Tadinho...

Sobreviver é algo bem diferente de viver. Raros são os momentos de alegria, paz e de sonho para aqueles que sobrevivem na "selva de pedra" e longe está o nosso orgulho de ser brasileiro.

A realidade se impõe, como fato que vem dia a dia se anunciando; aviões explodem, barcos afundam, edifícios caem e pessoas morrem. Diferentemente de tragédias ou de catástrofes naturais, onde o fato acontece inesperadamente e o trabalho humano não é capaz de frear essa força superior.

Mas se uma força não é natural e ela vinha se anunciando, ela nos dá a chance de ser evitada. Esse fato anunciado requer ação humana imediata.


Só dois motivos justificam a falta de ação: a ignorância ou a omissão.

Não vou falar da ignorância, porque até o mais ignorante, imagina a concepção do termo. Mas e a omissão?

"Tadinho, é um menino problemático!" - Impotente, sem esperanças, sem confiança nas pessoas, sem planos para o futuro...

Eu me preocupo com o "Tadinho". Porque tudo isso que ele sofre é consequência do meio em que ele vive. Na infância ele sofreu invasões, traumas e violências psicológicas. Terá um chefe terrrríverrrr que o assediará moralmente e será muita pressão para o "Tadinho". Ele no futuro pode sofrer mais ainda com paradas e distorções no desenvolvimento do seu caráter.

O "Tadinho" anda tenso e a todo momento imagina que algo ruim vai lhe acontecer. Ele se precaveu; colocou grades em volta da casa, nas janelas e portas. Além dos cadeados e trancas, lógico! Dia a dia, ele se isola do mundo. Tem mania de perseguição e imagina o que tem lá fora, tudo obra do homem e homem nenhum presta.

O "Tadinho" não está sozinho no mundo. Ele sabe que lá fora tem gente corrupta, violenta e hostil. Gente corrupta, que usa da sua fragilidade moral para escolher comparsas.

"Tadinho" perde a cada dia possibilidades de amar, cuidar de alguém, trocar experiências e confiar nas pessoas.

"Tadinho" se sente rejeitado pelo mundo, angustiado e desamparado. Ele perdeu muito da sua vitalidade, daquilo que acreditava e achava justo, por exemplo; Que pais defendam os seus filhos, quando esses espancam alguém na rua - Ele acha que pai e mãe deveriam ir a favor do filho, em qualquer situação.

"Tadinho" tem um lado destrutivo, que quer ver o circo pegar fogo. Ele lê com avidez partes dos jornais que relatam crimes e falcatruas. Nos telejornais, idem! Filmes, só de ação com muita pancadaria. Do contrário, ele dorme. A paz não lhe deixa dormir.



Mas nós sabemos que o "Tadinho" é um forte candidato a ser corrompido pelo mundo. Ele não sente responsabilidade por pessoas que não lhe diz respeito. Se alguém chegar e lhe oferecer desvio de dinheiro de um hospital, por exemplo, ele não irá pensar que esse dinheiro será usado para compras de aparelhos, remédios ou para pagamentos de profissionais. Ele não irá pensar que alguém poderá morrer em consequência desse ato.

E da mesma forma como aquele que consome drogas não se sente responsável pelo aumento da violência relacionada ao tráfico.


Então pense, qual o caráter de uma pessoa que permite a decolagem de uma aeronave com problemas? E de quem constrói ou libera uma pista de pouso com eventuais problemas? Acha que essa pessoa se sente responsável pela consequência de suas ações? O questionamento é igual para aqueles que permitem que cidadãos usem estradas esburacadas... ou que morem em cidades sem proteção.

A vida tem que ser preservada como bem precioso e não como bem de consumo. Essa violência contra a pessoa é a que destrói uma nação.

"Tadinho" sabe que quem ele elegeu não vai cumprir as promessas de campanha. Político é tudo igual, costuma dizer. E o admira, porque ele consegue se safar sempre, tem privilégios, bom salário, mordomias e em troca da popularidade, recebe muitos tapinhas nas costas por onde passa. Ah, assim que puder, vai se candidatar a qualquer cargo público!



Eu pergunto, que tipo de cidadão estamos criando?


Imagens acima do Blog do Cícero



Que tipo de político ainda mantemos no poder?

31 comentários :

  1. Luma maravilha de post...é aquela estória do brasileiro achar que nunca é com ele. Ele não se mete na briga, não vai saber porque o filho do vizinho chora tanto durante o dia, quando a mãe sai pra trabalhar( aconteceu comigo quando minha filha era bebê), não ouve os berros na rua pedindo socorro, acha que político é tudo igual, tudo safado, mas se tiver uma boquinha pra ele no comitê ou no gabinete do deputado...e se ele for deputado não aacha nada demais botar o filho, a mulher, a sogra...e por aí vai...e eu chego à infeliz conclusão Luma: somos todos uns Tadinhos...quando chega a vez da gente molhar a mão do guarda, pagar uma propina pra papelada andar mais rápido, a gente tb faz...ninguém olha pro seu rabo, só pro do vizinho...beijos

    ResponderEliminar
  2. Olá Luma,
    Quero acreditar nisso:
    "Talvez a história do homem seja um enorme movimento que nos leve à humanização..." Saramago
    Enquanto individuo e enquanto nação evoluímos para melhor ... mas como é demorado, não ? :)
    Forte Abraço
    Laura

    ResponderEliminar
  3. Realmente, espero estar mes transformando num tadinho...

    Penso que no geral seja criado mais tadinhos do que realmente um cidadão.

    Fiquem com Deus, menina Luma e cão Max.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  4. Olá Luma,

    Excelente seu texto, devidamente compartilhado em minhas redes sociais.

    Abraço

    ResponderEliminar
  5. Luma
    E tão dificil responder a este blog.
    Talvez se cada pai educasse os filhos da maneira mais correta possivel, talvez se os professores ensinasse e colocasse os atos de violencia como abominaveis, talvez os politicos acordassem e percebecem a importancia de VALORES como honestidade,religiosidade etc.
    Mas quem vai dar o primeiro passo?

    ResponderEliminar
  6. Luma
    E tão dificil responder a este blog.
    Talvez se cada pai educasse os filhos da maneira mais correta possivel, talvez se os professores ensinasse e colocasse os atos de violencia como abominaveis, talvez os politicos acordassem e percebecem a importancia de VALORES como honestidade,religiosidade etc.
    Mas quem vai dar o primeiro passo?

    ResponderEliminar
  7. Oi Luma
    Se cada um pudesse se tornar um cidadão, ou seja, cada um se sentisse inteiramente responsável por suas ações, quem sabe....
    Uma andorinha faz verão sim..., pois de andorinha em andorinha teríamos novos exemplos para as criannças e um futuro melhor....

    ResponderEliminar
  8. Nunca gostei da palavra "Tadinho", porque se formos olhar ao passado de milhares e milhões de políticos nunca foram "tadinhos" mas "meninos que tiveram tudo, gozavam com tudo e queriam tudo", salvo raras excepções que subiram a pulso e com capacidades - e quem fala de políticos fala de qualquer classe ou cidadãodo mundo.
    Já a minha avó dizia: filhos de protitutas, bêbados, vândalos, criminosos, toxicodependes, mafiosos e até de rua, etc., podem ser no futuro excelentes pessoas e não andarem nesse mundo. Julgo que a "maldade,ganância pelo dinheiro e poder" já vem no génes de cada um e compete aos pais, e na ausência destes, serão os educadores orientarem os miúdos de forma a terem uma educação positiva.

    Mas não, hoje há tanta informação e pouca acção e quando se dá um tapa bem assente e na hora certa lá vem os psicólogos (que me perdoem) com os blás, blás disto e mais aquilo.

    A sociedade é feita por todos nós e a culpa é de todos nós de metermos só merda(desculpa) no poder. Pois é as promessas eleitorais são mais que muitas e vamos em cantadas...mas não cumprem e arrastam-nos para a lama, toca a juntar e botá-los de lá para fora nem que seja à...fico-me por aqui!

    Adorei este post, porque uma vez mais serviu para sacudir quem continua a assobiar para o lado.

    ResponderEliminar
  9. Então, Luma. A conclusão é: o problema está nas pessoas do país, não no país. Por isso o Brasil que eu amo me dá esperanças. Não pode ficar como está, não podemos apenas baixar a cabeça e nos fazermos de "Tadinhos".
    A solução está dentro de cada homem (ser humano) de bem, de caráter.
    Não adianta termos medo, trancarmos portas, janelas, colcoar grades e...cruzar os braços.
    É preciso que "Tadinho" seja homem, rápido!
    Bj

    ResponderEliminar
  10. Genial seu comentairo no meu blog, vou procurar ver esse outro filme de Geroge O'Keefe. Quanto a esse filme, ela discute com o marido sobre ter um filho e ele evoca a familia anterior. E depois vai ter um filho com outra mulher. Chato ne, triste, sei la. Vai ver que era aquilo que voce falou. Depois volto para ler. Estou trabalhando sem parar,,, na loja.
    Beijos querida,
    Cam

    ResponderEliminar
  11. Nossa, estou vivendo uma situação muito delicada em família e eu tenho apenas 2 escolhas: botar a boca no trombone ou ser omissa.
    Sua postagem me alertou, abriu um pouco mais meus olhos e vai me ajudar e muito na decisão a ser tomada. Obrigada
    beijos

    ResponderEliminar
  12. Luma, com o mundo do jeito que está, com a mentalidade corrompida, está a cada dia mais difícil educar um filho. Porque se a gente ensina tudo direitinho, como tem que ser, tem que ficar o tempo todo explicando porque as outras pessoas fazem diferente. E imagina como fica a cabeca da criatura?!
    Nao sei se este mundo tem jeito mais nao... :-)))

    ResponderEliminar
  13. Parabéns amiga pelo belo texto refletxivo. É o momento de todos nós pensarmos e agirmos.
    Muito obrigada pela sua visita.
    É com grande carinho que te recebo por lá e também retribuo a sua amizade.
    Passo rapidinho para deixar o meu grande abraço. Assim que puder voltarei. Um forte abraço.
    Carinhosamente,
    Sandra

    ResponderEliminar
  14. Seu post é uma bela reflexão sobre a sociedade atual que parece disposta a entender os caminhos e os meios traçados por uma minoria porque estramente quer fazer parte dessa dança desconexa.
    Eu me aborreço sim com tudo isso: gente que joga lixo no chão e faz porque o outro também o faz. Gente que acha normal a corrupção e que não vê solução porque políticos são assim.
    Assim como? Oras, não vejo ninguém comprando honestidade e toda vez que se vota, elege-se os mesmos, aquelas caras conhecidas e deslavadas.
    E o mais interessante é que há uma censura desfarçada imprimindo um tom odioso no nosso cenário cotidiano onde falar de política em ano de eleição é proibido. Aliás, daqui a pouco será projeto de lei já que está na moda.
    Bacio carissima

    ResponderEliminar
  15. Luma,
    É , tão mais fácil ser o coitadinho né? Enquanto o povo não optar por lutar pelos seus direitos, os "espertos" sempre vão se dar bem e o povo "tadinho" né? Affe..o que falta é atitude, coragem e querer..apesar de eu ainda acredtar no Brasil, ainda quero ficar longe da sujeira toda...uma tadinha a menos...
    Bjs carinhosos pra você
    Márcia

    ResponderEliminar
  16. Muito conveniente o assunto. Faz bem lembrar os esteriótipos.

    Vou estar no Brasil em outubro, yeah! E pra mim é um alívio ter a chance de votar aí. Não entrego meu voto pra quem já pisou na bola de jeito nenhum, cago e ando pra ideologia de partido. Aliás, "estou às tintas" para os partidos. Quero saber é das propostas... Vai acabar com a vilência no Rio, vai? CO-MO? Eu quero saber como! Chega de balela e de promessa meia boca, sem fundamento. Tô do lado de cá mas não perco o fio da meada... Aquilo que houve em São Conrado é o cúmulo do despreparo. Tá mais do que na cara que o Rio precisa de mais atenção.

    As charges do Cícero são excelentes. A primeira e a última que você usou eu usei também num post antigo, coincidência! Acho um barato.

    Bjs e boa semana.

    Michelle

    ResponderEliminar
  17. Caraca, perfeito!!

    O cara numca se preocupa com nada, é omisso à tudo, à dor do próximo, mas na hora de criticar... hummm

    beijos

    ResponderEliminar
  18. Estamos num momento delicado e que exige profunda reflexão nossa. Por isso faço questão de alertar para a validade do voto nulo sim, que é o voto de protesto ao que aí está, que é o voto zero ao que aí proposto está, que é o voto que pode revolucionar o processo eleitoral brasileiro totalmebte corrompido e intoxicado pela mais deslavada compra de votos já vivida no Brasil e, quiçá, no mundo.
    Cadinho RoCo

    ResponderEliminar
  19. Eloquente seu belo texto, Luma: quantos tadinhos despreparados prontinhos para a corrupção omissa e ignorante que nos assola a Política como se fosse a mais comum das coisas! Tadinhos de nós, que ainda não soubemos lutar a ferro e foice por dias melhores...

    Abração e não deixe de visitar meu espaço virtual: www.osuperpai.blogspot.com

    ResponderEliminar
  20. P.S.: você saberia ajudar-me como consigo estes avatares bacaninhas?

    ResponderEliminar
  21. Gostei muito da sua pergunta final, e a reposta é, estamos criando frutos que são resultado da nossa omissão, da nossa preguiça e do nosso "tadinhismo". Beijos

    ResponderEliminar
  22. Caramba! Gostei muito do post e acredito que você retratou uma realidade... Nós nos fazemos de coitados e continuamos omissos em relação ao mundo! Acredito que se cada um de nós deixar de se ver como coitado e começar a agir, ao invés de só criticar, acabamos por influenciar o mundo ao nosso redor...

    ResponderEliminar
  23. Brilhante, Luma. Porque o povo brasileiro adora ser "a vítima" usurpada, mas ninguém tem disposição pra ser questionador, de agir para mudar todo esse lodaçal no qual estamos enterrados até o pescoço.
    "Cada povo tem os políticos que merece".
    Bjs.

    ResponderEliminar
  24. Luma, como sempre seus posts são perfeitos.
    Big Beijos

    ResponderEliminar
  25. Luma, este seu Tadinho estava me espiando desde cedo lá no blog...agora vim conferir de perto...Tadinho!!!!
    Hummm...mas não vai ter jeito não...desde que eu comecei a prestar atenção à política o discurso é o mesmo nas eleições.Isso já tem mais de sessenta anos.
    Excelente seu texto...parabéns!
    Um beijo
    Astrid Annabelle

    ResponderEliminar
  26. Luma, que post. Vou tuitar, recomendar, ler, reler pra aprender.

    beijos

    ResponderEliminar
  27. Luma

    O tadinho, nao tem pernas para carregar tanto, fica dificil, mas nao e impossivel.

    Vim te deixar um cheiro.

    Saudade.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  28. o tadinho tá mais do que proliferado, a grande maioria é cidadão tadinho...alguem se lembra da lei do gerson, de levar vantagem em tudo? brasileiro é assim, se exime da responsabilidade e depois fica procurando se encaixar no jeitinho. o post é muito bom, mas são tantas perguntas sem resposta. o político é cria do sistema e reflete o povo que o elege. pra mudar isso tem que mudar o sistema. como se faz isso? obrigada pelo seu comentário no meu blog, adorei sua visita, obrigada por me avisar do twitter, eu sou muito distraída, e sobre o projetos dos pais e filhos eu acho que fui muito superficial falando de algo apenas com conhecimento midiático. vou ler sobre a o projeto, me informar e dar uma nova opiniao, que pode ser a mesma, mas saberei do que estou falando. ah, o problema que a Alana tem é Síndrome de Asperger, e a comunicação não é tão fácil quanto a com uma criança saudável, mas existe e estamos trabalhando seriamente nisso. Nos visite sempre, bjs

    ResponderEliminar
  29. Luma,
    Voltei com mais calma para ler mais uma vez a postagem.
    Achei muito interessante a maneira como você tratou o "tadinho".
    Lá em Minas (sou de Caxambu) o pessoal usa muito esse termo pra falar com as crianças.
    "Ah, tadinho, não fala com ele assim não."
    "Ah, tadinho, tá com febre, fica em casa"
    "Ah, tadinho, a professora que é uma chata."
    E sem querer peguei essa mania.
    Quando tivemos os meninos, sempre nos corrigimos aqui em casa.
    Meu marido dizia: "Aqui não tem tadinho não.
    Vamos lá.
    O jogo só acaba quando termina".
    Essa mudança no jeito de falar com as crianças mudou muito o meu jeito de encarar a vida.
    "Num sô tadinha. Sô gente, sô perfeita, tenho uns probreminhas, mais tudo beim." Digo sempre isso pra mim, usando o meu "mineirês".
    O problema da Tadinho é quando a gente acredita que é Um.
    Grande abraço querida. Fica com Deus.

    ResponderEliminar
  30. Oi Luma, é sempre bom vir aqui...
    A cada ano eleitoral paramos e refletimos sobre o que mudou desde a ultima eleição. Acreditamos, tomamos consciência novamente, questionamos e...nada! Porém, desistir nunca, jamais!
    Viva as crianças! Que consigamos educá-las para um mundo melhor.
    Bjkas,
    Lila

    ResponderEliminar
  31. Luma,

    Que texto enorme! Seria o pensamento.
    Mas tão bem articulado, tão reflexivo.Desses que a gente também quer logo esquecer para não sofrer com a realidade: que esse ano tem eleição novamente.
    E lá vou eu, me sentir como uma idiota manipulada por promessas infundadas e quase nunca realizadas.
    É tanto Caos na política, que mesmo quando alguém de lá está fazendo algo sério, a gente não acredita né?
    "Tadinho" da gente!!!
    Parabéns.

    ResponderEliminar

Tenha identidade, não seja anônimo na web. Crie sua identidade virtual.

...bisbilhotaram em quietude, sem solidão

PlagSpotter - duplicate content checker tool
Licença Creative Commonsget click

Algumas coisas não têm preço


finalista the weblog awards 2005finalista the weblog awards 2006
finalista the weblog awards 2007weblogawards 2008
Verificar conteúdo duplicado

Me leve com você...

Leia o luz no seu celular

Copyright  © 2014 Luz de Luma, yes party! Todos os direitos reservados. Imagens de modelo por Luma Rosa. Publicações licenciadas por Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial- Vedada a criação de obras derivadas 2.5 Brasil License . Cópia somente com autorização.

Tem sempre alguém que não cita a fonte... fingindo ter aquilo que não é seu.

Leia mais para produzir mais!

Atenção com o que levar daqui. Preserve os direitos autorais do editor