brasil interiorano. Fala das festas de vaquejada, do São João e da autenticidade dos brasileiros.

A seguir um outro texto que foi sucesso na voz de Lirinha, do grupo Cordel do Fogo Encantado, gravado ao vivo em Porto Alegre-RS. Na gravação, Lirinha diz que avisaram Zé da Luz que, para ele falar de amor deveria usar um português formal e correto, então ele escreveu o mais formal que pode, dentro da sua simplicidade:

Ai! Se sêsse!...

Se um dia nós se gostasse;
Se um dia nós se queresse;
Se nós dois se impariásse,
Se juntinho nós dois vivesse!
Se juntinho nós dois morasse
Se juntinho nós dois drumisse;
Se juntinho nós dois morresse!
Se pro céu nós assubisse?
Mas porém, se acontecesse
qui São Pêdo não abrisse
as portas do céu e fosse,
te dizê quarqué toulíce?
E se eu me arriminasse
e tu cum insistisse,
prá qui eu me arrezorvesse
e a minha faca puxasse,
e o buxo do céu furasse?...
Tarvez qui nós dois ficasse
tarvez qui nós dois caísse
e o céu furado arriasse
e as virge tôdas fugisse!!!

Todas as gerações de poetas nordestinos têm o seu Catulo da Paixão, Seu Zé da Luz, o Seu Patativa do Assaré. Autores que reverenciam o mundo rural, dotados de memória e agilidade verbal, com o óbvio pendor para a nostalgia e axaltação dos valores do campo. Uma viagem!
~~~~~~~~~~~~
O passado e o futuro interagindo, de um lado o cordel e de outro meu pocket game - vício de quem não pode deixar as pontas dos dedos sossegados!
~~~~~~~~~~~~
Quem disse que pocket game não é terapia! Vai-se pensando em fatos e interligando acontecimentos. E já que estão aí relaxados podemos tocar em um assunto que passa-me seco pela goela abaixo.
Seu Adeliro de Sousa, aos 65 anos pegou os familiares de surpresa. Estava bem de saúde e Faleceu vítima de um AVC, Acidente Vascular Cerebral. "Seu" Adeliro era o pai do publicitário Marcos Valério, o responsável pelo mensalão.
Miguel do Rosário, colunista da Novae, assim escreveu:
O Marcos Valério fez escola dentro do PSDB, arrecadando dinheiro para o Eduardo Azeredo na campanha de Minas Gerais, está provado e assumido pelo próprio Azeredo, em uma cena patética na TV. Valério era sócio dum figurão do PFL, também está provado, documentado e assumido. Os contratos de Valério com o governo federal têm quase 20 anos, tendo se ampliado muito no governo FHC.
Conclui-se que, Marcos Valério era um homem bem conhecido do mercado. Isso posto, juntemos a essa informação dois comentários certeiros do Luiz Weis sobre a imprensa.
- O primeiro fala dos métodos da maior cadeia de tv do país:
É absolutamente inadmissível a participação de um jornalista – no caso o repórter César Tralli, da Rede Globo – no circo armado pela Polícia Federal ao chegar a São Paulo com o filho de Paulo Maluf, Flávio.
- O segundo texto, do mesmo Weis, é sobre o modo com o que o jornal Estadão constroe suas manchetes:
O Estadão de ontem trouxe na primeira página uma foto que ocupa mais de 1/4 do espaço disponível. Com o crédito de Celso Júnior, da Agência Estado, mostra o presidente da República e outros no palanque do Dia da Pátria.
Muito bem, associe os textos - Os dois escritos de Weis são pontuais e relatam o "jeito de ser" da nossa imprensa caraquenha. O notíca sobre a morte do pai de Marcos Valério, expõe um fato devidamente engavetado pela mesma imprensa. "Seu" Adeliro, vítima de um tipo de jornalismo iniciado com o caso paulistano da Escola BASE e que nunca mais foi deixado de lado: lincha-se primeiro e apura-se depois. Se os envolvidos forem amigos do interesse privado a reportagem sai da pauta, passa-se ao largo. A dinheirama que as agências de publicidade movimentam se mantêm em uma redoma protetora, assim como os escândalos dos parlamentares amigos vivem cercados de "não me toques".

O linchamento público de Marcos Valério, único homem mau da história, seria o causador da morte do pai? Não poderia estar escrito nas estrelas que "seu" Adeliro teria um AVC em setembro de 2005?
No jornal da Band, a morte repentina de "seu" Adeliro revelou o incômodo que o apresentador Ricardo Boechat sentiu ao transmitir a notícia.

Não votamos no Marcos Valério. Ele tem algum dever para com nós. Todo cidadão, no mundo quer ganhar dinheiro. O Maior erro do Marcos Valério foi querer ganhar dinheiro fácil. Ele se prostituiu para os partidos políticos. Os maiores culpados ainda se escondem.

Tenho a impressão que se a origem da dinheirama não for descoberta, se todos os responsáveis e envolvidos pelo escândalo não forem pegos e punidos, se a imprensa fizer corpo mole e não furungar até a exaustão, a morte do seu Adeliro será debitada como homicídio doloso na conta de todos nós, platéia deste circo chamado Brasil.
~~~~~~~~~~~~
Não sabia o porque de estar escrevendo sobre o Cordel e pensar em Brasília. Mas logo lembrei que;
- Podia ser por causa dos atores revelados nas CPIs
- Por causa do cineasta Wladimir Carvalho – que deu aula na Unb (Universidade de Brasília) por 25 anos, natural também de Itabaiana, terra de Zé da Luz.
Wladimir sempre teve preocupação com a memória do cinema e do Brasil e nos agraciou com vários documentários. Com percepção do olhar documentou passagens marcantes como a morte do índio Gaudino, que por obra do acaso, no dia em que morreu estava indo para uma manifestação e pintado como quem vai para uma guerra.
Na entrevista que fez com Oscar Niemayer questionou sobre a chacina na Pacheco Fernandes Dantas, construtora encarregada de várias obras na Nova Babilônia (Brasília) - Oscar titubeou e não quis falar sobre o assunto.

Ele dizia, parecendo prever o futuro:

Brasília nasceu para o cinema, nasceu sendo filmada. Os personagens que aqui estão, estão sempre fugindo desse horizonte retilíneo
Brasil mostra a sua cara, na urna!

0 comentários :

Enviar um comentário

Tenha identidade, não seja anônimo na web. Crie sua identidade virtual.

...bisbilhotaram em quietude, sem solidão

PlagSpotter - duplicate content checker tool
Licença Creative Commonsget click

Algumas coisas não têm preço


finalista the weblog awards 2005finalista the weblog awards 2006
finalista the weblog awards 2007weblogawards 2008
Verificar conteúdo duplicado

Me leve com você...

Leia o luz no seu celular

Copyright  © 2014 Luz de Luma, yes party! Todos os direitos reservados. Imagens de modelo por Luma Rosa. Publicações licenciadas por Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial- Vedada a criação de obras derivadas 2.5 Brasil License . Cópia somente com autorização.

Tem sempre alguém que não cita a fonte... fingindo ter aquilo que não é seu.

Leia mais para produzir mais!

Atenção com o que levar daqui. Preserve os direitos autorais do editor