Lady Day


Se estivesse viva, Billie Holiday estaria completando 100 anos. Em seu leito de morte recebeu voz de prisão por posse de narcótico. Não foi presa, dois policiais se mantiveram na porta de seu quarto até o seu fim. Morreu antes de se tornar um sucesso para o público e a legislação que tratava o dependente químico como bandido ser mudada.

Uma carreira regada a álcool e drogas não levava a crer que Billie Holiday teria uma vida longa. Mas a morte aos 44 anos, em 17 de Julho de 1959, pareceu injusta e precipitada para a maior cantora de jazz de todos os tempos. Sem exageros. No competitivo mercado da música americana, Billie Holiday conseguiu ser uma notável unanimidade, respeitada por instrumentistas, copiada por dezenas de cantoras e admirada por um círculo de fãs que se renovava a cada geração - as gravadoras mantêm dezenas de títulos em catálogo permanente - Um dos músicos com quem trabalhou, o trompetista Dizzie Gillespie, dizia que o seu canto vinha das entranhas. Se Billie fazia rolar lágrimas em quem a ouvia, talvez fosse porque também tinha chorado muito.

Elenora Fagan Gough - seu nome verdadeiro - nasceu em 07 de Abril de 1915, filha de dois adolescentes, o guitarrista Clarence Holiday e uma empregada doméstica, Sadie, abandonada pelo companheiro. Esse foi só o primeiro de uma coleção de traumas: No bairro negro de Baltimore, onde a mãe a deixou morando um tempo com parentes, era espancada frequentemente pelos tios. A bisavó, única pessoa que aliviava o seu sofrimento, morreu abraçada a ela. Aos 10 anos, teve o primeiro contato direto com o racismo: estuprada por um branco, ela, a vítima, foi acusada de corrupção e enviada para uma casa de correção de menores.

O resto veio naturalmente: aos 12 anos já se prostituia, entregando dinheiro a gigolôs e consumindo drogas, nessa época ainda leves. No meio de tanta desgraça, encontrou salvação na música, que escutava nas vitrolas dos bordéis onde, garota, fazia faxna.

Aos 17 anos, depois de mais uma prisão, decidiu abandonar a vida de prostituta; entrou em uma espelunca no Harlem e pediu para cantar. Revirou as entranhas e arrancou lágrimas dos fregueses. Durante uma apresentação, um produtor musical, John Hammond, se encantou com a voz da bela moça. Do dia para a noite, Billie passou a frequentar estúdios de gravação e os melhores palcos da época, como o Cotton Club. Virou uma estrela. Costumava dizer que não queria cantar, mas fazer da garganta um instrumento, como Louis Armstrong usava o trompete.

Com o saxofonista Lester Young, um dos maiores instrumentista da época, autor do galante apelido Lady Day, Billie teve um relacionamento amoroso e profissional perpetuado em várias gravações. Ela não sabia ler nem uma nota, mas não precisava. Sua técnica era insuperável; distorcia as linhas melódicas e pairava sobre o tempo original da música, geralmente baladas urbanas, criando um estilo único. Quando não estava cantando, porém, apanhava do mundo. Nas excursões com a orquestra de Artie Shaw, só de brancos, não podia comer nos restaurantes de beira de estrada em que paravam. Relacionamentos com homens violentos, álcool e heroína (que lhe custou várias prisões), levaram-na à morte por cirrose hepática. Nos últimos anos de sua vida, a voz acusava maus tratos e ficou mais áspera, mais cansada, mas nunca menos tocante.

Sei que você nunca tem tempo... Dessa seleção de músicas, a primeira: Gloomy sunday é uma música proibida. Falei dela no post "Domingo Sombrio". Cada uma das músicas tem uma história. Como eu gostaria de falar sobre elas...


Os discos preferidos dos fãs de jazz são os primeiros, onde muitos músicos consagrados tocaram com Lady Day.  Na verdade, antes da sua morte, ela não era venerada pelo público e nunca teve uma música nas paradas de sucesso. As gravadoras a queriam para ganhar prestígio dentro do meio musical, entre os músicos que a admiravam. Quem entendia de música, queria acompanhá-la em pelo menos uma canção.

No mais, não acredite em tudo que lê sobre a maior cantora do jazz... O filme "O acaso de uma estrela" é totalmente falso, assim como as biografias escritas por William Dufty. Até mesmo Diana Ross que teve indicação ao Oscar, se prestou a representar Billie Holiday em versão Motown alheia a tudo o que ela foi. Não um produto comercial!

*A foto que ilustra esse post foi retirada do livro "Blue Notes in Black and White: Photography and Jazz" de Benjamin Cawthra

Em tempo:  
Uma aventura para todos nós!
Participe da página do evento no facebook!
Não esqueça de levar banner para o seu blogue para ajudar na divulgação!
É a blogosfera incentivando a leitura!

Assine para receber os textos do "Luz de Luma" em seu e-mail ou acompanhe pelo Facebook

52 comentários :

  1. Comentei e nao apareceu aqui.

    ResponderEliminar
  2. Vou escrever novamente. Li a biografia dela e o filme "O ocaso de uma estrela" com Diana Ross, um show, mas uma vida realmente, marcada pela tragedia, adorei seu post sobre Billie, beijinhos.

    ResponderEliminar
  3. Uma vida marcada por tragédias mas uma estrela com seu canto maravilhoso
    Nem todas as tragédias foram suficientes para fazer calar um grande talento
    Luma o posta está espetacular,
    Beijos

    ResponderEliminar
  4. Que excelente postagem, Luma. Eu li no Ancelmo Gois que a Rosa Maria Colin a interpretaria numa peça teatral (ou filme, não lembro ao certo). Uma figura marcante. Bjs e boa semana.

    ResponderEliminar
  5. Ahhh, amo blues, amo jazz.... Tenho uma pequena coleção de cds, que para mim combinam perfeitamente com 'happy hour'.

    Como não amar Lady Day?

    Dona de uma voz naturalmente melodiosa e eternamente apaixonante!!

    Teve uma vida atormentada, em uma época onde o racismo imperava abertamente na sociedade...

    Quando descobri a cantora, adorava ver suas fotos antigas, com gardênias brancas nos cabelos...(eu até tentei plantar uma vez, mas não foi para frente...eu tinha um cachorro chamado Pink Floyd que simplesmente cavava todo o jardim deixando as plantas tombadas com as raízes ao sol...kkkkk).

    Grata, Luma, pela lembrança dessa cantora maravilhosa!

    Adorei a postagem, adorei Lady Day.

    Tenha uma semana bem bonita,

    beijinhos,

    Lígia e =^.^=

    ResponderEliminar
  6. A música pode transmitir fortes sensações e no jazz nos deixamos levar até o fundo da alma!A sua descrição desse mito que o representa ficou esplêndida bem como a crítica ao filme biográfico,aliás, tenho também notado que grande parte das biografias transformadas em filmes se tornam sensacionalistas e comerciais.
    Abraço fraterno,boa semana pra ti!

    ResponderEliminar
  7. De tirar o fôlego, Luma! A vida nunca é linear como quando é contada, escrita, então fiquei imaginando os entremeios, as entrelinhas de sua vida e de tantas que vivem situação semelhante, sem serem A Voz.
    Um minuto de silêncio

    ResponderEliminar
  8. Gostei de saber mais sobre ela. Que voz que tinha esta mulher, mas que vida paradoxal! Teve tudo e não teve nada. Uma pena, porém deixou sua marca no mundo da música!
    Bjs

    ResponderEliminar
  9. Sempre um prazer ler seus textos minha querida Luma!
    Passei para soprar beijos para você!

    ResponderEliminar
  10. Gosto desse estilo de música, assim como o blues e já vou deixar aqui aberto para ouvir na hora do almoço.
    Que vida triste! Como é difícil tentar se superar e mostrar seu valor diante de tanta desgraça, violência e racismo... Pena ela nunca ter vivenciado o sucesso.

    Abraços e ótima semana.

    ResponderEliminar
  11. Trágica e sublime! Apaixonei-me por sua voz quando nem entendi direito o que era jazz. Fala ao mais fundo da alma da gente. Grata pela lembrança do seu aniversário, Luma!

    ResponderEliminar
  12. Não conhecia essa vida trágica e de grande talento Luma!
    até fui ao youtube para descobrir a cantora, efetivamente a voz dela é de grande profundidade, um exemplo de uma das suas canções que ouvi:

    https://www.youtube.com/watch?v=h4ZyuULy9zs

    abraços
    Angela

    ResponderEliminar
  13. Sempre admirei sua voz. Adoro Jazz.
    Pena ela não ser entendida e feliz desde criança....muito triste sua vida.
    Boa semana.
    Beijos.

    ResponderEliminar
  14. Há vidas que dariam um belo de um filme!
    Esta tem tudo isso!
    Não sou apreciadora de Jazz!
    Bj amigo!

    ResponderEliminar
  15. Uma vida de dificuldades e sofrimentos, que teve um final pleno de tristeza..
    Um abraço, Élys

    ResponderEliminar
  16. Oi Luma!
    Ouvindo a bela voz de Lady Day não dá para imaginar que ela tenha passado por todo o sofrimento que passou! Pena que ela se foi tão cedo, entregue a este mundo dos vícios.
    Luma, eu consegui pegar o banner da 10ª edição do BookCrossing Blogueiro via face e o outro já tinha nos meus arquivos da edição passada, então, divulguei nos meus dois blogs, na barra lateral!

    Bjs e boa semana! =)
    Vivendo e Aprendendo
    Fotos e Prosas

    ResponderEliminar
  17. Linda voz!
    Acabei de assistir a uma reportagem sobre sua vida, pobreza e vício!
    Lindo seu post!
    bjus e uma semana de muita luz,amiga!
    http://www.elianedelacerda.com

    ResponderEliminar
  18. Não conhecia a história desta moça atormentada não.
    É incrível que ela tenha sobrevivido a tudo isso.
    Uma vida digna de um romance.

    ResponderEliminar
  19. Não conhecia nada dela até ver seu post, muito legal, eu só sabia que o Renato Russo era um dos fãs dela, parabéns pelo post.

    Arthur Claro
    http://www.arthur-claro.blogspot.com

    ResponderEliminar
  20. Oi Luma, gosto da Billie Holiday, tenho vários CDs, mas sua voz me soa sempre melancólica, como se houvesse uma dor em cada nota. Talvez um reflexo da vida dura que ela teve...
    Bjs

    ResponderEliminar
  21. Olá querida Luma!
    Uma estrela, marcada por tragédia e sofrimentos.
    Infelizmente no mundo artístico muitos carregam esse carma
    da prostituição, drogas e outros vícios, além do preconceito.

    Quanto a sua pergunta sobre o polvilho eu prefiro usar o doce o polvilho azedo tem um cheiro forte e não deixa as receitas gostosas.
    Alguns supermercado vende a goma hidrata já vem prontinha p/ fazer as tapiocas.

    Ótima semana e td de bom pra ti!
    Bjs no seu ♥

    ResponderEliminar
  22. Oi Luminha,
    Não conhecia a história.
    Parece que o mundo das drogas
    abraça essas pessoas com talento e beirando ou
    ja fazendo sucesso. de Elvis até Chorão quantos não fizeram
    do seu corpo abrigo de alcool e droga.
    uma pena.
    Bjs

    ResponderEliminar
  23. Olá Luma!!!
    Eu confesso que não conhecia nada dela até então,
    porém gostei muito do post e dela.Gosto desse estilo de música!
    Você sempre com ótimos post!
    Bjus mil

    http://simplesmentelilly.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
  24. Boa noite Luma.
    Não conhecia o sofrimento da cantora, um belo poste, bem esclarecedor, de uma pessoa com bastante talento onde as drogas destruir uma vida promissora. Uma abençoada noite.
    Abraços.

    ResponderEliminar
  25. Aqui ouvindo uma seleção dela e me deparo com um post sobre a diva eterna do jazz. Amo! Summertime, que foi regravada por vários cantores, é a minha preferida.
    Beijos, Luma!

    ResponderEliminar
  26. Oi Luma , maravilhoso! Feliz Aniversário 100. Para Billie Holiday ! Eu gostaria de viajar no tempo para vê-la cantar no Café Society, 1 Sheridan Square, Greenwich Village. Beijos :->

    ResponderEliminar
  27. Oi Luma!
    Nunca fui fã de jazz mas, eu gosto de B. Holiday , tenho alguma coisa dela entre meus preciosos CDs ... o engraçado é que, sempre achei que tinha algo de proibido em sua voz ... acredito que em muitas de suas interpretações ela deveria estar chapada.
    Beijos amiga . ;)

    ResponderEliminar
  28. Uma história bastante tocante, uma grande artista que fez da arte um lenitivo para sua dor, não conhecia a história, sempre muito bom vir aqui e aprender um bocadinho, bjos Luconi

    ResponderEliminar
  29. Gosto da musica antiga. É uma pena que por trás de um grande artista tem sempre uma historia de vida sofrida que acaba os levando a um fim trágico. É triste, mas parece que eles nascem com um dom, mas sob uma funesta estrela. Bjos.

    ResponderEliminar
  30. Luma,

    Tudo começou errado desde a gestação que, resultou numa história triste de vida. Com uma voz tão linda e talento, mas foi dominada pelos vícios.
    Billie será lembrada por muito tempo, apesar da morte precoce.
    Obrigada pelo carinho de sempre, e pela contribuição ao meu desafio. Rs
    Abraços

    ResponderEliminar
  31. Olá Luma! No jazz tenho a Nina Simone como companhia diária. Nestes dias, em comemoração aos 100 anos de Lady Day, tenho me aproximado mais aos seus trabalhos. Conhecer sua trajetória, imprime um brilho todo especial a essa mulher. Abs

    ResponderEliminar
  32. Gostei de ler e saber mais da história de Billie... Grande mulher apesar de... "Cantava com as entranhas", do sofrimento exalava bonitas canções e gritos de vida...

    Uma boa 4ª feira, Luma... Abraço

    ResponderEliminar
  33. Que triste...uma pessoa talentosa e brilhante com uma história tão pesada e cheia de traumas e tristezas...
    Ótimo post, Luma!
    Beijo
    www.leticiatomsik.com

    ResponderEliminar
  34. Adorei esse post sobre a Billie Holiday muito justo e informativo! Parabéns!
    Vida triste que ela teve, mas uma estrela mesmo assim.
    ]bjos

    ResponderEliminar
  35. Gostei de ler o seu texto , de me informar e, neste momento, ouço a música que nos ofereceu! Que vida terrível teve essa deusa!
    Beijo da Nina

    ResponderEliminar
  36. Infelizmente este é um mal que parece atacar todos aqueles que tem o dom divino de cantar. Eu nunca fui muito de ouvir Jazz, mas já ouvi algumas músicas dela, e sua voz é mesmo incomparável.
    Post lindo e perfeito Luma.
    Bjus
    Lia Christo
    www.docesletras.com.br

    ResponderEliminar
  37. Que lindo Post amiga Luma!
    Billie Holiday é eterna!
    Sou fã de boa música, sou fã do Jazz e adoro ouvir Lady Day! Uma voz inesquecível e inconfundível!
    Parabéns pelo Post!

    ResponderEliminar
  38. Oi Luma,
    Eu particularmente não gosto de jazz,
    mas inegavelmente Billie Holiday, foi dona de uma belíssima voz.
    Fiquei tocada com a história de vida dela.
    Pôxa que triste... foi vítima de sofrimentos diversos.
    Eu desconhecia isso.

    Um abraço e estarei postando sobre o BookCrossing Blogueiro
    dia 17 de abril, aí já aproveito e escrevo sobre os livros que vou esquecer dia 16.
    Até \o/

    ResponderEliminar
  39. Querida Luma,

    Que historia de vida! Não é a toa que cantava vindo das "entranhas", havia dor e expressar é aliviar. Uma pena que para aliviar tenha se entregado às drogas. E as drogas e o alcool já levaram muitos artistas. Uma pena.

    Bjs

    ResponderEliminar
  40. Sofrimento enfrentado por muitos negros. Uma cantora de primeira grandeza, um reconhecimento póstumo. Confesso que não conhecia detalhes de sua vida. Impossível não nos sensibilizarmos com o que ela passou. Gostei muito de sua postagem. Bjs.

    ResponderEliminar
  41. Não sou grande apreciadora de Jazz, logo nada sei sobre os representantes. Acredito que tenha sido uma vida sofrida. No final dos anos 60 vivi em Lourenço Marques, actual Maputo. Fiz algumas viagens à África do Sul. Na altura os brancos andavam por um lado da rua, os negros por outro. O simples facto de um negro pisar o passeio dos brancos podia ser condenação à morte.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  42. Uma bela homenagem a esta negra que teve o mundo aos pés e os cães nos calcanhares. Discriminada e levada a loucura, mas ficou sua voz.
    Prefiro lembrar dela cantando Blue Moom.
    Um show de postagem Luma.
    Abraços e bela noite amiga.
    Bjus de paz.

    ResponderEliminar
  43. Oi Luma querida... Eu sou a Maria. Eu comecei um blog e você foi super linda em ter me postado comentários, no Fala simples. Com certeza você não lembrava mas para mim foi importante!!
    Agora criei um blog com uma amiga.. e gostaria muito que você pudesse lê-lo, começamos agora.
    Obrigada por todo seu carinho, seu cantinho é lindo!
    http://flordoocidente.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
  44. Amo Jazz, Luma, e amei mais ainda em conhecer um pouco mas da história de Billie Holiday.
    Beijos de boa noite.

    ResponderEliminar
  45. Oi, Luminha,

    Recentemente eu 'guardei' esta mesma foto da Billie Holliday, num dos meus painéis do Pinterest. Eu já pensei em escrever também sobre ela, pois acho fascinante que alguns seres humanos possam - como certas plantas - brotarem em gretas de rochas ou de lugares impossíveis, embelezando o local. Quem mexe com jardinagem sabe o quanto é difícil manter uma planta viçosa e bonita, pois elas são muito delicadas e vulneráveis. No entanto, a gente às vezes depara com plantas que requerem grandes cuidados, em locais inesperados, em que elas não são cuidadas absolutamente. Acho que foi assim com esta grande artista. Mas, o fato é que, independentemente de tudo por que passou, ela nos deixou um maravilhoso legado.

    Beijo

    ResponderEliminar
  46. Luma, não sabia da sua história sofrível, me fez lembrar a história de Edith Piaf.
    Muito triste...
    Tenha uma boa noite1
    Bjoooooo.

    ResponderEliminar
  47. Eu gosto muito dela Luma, mas não conhecia a história.
    Muito bacana saber.
    Um beijo e uma ótima semana.

    ResponderEliminar
  48. Lester Young e Billie...wow que dupla poderosa!!!

    ResponderEliminar
  49. Apesar de não ser apreciadora de jazz, reconheço a magnitude do género, seja no instrumental, seja na interpretação. Uma voz única.
    Sobre a vida que levou, nem comento. Entendo que não é fácil o equilíbrio entre a vida pessoal e artística...
    Gostei imenso da postagem (como sempre, aliás)
    Bjuzz, Luma :)

    ResponderEliminar
  50. Querida Luma
    Gosto muito de jazz e ouvi muito esta voz, mas nunca imaginei que pertencesse a alguém tão sofrido!
    Obrigada pela biografia.
    Um beijinho
    Beatriz

    ResponderEliminar
  51. Oi Luma!
    BH é a minha preferida de todos! Eu adoro a voz dela e o jeito que canta.
    Mas curiosamente, nunca me interessei em ler a vida dela. Portanto, adorei ler este seu post. Agradeço muito pela partilha.
    Um beijo!

    ResponderEliminar

Tenha identidade, não seja anônimo na web. Crie sua identidade virtual.

...bisbilhotaram em quietude, sem solidão

PlagSpotter - duplicate content checker tool
Licença Creative Commonsget click

Algumas coisas não têm preço


finalista the weblog awards 2005finalista the weblog awards 2006
finalista the weblog awards 2007weblogawards 2008
Verificar conteúdo duplicado

Me leve com você...

Leia o luz no seu celular

Copyright  © 2014 Luz de Luma, yes party! Todos os direitos reservados. Imagens de modelo por Luma Rosa. Publicações licenciadas por Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial- Vedada a criação de obras derivadas 2.5 Brasil License . Cópia somente com autorização.

Tem sempre alguém que não cita a fonte... fingindo ter aquilo que não é seu.

Leia mais para produzir mais!

Atenção com o que levar daqui. Preserve os direitos autorais do editor