Imaginação ou ponto de referência?

Luz de Luma, Yes party!
Tudo perdura no tempo, mas torna-se tão pálido como aquelas fotografias muito antigas que ainda foram fixadas em chapas metálicas. A luz e o tempo retiram das chapas as tonalidades nítidas e características dos traços. É preciso rodar a fotografia e encontrar uma certa refracção da luz para podermos reconhecer na obscura chapa metálica a pessoa cujas feições foram absorvidas pela placa. Deste modo se desvanecem no tempo todas as lembranças humanas. Mas um dia, a luz cai dum lado qualquer e tornamos a ver um rosto.

in "As velas ardem até ao fim" de Sándor Márai.

A flor era rosa ou vermelha? Ou era apenas uma flor? Será que tudo o que não se lembra, deixou simplesmente de existir ou, será que existiu realmente? Se a memória não grava a lembrança, detalhes passam a ser referência de parte de um momento que a nossa imaginação se encarrega de preencher com detalhes atualizados. Nossa imaginação pode se intrometer em nossas lembranças? Será que tudo o que enxergamos no presente, pertencente ao passado, realmente existiu?

Se temos imaginação para sonhar, porque a imaginação também não pode criar um passado "confortável"? E dentro deste sonho, você dorme para sonhar e se ver livre do turbilhão de registros que se tornou a sua imaginação...

*Curiosidade: Sándor Márai, apesar de húngaro e nunca ter visitado o Brasil, escreveu o livro: Veredicto em Canudos (tradução de Paulo Schiller, Companhia das Letras) sobre a guerra de canudos, com uma intimidade desconcertante que faz supor que fosse um nativo. Como ele conseguiu a façanha? Simples...  Quem lê viaja por lugares que jamais imagina um dia pisar e neste caso, ele leu "Os Sertões", de Euclides da Cunha; relato da insurreição liderada por Antônio Conselheiro em Canudos, no final do século XIX.

Outros escritores conhecidos também tiraram uma casquinha de "Os Sertões", como o peruano Mario Vargas Llosa em "A Guerra do Fim do Mundo" e o argentino Jorge Luis Borges em "Três Versões de Judas"

Os sertanejos parecem estranhos a muitos brasileiros, o mesmo não se supõe à civilização... 

Leia mais! Quem lê vive mais, pelo menos mais vidas além da própria vida. E tome cuidado, a Menina Voadora pode dar asas para a sua imaginação!

Uma semana colorida para vocês!

Assine para receber os textos desse blogue em seu e-mail ou acompanhar pelo Facebook

51 comentários :

  1. Querida Luma
    Um escritor vai sempre «beber» a um outro.
    Mas a imaginaçao so por si nao e tudo.Precisamos de vivencias,julgo eu.
    Parabens pelo texto e por todas as referencias.
    Uma boa semana.
    Beijinhos
    Beatriz

    ResponderEliminar
  2. Explicar o tempo, seria como provar fisicamente a existência de Deus, Tanto a imaginação como a realidade nos servem de referências para que a luz (conhecimento) venha a brilhar. Os universos existem dentro e fora das nossas mentes, Guimarães Rosa também foi feliz ao levar as veredas (internas e externas) ao conhecimento do mundo. Um bom escritor tem que se enquadrar dentro e fora do seu tempo biológico levando seus leitores a uma viagem onde as realidades se confundem com as fantasias. Resta ao leitor descobrir o que foi "fato" ou apenas "boato" imaginativo.

    ResponderEliminar
  3. kkk...Quer dizer que eu sou perigosa agora?...rss...morri de rir! Luma,como sempre sua abordagem do tema ultrapassou os limites da imaginação. Se a nossa imaginação ganha asas, a sua tem um foguete!...rss...genial! Bjs e boa semana,

    ResponderEliminar
  4. Tua imaginação foi grande,Luma e desejo uma linda,colorida e imaginativa semana,bjs,chica

    ResponderEliminar
  5. Luma, prezo muito as lembranças. Elas eternizam imagens de momentos singulares. As fotografias ajudam a memória a trazer de volta as nuances, ainda que desbotadas na imagem.
    Uma semana colorida pra você também!
    beijo, menina

    ResponderEliminar
  6. O Sándor Márai aborda a questão da memória e da imaginação de maneira bastante crível. Ao escrever o meu "Cacos da memória", por vezes recorri à imaginação para preencher lacunas que me faltavam à lembrança.
    Parabéns pelo texto, está ótimo. Abraços.

    ResponderEliminar
  7. Imaginação ou ponto de referência, Luma, a verdade é que os desenhos acrescentaram muito à imagem... como, aliás, ocorre no cotidiano. :) Belo post, boa semana!

    ResponderEliminar
  8. Aprendi que as lembranças são baseadas no sentimento...aquilo que nos impressionou fica guardado e nem sempre é o fato em si. Por isso que existem as lendas... são reais??? Um dia foram ... quem sabe???
    Bom dia minha alegria...como sempre viajando nas suas ideias... e adorando o passeio ...beijão.

    ResponderEliminar
  9. Que bela imaginação, Luma
    Te desejo uma semana repleta de cores e alegrias
    Beijinhos de
    Verena e Bichinhos

    ResponderEliminar
  10. Oi Luma,
    Quando eu li "Grande Sertão: Veredas" viajei incansavelmente.
    Eis que um dia, a Valéria, do blogue Amores no Velho Chico, convidou-me para acompanhá-la em uma parte da Expedição lá pras banda da cidade Paredão de Minas.
    É claro que fui.
    E como eu já havia mergulhado no livro, foi só refazer o caminho.
    Muito bom.
    E viva Cervantes!
    Beijão.

    ResponderEliminar
  11. Interessante esse texto... faz refletir. Por isso que dizem, qdo estamos passando por algum problema, que amanhã tudo será diferente. Realmente as cores, os detalhes, mudam e ficam "confortáveis".

    Eu sempre digo isso sobre a leitura. Ler nos dá asas, nos transporta para lugares e realidades totalmente diferentes. Por isso que não fico sem ler.

    Obrigada pelo carinho no meu niver, sinta-se esmagada.

    Ótima semana!

    ResponderEliminar
  12. Luma a mais intelectualizada da blogosfera abre também a nossa imaginação e por que nossa cabeça, com assuntos inimagináveis como esse das fotos que ainda não foram fixadas em placas metálicas! Como eu haveria de supor? Bacana saber que alguns não menos famosos tiraram a casquinha dos Sertões. Imaginação é nosso elixir, combustível que nos toca pra frente! parabéns! Rica postagem! linda semana!

    ResponderEliminar
  13. Luma, ler abre para nós uma janela enorme, uma chance de se conhecer outras culturas, de aprender coisas novas que se não fosse pela leitura dificilmente teríamos acesso, e, ainda, acho que quem lê tem mais material para imaginar.

    Boa semana ;)

    ResponderEliminar
  14. Tenho uma maquina fotografica dessas, com lamina de aco,lendo vc hoje lembrei dela, me deu vontade de voltar a usar ;-)

    ResponderEliminar
  15. Eu viajava sempre para um mundo desconhecido, nas palavras de meu professor de história.

    ResponderEliminar
  16. Luma, mais um post incrível!!
    Confesso que vivo dando asas à minha imaginação, sou muito "avoada"...meu marido sempre me xinga, que ando na rua "viajando" e as pessoas ficam olhando para me cumprimentar e eu nem tchum! Adoro ler, realmente com a leitura podemos conhecer vários lugares sem sair do lugar!
    E quanto à nos lembrarmos daquilo que é confortável para nós, acho que tendemos a isso mesmo, existem coisas que queríamos que nunca tivesse acontecido, e que com o passar do tempo meio que mudamos isso a nosso favor. Talvez seja uma fuga da nossa culpa.
    Um grande beijo!!

    ResponderEliminar
  17. Oi, Luma! Interessante, fui lendo o texto e pensando "acho que faz parte da semana colorida da Anne". Sabe que me deixou pensando se de fato a imaginação é aquilo que parece, no que tange às lembranças. Tenho ótima memória, principalmente para os momentos de boas lembranças, e talvez seja importante essa imaginação seletiva, que resgata do passado aquilo que fez bem. Mesmo que plante na cenas umas rosas vermelhas para enfeitar. ;)
    Um abraço!

    ResponderEliminar
  18. Que texto lindo, Luma. Quem escreve assim recebeu um dom especial. Palavras lindas se misturam a fotografias, embeleza tudo ainda mais.

    ResponderEliminar
  19. Muito interessante. Realmente não dá pra saber o que pertence à nossa imaginação e que realmente existiu. E não dá pra perguntar pra outras pessoas, porque cada um guarda uma lembrança do seu jeito não é mesmo?
    Bjos

    ResponderEliminar
  20. Ah Luma, Sertão! mas tão lindo! E aquelas melodis tãao únicas! Claro que não estive no sertão. Mas fiquei apaixonada pelas novelas que passaram aqui quando eu tinha tempo de ver e apreciar as novelas brasileiras únicas.
    Li este livro e foi marcante!
    Um grande abraço e aparece para um chá! :) . bjis****

    ResponderEliminar
  21. Luma adorei tua crônica, é verdade através da leitura podemos conhecer o mundo todo e em épocas diferentes, eu leio muito e quando não tem algo novo releio algum livro que me marcou, beijos Luconi

    ResponderEliminar
  22. Luma, tenho gostado de estar por aqui... Você nos leva a imaginar de uma maneira bem construtiva! Muito boa sua participação!!
    Li os Sertões/Euclides da Cunha, fantástico! Amo ler e, realmente, a leitura nos ensina a ver, sentir e voar multiplicadamente...
    Beijos e Boa Semana........................................

    ResponderEliminar
  23. Bom dia Luma,
    A imaginação faz parte do ser humano, se estamos tristes a imaginação torna-se mais afoita, viajamos para lugares onde imaginamos encontrar a felicidade.
    Boa participação!
    Abraços
    Lua Singular

    ResponderEliminar
  24. Sua postagem me fez lembrar que qdo criança eu entrava para dentro dos livros, viajava e não queria mais voltar, é como se saísse do corpo, estranho!
    Minha mãe ficava tão preocupada que me proibiu de ler, mas mesmo assim eu me escondia no porão e lia muito.
    Fiz cirurgia dos olhos a seis meses e ainda não ganhei alta para a leitura!
    Boa semana! bjssssssss

    ResponderEliminar
  25. Um texto limpo e com conteúdo. Mensagem de amor, criatividade, ler seus texto é sempre um aprendizado, abraços..

    ResponderEliminar
  26. Realmente, Luma
    Real ou imaginário uma grande questão. Na clínica quando atendemos membros familiares e lees nos falam sobre a história familiar e se remetem às lembranças, muitas vezes parecem que estamos ouvindo histórias de outra família. A percepção, significação e memórias fazem toda a diferença.
    Muito boa temática que trouxe por outra vertente para se pensar. bjs

    ResponderEliminar
  27. Luma, belíssimo texto, como sempre nos presenteia!
    Quem lê viaja pelo mundo inteiro sem sair de casa!
    Adoro!!!

    A obra "Os Sertões" é mesmo desconcertante! Prima pelos detalhes, em uma linguagem incrível que conta com muita, mas muita mesmo, riqueza de detalhes a vida sertaneja. Não é a toa que tantos autores consagrados "bebem" do texto de Euclides da Cunha, uma vez que o livro contribui para tantas ciências como a sociologia, geografia, história e ainda uma infinidade de coisas! A imaginação fértil aliada a uma boa leitura, pode fazer milagres!!

    Perfeito amiga, tenha um dia maravilhoso, deixando a imaginação fluir livre, leve e solta!!! Beijos!!!

    ResponderEliminar
  28. É isso mesmo, quem ler viaja o mundo sem sair de onde está.
    Um conceito dos grandes mestres pensadores e sonhadores, ainda hoje sonhamos sim acordados para vislumbrar um mundo de belas fantasias para os tornar uma realidade.
    Um texto de prima. Parabéns.
    Abraço

    ResponderEliminar
  29. Texto belíssimo! A imaginação vem a qualquer segundo, saio da real muitas e muitas vezes rsrsrs .............
    E nos livros então, ah perco noção de onde estou.

    Beijos.

    ResponderEliminar
  30. Sándor leu os Sertões. Eu tenho aqui em casa, e não os li. Decerto, quando iniciar a leitura, cairei no mundo da imaginação também. Um mundo que nos abraça e faz sonhar como uma fotografia. Pode perder a cor, mas está ali na memória do encantamentos.
    Lindo seu texto, imaginativo e informativo também.
    bjo zizi


    ResponderEliminar
  31. O Luma,
    Eu adicionei certo e quando você clica em qualquer um embaixo aparece um endereço diferente e mais acima dentro de um retângulo aparece o link. De todos estão assim, é só conferir
    Obrigada pelo mimo.
    Beijos
    Lua Singular

    ResponderEliminar
  32. Luminha, enquanto lia o seu texto pensava nos psicotpatas que mentem e que acreditam em suas mentiras como se fossem verdades. Talvez alguma disfunção, faça a pessoa distorcer a verdade e acreditar naquilo que ela gostaria de realmente se lembrar. O passado conforme o tempo passa fica nebuloso e se não tivermos as referências que citou, esqueceríamos completamente. Não lembro mais do rosto e até mesmo do nome de pessoas que estudei e outras que convivi. Já me esqueci de muitas passagens da minha vida que acho estranho outras pessoas narrarem. As minhas lembranças se apagaram e se tornaram um filme imaginativo quando estou conversando com outras pessoas do passado. Como se não estivesse vivido. Estranho. No futuro, quando envelhecer, talvez não me lembre de mais nada e caducamente irei imaginar uma vida cheia de amores, flores e sorrisos. Abçs. saudosos.

    ResponderEliminar
  33. Creio que em relação às nossas memórias temos um pouco de um tudo...imaginação, ponto de referência, construção dos brancos que se fazem e dejavú tb.
    Beijuuss Luma

    ResponderEliminar
  34. Oi Luma! Há um abismo entre a imaginação e a realidade. Porém, é na imaginação que se gera material criativo para enfrentar a realidade, por mais dura que ela seja. Beijo e excelente semana!

    ResponderEliminar
  35. Oi Luma! Vim reler suas belas postagens e responder sua pergunta: será que o mundo está ficando sem imaginação? Eu acho que se o homem não buscar mais a criança dentro dele a imaginação irá mesmo desaparecer cada vez mais!...rss...bjs,

    ResponderEliminar
  36. Luma! Belo texto.A imaginação nos leva a colorir as lembranças e a leitura nos faz fértil de imaginação.Parabéns pela postagem.Amei.Forte abraço Eloah

    ResponderEliminar
  37. Penso que percebi o enquadramento desta postagem ...
    Fiquei matutando no texto: tempo, imaginação, lembranças e nessa interação/retenção do que, para cada um, faz sentido ser agradável como passado. Intuitivamente, tenho necessidade de registar ações/tarefas quotidianas. Se o não fizesse parecia que os dias haviam passado a meu lado, como sombra; assim, consigo referências e ter um passado mais fiel :) Nunca tinha pensado por que razão eu sentia essa necessidade. Acho que agora sei (como vê, visitar seu cantinho também me enriquece, não só a leitura de obras).
    Adorei, assim como a "Curiosidade".
    Bjo, querida Luma :)

    ResponderEliminar
  38. A nossa imaginação é origem de tudo e também ponto de chegada.
    Somos a mente e vimos através dela.

    beijinhos

    ResponderEliminar
  39. "Os Sertoes" e um livro que ainda nao li, mas ensaiei varias vezes. Quando fui a Bahia, tive que visitar Canudos e sou apaixonada pelo sertao e as historias, que sao historias de vida da minha familia, que veio de la. Talvez por isso ainda nao tenha conseguido ler o livro. Beijos... (desculpe a falta de acentos).

    ResponderEliminar
  40. Olá, Luma! Espero que esteja ótima!
    Falando em memória, aqui pertinho há uma cidade onde Euclides morou para construir a bela ponte "Euclides da Cunha". Lá há museu e uma represa linda com o nome deste escritor de vida tão conturbada.
    A semana cultural "Euclidiana" também é um evento belo em homenagem a ele... a cidade é São José do Rio Pardo - SP.

    Beijão procê.

    ResponderEliminar
  41. minha linda no jogo das ilusões versus quimera , a ilusão é uma quimera que se torna realidade...É só querermos não? Beijos e muita luz Luma.

    ResponderEliminar
  42. A leitura é uma viagem sem sair do lugar mesmo e o leitor cria os ambientes da trama e a fisionomia dos personagens. Tudo fica na imaginação. E a foto escolhida por vc está ótima. A realidade misturada com a fantasia. E nossas memórias muitas vezes nos traem, tanto na questão da "fantasia bonita do passado" quanto nos traumas. Bjssss

    ResponderEliminar
  43. A leitura abre nossa mente e nos ajuda a sonhar.Vez por outra também gosto de voltar aos clássicos da nossa literatura brasileira e percebo o quanto com eles aprendí e quanto nas minhas falas é fruto das coisas que li.
    Abraços Luma,bom dia!

    ResponderEliminar
  44. Leitura e imaginação - pelo menos pra mim - sempre andaram de mãos dadas! Pena que nem todo mundo se dá conta, nzé? Hehehe! Ótima e pontual a tua crônica, Luminha! "Dorei!!! Beijos!!!

    ResponderEliminar
  45. Sempre que se questiona a capacidade de memória, lembro de Gabriel Garcia Marques, e da sua personagem que viveu mais de cem anos, em Cem anos de solidão. Ainda que eu saiba que a obra é classificada como realismo mágico, me faz questionar, sempre, até que ponto a memória nos é fiel?...
    Consta que um dos apóstolos contava com os seus 92 anos de idade, quando escreveu o evangelho. Uma vez que, a minha memória me trai ao 47, acho isso tão estranho... Ah, mas aí tem o viés divino, ou seja inspiração divina, portanto, inquestionável.

    Meu marido nasceu dia 2 de janeiro, mas já chegou a teimar com um amigo de infância, que não, que seria dia 1º. Seu amigo afirmava que era dia 2, e estava certo, e o meu marido ainda foi perguntar à mãe dele a data correta para 'tira-teima' kkkkkk e ficou com cara de tacho. Ninguém mais confia na memória dele, coitado, morro de pena rs

    Ainda do Gabriel, em O amor nos tempos do cólera: "...a memória do coração elimina as más lembranças e enaltece as boas, e que graças a esse artifício conseguimos suportar o passado." Acho tão certo, isso... e que bom, né?!

    bjs

    ResponderEliminar
  46. Oi Luma: a imaginação é um combustível e muitas vezes, válvula de escape! Caminhar para mim é muito prazeroso e eu aproveito para ir ouvindo os sons do percurso: aqui, as marolas da lagoa, as gaivotas e quero-quero; se na serra, os pássaros e a brisa leve... nem vejo a hora passar! Bjks Tetê

    ResponderEliminar
  47. Que lindo as figurinhas na imagem, Luma!

    Fico aqui pensando que tenho o hábito de apagar lembranças. De ficar lembrando apenas de coisas que me fazem bem...

    Lembrou-me também de uns parentes que cada vez que contam um fato acontecido com eles, contam de forma diferente e cheio de detalhes que antes não tinha. Fica o ponto de referência recheado de imaginação.

    Beijos!

    ResponderEliminar
  48. Luma, faço uma reverência em tua homenagem, tu mereces todas!

    Lendo teu post, lembrei de algo da minha juventude: eu sonhava com um moço me dando um presente, uma flor. Um belo dia ele bateu em minha porta com uma rosa amarela. Sonho...realidade...lembranças.
    A minha memória gravou o momento e os detalhes.
    Pode até não ter nada a ver com o teu texto, mas foi a lembrança boa de um sonho.
    Bjim, cosquirídia.

    ResponderEliminar
  49. Discipino-me para ler. Às vezes preciso de disciplina parra não me dispersar e, se a dispersão vence a atenção, desisto.
    Outras vezes não. É quando sou engolida, deglutida pelo livro. São momentos de glória!
    Seja feliz.

    ResponderEliminar
  50. Oi Luma,
    Passando para lhe desejar um ótimo dia.
    Beijos
    Lua Singular

    ResponderEliminar
  51. Oi Luma,
    Desculpa a demora do comentário, pois não estou bem de saúde.
    Terminei agora de responder os comentário n'outro blog com os pé dentro de uma bacia com água e gelo. É mole?
    Beijos
    Mundo dos Inocentes

    ResponderEliminar

Tenha identidade, não seja anônimo na web. Crie sua identidade virtual.

...bisbilhotaram em quietude, sem solidão

PlagSpotter - duplicate content checker tool
Licença Creative Commonsget click

Algumas coisas não têm preço


finalista the weblog awards 2005finalista the weblog awards 2006
finalista the weblog awards 2007weblogawards 2008
Verificar conteúdo duplicado

Me leve com você...

Leia o luz no seu celular

Copyright  © 2014 Luz de Luma, yes party! Todos os direitos reservados. Imagens de modelo por Luma Rosa. Publicações licenciadas por Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial- Vedada a criação de obras derivadas 2.5 Brasil License . Cópia somente com autorização.

Tem sempre alguém que não cita a fonte... fingindo ter aquilo que não é seu.

Leia mais para produzir mais!

Atenção com o que levar daqui. Preserve os direitos autorais do editor