Paraísos imaginários

Ser criança é uma arte!
Tinha cara de quem gostava de ler?
Ai, que preguiça!
Quando alguém começava a ler... O soninho chegava rapidinho.
No final do dia, agitada que só, preferia tocar piano ou dançar.


Hoje sei que não foi bem assim e minha mãe conseguiu me fazer ler muitos livros. Não tinha muita comparação com outras crianças e por isso achava que lia pouco. A nossa memória é seletiva e queremos nos lembrar somente daquilo que mais gostávamos de fazer. Ler não estava na minha lista de prioridades, ainda mais quando era a professora que mandava.

"Não eduques as crianças nas várias disciplinas recorrendo à força, mas como se fosse um jogo, para que também possas observar melhor qual a disposição natural de cada um" [Platão]

Rute Rocha, Monteiro Lobato, Ana Maria Machado, Pedro Bandeira, Sylvia Orthof... Foram os escolhidos depois da alfabetização. Antes disso, gostava dos gibis e livros ilustrados. Nessa época ainda gostava mais dos números do que das letras. Porém, mais tarde, lá pelos meus 9 anos, passei a gostar de ler poesias e realmente me divertia com Eloí Elisabet Bocheco, Cecília Meireles, João de Deus Souto Filho, Cleonice Rainho, Maria da Graça Almeida, Vinícius de Moraes, Olavo Bilac... Também foi nessa época que peguei o hábito de acordar de madrugada para escrever poesia. Minha mãe acordava de manhã e lá estava eu feliz e saltitante. Mas já acordou?

O ciclo se fechou com a entrada da adolescência e, nunca mais acordei de madrugada para poetar.

Para citar apenas um livro marcante em minha infância, escolho "O Menino do Dedo Verde" que é um clássico da literatura para crianças e jovens no mundo todo, sendo atualmente adotado em várias escolas e encenado pelos palcos da vida.

Combate às guerras e valorização da natureza. É a história do menino Tistu, criança-anjo que ao receber lições de jardinagem, descobre que tem o dom de fazer brotarem flores da boca de canhões. Uma cura para o senso comum que nos livra das febres semióticas e niilistas, num combate à vaidade humana; erva-daninha da alma. Leitura para todas as idades, já que seus ensinamentos se aprofundam à medida que o nosso espírito cria maturidade.

O Menino do Dedo Verde, de Maurice Druon
Editora: Jose Olympio

"Aprendi, que a medicina não pode quase nada contra um coração muito triste. Aprendi que para a gente sarar é preciso ter vontade de viver. Doutor, será que não existe pílulas de esperança?"- Tistu.


A Blogagem Coletiva "Livros que marcaram a infância" é organizada por Sybylla do blogue Momentum Saga. Para participar, basta escrever um post em seu blogue com o tema e ir no blogue dela avisar. Se não tem blogue e participa das redes sociais, use a hashtag ‪#‎bclivrosdeinfância‬.

"Por tanta familiaridade com o mistério, as crianças são naturalmente religiosas, como se a natureza suprisse quem se encontra biologicamente mais próximo da fonte da vida de percepções holísticas contidas na vitalidade das células, na mecânica das moléculas, na identidade quântica dos átomos, onde matéria e energia são apenas faces de uma mesma realidade" [Frei Betto, fragmentos do texto "Arte de ser criança"]

Para quem gosta de ler, os livros cumprem papel terapêutico na construção de paraísos imaginários que servem como válvula de escape e suporte ao ser humano para que ele consiga suportar a existência, manter esperanças para agir, transformar e construir o mundo. Além é claro, de abrir mentes e incutir conhecimento.

Quais os livros marcaram a sua infância?

Assine para receber os textos do "Luz de Luma" em seu e-mail ou acompanhe pelo Facebook

47 comentários :

  1. Luma, eu fui uma criança leitora, mas, não sei como, me escapou o "O Menino do Dedo Verde", me lembro de os colegas comentarem sobre - tempo bom onde a professora tinha paciência para ler junto com os alunos - mas acabei não lendo. E como a gente gosta de complicar: olhando pra trás, era tão simples ser criança!

    Beijos ;)

    ResponderEliminar
  2. Ah... vieram tantas lembranças!!!
    Lembrei do Fernando Sabino e Cecília Meireles.
    Foram eles que "me ensinaram" a ler!!
    Ah.. eu quero participar. Ainda dá tempo????

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Lógico!! :) Sempre é tempo!

      Eliminar
    2. Oba!!!!!! Vou preparar um post!!! :D

      Eliminar
  3. Que lindas tuas recordações e realmente ser forçadas a ler ou escrever afasta da vontade. Esse livro é legal! E gostei de ver os pezinhos no vídeo! bjs, chica

    ResponderEliminar
  4. Que post lindo,amiga!
    Eu concordo com você e com Platão, não podemos exigir leitura, deve ser um jogo e interessante, por sinal!
    Bjus e boa noite!
    http://www.elianedelacerda.com

    ResponderEliminar
  5. Olá! Que menina linda! E esses pés, uau, ainda bailarina! Lindo de se ver. Minha infância foi de muita leitura, Coleção de Monteiro Lobato, Coleção João bolinha, Histórias dos Irmãos Grimm, muitas revistas, etc Na adolescência também, este do Menino Verde, fez parte da minha. Gostava também dos impostos pela escola. Na vida adulta, reuni meus livros com os de meu marido e ... por aqui são tantos que até já doamos alguns. Pois vieram as filhas que também gostam de ler, os livros continuam chegando... Eu, com meus outros afazeres fui diminuindo e agora quase não leio. Mas a vontade ainda está dentro de mim. Assim que dá, começo um livro.
    Beijos
    Ah, o carrinho levarei com peças para entrega das enomendas, kkk, não sujará de terra.

    ResponderEliminar
  6. Luma,
    Amei essa blogagem. Vou participar. Eu tambem li esse livro do menino do dedo verde! Eu amava ler quando criança, lia tudo que me davam. Mas nunca gostei de poesias. Era única coisa que não lia. Adorava quando ganhava um livro de presente! Ainda amo.....rsrsrs
    Beijos
    Adriana

    ResponderEliminar

  7. Olá amiga, vim desejar-lhe um abençoado início de mês.
    Doce abraço Marie.

    ResponderEliminar
  8. Luma, não li esse livro, acredita? Como você afirmou ser obra para crianças de todas as idades, ainda posso fazê-lo (rss). Confesso que comecei a ler por obrigação e por medo (kkk). Minha mãe era muito enérgica, queria que desenvolvêssemos o hábito, e vigiava se estávamos realizando as tarefas escolares. Alguns livros reli, posteriormente, encontrando a beleza que não havia percebido na primeira vez. Acabei me apaixonando pela leitura. E sou grata, tanto a minha mãe, quanto às freiras do colégio onde estudava. Bjs.

    ResponderEliminar
  9. Lamentável que a grande maioria das escolas ainda atuem na base da "força".
    Até hoje na escola de meus filhos, nenhum poeta, poetisa para ler.
    Tistu também me encantou e hoje quando vejo notícias de pais que levam filhos a escola de tiros, lembro-me do menino-anjo.
    Beijo!

    ResponderEliminar
  10. Lindo post!! Não tive incentivo "direto" para a leitura, nem de meus pais nem da escola,mas....de tanto ver meu pai lendo, resolvi experimentar e gostei..rs!! bjs

    ResponderEliminar
  11. Estou me sentindo uma estranha, pois não conhecia O Menino do Dedo Verde! =D

    Já providenciei uma cópia do mesmo e coloquei no Kindle pra não ficar pra trás, os posts de vocês foram tão lindos, são lembranças tão gostosas que também quero ler e ter lembranças assim tão boas.

    Que legal seu post, amei. Muito profundo, muito sensível, lindo demais!

    Abraço!

    ResponderEliminar
  12. Ops, não sei se o coment foi... Estava dizendo que meus livros da infância são em alemão. Vou tentar participar, assim q voltar de viagem!

    ResponderEliminar
  13. Bom dia Luz, adorei a sua participação!
    Acredito que todos nascemos com vontade própria e que não é forçando que essa vontade se altera!
    Podemos observarr isso na família com os irmãos e mais tarde com os filhos!
    Uns adoram ler, outros nem tanto!
    Podemos dar um incentivo, mas não obrigar;))!
    Eu devorava livros, agora nem tanto!
    Mas um livro é um dos nossos melhores amigos!
    Excelente dia,
    Beijinhos,
    Ailime

    ResponderEliminar
  14. Oi Luma,
    Os livros são, realmente, paraísos imaginários! Dá pra viajar, ir até outro planeta ou galáxia sem sair de casa, rs, basta usar a imaginação! Quando criança eu lia muito os livros da coleção Vaga Lume, porque era obrigatório na escola e tinha até prova, rs e tbm as obras de Monteiro Lobato e dentre estes nunca mais me esqueci dos livros "As Aventuras de Xisto" de Lúcia Machado de Almeida (olha a coincidência: meu nome é Sileni Machado de Almeida, hahaha) e "História de Tia Anastácia", de Lobato, principalmente o capítulo "A moura-torta", rsrs. Hoje, confesso, os livros que mais leio são os de culinária, não sei por que, viu?! rsrs
    Adorei o post, Luma!
    Bjs e uma feliz quarta-feira! =)
    www.viveraprendendo.com

    ResponderEliminar
  15. Luma minha querida,
    quando eu e meus irmãos éramos crianças minha mãe comprava coleções de livros p/ nós e sempre nos incentivou a esse mundo mágico e imaginário.
    Eu era a mais preguiçosa da turma, só gostava das figura e minha imaginação ida longe, rsrs.
    O primeiro livro que eu li inteiro foi Zezinho o dono da porquinha preta, depois me apaixonei por muitos livro da Série Vagalume e muitos outros como Pollyanna era tão bom, rsrs.

    Bjs, sucessos sempre ♥

    ResponderEliminar
  16. Uma blogagem que faz retornar a infância, eu acho muito interessante. Você cita, também, a leitura de um livro, realmente, muito bom: O menino do Dedo Verde.
    Beijos.
    ÉlysVerde

    ResponderEliminar
  17. Quantas lembranças da nossa infância trazidas à tona também por meio destes insights escritos incentivados em blogagens assim...coisas boas,coisas menos boas,no entanto são leituras que marcaram uma época fundamental para o nosso crescimento e progresso pessoal.Abraço fraterno, e que delicadeza nesses passos compassados do vídeo,boa tarde!

    ResponderEliminar
  18. Olá Luma,
    Que delícia de post. Muito gostoso saber das suas preferências da literatura infantil e também da poesia. Também achei o máximo o fato de você acordar de madrugada para poetar hehehe.
    Na adolescência e começo da vida adulta escrevi bastante poemas. Mas, tenho que estar infeliz no amor para ter inspiração. Agora, muito bem casada não tenho mais vontade de escrever poemas, só o blog mesmo.
    Beijos da Nanda

    ResponderEliminar
  19. E nós que já passamos do "enta" na idade fica claro que nos vem na memoria tudo da infância, inclusive os livros, eu fui remetido quando li O pequeno Príncipe, pode !
    Abraço

    ResponderEliminar
  20. Oi Luma
    Eu também gostei da sua postagem e estou participando da Blogagem Coletiva.
    Beijos!

    vitornani.blogspot.com

    ResponderEliminar
  21. Poxa, tantos blogs falaram em O menino do dedo verde, e eu nunca li! Tenho aqui em casa, talvez eu deva dar uma espiadinha. :)
    Achei muito fofo isso de você acordar de madrugada para ler poesia. Eu morreria de amores por uma filha assim.

    http://blogsemserifa.wordpress.com

    ResponderEliminar
  22. Oi, Luma! Como vai?
    Olha, tô nessa! Logo eu que vivia lá no mato, praticamente sem livros - porém alguns me chegaram...

    Bjs

    ResponderEliminar
  23. A leitura era fundamental em minha vida. também, não tinha vide-game, computador, celular....
    Um beijo grande

    ResponderEliminar
  24. Os livros que lemos levamos sempre em nossas almas Luma, e isso é maravilhoso! Ótimo post!
    Bjins

    http://simplesmentelilly.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
  25. ...E os pezinhos cresceram. Luma, gostei da música e do olhar expressivo e sonhador da doce menina.
    Quando criança na minha casa não havia livros, tenho pouca memória da infância comecei a ler bem tarde, talvez por isto a minha ânsia de prender a respiração até hoje quando leio, é vício ou tic, sei lá... Li muitoooo gibis do Tex, livros de bang-bang era fã rsrsrsrsrs, comprava e trocava nas parcas bancas que encontrava no interior.
    Já li O Menino do Dedo Verde, não lembrava mais do autor, na minha pequena infância e pré adolescência, me marcou o livro "Pollyanna Menina".
    Bella, bjossssssss.

    ResponderEliminar
  26. Quanto tempo faz que não ouço o nome de Sylvia Orthof? Putz, eu apresentei ela a minha irmã e minha irmã gostou, uma das poucas, era uma guerra fazer Rafaela ler kkk eu também e amo toda essa gente que você citou, a Ana Maria Machado e suas histórias continuam a fazer parte de minha vida, eu conto suas histórias as minhas crianças! Acho perfeitas! Também fui uma criança que amava a poesia, mas acho que a adolescência foi mais definitiva nesse ponto! "O menino do dedo verde" foi um livro que marcou minha adolescência e me emocionou, sei lá fui uma adolescente e criança emotiva...

    Ah, Luma, eu concordo 100% com o que você escreveu no ultimo paragrafo do texto, acho que me tornei leitora justamente porque a leitura tem essa capacidade de criar paraísos imaginários, de permitir o voo, ficar presa no chão é um saco não sei como as pessoas que detestam ler aguentam e sempre me pego perguntando a elas como elas fazem para suportar a vida, as vezes descubro que há outros meios de voar, mas a leitura, eu desconfio, sempre será o meu meio.

    Cheros, Pandora

    P.S.: Também já acordei de madrugada para escrever poemas.... kkk...

    ResponderEliminar
  27. De fato a leitura é uma terapia... eu também viajo nelas. beijinhos

    ResponderEliminar
  28. Oi doce amiga
    Amei a dança. Muito bom lê agente sonha. Parabéns pelo texto.

    Amiga já fiz como vc me disse coloquei o numero da conta para quem quiser depositar para as crianças. Mais para ser sincera tem pessoas que acha que este dinheiro é para mim.Mais o que vale é a minha vontade de ajudar o proxímo.
    Um bj
    Ana

    /

    ResponderEliminar
  29. Luma eu adorava ler, gostava, era uma criança introspectiva, não me relacionava muito e tinha um mundinho só meu, então assim que tive acesso a livros comecei a ler, aos treze anos já tinha lido quase toda a coleção de José de Alencar e adorava como adoro, apesar de achar que ele é muito descritivo, ele tem um jeito delicioso de escrever as histórias, os contos. Livros infantis eu não tive acesso, lia revistas, seleções, desde os nove anos, caía na rede era peixe. Agora adorei este parágrafo que transcreveu adoraria ler este livro, muita sabedoria neste pensamento. Beijos Luconi

    ResponderEliminar
  30. Temos algo em comum, Luma: meu primeiro livro também foi "O Menino do Dedo Verde". Mas eu mal havia aprendido a ler e serviu como um exercício. Dele, pouco me lembro. Depois foi "O Pequeno Príncipe". Esse, então, não entendi uma vírgula! Eu pensei que era um livro para crianças e mais tarde entendi que era para adultos. Então digo que meu primeiro livro, aquele que senti e vibrei, foi "O Meu Pé de Laranja Lima", do Jose Mauro de Vasconcelos. Engraçado que, lendo os comentários, vejo que muitos de nós lemos praticamente os mesmos livros, não é? Um beijão, Luma.

    ResponderEliminar
  31. Luma, acho que só lendo seu post me dei conta de que 'Menino do dedo verde' foi um livro bastante importante na minha vida de leitora (sabe quando você consegue lembrar a sensação do livro em suas mãos?!). No mais, adorei a ideia e acho que vou participar da blogagem coletiva também.
    Bjs - espero que já esteja recuperada.

    ResponderEliminar
  32. Luma, outro post muito joia!
    Amo a leitura desde cedo... O livros nos ensinam e nos fazem boa companhia! "O Menino do Dedo Verde"/Maurice Druon, muito bom!!

    Um abraço...

    ResponderEliminar
  33. Oi Luma! A leitura é o meu prazer. É com muita alegria que ando lado a lado com os livros e nessa caminhada venho trazendo Laura comigo! Lindo post! Beijo! Renata

    ResponderEliminar
  34. Por favor, me perdoe pela copia e cola.
    Mas hoje é por um motivo especial.
    Levar ao conhecimento de todos aos meus amigos o meu mais recente trabalho.
    Desde já agradeço o seu carinho, sua atenção e sua compressão.

    Vem ai Uma Menina Chamada Esperança!
    Em breve comunicarei o lançamento deste emocionante livro! Que ao voltar no tempo dos nossos antepassados, nos faz renascer para a chama da esperança, - olhar para o futuro e ver nossos sonhos realizados!
    Querida amiga, eu ficaria muito feliz se pudessem me ajudar a divulgar meu mais novo trabalho, o qual foi feito com muito carinho e dedicação para todos os leitores que gostam de viajar entre as palavras de um livro. É um livro juvenil, mas que com certeza vai tocar o coração de todos. Assim é o que eu desejo.
    Penso que estou pedindo um pouquinho demais, mas se for possível me ajudar também curtindo Esta postagem na minha pagina e a pagina deste livro no face eu lhe agradeço de todo o coração.
    Muito obrigada!

    https://www.facebook.com/UmaMeninaChamadaEsperanca?fref=nf



    Logo que tiver uma data precisa do lançamento do livro avisarei a todos.
    Conto com o apoio de cada um de vocês, para a Menina Esperança realizar o seu sonho!
    Desde já agradeço o seu apoio e amizade.
    O meu muito obrigado
    Que abençoe a abençoe hoje e sempre....
    Maria Alice

    ResponderEliminar
  35. Luma, minha querida, que bonequinha era vc! :-)

    Ler é uma das minhas maiores e sempre foi assim, desde mto pequenina.
    Naquela época, meus pais não tinham a consciência de estimular os filhos a leem e tal, mas creio que essa paixão nasceu impressa em mim, sabe?
    Desde sempre os livros me acompanharam: na infância, me divertia com os ilustrados. Adolescente, com maior tempo disponível para a leitura, devorava livros!!! Hj tenho menos tempo para ler (e lamentando mto isso!), mas leio dentro das minhas possibilidades pq, simplesmente, não me vejo sem ler!
    Ah, já ia me esquecendo de contar: minha mãe diz que qdo eu era bem pequenina, qdo ainda não sabia ler, eu pegava livros, jornais ou revistas, o que via pela frente e começava a "ler" - tudo enrolado e, às vezes, de cabeça pra baixo! Kkkkkkkkkkk...
    Mas ainda assim eu "lia"!!! rs

    Bjs no seu coração lindo e fica com Deus!

    ResponderEliminar
  36. Oi Luma, é a Vi, eu também lia bastante, e o que marcou minha infância foi Monteiro Lobato em Reinações de Narizinho, eu gostava daquele mundo magico.
    Beijos,Vi

    ResponderEliminar
  37. Oi Luma, estou com a Pepa: Lobato foi meu herói - Ganhei a coleção do meu pai quando tinha 8 anos.
    Papai que lia muito (com ele adquiri o gosto pela leitura), dizia que antes de Lobato, os livros que os jovens e as crianças tinham disponíveis eram traduções, normalmente mal feitas, que se passavam em cenários que nada tinham a ver com o Brasil,. Claro os bons livros sempre existiram, mas como Lobato inventou a própria literatura infantil ambientada no universo brasileiro, seus livros eram de mais fácil compreensão, o fato é que peguei gosto com os livros a partir dele.

    ResponderEliminar
  38. Olá, Luma, boa tarde! Muito legal o que escreveu! Essa semana começou um projeto de Leitura na Creche onde trabalho. Autor: Monteiro Lobato. Precisa ver, até no Berçário, os pequeninos folheando os livros... As personagens estão espalhados por todo espaço. Uma lindeza!
    Abraços, Lécia Freitas

    ResponderEliminar
  39. Olá Luma, cheguei aqui através do blog da Ana Paula - Do Lado de Fora do Coração- e adorei! Já li alguns de seus textos e gostei do seu estilo e dos temas que escolhe.
    Sou uma leitora ávida, tenho uma biblioteca com cerca de 2500 livros, sem contar os que já doei. A maioria é de literatura e poesia, ciências humanas (psicologia, filosofia, antropologia…) e arte.
    Comecei a ler muito cedo, por volta dos 4 ou 5 anos e desde então não parei mais. Li tanta coisa…mas o que me marcou mesmo foi O Livro de Ouro da Mitologia de Thomas Bllfink, repleto de imagens incríveis, que li aos 10 anos. Foi a abertura e o chamado para o que seria minha vocação.
    Voltarei sempre.
    Abraço

    ResponderEliminar
  40. Não li esse livro do "Menino do dedo verde", aliais tinha preconceito com ele na época da escola kkkkk. Adorei saber do seu hábito de poetar de madrugada, é uma coisa muito curiosa essa relação do artista com a madrugada. Tenho muitos amigos que adoram escrever quando estariam dormindo. Dizem que é quanto dá inspiração.

    ResponderEliminar
  41. Luma, que lindo esse video de dança! Eu confesso que brincava muito de dançar, mas não tive jeito pra bailarina. Lia muito porque tinha incentivo em casa,mas não tinha tantos livros,apesar que meu pai tinha a coleção do Monteiro Lobato que foi meu começo. Ia na biblioteca e ali buscava outras viagens! Pena que hoje já não exista mais esse hábito de ir á biblioteca! Adorei o seu post e tb relembrar " O menino do dedo verde" com vc! bjs,

    ResponderEliminar
  42. Querida Luma
    Terceira tentativa para comentar!
    Muitos parabéns pelo tema e pelo seu excelente texto.
    Gostei também muito do vídeo:quando criança(e ainda agora)gostava muito de cantar e dançar! Aprendi a tocar piano.Era uma festa!
    Quando completei 3 anos,ensinaram-me a ler.No dia do meu 4º aniversário,uma das prendas foi um livro em pano duplo,muito bonito,cheio de desenhos:era a História da Gata Borralheira.De então para cá,nunca mais parei de ler.
    Iam-me oferecendo de acordo com o meu nível etário,até que um dia li um que estava no«Índex» - lista de livros proibidos em Portugal.
    Peguei nele sem saber que não podia(devia?)
    Na altura não fiquei muito escandalizada.Afinal aquilo era tudo ficção!(Só que se fazia tudo exactamente na realidade)
    Agora devo agradecer-lhe pelo contributo que me trouxe:eu desconhecia totalmente o livro«O Menino do Dedo Verde»!!!
    Já estou a imaginar como seria bom encarnar Tistu!
    Bem Haja
    Um beijinho
    Beatriz

    ResponderEliminar
  43. Eu li esse livro e tenho-o até hoje, praticamente novo, encapado com plástico transparente. Era assim que conservava meus livros, encapados com plástico transparente.
    Dei pra minha filha ler e ela não conseguiu. Achou muito chato. E olha que sempre me via e me vê com livro na mão. Acho que nem é questão de ofertar ou dar exemplo. Tem gente que realmente não gosta de ler. Pena...Mas ainda tenho esperanças.
    Beijos, boa semana!

    ResponderEliminar
  44. O menino do dedo verde também está entre os livros que marcaram minha infância. Presenteei alguém com um exemplar, pois amei esse livro e essa pessoa presenteada era chamada em minha cidade de "vereador do dedo verde", por se preocupar com arborização, etc. Ele nunca abriu o livro. Não é à toa que é o meu ex.
    Abraço!

    ResponderEliminar

Tenha identidade, não seja anônimo na web. Crie sua identidade virtual.

...bisbilhotaram em quietude, sem solidão

PlagSpotter - duplicate content checker tool
Licença Creative Commonsget click

Algumas coisas não têm preço


finalista the weblog awards 2005finalista the weblog awards 2006
finalista the weblog awards 2007weblogawards 2008
Verificar conteúdo duplicado

Me leve com você...

Leia o luz no seu celular

Copyright  © 2014 Luz de Luma, yes party! Todos os direitos reservados. Imagens de modelo por Luma Rosa. Publicações licenciadas por Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial- Vedada a criação de obras derivadas 2.5 Brasil License . Cópia somente com autorização.

Tem sempre alguém que não cita a fonte... fingindo ter aquilo que não é seu.

Leia mais para produzir mais!

Atenção com o que levar daqui. Preserve os direitos autorais do editor