Prost, Piquet e Mansell: rivais transformaram Ayrton Senna em mito

Airton Senna, Prost, Mansell e Piquet
Clique na imagem para ler toda a matéria.

"É muito difícil você conseguir vencer numa boa. Pra vencer você tem que lutar, e essa luta muitas vezes significa se indispor de certa forma com algumas pessoas, pra prevalecer aquilo que você acredita. Teu ponto de vista, tua cabeça, a tua personalidade acima de tudo. E se você não lutar pra valer, você acaba perdendo teu próprio rumo. E se você perde o teu próprio caminho, você não é ninguém. Então, pra conseguir manter essa linha de conduta, você tem que lutar muito. E, muitas vezes, tem que brigar mesmo." Ayrton Senna



Todos heróis e bandidos já foram criança um dia! Se estivesse vivo, Ayrton Senna completaria 50 anos.

A saudade maior sente a família e para os fãs fica a sabedoria de que um mito não preenche carências e que o exemplo de uma vida de batalhas e vitórias são para serem seguidos, se possível!

23 comentários :

  1. Amiga, o texto do Airton arrasou!!! Assino embaixo. É por isso q brigo mesmo rs...
    Bjo grande!

    ResponderEliminar
  2. LI toda a matéria, inclusivé aquela que está por "trás" dos 4 campeões.
    Fiquei a saber umas "coisinhas" que ignorava.

    Um beijo, LUMA, e obrigado!

    ResponderEliminar
  3. Ayrton foi um brasileiro do qual só temos que nos orgulhar. Um ídolo, no mais completo sentido da palavra. Porque passou bons exemplos para a juventude. Porque além de talentoso, era um grande ser humano. Se deixou saudades em nós, imagino a saudade que deixou em sua família.

    Beijos Luma e boa semana pra você.

    ResponderEliminar
  4. eu nunca mais vi uma corrida. Tamburelo foi o ponto final.
    Ayrton nos deu momentos inesqueciveis.
    bj Luma!

    ResponderEliminar
  5. É isso aí.
    Vitória é para quem luta.
    Luxo é pra quem quer as coisas de mão beijada.

    Ótima semana!

    ResponderEliminar
  6. Grande, grande Ayrton Senna!
    Que brasileiro não se orgulha dele, que virou um ícone e uma espécie de padroeiro das corridas?
    Ótimo texto, Luminha.

    Beijos pra você e uma semana cheia de luz.

    ResponderEliminar
  7. esse foi realemente o tempo que que a F1 foi real, valia a pena
    assistir as corridas, com grandes
    corredores, onde só ganhava quem era verdadeiro campeão, porque o
    páreo era duro, depois desse grupo, quem ganhava era porque so encontrava
    moleza pelo caminho, porque não havia competição, todos eram fracos e só um reinou absolouto, que adianta ser bom corredor se não há com quem disputar? Que sabor tem as vitórias? Até cansa ser sempre o primeiro. Amava F1 nessa época porque via como a disputa era acirrada e só vencia quem era um verdaeiro profisional, um super piloto. Depois da era Senna-Piquet-Prost-Mansel a F1 perdeu sua magia. Hoje apenas 50, se foi muito cedo, mas escreveu seu nome na história.

    ResponderEliminar
  8. Menina, tenho um que pensamento meio morbido, mas ele partiu no tempo de glória dela, sem ter tempo que o tempo levasse o que ele foi (tipo os jogadores de futebol que no final da carreira acabam se envolvendo em vários escandalos)...

    Mas com certeza, o que ele foi para nós faz falta (um herói real).

    Fique com Deus, menina Luma.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  9. Com altas tecnologias não há pilotos, mas sim grandes empresas que podem bancar a última tecnologia disponível.
    Parei de ver F-1 depois que Senna morreu.
    Ótimo texto e reportagem do Jornal.
    Beijos Tempestuosos!

    ResponderEliminar
  10. O Ayrton Senna sempre será um orgulho do nosso país, ele faz muita falta.

    Beijos

    ResponderEliminar
  11. Maravilhoso texto. Assino embaixo, do lado, etc... Senna era um ídolo a ser seguido, num País miseravel.
    Adorava assistir as corridas, mas depois daquele 1 de maio, nunca mais assisti...perdeu a graça !
    Bjks !!!

    ResponderEliminar
  12. Sou do tempo em que a F-1 era disputada no "braço" e os pilotos eram mais importante que suas marcas, embora suas máquinas chamassem a atenção pra quem como eu que foi fazer engenharia mecânica para estar lá nos bastidores, assim como tantos amigos meus. Vibrei com Emerson e tantos outros.
    Ayrton foi um grande piloto, mas porque esteve ao lado de grandes nomes. Impossível esquecer as curvas de Mônaco, disputadas lado a lado com Mansel. Ou das rugas com Prost.
    Hoje a F-1 tem um nome ou outro que depende exclusivamente de suas grandes máquinas recheadas de poderio tecnológico.
    Sinceramente, hoje não me empolgaria com a engenharia mecânica.
    Sinto saudades dos tempos desses mitos. Ele não era um herói como muitos pensam, talvez o fosse para seus próximos, mas num país como o Brasil, é preciso denominá-lo enquanto herói, mito e tantos outros adjetivos. Serve de incentivo num tempo em que os esportistas se abraçam com traficantes e ganham milhões...
    Grande abraço e boa semana

    ResponderEliminar
  13. esse deixou mta saudade...


    /(,")\\
    ./_\\. Beijossssssssss
    _| |_................

    ResponderEliminar
  14. Uma pena que tenha partido tão cedo...

    ResponderEliminar
  15. Ouvi sobre seus possíveis cinquenta anos e fiquei surpresa. Nem sei dizer porque, apenas surpreendeu-me o número...
    Das palavras deles, faltou dizer, que a maior briga na maioria das vezes é com a gente mesmo, não? Eu hoje estou assim: brigando até com a minha sombra, insistindo, mas meu corpo quer sombra, descanso e silencio. Ainda bem que tudo isso passa. Deve ser tpm. rs
    Beijos

    ResponderEliminar
  16. Luma, querida... acessando hoje meu blog tão abandonado me deparei com um comentário do mês 11/2009, que você perguntava onde eu estava.
    Estou bem, estou aqui. Sem inspiração para postar, mas não esqueci dos amigos que fiz.
    E devo confessar, volta e meia visito vocês, mas nem sempre paro para comentar.
    Parei de postar mesmo... só prestei uma homenagem ao Simba e já faz quase um ano. Foi o amigo que mais amei, são tantas histórias...
    Mas me encontre sempre no email ou orkut, onde estou cadastrada com o endereço she.gomes@gmail.com

    Beijo grande, saudade!

    Shê

    Hay Universo

    ResponderEliminar
  17. Comecei a gostar de Formula 1 com Piquet, depois veio o Senna...
    Pra mim a Formula 1 acabou ali, hoje apenas "vejo" mas nao acompanho como fazia antes, tinha bloco de anotaçoes ao meu lado e quando terminava cada corrida sabia de tudo e de todas as possibilidades de cada piloto.

    Bjs

    Meire

    ResponderEliminar
  18. Senna - este sim poderia ser chamado de "O Cara"!
    Todos sentimos saudades daquela estrela.
    bjs cariocas

    ResponderEliminar
  19. É aquela velha história: Talento reconhece talento.

    Mesmo os mais ferrenhos rivais viram em Senna "um mago" no que fazia.

    ResponderEliminar
  20. A homenagem e bela, e vale o ensinamento: quanto melhores os nossos rivais, melhores nos precisamos tornar. :) Boa semana, Luma!

    ResponderEliminar
  21. Se te disser que aprecio fórmula I, minto, porém recordo esse brasileiro misto de louco e de herói.
    Beijinho

    ResponderEliminar
  22. Acho que, quase sempre, para sermos algo, temos que nos deparar com muitos inimigos, rivais, etc. mesmo que alguns deles vivam, apenas, no imaginário virtual.
    Bjs e dias felzies

    ResponderEliminar
  23. Anónimo06:40

    No Brasil dezenas de milhares de negros e simpaizantes protestam Movimentos negros brasileiros fizeram protestos de desagrado contra famoso cantor e sambista Martinho da Vila, Escola de Samba Unidos de Vila Isabel que neste carnaval de 2012, no enredo “Você Semba Lá… Que Eu Sambo Cá. do povo brasileiro) que nos versos O Canto Livre de Angola!”. Com uma exaltação maravilhosa a ANGOLA a pátria mãe da maioria (54% tem sangue africano-angolano em nossas aveias. Samba Enredo da Vila Isabel(O para Presidente Wilson Vieira Alves a carnavalesca Rosa Magalhães e principalmente o Presidente de Honra: Martinho José Ferreira o “Martinho da Vila” que se negaram a ouvir e atender as reclamações dos milhares de e-mails, cartas e ligações telefônicas e celulares para sensibilizar esses dirigentes. que seria um desprestígio para comunidade negra feminina serem excluídas as frente da bateria da Vila Isabel colocando uma rainha nipo-brasileira (japonesa) e uma musa loira, com respeito a elas, mas porque não por uma negra também e por coerência ao enredo exaltava a raça negra e negritude cultural África Angola Brasil. Apesar de todos esforços não foram suficientes par conscientizar estes dirigentes é lamentável que as crianças a juventude a mulher afro brasileira sofram estes preconceitos excluídas marginalizadas , humilhadas por aqueles que dizem ser defensores e nossos ídolos. Martinho da Vila é uma vergonha e covardia, muito obrigado pelo desserviço ao resgate e valorização da raça negra.Rei Martinho Ganga Zumba da Vila? Mariana Benedita dos Santos,Negra Bene. mariana.jornalista@bol.com.br

    ResponderEliminar

Tenha identidade, não seja anônimo na web. Crie sua identidade virtual.

...bisbilhotaram em quietude, sem solidão

PlagSpotter - duplicate content checker tool
Licença Creative Commonsget click

Algumas coisas não têm preço


finalista the weblog awards 2005finalista the weblog awards 2006
finalista the weblog awards 2007weblogawards 2008
Verificar conteúdo duplicado

Me leve com você...

Leia o luz no seu celular

Copyright  © 2014 Luz de Luma, yes party! Todos os direitos reservados. Imagens de modelo por Luma Rosa. Publicações licenciadas por Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial- Vedada a criação de obras derivadas 2.5 Brasil License . Cópia somente com autorização.

Tem sempre alguém que não cita a fonte... fingindo ter aquilo que não é seu.

Leia mais para produzir mais!

Atenção com o que levar daqui. Preserve os direitos autorais do editor