Programando a própria morte II

Luz de Luma, Yes party!
Os casos de suicídio entre jovens cresceu 30% em 25 anos no Brasil, então resolvi postar um comentário deixado em uma postagem do ano de 2006 aqui no "Luz". O comentário é mais recente, pois os antigos foram deletados quando os comentários do "echo" caducaram.

O comentário foi deixado na postagem: "Programando a própria morte", onde relato o suicídio de um adolescente, assistido por "amigos". Fique à vontade para ler a postagem.

Se não, deixo o comentário para você opinar sobre o que nele foi exposto.
Luz de Luma, Yes party!
Indicação de leitura: “Há uma nefasta glorificação do suicídio

O post "Programando a própria morte II" apareceu primeiro em "Luz de Luma, yes party!".
Você também pode ler os textos desse blogue em seu e-mail. Assine!

45 comentários :

  1. Pensando, Luma, em trechos do que li no comentário e me vi por instantes concordando. Parece um ato de liberdade decidir sobre a própria vida. E é. Mas creio que não fomos feitos para a morte. Não em sã consciência. Por isso é tão difícil aceitar que alguém queira tirar a própria vida. Pra quem já viu de perto isso, aceitar a morte dessa forma não é uma opção a se considerar.

    ResponderEliminar
  2. Li o comentário e cada um pode fazer o que bem entender de SUA vida.mas e os outros que ficam? Como se sentirão?
    Os casos que vi de perto:
    -Um tentou e conseguiu. Estargou a casa e família, pois o fez dentro de casa.

    - Outra, tomou horrores de comprimidos e liga pra filha> Claro, pedindo ajuda.Sobreviveu, mas com um mês de UTI, bagunçou a família toda..

    Assim, depois disso, deixo só um beijo praiano e sigo em férias curtindo a vida,sr... chica

    ResponderEliminar
  3. De maneira alguma consigo entender que alguém queira morrer,mas sei que existe. É algo sério demais, deprimente, melancólico, baixo astral eu realmente não consigo compreender as razões de alguém para se suicidar. Mas se encarar como um direito à vida, porque não entender se querem que aceitemos o aborto. Que aceita como direito tirar a vida de alguém, mais fácil ainda é o de tirar a sua própria vida. Eu não aceito, no sentido de compreender, nem um nem outro.

    ResponderEliminar
  4. Realmente é muito triste tirar a própria vida
    eu realmente não consigo entender, mas sei que existe
    Bjs.
    http:\\blogaraan.blogspot.com.br

    ResponderEliminar
  5. Oi Luma!

    É incrível, mas não é a primeira vez que vejo que estamos pensando na mesma coisa em determinado momento. Até compartilhei no Facebook ( de forma privada pois não estou me manifestando muito por lá ) uma foto que encontrei com os dez mitos sobre o suicídio. Ia deixar visível somente para mim, mas já que vi você escrevendo sobre, deu vontade de te mostrar para veres que entre ontem e hoje pensávamos em coisas semelhantes.

    Eu andava pesquisando sobre o suicídio e o que as pessoas falam em suas páginas na Internet. A foto dos dez mitos foi compartilhada por uma pessoa que tirou a vida um dia depois.

    Em um dos compartilhamentos eu li uma outra moça escrevendo assim:

    "Precisamos dar a devida importância a pessoas que falam na morte, em morrer, que dizem "Eu não aguento mais"...
    Importância!
    A pior coisa que existe para uma pessoa com um transtorno mental é ter o seu discurso invalidado/diminuído...
    Quando você diminui o sofrimento dessa pessoa com frases do tipo "Ah isso não é nada, tem gente pior do que você"... "Ah pior é a pessoa que tem câncer"... "Isso é falta de fé/deus"... Saiba que você está apenas dando o empurrão que faltava para essa pessoa cometer o suicídio..."

    Eu fico preocupada com esse aspecto pois também tive depressão grave e só nunca pensei em suicídio por acreditar profundamente que a vida não acaba aqui e que depois poderá ser pior ainda.

    Lendo os textos que sugeres eu fico pensando que onde existe a ideia do suicídio existe alguém que não aguenta mais.

    Falta da parte do suicida a coragem necessária para expor o que de mais íntimo o atormenta e das pessoas em torno a compreensão necessária, o amor e carinho, o afeto.

    Como existem vários fatores que podem levar a pessoa a abreviar a vida, penso que seria uma atitude um tanto quanto egoísta das famílias, fazer esforço para manter vivo alguém que sofre de doenças que provocam dores insuportáveis. Neste ponto onde o estar vivo só vai agradar aos familiares da pessoa, acho que deveriam se colocar no lugar dos mesmos.

    Mas na grande maioria dos casos é mais por solidão, falta de compreensão e amor.

    Eu concordo com a moça quando ela diz que deixar morrer ninguém quer, mas dar acolhimento, carinho e compreensão são poucos os que o fazem.

    Penso também que todos nascemos com um propósito e se alguém está cansado da vida, em algum ponto se quebrou.

    Penso que temos que ver sim. Temos que ajudar de alguma forma e ao próximo a melhor forma deveria ser o carinho e acolhimento.

    Beijos!

    Uma boa sexta-feira!

    ResponderEliminar
  6. Oi Luma! Esse assunto me lembrou o livro "A elegância do ouriço". Nesse livro a autora aborda com maestria a questão indigesta do suicídio. Não é o tema principal do livro, mas é uma leitura bastante reflexiva e esclarecedora.

    Você perguntou se vou me mudar do Brasil, ainda não. Mas, é um sonho. Quem sabe um dia realizo.

    Gostei muito do seu comentário. Fiz uma não leitura do link que você indicou e guardei para ler com calma. Porém, de antemão, concordo com a lista.

    Beijo e ótimo fim de semana!

    ResponderEliminar
  7. Em tempo: A moça que te falo e que cometeu o suicídio logo após pedir socorro é essa que está neste ( Link )
    ...
    O triste é que pelo que pesquisei a moça tinha pedido socorro até mesmo em um programa de rádio.

    ResponderEliminar
  8. Luma tenho participado um pouco do pensamento adolescente através da rede social instagram do meu filho. É assustador como os adolescentes falam em suicídio por motivos tão banais como "minhas fotos não são boas; meus pais não me levam passear para eu tirar fotos legais; ninguém comenta minhas fotos... e tudo isso gera tédio e a vontade de cometer suicídio. Sinceramente não sei se é apenas uma força de expressão, uma maneira de chamar a atenção ou um sentimento real que pode sim se tornar atitude.
    Mas acho que se deve interferir sim. São adolescentes, frágeis, confusos tentando ainda encontrar-se, simplesmente deixar que façam o que quiserem com suas vidas seria o mesmo que não cuidar de um bebê próximo a uma piscina.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  9. "Se a morte for descanço prefiro viver cansado!" Brincadeiras à parte, a vida é um dom de DEUS, não devemos tirar a própria vida ou a de outro semelhante, quem foge da vida nunca poderá se considerar um vencedor. Acredito no lado espiritual devrmos viver o tempo que nós é reservado, Quanto ao resto só depois que morrermos também (espero que seja de morte natural) poderemos obter uma resposta. PS: Obrigado pelo convite para comentar a postagem.

    ResponderEliminar
  10. Luma,não há como não ficar surpresa diante de um suicidio.Esse ano tivemos uma amiga virtual que se foi desse modo e nos entristece. Acho que é por isso que se fala tanto e menos por se cobrar a felicidade da pessoa,afinal é impossivel ser feliz o tempo todo! Sempre temas polemicos por aqui! bjs,

    ResponderEliminar
  11. Puxa, Luma, que tema forte!
    Na adolescência, me lembro de como o Centro de Valorização da Vida era recomendado entre nós, e gabaritado. O problema é que nem telefone se tinha, e ligar de orelhão para atos assim não dá.
    A extrema angústia que carrega o adolescente ao ato, este vazio doído, pode ser uma fase, relacionada aos hormônios, causando depressão / melancolia.
    Pode ser também uma das tantas vertentes da esquizofrenia, que costumam se manifestar principalmente quando a parte frontal do cérebro está sendo, nesta faixa etária terminada.
    Certa vez, conheci uma moça que cortava-se próximo ao pulso. Ela me informou que não pretendia se matar, apenas gostava da dor e da sensação do sangue escorrendo - isto aliviava a dor insuportável da angústia interna...
    O incentivo ao ato deve ser trocado pelo acompanhamento - ir com a vítima ao socorro, liderá-la. Recomendar que busque ajuda sozinha, de nada adianta, é uma tortura maior botá-la nesta ambivalência de retardar o sofrimento extremo.
    Aqui, no interior, quando ocorre com adolescentes, o "boca-a-boca" vai longe, e distorcidamente (visto que a imprensa não pode noticiar). O sentimento de impotência da família e a culpabilização ao falecido por aquela situação, aliado ao "ti-ti-ti" e à questão do pecado, é nefasto.

    Abraços.

    ResponderEliminar
  12. Querida Luma
    Eu nao apoio nem glorifico o suicidio.Antes entendo que,na medida das nossas possibilidades, devemos apoiar quem esta com problemas,pois tudo se resolve.
    Um abraço
    Beatriz

    ResponderEliminar
  13. A questão não é somente o suicídio mas, o que leva a pessoa ao suicídio...Geralmente uma depressão profunda em que a pessoa vai para o fundo do poço e não vê saída. Uma pessoa sã (mentalmente falando) não tem ideias suicidas.... Então, nosso dever é ajudar a pessoa a sair da depressão, já que muitas vezes a pessoa não percebe que está depressiva.

    ResponderEliminar
  14. Acho triste jovens como esses cometerem suicidio.
    big beijos

    ResponderEliminar
  15. Quem nunca viu, veja: I Don´t know Jack. (Você não conhece Jack), que é a história de Jack Kerkovian, ou simplesmente Dr. Morte! Conhecido por lutar pelo direito do suicídio assistido

    ResponderEliminar
  16. Embora ache que cada um tenha o direito de decidir sobre sua vida, a interrupção ou a continuação dela; me aflige saber que algumas vezes são motivos menores que levam pessoas ao extremo do desespero lançando-se a um caminho sem volta, principalmente se forem jovens e não estiverem em situação desumana.
    Estes fatos mostram o quanto é preciso estarmos atentos aos sinais do desalento, da depressão, que podem culminar num ato de suicídio.

    Sou pela valorização da vida.
    Um abração solar, Luma.
    Calu

    ResponderEliminar
  17. Eu não concordo com quem acha natural dispor da própria vida. Estamos nesse planeta para evoluir e a evolução é individual. Não dá para ajudar quem não pede ajuda. A pessoa problemática, tem o auxílio dos livros, das palestras, dos profissionais gabaritados. Suicídio é covardia e falta de espiritualidade. Acredito em vidas sucessivas, tirar a própria vida não é a solução. O acaso não existe, para cada reação há uma causa.
    É a minha opinião...
    Luma, um beijo!!!

    ResponderEliminar
  18. Mais importante do que o suicídio ( direito de cada pessoa) é saber o que leva a pessoa até a esse acto.

    E ninguém tem o direito de julgar decisão de outrem.

    Sou contra a pena de morte como sou contra a pena de vida.

    Abraço grande

    ResponderEliminar
  19. Oi, Luminha,

    Embora compreenda que há dores imensas na vida e que é cômodo ficar filosofando sobre os aspectos morais do suicídio, penso que nunca haverei
    de encarar esse ato com naturalidade. Acho a vida preciosa demais, sagrada mesmo. Então não concordo com a opinião de quem acha que essa é uma questão de foro íntimo.

    Beijoca e bom finzinho de semana!

    ResponderEliminar
  20. Não só o suicidio, mas se passarmos um pente fino em muito do que acontece de ruim com adolescentes e jovens encontraremos a origem na base, na criação dos pais, filhos dos "ultimos pais da ditadura", que afrouxaram os cintos demais... a liberdade foi transformada em libertinagem e, somada ao mesmo crescente numero da desestruturação dos lares (mas da renovação, positiva, do conceito de familia), encontramos um sem-numero de motivos que podem ser considerados fúteis para a desestruturação mental das gerações contemporaneas e seguintes a minha... A Valéria está certa quando diz que previnir é melhor do que lamentar a incapacidade de remediar. beijos!

    ResponderEliminar
  21. Boa tarde, minha Luma!

    Um tema tão complexo e tenso, não é msm? A morte ainda me assusta, embora segundo o que aprendo na igreja, não deveria ser assim.
    Ainda chego lá!
    E, sabe, ela me assusta de várias formas - essa, em especial.

    Mas vou te dizer uma coisa que penso e sempre pensei. O que quero dizer é que penso assim mto antes de me converter...

    ...Somos criaturas de Deus. Não programamos nossa vida. E como, então, podemos programar nossa morte?
    Claro que temos o livre arbítrio, mas pq não agradar Àquele que nos gerou e garantirmos uma vida eterna em paz, agindo da maneira que se tem que agir?

    Vc, sempre surpreendendo!
    Preciso dizer que amo suas postagens?

    Deus abençoe e obrigadooooooooooo pela música enviada, viu?
    Como eu disse no Face...

    "...e depois algumas pessoas ainda me perguntam pq vivo dizendo que Deus envia as pessoas pra me abençoar nos momentos que mais preciso... Vc não sabe o que fez por mim!
    Obrigada, obrigada, obrigada... e eu retorno esse louvor pra vc com desejos de uma vida digna de vc: maravilhosa!
    Deus abençoe vc e sua família!
    Bjs cheios de emoção!"

    ResponderEliminar
  22. Oi Luma,
    Li sua postagem ontem pela manhã e no início da noite escrevi meu comentário que foi "engolido" por um bug mundial que bichou alguns aplicativos do Google. Então vou comentar novamente.

    Eu dizia que respeitava sem conseguir compreender, e que lamentava que muitos de nós não consigamos identificar alguém com um sofrimento tão profundo assim a ponto de abreviar a própria existência. Mais parecendo que o suicida comete uma eutanásia na dor que sua alma sente.

    Falei que, numa visita a minha mãe no ano passado, num determinado sábado pela manhã ouvimos gritos desesperados de uma mulher diante de uma cena de horror. Num prédio vizinho, a funcionária encontrou estatelado no chão da garagem do edifício, o corpo de um jovem que havia se jogado da janela do quarto do apartamento em que morava com os pais, no 8º andar. Pela "rádio corredor" do prédio da minha mãe, falava-se de uma possível briga com a namorada. O que eu sei é que não consegui parar de pensar na total falta de visão de que algo bom poderia vir a acontecer depois de uma briga, se é que houve. E que mudanças são necessárias e nem sempre precisam de tanto sofrimento. E nos pais. Pensei no desespero deles. Estavam na cidade de São Paulo.

    Nestas horas a coisa mais certa é rezar pelo espírito de quem decidiu partir e pelos que lhe são mais próximos.

    A continuação de bom fim de semana.

    Bjs.

    ResponderEliminar
  23. É um tema difícil né? Eu acho que o suicídio é um ato muito triste, e imagino que vá além de "não gostar de viver" acho que é mais um não gostar de si mesmo, e pra mim esse é o pior sentimento (ou um dos piores) que uma pessoa possa ter. Agora a moça tem razão, ficar julgando a pessoa que se matou é errado não sabemos quais os sofrimentos pelos quais passou, e como se constituiu como pessoa, e mesmo se soubéssemos ainda sim não devíamos julgar porque não sabemos como ela recebeu esses acontecimentos. Há pessoas mais fortes e outras mais frágeis, ou sensíveis que precisavam do sol para crescer de forma sadia. Tem que haver compaixão, e respeito pelo outro, sempre. Essas coisas podem mudar as pessoas que as recebem, porque verão que ainda há luz dentro das pessoas, e consequentemente no mundo.
    (desculpe pela viagem kkkkkk) beijos Luma!

    ResponderEliminar
  24. Para mim seria difícil achar o suicídio uma coisa comum, banal, que pessoas saudáveis fisicamente tem direito de fazer. Eu sou a favor da eutanasia, quando se sofre e sabe-se q a doença vai levar a morte. Mas esses suicidas que imagino que sofrem psicologicamente, por alguma razão que não entesemos, só eles por estarem depressivos, acho que tem solução sim, é só procurar ajuda. Eu li o comentário, concordei em algumas coisas, realmente na sociedade q vivemos dificilmente alguém se importa com a vida alheia. E concordo q ninguém tem o direito de julgar o suicida, mas descordo que o suicida tem direito a se matar. Não tem, pq sinto ser um ato egoísta e desesperado que não pensa em quem deixa para trás. Não sou religiosa, nao vou entrar no mérito religioso de que so Deus tem esse poder. Mas se esse ser nasceu foi pq um pai e uma mãe quis. É a dor deles? Agora de quem é a culpa ou pq o índice de suicídio aumenta cada vez mais entre os jovens eu nao sei. Talvez seja culpa da sociedade que cada vez mais está deixando os filhos e indo trabalhar

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nunca consigo escrever muito aqui. Continuando meu raciocínio, não que o pai e a mãe querem q o filho morra, mas as necessidades hoje em dia são diferentes de antigamente q sempre tinha a mãe cuidando dos filhos em casa. Uma sociedade que hoje em dia o legal é "ter" e não "ser", uma sociedade que está cada vez mais não se importando com os outros, não se importando em conhecer os outros, com doentes mentais que querem ver o circo pegar fogo, ver pessoas morrendo

      Eliminar
  25. E pelo que entendi no seu texto parte I, tem gente até q ajuda o outro a morrer. Ex bombeiro, que passou a carreira salvando vidas. Lamentável..

    ResponderEliminar
  26. Enfim, uma sociedade que leva cada vez mais a morte de um ser por qualquer coisa (sapato, bolsa, dois reais , discussão em bar etc) como uma coisa banal, comum, que mão espante ninguém. Afinal não foi comigo nem com ninguém que conheça. Agora quando é, quando sofre na pele a morte de um ente querido, a falta dessa pessoa na nossa vida leva a muita dor. Então pq se importar com a morte alheia e não se espantar como essa pessoa q comentou esse comentário q p mim é absurdo? Pq nao fazer dessa morte como ela disse

    ResponderEliminar
  27. "Criar tanto enxame?" Pq não foi com um ente querido seu q se matou

    ResponderEliminar
  28. Pq se fosse com um parente dela, ela não falaria isso. Estranho vai ser um dia ver todas as pessoas pensarem assim, não se importarem mais com a dor alheia. Aí para mim vai ser melhor exterminar todos os seres humanos, pq nesse ponto não teremos mais sentimentos de perda com vidas alheias. Essa é minha opinião. Desculpe se doer em alguém. Mas devo confessar que esse comentário que vc colou me doeu muito. Até a alma, se é que ela existe.

    ResponderEliminar
  29. Eu concordo 100% com o comentário. Viver ou não, é uma decisão da própria pessoa. O que se pode fazer é aconselhar, questionar se essa pessoa quer mesmo essa saída extrema (e sem volta). Mas daí a condenar quem opta por interromper a vida, é de uma crueldade pior do que quem estimula o suicídio.
    As pessoas são muito hipócritas.

    ResponderEliminar
  30. Oi, Luma!
    Acho a discussão sobre o suicídio sempre válida, uma vez que acompanho de perto. Acho preocupante a quantidade de jovens buscando esse caminho. É sabido que é uma fase conturbada - lembro-me que fiz muitas pequenas bobagens nessa idade - e carece de apoio, carinho e atenção. Em geral a família acha que tudo é frescura e bobagem, não é bem assim... às vezes o que é uma bobagem para mim pode ser super importante para o outro.
    Por outro lado, a comentarista tem razão quando diz que é uma escolha individual que merece ser respeitada. De fato.
    Porém os impactos que respingam em quem fica são pra sempre, e isso é bem preocupante. Não é uma vida que acaba, é a vida do coletivo que se abala pelos sentimentos de perda e culpa. Então, não seria uma escolha tão individual assim.
    Muitos o fazem sob efeito da depressão e quem já teve sabe que a depressão nos cega, distorce nossa realidade e a pessoa acredita mesmo que partindo deixará de ser um fardo.
    Mas me preocupa muito a questão da martirização em torno do suicídio, como se fosse um ato heroico ou não raramente com o intuito de machucar alguém.
    Assunto sempre passível de discussão.
    Um abraço!

    ResponderEliminar
  31. Luma,

    Eu conheci algumas pessoas que se mataram, infelizmente.
    Uma era minha amiga de infancia. NUNCA ninguem imaginou que ela faria aquilo e até hoje não dá para entender. Ela tinha um pai tão amigo, estava muito bem no curso universitário, tinha amigos que adoravam ela, porque era uma pessoa extraordinária. Na frente do pai, pegou uma arma, deu um tiro na boca. O pai que era louco por ela, o coração não aguentou, partiu um dia provavelmente para encontra-la.

    O outro, doente mental, um dia ateou fogo no seu corpo. Foi muito triste, mas com pessoas que sofrem desequilíbrios psicológicos, algumas vezes a vida pode estar incontrolavelmente por um fio.

    Uma amiga blogueira e por todos querida, não há duvidas que se matou.
    Eu tentei muitas e muitas vezes me aproximar dela, morávamos relativamente perto, mas se esquivava, usava milhares de desculpas. Por tudo que falava, especialmente suas ultimas postagens, no meu ponto de vista, já estava num surto sofrido (e compreensível) e sem volta, eu tinha impressão que a qualquer hora ela partiria. E aconteceu.

    Quanto a estes comunicados via internet, especialmente dos jovens, mostra o quanto eles estão sem rumo, como falta o poder e o amor dos pais sobre eles, tambem como a sociedade é cruel e cada vez mais indiferente. O publico ou o aglomerado se junta para praticar um ato mortal para descarregar de dentro de si cargas negativas e pesadas.

    Eu não concordo que cada um tem o direito de fazer da sua vida o que quiser quando a coloca em risco. Quem está em surto, em sofrimento, não tem noção dos seus atos, provavelmente encontrando saída poderia se tornar uma pessoa mais feliz e realizada. Só aceito o fato sobre a questão de morrer quando se está sofrendo de uma doença muito dolorosa, sem cura, e muito cara. Por isso, condeno quem incentiva o suicida a levar adiante uma idéia doentia.

    Luma, no Facebook eu tenho um amigo que me idolatra. Cerca de quase 3 anos atrás, ele me procurou, eu nem sabia bem quem era ele. Ele disse: - Sissi, eu quero me matar, eu sofri um acidente, perdi uma perna, ....

    Eu pedi a Deus as palavras para salvar aquele homem que mora no norte do país, que talvez eu jamais o conheça de verdade. Algo incompreensível tomou minha mente, meu coração, e minhas mãos. Eu estava no trabalho, parei tudo, e mandei "a mensagem" para ele.

    Vi que leu. Mas sumiu. Por 03 semanas eu o procurava e não respondia. Pensei, se matou! Quando voltou para me agradecer. Não há um mês que ele não me escreva algo extraordinário.

    Acho que podemos salvar vidas, mas tambem eles tem que aceitar ouvir, interpretar a mensagem vai depender deles e do destino.

    Beijos

    ResponderEliminar
  32. Gostei do comentário ao apontar que -ninguém ajuda quem está sofrendo, a viver, e depois quer impedir a morte. Isso leva a uma porção de reflexões politicas e sociais. Claro que esse é apenas um lado da moeda, e concordo com ela. Por outro lado, ha casos em que tudo que é possivel é feito na tentativa de ajuda, sem sucesso. Estou falando de "transtornos", psicopatologias, onde a pessoa sofre profundamente, e vê o suicidio não como vontade de morrer,mas de exterminar o sofrimento. Ha outro lado ainda:o ser humano tem uma atração pela morte, todos nós. Uma vontade de chegar ao "nada" e ficar em paz. Sobre esse "nada" nada sabemos, muito menos se há paz. Portanto quando alguém tenta suicídio, ou mesmo sem tentar, aparenta que vai tentar, é preciso conter de alguma maneira, por que ela pode estar sem a consciência necessária para esse ato, essa escolha, essa decisão tão forte. É dever impedir. Uma tentativa de suicidio de um adolescente, ainda mais assistido por muitos, tem um tanto de nuances para serem observadas. É caso de impedir o ato sim. Diferente de uma eutanásia, que eu por exemplo, em situaçoes muito extremas, seria a favor. Esse é um assunto que deve ser tocado com grande cuidado.E muita delicadeza. Penso que seu blog conseguiu isso.

    ResponderEliminar
  33. Un tema que merece un debate y reflexión en la actualidad entre toda la población.
    Saludos
    David de observandocine.com

    ResponderEliminar
  34. Oi Luma!Eu até concordo com o comentário,cada um é dono de sua própria vida sim,mas acho também que quem quer morrer não está em seu estado normal,pode está depressivo,por exemplo,perdeu o gosto pela vida e comete o suicídio num momento de puro desespero,acho que é por isso que ninguém aceita...

    ResponderEliminar
  35. Oi Luma!
    O que me assustou na entrevista, é comprovarem que após o ato suicida a pessoa se arrepende ou fica com medo sei lá... Nas entrelinhas se ver que ela não quer morrer e sim solucionar algo e percebe que a morte não é a solução... Na maioria das vezes, sempre é tarde demais...
    A morte da matéria não resolve o problema da alma (este é um dos maiores enganos do suicida).

    Bela, bom finzinho de domingo e tenha uma semana luz!

    Bjosssss

    ResponderEliminar
  36. Vou falar uma coisa que pode chocar aos mais sensíveis , e alguns vão pensar que eu sou insensível , mas é assim que funciona: quem pensa em suícidio é porque não tem nada mais em que pensar.
    Ou a cabeça é muito cheia de porcarias ou é muito vazia.
    No primeiro caso, procura um sanatório ... já no segundo, procura emprego, contas para pagar, responsabilidades, isso ajuda.
    Tem um ditado que diz - mente vazia , oficina do diabo.


    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ah, esqueci de comentar 'o comentário' , ela até tem razão... a vida de cada um é da própria conta , mas pensando assim, o suicida deveria deixar o enterro pago, isso ajudaria um pouco a família que fica.

      Eliminar
  37. Realmente as pessoas estão fadadas a chorar o ocorrido, mas pouco se faz para estancar a lágrima e a dor do que está em crise. Muitas vezes julgam frescura, falta do que fazer e outras tantas coisas, mas não dão o colo, o ombro que a pessoa pode estar esperando. Cresce o vazio, o nada perpetua, o viver deixa de ter esta graça que cantamos em versos. O suicido é a sequencia destas perdas, até a culminar com a perda de si. O método é meramente uma forma. Não concordo ainda penso que é uma falta de um Deus em quem pode depositar suas esperanças. Um tema polêmico, e sua consequência é sempre um trauma, uma dor, pois é uma violência.
    Abraços Luma para uma bela semana.
    Bjo de paz e luz.

    ResponderEliminar
  38. Penso que valorizar semelhante comentário, como o dessa pessoa de nome Valéria é jogar pérolas aos porcos.Penso que quer mesmo aparecer,além de ser nocivo.Em meu blog deletaria.






    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Zilda!
      Não costumo deletar comentários. Só o faço quando ofende algum outro comentarista.
      Não quis valorizar e acho que você entendeu errado. Devemos respeitar a opinião alheia. Estamos discutindo um assunto de total importência. Já basta que proibam na mídia formal esse tipo de discussão. Leia o comentário da Cristina.

      Eliminar
  39. Oi Luma,
    Eu só concordo com o comentário quando diz que temos que dar amor, compreensão e etc. Mas o que ela não comentou e que muitas vezes acontece, é que pessoas que estão totalmente desesperadas (para mim, suicídio é um ato de desespero), não dão sinal do que estao acontecendo com eles, nao dividem, não procuram ajuda. Digo isso porque tive dois amigos que se suicidaram, dois professores, além de conhecidos de amigos próximos.
    Dois casos, foram por brigas familiares e rompimentos amorosos, os outros, não se entende o motivo até hoje.
    Penso que a pessoa quer mesmo encontrar uma saída, por achar-se encurralado e vê no suicídio a solução, mas penso que se arrependem alguns segundos antes de concretizar, já no momento de agonia (quase todos os casos que conheço e inclusive presenciei dois deles, foram por enforcamento). Me apavoro ainda coma lembrança do vulto dependurado...
    As famílias ficam em desespero e não costumam entender o motivo. Eu também nao entenderia, mas mais que chocada, eu sinto pena, uma pena por uma vida que se perde. Que poderia ser findada a qualquer momento de outras maneiras, mas não voluntariamente. Eu creio em vida após a morte, em reencarnação e por isso penso também no depois do ato. penso que o inferno dessa pessoa será muito pior depois deste ato.
    Uma única vez na minha vida eu tive um pensamento assim, mas Deus mandou um anjo me aconselhar, mesmo sem essa pessoa saber das tramas que se desenrolavam em meu pensamento.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  40. Olha, eu ainda não tenho uma opinião formada sobre o suicídio, se é um ato de muita coragem ou de extrema covardia. Tenho certeza que a maioria das pessoas em um momento ou outro, com maior ou menor intensidade já pensou em tirar a própria vida. Quem se mata não quer morrer, quer acabar com alguma dor. Será que não há nada que se possa fazer para atenuar o sofrimento de alguém? Complexo... vou ler o outro post. Beijos.

    ResponderEliminar
  41. Tema difícil: resumo - o suicídio em jovens causa-me muita impressão (e muito se poderia dizer sobre isto pois há grupos pró-suicídio, rituais, o bullying, enfim...); em adultos, sou capaz de compreender melhor, talvez porque, supostamente, há mais maturidade; na velhice, melhor, em situações de extremo sofrimento, acho que as pessoas deveriam ter direito a decidir sobre o seu estado...
    Voltando aos jovens, estamos numa sociedade muito individualista, muito mainstream, quem é diferente (em vários aspetos) sofre muita pressão dos seus pares.
    Bjo

    ResponderEliminar
  42. .


    Luma, eu tenho certeza
    de ter gostado de tudo o
    que você me permitiu ver,
    principalmente da forma
    como conduz o blog.
    Talvez por isso eu o este-
    ja seguindo. Se você gos-
    tar, também pode seguir o
    meu.

    Um beijo.






    .

    ResponderEliminar

Tenha identidade, não seja anônimo na web. Crie sua identidade virtual.

...bisbilhotaram em quietude, sem solidão

PlagSpotter - duplicate content checker tool
Licença Creative Commonsget click

Algumas coisas não têm preço


finalista the weblog awards 2005finalista the weblog awards 2006
finalista the weblog awards 2007weblogawards 2008
Verificar conteúdo duplicado

Me leve com você...

Leia o luz no seu celular

Copyright  © 2014 Luz de Luma, yes party! Todos os direitos reservados. Imagens de modelo por Luma Rosa. Publicações licenciadas por Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial- Vedada a criação de obras derivadas 2.5 Brasil License . Cópia somente com autorização.

Tem sempre alguém que não cita a fonte... fingindo ter aquilo que não é seu.

Leia mais para produzir mais!

Atenção com o que levar daqui. Preserve os direitos autorais do editor