Que tempo é o nosso?

Há quem diga que é um tempo a que falta amor.


Fotografia de Graça Loureiro

Convenhamos que é, pelo menos, um tempo em que tudo o que era nobre foi degradado, convertido em mercadoria. A obsessão do lucro foi transformando o homem num objeto com preço marcado. Estrangeiro a si próprio, surdo ao apelo do sangue, asfixiando a alma por todos os meios ao seu alcance, o que vem à tona é o mais abominável dos simulacros.

Toda a arte moderna nos dá conta dessa catástrofe: o desencontro do homem com o homem. A sua grandeza reside nessa denúncia; a sua dignidade, em não pactuar com a mentira; a sua coragem, em arrancar máscaras e máscaras.


Fotografia de DDiArte

E poderia ser de outro modo? Num tempo em que todo o pensamento dogmático é mais do que suspeito, em que todas as morais se esbarrondam por alheias à «sabedoria» do corpo, em que o privilégio de uns poucos é utilizado implacavelmente para transformar o indivíduo em «cadáver adiado que procria», como poderia a arte deixar de refletir uma tal situação, se cada palavra, cada ritmo, cada cor, onde espírito e sangue ardem no mesmo fogo, estão arraigados no próprio cerne da vida?

Desamparado até à medula, afogado nas águas difíceis da sua contradição, morrendo à míngua de autenticidade - eis o homem! Eis a triste, mutilada face humana, mais nostálgica de qualquer doutrina teológica que preocupada com uma problemática moral, que não sabe como fundar e instituir, pois nenhuma fará autoridade se não tiver em conta a totalidade do ser; nenhuma, em que espírito e vida sejam concebidos como irreconciliáveis; nenhuma, enquanto reduzir o homem a um fragmento do homem.

Nós aprendemos com Pascal que o erro vem da exclusão. Eugénio de Andrade, in 'Os Afluentes do Silêncio'

No final sabemos que aprendemos, trabalhamos, enriquecemos... para compartilhar. De que adianta aprender e não expor o que se aprendeu? Trabalhar e não ter com quem dividir nosso descanso? E o que diremos e onde colocaremos o nosso enriquecimento?

A questão é que o homem não sabe administrar sua própria vida: A cada sete anos uma pessoa perde e substitui cerca da metade de seus amigos [LiveScience - tradução]

Perder e substituir - Parece prático substituir o antigo pelo novo, mas sou 'apegada' e mamãe sempre diz com uma certa nostalgia: "As coisas antigas tinham melhor qualidade"

É isso!
Eu vou ali, posso demorar um pouquinho, mas volto!
Beijus,

10 comentários :

  1. MUITO BOM TER TEMPO, SÓ PRA PODER VIR AQUI, VC ESCREVE ESPECIALMENTE BEM MOCINHA!!!
    TENHO DITO QUE FALTA AFETO NO MUNDO!!!
    BOM FINAL DE SEMANA

    ResponderEliminar
  2. Oi Luma!
    Puxa seu blog tem dado erro pra mim, nem creio que vou conseguir comentar... Fiz até print screen do erro que dá, se quiser te mando por e-mail pra vc ver. Bem, passa lá no meu blog, tem selinhos para vc.
    Beijos

    ResponderEliminar
  3. Luma...

    Belissimo o teu blog!

    Eu acho que não falta amor ao tempo... falta tempo para o amor!!!


    Meus beijos...

    ResponderEliminar
  4. Oi Luma!
    Fazia um tempinho que não passava por aqui. E é sempre bom a gente se surpreender com esses textos tão bons e verdadeiros! Precisamos resgatar urgentemente os valores da amizade e do amor não é mesmo? Tenho pensado muito nisso ultimamente.
    Bjs

    ResponderEliminar
  5. Luma, como eu já estava imaginando, não estou gostando do twitter. Coisa pra adolescente. Parece um MSN público. Um monte de nerds desocupados querendo dizer gracinhas e atrair "seguidores". Que coisa sinistra esse negócio, quem gosta de colecionar seguidores é pastor da igreja universal !
    PS: continuo tendo apenas algunssegundosentre abrir o seu blog e a caixa de comentários. O post não dá pra ler, mas a caixa de comentários se mantém aberta e posso deixar um alô.
    Um beijo, então !
    Jôka

    ResponderEliminar
  6. Oi Luma!
    Acredito que falta tudo. Principalmente as boas ações. Fidelidade as amizades também. Somos volúveis e um pouco egoístas.

    Senti um tom melacólico neste texto. Parece-me como um desabafo seu.

    Estou com a conexão ruím aqui.

    Beijos e ótimo fim de semana.

    Volta logo.

    ResponderEliminar
  7. Luma! Luminha! Você se esmerou em dizer todas as inquietações e verdades que eu gostaria de ter dito! O homem hoje parece que se perdeu-de-si e não é mais "sujeito", é "objeto". Objeto e joguete nas mãos da mídia, dos desejos sociais (às vezes, super materialistas), dos jogos de poder econômico...e por aí vai o homem que não se conhece mais...A falta de amor é consequência desse desconhecimento de si...
    Amei seu post inteiro!
    Abraço você!
    Dora

    ResponderEliminar
  8. Gostei muito desse texto, já havia lido no email ontem, só faltava vir comentar. É lúcido, é honesto, é desmascarador. E estou lendo Saramago outra vez, é interessante como o que escrevestes sobre a arte moderna se aplica muito bem ao faz Saramago.

    Bom final de semana pra você Luma.
    Inté!

    ResponderEliminar
  9. Olá minha linda,

    Lendo seu texto, percebi o quanto estou perdida mesmo.
    Passando por tempereas em minha. Este ano tá difícil, se não bastasse o tratamento agora problemas existências em família. Filhos, filhos sem tê-los como sabe-los.Assim dizia minha avó.
    Difícil Luma. Estou completamente sem rumo, procurando meu caminho.
    Mas tudo bem eu saio dessa também.
    sozinha sei quem não estou e espero em Deus sempre.
    Desculpa não vir antes, mas que estou tão pra baixo, que me faltam palavrs, pensamentos, tô muito magoada e machucada.
    Beijos minha linda obrigada por seu carinho de sempre!

    ResponderEliminar
  10. Olá, tem um selinho pra vc la no meu blog, espero que goste,, bjos fraternos

    ResponderEliminar

Tenha identidade, não seja anônimo na web. Crie sua identidade virtual.

...bisbilhotaram em quietude, sem solidão

PlagSpotter - duplicate content checker tool
Licença Creative Commonsget click

Algumas coisas não têm preço


finalista the weblog awards 2005finalista the weblog awards 2006
finalista the weblog awards 2007weblogawards 2008
Verificar conteúdo duplicado

Me leve com você...

Leia o luz no seu celular

Copyright  © 2014 Luz de Luma, yes party! Todos os direitos reservados. Imagens de modelo por Luma Rosa. Publicações licenciadas por Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial- Vedada a criação de obras derivadas 2.5 Brasil License . Cópia somente com autorização.

Tem sempre alguém que não cita a fonte... fingindo ter aquilo que não é seu.

Leia mais para produzir mais!

Atenção com o que levar daqui. Preserve os direitos autorais do editor