Chuvas de verão. Saudades?

Luz de Luma, Yes party!
Enquanto lia o texto "Sagrada Gota" da Monica Othero onde ela diz das mudanças de um certo rio que antes era caudaloso e hoje é um rabisco de rio, lembrei-me de alguns rios da minha infância que praticamente viraram córregos.

Acho que todos vocês conhecem a mesma trajetória de vida de um rio, pois não há cidade que eu visite, que algum morador venha contar do outrora grande rio que passava por ali. Para onde foram as águas desses rios?

Na minha cidade natal havia o Rio Mandu, que antes da inauguração dos Clubes Campestres, era a dor de cabeça para muitos pais na época do verão. Esse mesmo rio, em época das cheias provocava muitas enchentes. O Rio foi drenado, foi desviado para a construção de uma avenida e foram criados diques. Atualmente, cadê suas águas? O Rio secou e os diques estão lá para conter água nenhuma.

O Rio Mandu desemboca no Rio Sapucaí Mirim. Esse rio era capaz de sugar os aventureiros nadadores em seus redemoinhos. Foi ali que aprendi a nadar, após o naufrágio da canoa em que estava - eu era bem pequena e meus irmãos balançaram a canoa propositalmente até que ela virasse: "Assim ela aprende a nadar...", disse meu irmão. Faltava-nos  juízo!

Perto dali meu pai mantinha um rancho de pescaria e foi nesse mesmo lugar que aprendi a nadar, que meu pai perdeu um amigo que se afogou... Desse rio sumiram os peixes - lambaris, mandis, piaparas, curimbatas, entre outros, também por causa das dragas de exploração de areia; ele desbarrancou e agora quase que se nivela ao nível da terra.

Depois de tanto estrago e de ter perdido muito terreno nas beiradas dos rios, a Marinha (Operativa) do Brasil, vem exigir mais quinhão de terra dos proprietários de terras onde passam os rios, além é claro, do que o Ibama exige do que seja destinado para as reservas ambientais dentro ou fora da propriedade de terra rural. Independe se é no lugar onde as terras estão registradas, pois se atrapalha a lavoura, o agricultor pode comprar um terreno para fazer uma reserva florestal para o governo. Haveria de ser assim para condomínios de prédios e casas - uma fatia para plantar árvores frutiferas - Coisa que o governo deveria fazer no passado antes de fechar os olhos para o desmatamento.

Entra ano e sai ano, com a temporada de chuvas também é inaugurada uma temporada de tragédias. Foi-se o tempo em que o barulhinho da chuva era algo relaxante. E as águas da chuva pedem passagem, mas por qual caminho, se não existem mais os rios? A natureza segue seu curso e se os rios foram deflorados, ela invade as cidades. Simples assim.

REQUIEM POR UM RIO MORTO

Eu caminho lento
porque a estrada se fez mínima.
As pedras são fantasmas,
as árvores, monstros esquálidos,
com os braços já raquíticos
tentando, num abraço fúnebre,
parar um só vivente...
Sou eu...

Eu caminho lento
porque desabou o céu.
Os astros fundiram-se
numa poeira cósmica
que sufoca, impertinente,
um só vivente...
Sou eu...

A estrada fez-se mínima.
Sem pressa...
Sem medo...
Encontro-me na imensa necrópole
de um só túmulo.
Cova rasa,
cova grande,
cova pobre
de um morto universal.
Sem uma prece...
Sem uma flor...
Sem uma lágrima...

Prece?...
O som rouquenho
de gargantas metálicas
a vomitar, intermitente,
a alquimia digerida
de monstros distantes.

Flor?...
A brancura química
de espuma informe e fétida
que passeia, irreverente,
pelo dorso frio
deste morto universal.

Lágrima?...
Quisera eu chorá-la:
Uma lágrima imensa
que purificasse a mácula
deste morto milenar.
Uma lágrima que fosse o bálsamo divino
milagre novo de vida.

Prece?...
Eu quisera gritar agora...
Rolar pedras de todos os túmulos...
Desafiar as forças cósmicas...
Desrespeitar todas as leis físicas...
Desvendar todos os mistérios...
Invocar a divindade bíblica:
- Lázaro, levanta e anda!

- Meu Paraíba,
Rio de todos nós
Meu cadáver universal
Vive e deixe-nos viver!


Poema do Professor Antonio Maciel (in memorian), declamado por ocasião da "Missa in memorian a um Rio Morto", em 20 de setembro de 1981, na Ponte sobre o Rio Paraíba, em Caçapava, SP e posteriormente publicado nos "Cadernos das Faculdades Integradas Teresa D'Ávila / Lorena / Santo André" - n° 12.

Imaginam quantos poemas em memória dos rios poderíamos escrever? 

Progresso nem sempre quer dizer "qualidade de vida". Devemos repensar se realmente queremos indústrias e mais indústrias consumindo nossas águas e escaldando nossos solos de dejetos. Pois já não temos mais chuvas em uma época em que se inaugurava as chuvas de verão. Teremos que fazer a dança da chuva? Os reservatórios estão em baixa e muitas cidades na região Sudeste estão sem água e isso tende a se alastrar.

6ºC Essa é a previsão de aumento da temperatura média do Brasil até o final do século, a mesma variação registrado no Rio ao longo do mês de Janeiro.

 Por duas vezes, no último mês, tive que tomar soro no hospital. Talvez se eu fosse mais gordinha, tivesse maior concentração de água no corpo e não me sentisse tão mal. O nosso corpo interage com o ambiente e a situação que estamos vivendo nos últimos dois meses, no mínimo serve de treinamento para o que virá.

O mundo não acabará com as mudanças climáticas, mas ficará bastante desagradável viver na terra. Desagradável não é nada se comparado ao que acontecerá na África, no Nordeste do Brasil e na Ásia. Insuportável será a seca, a fome por causa das plantações destruídas e os apagões, como os que aconteceram nessa semana que serão mais frequentes.

No Brasil, apenas 6% do total do volume de água que temos, estão em ótimas condições de uso e temos 12% de toda a água doce do planeta, levando em consideração que olhando a terra de cima, temos apenas 25% de água doce, o resto da água da terra é salgada. Vale dizer que 80% da nossa água se encontra na Amazônia e lá moram apenas 5% da população brasileira.

Você sabia que para produzir 1 xícara de café são necessários 140 litros de água? Sim, existe um processo até o café chegar pertinho de você. A carne de boi é vilã, pois consome a cada quilograma, 15.500 litros de água.

Não conseguimos economizar água e energia no presente, que dirá para o futuro, mas se existe uma poupança, ela deve ser feita contra o desperdício. Pense antes de comprar, pense no quanto de lixo você produz. Pense no peso das suas ações.

Sugestão de Leitura:
"Lembranças de um Rio" - Texto do amigo blogueiro Vitorio Nani.
"Lento Cataclismo" - Daniel Galera 

Assine para receber os textos desse blogue em seu e-mail ou acompanhar pelo Facebook

57 comentários :

  1. Oieee, eu cresci as margens do rio Ipiranga , onde D. Pedro deu o grito, ele fez parte da minha vida por 16 anos, pegamos enchentes, depois nos mudamos para um apartamento no mesmo bairro, mas lembro me do teatro da Idependência no rio tb, fora o trajeto diário pra levar minha irmã no pré, infelizmente ele já era poluído, você tem razão o ser humano está esquecendo de preservar o que ainda resta, o que eu admiro aqui nos States é o respeito que os americanos tem com a natureza, cheguei aqui e fiquei maravilhada com os rios, de ver peixes, patinhos e até castorzinhos, é de tirar o chapéu, acho que o brasileiro tem que se conscientizar , mas ta díficil né :( , beijinhos flor!

    ResponderEliminar
  2. Luma. Texto intenso, necessário, urgente. Nem mesmo com tantas evidências do desequilíbrio natural e suas consequências para a vida animal e humana, as pessoas abrem mão de desperdiçar recursos para seu conforto e prazer. Definitivamente, progresso, nem sempre, é qualidade de vida.
    Beijo, menina

    ResponderEliminar
  3. Maravilhoso texto e poesia! E escreve daqui do RS onde temos a maior temperatura do Brasil e está INSUPORTÁVEL!!! bjs, tudo de bom,chica ( Aliás o RS está uma MA-RA-VI-LHA!!! Venham todos, conhecer : A cidade está um forno( isso ,culpa da natureza), estamos sem ônibus há 14 dias, sem correios,água, luz, sem SEGURANÇA( isso sempre!!!) e os governantes todos SEM VERGONHA na cara!)) beijos,indignados,chica

    ResponderEliminar
  4. Luma, é assustador os números citados. Mais assustador ainda é a falta de consciência do ser humano. E o não querer ter consciência. A maioria não está nem aí, achando que sempre haverá tudo para todos. Que tudo é balela. Deixa eles...
    O mal da humanidade Luma, é a ignorância humana, infelizmente. Pode ter certeza se não fosse assim... tudo estaria melhor nessa vida...

    Mas o ser humano não quer aprender de forma alguma e se fecha para o aprendizado...

    Muito bom seu texto.. Um desabafo não é? E triste o poema... Um apelo, uma dor, também um desabafo..
    E é verdade..foi-se o tempo que a chuva mansa era música pros nossos ouvidos.. era calmaria..
    Conhece aquela música: "para mim, a chuva no telhado, é cantiga de ninar, mas pro pobre meu irmão, para ele a chuva fria, vai entrando em seu barraco e faz lama pelo chão"

    E o governo nem aí pra eles, mas a copa virá com seus esplendorosos estádios... Revoltante..

    FIque em paz e vamos fazendo nossa parte... é o que nos resta..

    Luma, obrigada pelo convite ao grupo. Aproveito para comemorar os 3 anos de muito amor do Bolhinhas de Sabão para Maria.. Dà uma passadinha lá.. Está tendo sorteio como comemoração.
    Beijos e bom fim de semana..
    www.bolhinhasdesabaoparamaria.com.br

    ResponderEliminar
  5. É, só que a diferença de 6 graus que é prometida para um seculo, na Região Sul do Brasil aconteceu em 10... complicadissimo. Faço uma caminhada diaria de 17 minutos para chegar até o ponto de onibus, e hoje fiquei exatos 6 minutos indiretamente exposto ao sol; meus braços queimaram como se tivesse passado uma tarde na praia... e desde quarta, até segunda, todos os recordes de temperatura máxima em Curitiba serão batidos. As pessoas não prestaram atenção e em especial nos ultimos 4 desandaram a consumir como se não houvesse amanha... vamos economizar? Não, vamos dar um jeito de retirar o sal da agua dos oceanos e seguir desenfreadamente rumo ao termino da passagem da nossa espécie, já que o planeta terá seu jeito de reestruturar... coincidencia boa o assunto, tava conversando com a minha mae justamente sobre estes aspectos, a redução dos rios, a quantidade de apagões e o mal uso da agua. Ela critica e vez ou outra cobra os outros sobre o consumo consciente desde que me entendo por pensante... nos resta educar os que conseguimos, e passar táticas de sobrevivencia aos que vierem! Beijos!

    ResponderEliminar
  6. Luma,

    Eu morei perto de um rio, alias, era muito importante, vinha do alto da serra e depois de quilometros, chegava ao mar. Francamente, não sei mais sobre ele, porque me mudei de cidade. Recentemente, ao comentar com uma amiga sobre a cabeceira dele que era lindíssima, ela me olhou horrorizada, porque ao contrario do que eu me lembrava, ele não tinha "mais nada de bonito". Então, fiquei me perguntando como seria hoje em dia.

    Eu moro numa ilha, cercada da Lagoa de Marapendi. 2 meses antes do primeiro Rock In Rio(1985), a minha irma sofreu um acidente de aviao e caíram lá para cima (perto do Clube Portugues). 1 morreu porque a agua que bebeu estava cheia de bacterias e se proliferam rapidamente em ambiente como o pulmão. A minha irmã quase perdeu o braço e para ser operada, depois lacravam a sala de cirurgias. Isso tem mais de 20 aos. Imaginem só, 20 anos depois!!!!!!!!!!! Com ENORMES condominios e shoppings mandando ver com o esgoto!!!!

    Estou falando do que vi e vejo, lamento demais o que acontece em todo o mundo. É triste demais.

    Beijos

    ResponderEliminar
  7. Tenho acompanhado todos os seus posts minha querida Luma, mas ando sem vontade de comentar... porém continuo gostando muito de todos os seus textos... como não gostar, né???
    Beijão e se cuida !

    ResponderEliminar
  8. Luma! Acho que toda boa cidade brasileira já teve um rio, por cá o São Francisco (Velho Chico) agoniza, antes mesmo da sua transposição, O cerrado sofre com os desmatamento e as plantações de eucaliptos, Já não existem as veredas tão formosas de antes (tempo do Guimarães Rosa) só nos resta assitr o espetáculo da desertificação se nada for feito por esses governantes. Deixo um poema para pensarmos com seriedade no assunto...

    O Cão Sem Plumas
    (João Cabral de Melo Neto)

    A cidade é passada pelo rio
    como uma rua
    é passada por um cachorro;
    uma fruta
    por uma espada.

    O rio ora lembrava
    a língua mansa de um cão
    ora o ventre triste de um cão,
    ora o outro rio
    de aquoso pano sujo
    dos olhos de um cão.

    Aquele rio
    era como um cão sem plumas.
    Nada sabia da chuva azul,
    da fonte cor-de-rosa,
    da água do copo de água,
    da água de cântaro,
    dos peixes de água,
    da brisa na água.

    Sabia dos caranguejos
    de lodo e ferrugem.

    Sabia da lama
    como de uma mucosa.
    Devia saber dos povos.
    Sabia seguramente
    da mulher febril que habita as ostras.

    Aquele rio
    jamais se abre aos peixes,
    ao brilho,
    à inquietação de faca
    que há nos peixes.
    Jamais se abre em peixes.

    ResponderEliminar
  9. Ah então descobri porquê me sinto tão mal no calor, sou magrela... hahaaa Além de insolação, também já tive desidratação e precisei tomar soro, fora o ressecamento de pele.

    A água está mesmo escassa, vendo o Globo Repórter ontem, vi que até o mar morto (lago extremamente salgado que fica entre a Jordânia e Israel) corre risco, pois nos últimos 50 anos o nível de água baixou 22 metros devido a retirada excessiva, principalmente, para irrigação... em relação a outros países, o Brasil está bem, só que, infelizmente, nossos recursos não estão sendo bem utilizados, pois ninguém abre mão de conforto.

    Você fez um bom alerta aqui.

    beijinhos

    ResponderEliminar
  10. O ser humano tem muito de aprender e tu se cuida muito ok, beijo Lisette.

    ResponderEliminar
  11. Num mundo sem livros eu não gostaria de viver, disse o José Mindlin. Concordo com ele. E acrescento: num mundo em que há verões sem chuvas também não.
    Abraço!

    ResponderEliminar
  12. Obrigada por ter voltado e ter reacendido a minha visão, como é bom navegar neste "rio" de sabedoria que é perene, muito bom estar aqui. Beijos.Obrigada pela visita.

    ResponderEliminar
  13. Oi Luma
    Muito preocupante tudo isso que vem acontecendo.É necessário rever como estamos usando esse precioso líquido nas nossas casas, em particular.
    Anseio pela chuva que não vem ,passou janeiro e fevereiro caminha sem previsão.Um desconforto total .
    Boa leitura Luma ,como sempre .
    abraços e bons dias

    ResponderEliminar
  14. Tão triste ver rios se perdendo, árvores serem cortada, recursos naturais se esgotando e como você já disse, muitas crianças já nem conhecem mais os bichos.

    ResponderEliminar
  15. Oi Luma
    É com grande tristeza que assistimos a destruição dos ecossistemas da nossa amada Mãe Gaia. E pior não vislumbramos nenhuma mudança nesse quadro de horrores. Cobramos políticas públicas eficazes para minorar o caos que estamos enfrentando mas e nós? Será que temos contribuído para minimizar esses impactos? Um texto magnífico apropriado para refletirmos acerca de nossa postura diante destas barbáries que tem como objetivo a ganância capitalista.
    Beijos

    ResponderEliminar
  16. Querida Luma
    Nasci perto do rio Douro, que sempre teve e tem um enorme caudal.E navegavel e tem muitas barragens.
    Aqui em Portugal, vamos tendo muita chuva, estamos mesmo em alerta vermelho, devido a subida do nivel das aguas.Nunca tal aconteceu com esta força e em tao pouco tempo!
    O que falta num hemisferio, sobra no outro.
    Parabens pelo seu texto, pois faz pensar duas vezes antes de se tomarem atitudes que poderao vir a ser irreversiveis.
    Bom Domingo.
    Beijinhos
    Beatriz

    ResponderEliminar
  17. Excelente postagem Luma, eu menino nascido nas Minas tão Gerais, onde os rios eram como rama de batatas, sei bem destas memorias que vivem a me sacudir nas lembranças e saudades. Meus rios foram assassinados pela Vale do Rio Doce com sua exploração de minério e outras tantas empresas da mineração. Vi meus mandis, bagres e piaus, sumirem. A lama preta cresceu e desceu o rio, onde era agua, hoje um mineiro fino que serve de estrada. Rios que se enfurecem nas chuvas de Março e levam cidades e vidas. Já náo se pode buscar no rio o frescor, nem as lavadeiras nas suas margens, tudo se foi.
    Notas importantes sobre o consumo da água, que passa desapercebido pela maioria.
    Que linda postagem amiga, poderia aqui ficar falando horas sobre esta questão e situação.
    Parabéns pela excelente partilha.
    Bom domingo com muita paz e que o calor seja leve.
    Meu carinhoso abraço.
    Beijo de paz amiga.

    ResponderEliminar

  18. " Jesus não julga, nem condena. Ele simplesmente ama." (Momento de fé)
    Uma linda e abençoada semana!!!
    Beijos Marie.

    ResponderEliminar
  19. Luma, estou sem palavras para sua postagem... Aqui em São Paulo tem uma Ong chamada Rios e Ruas que faz expedições por córregos que foram grandes rios no passado, a grande maioria desses córregos foram canalizados para dar espaço a prédios e casas e em épocas de chuva se vê grandes enchetes, fiz uma caminhada com eles em 2012 na Vila Madalena e ao ver fotos antigas e comparar com a atualidade do rio Pinheiros, do corrego verde e das corujas fico pasmada em pensar onde foram parar aquelas águas e como o pouco que sobrou parece muito mais um esgoto do que um rio.
    Beijos

    ResponderEliminar
  20. Duas coisas que me deixam profundamente deprimido: pensar na morte dos rios e pensar na extinção dos animais e plantas.

    Muitas vezes me pego a pensar como seria o planeta Terra sem a presença dos humanos. Um lugar magnífico, sem dúvida. Aí, então, indago para mim mesmo, um tanto assustado: será que o homem, que provoca tanto desequilíbrio na natureza, é um erro da Criação?

    ResponderEliminar
  21. Parabéns Luma pois mais este texto magnífico e bem inquietante. Claro que eu faço tudo em prol da natureza, reciclagem, poupança de água mas quem se julga senhor e dono (julgam-se né?) como quem governa e manda fazer obras dantescas, mais cedo ou mais tarde a natureza dá o mote e provoca o caos e morte repondo tudo como quer e manda.

    Desde que me conheço sempre foi assim e recordo palavras sábias do meu avô materno que dizia que o planeta ia ser destruído pelo homem...o pior animal da natureza. Continentes com falta de água, mergulhados nela, gelados e queimados pelo fogo, contrastes cujas consequências são pagas pelo povo porque os "barões" têm tudo e fazem de tudo" sem sofrer danos.
    Hoje Portugal tem toda a zona costeira em alerta vermelho (a mais grave). Chove p'ra caramba e todas as obras projectadas e feitas ao abrigo do famoso "Polis" junto das praias e rios, paredões que não lembram o diabo, restaurantes e cafés com esplanadas XPTO nas beiras e areais da praia...pois bem já quase tudo foi arrasaso e esta tarde e noite ainda será pior segundo a metereologia.
    Alguns rios nascem em Espanha, também a braços com imensa chuva e cheias...resultado? abrem as barragens e aguenta Portugal...enfim!
    Na minha terra há vários rios muito grandes: O Cunene, Bengo e Kuanza, este o meu berço de mil e uma brincadeiras de crianças. Pelo que me vão dizendo de lá, com fotos etc. as margem têm sido preservadas e construção junto...ou desviá-los do seu leito... é algo que não se atrevem. Fizeram apenas mais duas barragens para produção de energia. Mas claro há sempre coisas mal feitas.

    Por vezes questiono-me e falando de Portugal sendo um país tão pequeno bate o recorde em obras faraónicas sem pés nem cabeça?

    A natureza cobra e está cobrando em todos os continentes e mesmo assim o homem não aprende.

    Preferia as chuvas de verão, o calor, o sol...do que este tempo de frio, chuva, cinzentismo cujas políticas mergulharam-nos numa crise feroz e o astral tem andado pelas ruas da amargura...e eu a remar contra a maré:)

    Beijos e um bom domingo e se pudesse mandaria um pouco de chuva para vocês:)

    ResponderEliminar
  22. Ola vim retribuir sua visita e ja estou seguindo seu blog

    é muito informativo, parabéns pelas postagens...

    Eu ando com muita saudade da chuva, minha cidade anda fazendo 38 ºc!!!!


    beijos

    ResponderEliminar
  23. Uau... Me arrepiei lendo seu post. E fico triste, pois tudo isso é a mais pura verdade. Imagino tb como será insuportável viver nessa terra daqui a alguns poucos anos. Eu tento sempre fazer a minha parte, mas infelizmente temos mais pessoas "despreocupadas" do que aquelas que pensam no futuro que vão deixar a seus filhos....
    Um beijo, amore.... Eu já to aprendendo a dançar a dança da chuva. E já to fazendo novenas e promessas. Brincadeiras a parte, precisamos urgentemente dessa chuva que esse ano está passando longe daqui....

    ResponderEliminar
  24. Olá Luma! Que riqueza de blog!
    Obrigada pela visita, que bom que você me encontrou. De fato eu preciso dar mais espaço para os integrais.

    Quanto ao seu texto eu também sinto bastante pelo estado dos nossos rios. Eu trabalho numa pequenina cidade no interior de Sergipe banhada pelo Rio São Francisco. É triste constatar a diminuição contínua do volume das águas e das espécies de peixes que antes eram fartamente pescados ali. Em alguns trechos já não se pode navegar pois a embarcação pode ficar presa na areia. É um quadro devastador.

    Vou seguir seu blog, gostei muito de suas postagens.

    Um abraço,

    Zizi.

    ResponderEliminar
  25. Bom dia Luma,
    Li ontem o seu texto e fiquei aguardando para reler hoje junto com os comentários de seus leitores, que são postagens a parte. Bem que podia ter a opção de Like ao lado dos comentários... Parabéns por instigar tantos testemunhos a partir das suas crônicas.
    Santos e São Vicente estão numa ilha. E o que sente-se são as subidas das marés, invasão das águas nas avenidas ao longo das praias, muretas símbolo das nossas praias sendo arrebentadas com a força das ondas. No nosso vizinho de ilha não é diferente. Toda vez que visito uma amiga que tem oapartamente em frente a praia, noto a diminuição da faixa de areia. A Natureza dá, a Natureza toma de volta!
    Li que o Gov. de S.Paulo prepara racionamento de água por causa do baixo volume nos reservatórios. E continuo vendo fotos pela internet de funcionários de casas "bacanas" lavando calçadas com jatos d'água com mangueiras.
    O clima está enlouquecendo, por assim dizer, porque o ser humano pirou faz tempo.
    Quanto a situação lá do FB do tal grupo criado e que está para ser fechado, só estou assistindo a tudo e aguardando para ver quem vai "apagar a luz".
    Desejo uma semana com muita saúde a você.
    Bjk.

    ResponderEliminar
  26. Chove agora em Recife... meu irmão trabalha na defesa civil, eu moro nas áreas elevadas da cidade.... como ter paz? É domingo, eu não trabalho, mas se chover assim amanhã muitas outras pessoas não terão paz também....

    Esse foi um texto muito duro Luma, daqueles que nos dão um choque de realidade e nos deixam uma sensação de melancolia sem fim... Fico pensando nas crianças que educo, nas mais pequenas ainda aprendendo a balbuciar as primeiras palavras e nas maiores que no brilho dos seus 12, 13, 14 anos desconhecem em sua maioria o peso da morte... em que tipo de mundo elas cresceram e virarão mulheres e homens? Que tipo de desafios malucos e impensáveis elas terão que enfrentar no mundo que está sendo desenhado para que elas vivam neles... Da um desespero pensar! Uma angústia... O Rio do Brejo que corria pela cidade e no qual meu pai nadou quando criança na década de 1970 é uma nojera só.... o Capibaribe e o Beberibe no centro da cidade fedem... fedem tanto que eu brinco que só não podem ser considerados sujos porque uma água que passa por tantos rins não pode ser considerada suja... mas... é um tipo de caus incontrolável... A chuva deixa de ser uma benção a uma terra assolada por um verão inclemente e passa a parecer lagrimas de uma terra demasiado explorada....

    ResponderEliminar
  27. Luma, há mais de 55 anos, quando eu era guria, meu pai já dizia para pouparmos água, pois ela poderia faltar um dia. Que era para bebermos bastante e que a água de Lavras era a melhor do mundo.Como ele poderia saber, se naquela época não havia a comunicação que temos hoje? Desde então eu faço isto.
    Faço minhas as palavras da Chica, tenho a mesma indignação.
    Bjim, cosquirídia! Te cuida!

    ResponderEliminar
  28. Oi Luma, é a Vi, aqui em SP tem uma lei de zoneamento, mas graças a propina, ela não é praticada, todos imoveis deveriam ter uma parte permeável, para dar vazão a água da chuva, mas isso não acontece, uma das muitas causas das enchentes e da sensação térmica..
    Sem contar que moro perto da serra, e assisto o desmatamento imoral das matas, onde tem mananciais, para loteamentos Chics ou invasores que entram desmatam, depois são retirados do local, e então essa terra é loteada por grandes empreiteiras (já tem malandragem no esquema) e ninguém faz nada, todas autoridades, por causa da propina, fingem que não estão vendo nada..
    Esta difícil?
    Se depender das nossas autoridades, vai ficar pior, e enquanto o povo brincar de ficar alienado dos problemas que os cercam, não temos esperanças.
    Gostei de tudo que você falou, o homem tem que se conscientizar que ele faz parte da natureza, e tudo que acontecer com ela vai atingi-lo.
    Beijos,Vi

    ResponderEliminar
  29. Boa tarde, Luma!
    Aqui no interior, a temperatura para fevereiro está normal - quentíssima (30 graus, com possibilidade de chegar a 33 até 16 h 00).
    O que não é normal é a secura. É a pancada de final de tarde que ameniza o calorão. Após dias a seco, ontem choveu leve por meia hora. Nem molhou a terra!
    Nosso sagrado rio Jaguari Mirim está baixo em pleno verão. No inverno poderá faltar água.
    O consumismo exagerado continuará, sem campanhas educativas governamentais, sem conscientização do povo. Sorte que a população parou de crescer!

    Até mais.

    ResponderEliminar
  30. Luma, os rios canalizados nas cidades, já estão sendo reabertos e expostos em várias cidades da Europa! Está provado que foi um erro ocultá--los sob as ruas e avenidas. Aqui http://super.abril.com.br/blogs/ideias-verdes/tag/rios-canalizados/ tem um exemplo. Obrigado pela divulgação da minha postagem. Boa semana. Beijos.

    ResponderEliminar
  31. Luma, esse é um dos posts que a gente pena em terminar de ler, porque é soco atrás de soco, dados alarmantes e deprimentes. É o tipo de assunto que causa desespero e muita agonia, porque começamos a visualizar o futuro como um lugar, de fato, mais desagradável, menos florido e menos tranquilo de se viver.
    Tudo isso por falta de cuidado com a natureza, não só por parte do governo mas também por nossa culpa.
    Mesmo com os sinais gritantes que a natureza vem nos dando, muitos não se dão conta da gravidade da situação e não param pra pensar que os atos de hoje podem ser decisivos para melhorar ou piorar a qualidade de vida na Terra.
    Post muito pertinente, Luma. Post pra sairmos da zona de conforto e realmente mudarmos nossos hábitos antes que seja demasiado tarde.

    Um abraço!
    Sacudindo Palavras

    ResponderEliminar
  32. Ola Luma!
    Infelizmente tem cidades que já estão tendo racionamento de água.
    As frutas, verduras e legumes estão super caros, os rebanhos estão
    morrendo de fome por falta de capim, a seca em alguns estados está
    demais, só Deus p/ ter misericórdia.
    Parabéns pela postagem, todos deveriam ler p/ se educar, pois o desperdício
    de água ainda é demais.

    Bjs, fique com Deus ♥

    ResponderEliminar
  33. Oi, Luminha,

    Achei as colocações muito válidas e pertinentes. Pessoalmente acho que as grandes oscilações de temperaturas, chuvas destrutivas e outras mazelas são fenômenos encadeados e relacionados sim aos atos irresponsáveis e irrefletidos da humanidade. Mas também acho interessante que não haja (pelo menos para conhecimento de leigos, como nós) estudos sobre as consequências climáticas dos testes nucleares feitos em várias partes do mundo.

    Um beijo

    ResponderEliminar
  34. Nossa Luma,o futuro está prometendo uma situação pra lá de quente...As previsões de chuva pra nós não são boas e o pior é que quase nada está sendo feito pra mudar esta situação...

    ResponderEliminar
  35. Você chama a atenção para um assunto de grande importância nacional. O Brasil é extremamente rico em rios, responsáveis por distribuir abundância da natureza e água para toda a sua extensão continental. Ao longo das décadas, muitos desapareceram e como o brasileiro tem mania de deixar tudo para a última hora, não quero esperar passar sede ou fome para então tomar alguma atitude em relação a essa questão.

    Adorei a parte que sugere a destinação de áreas para o plantio de árvores. Se em todas as casas e prédios existissem uma árvore, nosso país teria uma temperatura muito mais amena. Aqui no estado do Rio de Janeiro, é típico dos grandes centros urbanos, as pessoas retirarem as árvores devido ao trabalho em que dá em podar os transtornos quando os seus galhos encostam em fios da rede elétrica e quando suas raízes alcançam as cisternas. O governo deve oferece praticidade e até mesmo descontos para quem tivesse uma árvore em sua calçada. Um sonho distante, infelizmente.

    Bjs
    Teorias do Leão da Montanha
    Curta Teorias do Leão da Montanha

    ResponderEliminar
  36. Luma:
    A natureza grita e pede socorro urgente.
    O homem, ou pelo menos uma grande parte, finge não escutar.
    O resultado a gente sente na pele, dia após dia.
    Quanto ao comentário que você deixou sobre a RETRÔ 2013, foi exatamente o que eu tive que fazer, passar por TODOS os arquivos, rsrsrsr.
    Deu uma baita trabalhão, mas foi legal rever as postagens.
    Bjs.:
    Sil
    http://meusdevaneiosescritos.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
  37. Eu adoro chuvas, mas sem estragos é claro!
    Acordar com o barulho da chuva no telhado é meu sonho de consumo, principalmente agora que na minha região não chove a bastante tempo...

    Bjussssssssss

    ResponderEliminar
  38. Eu adoro rios, mares, lagos, tudo que é de água, até córregos das cidades.
    Minhas curiosidade sempre foi de onde estes córregos vem e para onde vai quando cruzo com um.
    A natureza de decompões por causa de um acelerador, o homem. Infelizmente ações realizadas hoje podem trazer consequências daqui a anos, como pode ser o caso de Belo Monte.

    ResponderEliminar
  39. Olá Luma ! obrigada pela visita,que bom que gostou, vou seguir seu blog,Parabéns pela postagens.

    Quanto ao texto, não posso me calar , eu tenho uma preocupação com os rios e florestas do nosso brasil.
    Vejo as coisas de perto e aqui na minha roça é triste de se ver, nascente que estão secando, a gravidade da situação é triste e lamento muito quando vejo árvores sendo cortadas, elas demoram tanto para crescer e dar frutos.
    Me revolta muito , quando planto uma árvore, enquanto sei que tem pessoas se aproveitando e desmatando florestas, para fazer pastos para gado e florestas virando lotes e condominio em áreas urbanas.
    Não vejo outra auternativa a não ser virar x9 e começar a denunciar pro ibama, palavras nem tenho mas para falar sobre minhas opnião a respeito da natureza, derrepente mechendo no bolso as pessoas daqui ,pense mais antes de cortar uma árvore.

    ResponderEliminar
  40. Oi Luma, obrigada pela visita no meu blog.
    Estou necessitando de uma chuva boa na minha cidade, daquelas que chovem a noite inteira e pela manhã o sol nasce. O pó e o bafo estão demais...
    Tenha uma excelente semana!
    Beijos.

    ResponderEliminar
  41. Oi Luma,

    Na cidade onde nasci, os rios passavam no fundo das casas. Tao engraçado ( e triste) pensar nisso hoje em dia, em que é necessário visitar cidades para ver um Rio...Secaram.
    Sobre o café, nao tinha noção que apenas uma xícara consumisse tanto.
    Aqui onde moro, parte da água que utilizamos vem de minas e poços. E já estao bem secos também, apesar de ainda nao ter faltado.
    É alarmante, está assim a muito tempo, mas pouco se faz para evitar que a coisa piore. Eu faço a minha parte dentro do possível, mas confesso não ser do tipo 100% ecológica, que põe bacia com água na pia para ir reutilizando. Faço o que sinto que é obrigação, dever, responsabilidade, sem extremos.
    Beijos

    ResponderEliminar
  42. Belo poema do Antonio Maciel, Luma. E que belo post! Salvemos o que resta dos nossos rios! Boa semana.

    ResponderEliminar
  43. Aqui, Luma, temos que optar entre o verão esturricante ou inverno congelante. Entre um e outro lutamos para não submergir sob a força das águas. Millôr estava certo quando disse que o homem é o câncer da natureza.

    ResponderEliminar
  44. É... quando eu vi o dia de São Sebastião sem chuva já previ essa secura! Chuva de verão agora é doce lembrança e será que teremos as "águas de março" fechando o verão? Sei não... Bjks Tetê

    ResponderEliminar
  45. Um texto interessante e pertinente. A ambição do homem não tem limites, e por ela ele nem se importa de destruir o planeta onde vive. Um dia vai acordar e descobrir que matou tudo o que dava sustentabilidade à sua vida. Por aqui os rios não secaram. Mas o mar avança sobre o país em invasões cada vez mais constantes.Um abraço e uma boa semana

    ResponderEliminar
  46. As consequências estão aí e não tão recentes assim.À elas juntam-se outras não menos alarmantes e vemos o descaso dos governos e da sociedade como um todo.Estas informações são minimamente noticiadas nas grandes mídias.Só promovem campanhas de consciência ecológica e economia dos recursos naturais quando há o desabastecimento completo.Aí fazem obras de maquiagem e esquecem a continuidade dos agravos contra a natureza.
    Ô desalento!!!!
    Bjos, Luma.
    Calu

    ResponderEliminar
  47. Luminha
    Senti saudade do cheiro de chuva.... aquele cheiro que vem antes da agua desabar.Sem querer fazer propaganda e ja fazendo aderi ao greenpeace ja faz alguns anos.Eles tenho certeza que tomam conta do no planeta. Adorei sua historia e os versos do professor.

    tome bastante agua Luminha, eu desde que tive uma infeçção nos rins não fico
    sem uma garrafinha;
    Beijos e uma noite com calor mais bela

    ResponderEliminar
  48. Eu não sei o que fazer mais para incutir na cabeça dos nossos leitores essa devastação asfáltica nesse selva de pedras!
    Estaremos também tratando do tema no nosso blog a partir das 00:30 hs. de amanhã terça feira.
    Para a minha surpresa encontro uma matéria de peso aqui,e, acompanhado de um poema que declara com sabedoria tudo de ruim para um raminho das nossas águas.
    Valeu!
    Abraço

    ResponderEliminar
  49. Luma,

    Gostaria muito de deixar um mundo melhor para os meus descendentes, mas a realidade em que vivemos, mostra exatamente o contrário. Tenho refletido muito sobre esse tipo de assunto nos últimos tempos.
    É triste ter um rio só na memoria. O Rio Doce, que corta a cidade de MG, onde meus avós tinham fazenda, é triste de ser ver na época das secas, imagino quando esse rio só estiver em nossas lembranças.
    Texto maravilhoso para refletir
    Por aqui, ainda temos chuvas de verão. Mas, sinto saudade da chuva que molhava a terra no verão, e dos banhos que tomava juntos com os primos nas férias em MG, enquanto criança.
    Beijos

    ResponderEliminar
  50. Eu me sinto uma gota no oceano, pois os seres humanos que destroem a natureza formam um oceano inteiro, é assim q penso...e vão levar o nosso planeta a falência!
    É preciso parar.
    Minha cidade natal Jundiaí tem o rio Guapeva, ou melhor tinha , hoje virou córrego, na minha infância ele transbordava e provocava alagamentos, meus irmãos pescavam em suas águas cristalinas, hoje o cheiro é insuportável!
    Que fazer???
    bjssssssssssss

    ResponderEliminar
  51. Nossa, a situação está cada vez mais calamitosa, onde vamos parar? Que Deus tenha piedade de nós e nós consciência da situação e peito para partir para a ação! Ficar de braços cruzados não dá nem pra fazer a dança da chuva!
    Abraços calorosos (literalmente, rs).
    www.viveraprendendo.com

    ResponderEliminar
  52. Como as estações da vida assim vão sendo alguns rios por aqui. Uns singram outros morrem pela cobiça o homem ou pela fome da terra.
    Agora sobram. Enchentes por todo o lado. Fartura de água ou castigo da água?
    A mae-terra está no limite.
    Oportuníssimo Luma
    aquele abraço enorme!

    ResponderEliminar
  53. Lindo texto Luma... Aqui na cidade que moro, as pessoas costumam brincar chamando de " Misto Quente" em vez de Bauru, pois pensa numa cidade quente... é Bauru... nesses últimos dias ta quase que insuportável e com a falta de chuva já estamos sofrendo com a falta de água... falei que daqui a pouco vamos ter que começar a fazer a dança da chuva pra ver se ela aparece....mas vamos ter fé né...Deus sabe a hora certa de mandar a chuva...

    ResponderEliminar
  54. Toda a razão, Luma. Os rios já não são nada do que eram. Na minha cidade, corria o rio selvagem. Foi totalmente alterado (assim como as zonas ribeirinhas, agora embelezadas, podendo fazer-se a pé o seu percurso), ficando um lago espraiado, através da construção de uma represa... A cidade ficou muito mais bonita, é certo. Tenho imensos poemas ligados ao meu rio. Contudo, alguns ribeiros desaparecem em nome da expansão da cidade. Tenho saudades deles... A verdade é que quase já não há um rio "natural", pois, em quase todos, se constroem barragens. O meu rio Tua, Mirandela, lá mais para perto do Douro, também vai dar lugar a uma barragem submergindo uma linha de comboio (também se deixou morrer a linha férrea, preferindo, os políticos, o alcatrão...
    Mais cedo ou mais tarde a natureza vinga-se, revolta-se (isto para não focar outros crimes ambientais).
    Por cá, só para referir um aspeto deste inverno: o mar tem galgado paredões e muitas praias deixaram praticamente de existir.
    Sim, o futuro da Terra está mais que comprometido!
    Parabéns pela postagem.
    Bjo, querida Luma :)

    ResponderEliminar
  55. Oi, Luma!

    Ainda bem que deu uma trégua aqui todo este aguaceiro. Chuva demais nunca é bom. Tinha umas hortaliças no meu pátio e elas murcharam.

    Mas que judiaria seus irmãos fizeram contigo. Ser a irmãzinha mais nova, as vezes, dá nisso, peraltice dos manos.

    Aqui o sogro tem uma pequena chácara e por um bom tempo a prefeitura usava um terreno distante uns 3km da chacrinha para colocar o "lixão".

    Hoje descobriu-se que a água está contaminada. Uma tristeza pois a chácara é pertinho da cidade. Proibiram o lixo, mas acredito que o fato de a água ter sido contaminada é passível de indenização.

    Beijos Luma querida. Obrigada pelos comentários lá. :)

    Uma boa semana!

    ResponderEliminar
  56. Pois é Luma, fala-se muito e pouco se faz.
    Onde eu nasci passava um rio, onde morei passava um corrego.
    Onde nasci ouvia explosões diarias para arrancar do ventre da terra o cobiçado mineiro de ferro. Mais tarde cismaram de lavar este minério com uso de amina e meus restos de rios viraram lama preta. Nunca mais vi os lambaris, piuaus, bagres, trairas, cagados e verde, tudo sumiu.
    O aquecimento é muito sério com a elevação do mar e o que se sentiu por ai no inicio do ano,será uma constante, como as devastadoras chuvas cada vez mais severas.É comum ouvir alguem dizer, que tem mais de 50 anos que vê algo assim.
    Estamos numa encruzilhada e a tomada de decisão urge ação de todos.
    Uma bela semana a voce com meu terno abraço mineiro.
    Beijo de paz amiga.

    ResponderEliminar

Tenha identidade, não seja anônimo na web. Crie sua identidade virtual.

...bisbilhotaram em quietude, sem solidão

PlagSpotter - duplicate content checker tool
Licença Creative Commonsget click

Algumas coisas não têm preço


finalista the weblog awards 2005finalista the weblog awards 2006
finalista the weblog awards 2007weblogawards 2008
Verificar conteúdo duplicado

Me leve com você...

Leia o luz no seu celular

Copyright  © 2014 Luz de Luma, yes party! Todos os direitos reservados. Imagens de modelo por Luma Rosa. Publicações licenciadas por Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial- Vedada a criação de obras derivadas 2.5 Brasil License . Cópia somente com autorização.

Tem sempre alguém que não cita a fonte... fingindo ter aquilo que não é seu.

Leia mais para produzir mais!

Atenção com o que levar daqui. Preserve os direitos autorais do editor