Cadê a minha vitrolinha?

Luz de Luma, Yes party!
Vitrola ou toca-discos, você sabe o que é isso?

Talvez muitos ainda se lembram do fascínio que esses objetos tinham e do farfalhar da caneta sobre o vinil. Essa é uma das minhas primeiras memórias de infância: meus pais sempre foram aficionados por música e recolheram vinis por boa parte de suas vidas, até que vieram os cds. Herdei os vinis e confesso que é um pouco trabalhoso cuidar deles.

Nostalgicamente as pessoas não querem que o toca-discos morra. O saudosismo é de muitos. Atualmente alguns cantores estão lançando vinis além dos cds e faz um tempo, comecei a fazer a minha própria coleção de vinis, porém comprei uma versão moderna do toca-discos.

Escolhi o filme Moonrise Kingdom, uma comédia romântica de 2012 dirigido por Wes Anderson e roteirizado por Anderson e Roman Coppola, para ilustrar o post. Tem tudo a ver com nostalgia, mas não é dele que vou falar. Fica a sugestão para o final de semana. Abaixo, o primeiro beijo... Quem nunca... rs.


Nós todos experimentamos ouvir uma canção e essa desencadear uma janela da nossa memória. Para mim, por exemplo, a canção "It must have been love" [Roxette], lembro de estar no banco detrás do carro, ao lado da minha irmã e dividíamos o fone de ouvido do seu "MiniDisc". Parece que foi ontem, mas já fazem mais de 20 anos e a música era da trilha sonora do filme "Uma linda Mulher" (1990).

Eu poderia listar dezenas de músicas com memórias associadas. Há uma grande ligação entre música e memória. A música é uma boa ferramenta para pesquisadores - Faça uma viagem nostálgica ao passado :) Uma pena que o site não contenha músicas brasileiras...

Os pesquisadores holandeses da Universidade de Tilburg descobriram que ouvir músicas nostálgicas também aquece fisicamente as pessoas e, talvez não seja à toa que o sentimento de saudade é mais comum em dias frios.

A nostalgia também nos ajuda a lidar com as transições - os níveis de nostalgia tendem a serem elevados entre adultos jovens, mergulhar na meia-idade e subir novamente durante a velhice. Talvez pelos jovens estarem se afastando da vida criada anteriormente e os mais velhos vendo os membros da família se estabelecendo em suas próprias vidas.

Criar momentos de nostalgia é muito favorável se você consegue desvencilhar os momentos tristes, pois reforça a memória e traz à mente os valores das experiências compartilhadas com outras pessoas, dando mais significado à vida. Podemos usar o nosso repositório nostálgico quando precisamos de uma motivação extra, mas não é indicado para pessoas que possuem problemas com relacionamentos íntimos e/ou neuróticos anônimos :)

Veja bem, ter momentos de nostalgia, não é viver no passado - Veja bem de novo: Você não pode esquecer seu passado - ele pode vir e roubar parte do seu presente, então, porque não enganar o seu passado e fazer dele um filme bom com uma trilha sonora melhor ainda?

Nostalgia nos faz sentir que a nossa vida tem raízes e continuidade, neutralizando a solidão, o tédio e a ansiedade. As pessoas se tornam mais generosas e mais tolerantes e casais se sentem mais próximos relembrando juntos momentos felizes e mesmo que as pessoas falem com melancolia do passado, elas tornam-se mais otimista e inspiradas sobre o futuro.

Eu penso na minha vida como uma linha do tempo, com eventos específicos, com marcos ao longo da minha jornada e a música serve de ajuda no desencadeamento dessas memórias, solidificando minha identidade. Muitas são memórias de famílias. Bom tê-las para contar para as futuras gerações. Bom sabê-las para entender minha própria história e das gerações anteriores a minha. Que bom, tive oportunidade de ouvir meus pais, meus avós contarem suas histórias nostalgicamente e ser muito ninada por uma música que era da história deles.

"Fiz uma casinha branca lá no pé da serra prá nós dois morar, fica perto da barranca do Rio Paraná. O lugar é uma beleza e eu tenho certeza você vai gostar"

Lembra-se de músicas que tocaram dentro de você?

O post "Cadê a minha vitrolinha?" apareceu primeiro em "Luz de Luma, yes party!". 

124 comentários :

  1. Que lindo post, tantas recordações e "voos" permitiu. Quanto a música que lembrei agora : AL DI LÁ, do filme Candelabro Italiano Tinha que ser italiano,rs Eles me acompanham desde os 18 anos,rs..bijos, lindo fds! chica

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Chica!!
      "Tinha que ser italiano" (rs*) Acho que procurou pelo seu destino...
      Tive que dar um googlada para ouvir a música. Que romântico!!
      "Al di là delle cose più belle.
      Al di là delle stelle, ci sei tu.
      Al di là, ci sei tu per me, per me, soltanto per me"
      Boa semana!!
      Beijus,

      Eliminar
  2. Em casa a música era lei: tocava o dia inteiro. Meus pais ouviam muita música erudita, mas gostavam também do que tocava nas rádios. Meu rádio está sempre ligado. Talvez não seja a que me marcou primeiro, mas nesse momento lembro de "Rock'n roll lullaby" na voz do B. J. Thomas, nem lembro que ano era.

    :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Allan!
      A minha irmã aqui do lado disse que essa música foi tema de uma novela chamada "Selva de Pedra" que tinha Francisco Cuoco e Regina Duarte como casal central (Cristiano e Simone) a TV era PB... Não existia amizade colorida :D
      Gostei de saber! A minha irmã lhe manda abraços!
      Beijus,

      Eliminar
  3. Luma, foram tantas!!! No final do comentário deixo uma.
    Adorei o texto.. muito bom. Eu sou nostálgica de natureza e é bem verdade que é interessante ter nostalgia para se sentir mais preenchido com boas coisas que se passaram. Mas sempre temos um quê de tristeza ao sermos nostálgicos. O próprio nome leva a isso..

    Minha nostalgia maior é sempre da minha infância e retrato muito isso no blog.

    E quanto aos vinis, ahh os queridos vinis. Tenho um monte guardado. Quero também comprar meu toca discos moderno, pois o som 3 x 1 já não quer funcionar apesar de bem conservado.

    Já não se acha mais peça pra ele... Começou a tocar tadinho e não deu conta..rs

    Tenho um toca-discos na casa do meu pai. O primeiro que ganhei. Essa vitrolinha antiga, de capa de plástico.. uma graça.. vou resgatar de lá pra cá..

    Beijos minha querida e deixo uma música que me vem à cabeça no momento e que ando cantando muito pra minha filha:

    "Fátima Guedes - Lápis de Cor" (bem antiga)

    Beijos beijos e abençoado fim de semana!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Teresinha!
      As recordações do passado compõem a nossa história, as mesmas que contaremos um dia para os nossos filhos e que fizeram parte do repertório de nossos pais e avós. É muito bom ter histórias para contar, histórias para lembrar... É a nossa bagagem!
      A tristeza vem da saudade, mas é uma tristeza boa que não arranca pedaço :)
      Eu tive um 3 em 1 que foi substituído por aparelhos menores, acho que chamavam "micro system". Hahahaha até isso virou nostalgia!!
      Vou começar a frequentar brechó de aparelhos elétricos. Será que acho uma vitrolinha? Um encanto para decorar, mesmo que não funcione!
      Eu estou ouvindo a música "Lápis de Cor". Não conhecia... e a cantora é uma Mezzo-soprano com canto apurado e exótico.
      Boa semana!!
      Beijus,

      Eliminar
  4. Luma,
    Ainda tenho meu gravador da gradiente porém as fitas k7 tive que jogá-las pois não tinham a mesma sonoridade de antigamente.
    Não sei se vc viu, mas saiu faz tempo um video na internet com crianças da atual geração mexendo em aparelhos antigos da nossa geração, achei bem divertido. Não lembro o link para te indicar.
    Big Beijos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Lulu!
      Eu vi esse vídeo e achei bastante curioso! As crianças hoje já nascem conectadas, o que demostra que analogicamente elas são deficientes como qualquer um de nós. Mas nada que um segundo olhar não dê jeito!
      Beijus,

      Eliminar
  5. A música mais remota que me lembro é a "Flor do Cafezal", que meu avô escutava na vitrola e eu tinha lá uns cinco ou seis anos e passava os fins de semana na fazenda onde moravam. Na época não sabia de que música se tratava, mas a reconheci enquanto zapeava pela tv alguns anos atrás e caí no programa da Inezita Barroso, no qual, surpresa, ela estava cantando esta música!

    As músicas nos marcam mesmo, e é incrível como acabamos atribuindo a elas sentimentos negativos ou positivos que acompanham o que passamos no momento....

    Beijos e bom fim de semana ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Luciano!
      Não conhecia a música e fui procurar. Que bonito!! Isso é Brasil!!
      Obrigada por compartilhar!!
      Beijus,

      Eliminar
  6. Que belo texto esses dias mesmo me dei conta do quanto estou nostálgica....e é vdd no inverno isso aumenta.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Patrícia!
      Talvez seja pelo fato de ter alguém doente na família. Acabei de saber, sinto muito!!
      Força aí!!
      Beijus,

      Eliminar
  7. Oi amada,
    recordar é viver! Muito bom seu texto.
    Fiquei lembrando quando andava de bicicleta
    sem me importar com transito . Tambem ouvi muitas historias do av´^o.
    Eta coisa boa.

    Beijos e um final de semana cheio de luz e paz, Luminha

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Bandys!
      Não devia existir trânsito tão intenso. Eu também costumava fazer passeios noturnos com uma turma de amigos e acho que se fosse atualmente, isso não iria acontecer!
      Beijus,

      Eliminar
  8. Olá querida!
    Texto lindo e inspirador, obrigada por compartilhar!

    Bjs, bom fds ♥

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Andréa!
      Seja bem-vinda!!
      Beijus,

      Eliminar
  9. Oi, Luminha,

    Realmente música e memória têm uma ligação íntima. Minha vida tem trilha sonora, sem dúvida, todos os acontecimentos significativos estão vinculados a uma música, ou mais de uma. E ouvir, às vezes, uma dessas músicas desperta uma nostalgia que pode até doer um pouquinho, rsrs. Quanto às vitrolas, nunca, jamais me esquecerei do dia em que um dos meus primos, na casa de uma amiga dele, sacou a vitrolinha, que ele trazia numa maleta, e nos fez ouvir um compacto com a música Ticket to ride. Eu era criança e fiquei eletrizada com aquilo. Nunca mais deixei de amar os Beatles, rsrs.

    Um beijo e ótimo fim de semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que barato, Marly!!
      Acredito que a vitrola causou um verdadeiro frison, já que antes dela não havia nada que pudesse carregar para lá e para cá!
      :)
      Também gosto de Beatles!
      Beijus,

      Eliminar
  10. Menina,
    e dá pra esquecer a trilha sonora e longa( ufa!) que vai-se agregando ao longo das muitas vivências? Claro que não e nem eu gostaria do contrário.Assino abaixo, em especial, de teu antepenúltimo parágrafo;sem tirar nem pôr.
    Termos consciência de nossas raízes nos fortalecem em sentimentos de pertença e segurança, funciona como impulso para os passos futuros, eu creio assim.

    Tenho espalhado pela casa múltiplos porta-retratos com fotos dos filhos em diferentes fases e, de vez em quando os pego absortos frente a um deles.Retratos de família acompanhados do fundo musical marcante pra cada qual, compõem a silhueta do que somos.

    Tomar um cafezinho contigo é sempre muito saboroso.
    Melodioso fim de semana.
    Bjos,
    Calu

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Calu!
      Deve ser muito gostoso olhar os porta-retratos e se lembrar das passagens em que as fotos foram tiradas. Eu mantenho alguns no móvel da sala e cada vez que chega alguém em casa que nunca esteve, dão uma paradinha ali para olhar.
      De vez em quando pego as fotografias antigas que guardo em caixas e ficamos olhando. É muito bom!!
      Beijus,

      Eliminar
  11. Luma, que post legal esse! Sempre fui "musical" e tenho muitas lembranças ligadas à música. Mas não sou nostálgica, minha natureza não é, sinto isso em mim. Tenho saudades dos meus filhos pequenos e de minha juventude, mas me ligo mais no presente. E hoje em dia tem milhões de músicas que me fascinam. Claro que lembro minha infância, e tenho saudades de muitas coisas, mas é só. Quanto aos discos, temos alguns vinis. Às vezes tiramos para ouvi-los, geralmente quando estamos fazendo a manutenção. (temos ainda, pouco mais de 700, muitos se perderam nas andanças. No passado a gente colocava música nas festas e bailes, mais ou menos como os DJs de agora, claro ressalvadas as milhares de diferenças, rsrsrsrs). Compramos recentemente um tocadisco especial para tocar vinil, que passa as músicas do vinil para o pendrive. Estamos adorando. Mas a vitrola antiga e os alto falantes estão lá, se exibindo. E os netos se matando de rir... e os filhos... de olho! kkkk Bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Marly!
      Também sou mais ligada no presente, mas às vezes quando a família está reunida, lembramos juntos de muitas passagens, principalmente quando rola música.
      Não sabia que era animadora de festas! Acho que tem muita história para nos contar!!
      :)
      Beijus,

      Eliminar
  12. Luma, sentir saudades nos torna vivos e revive momentos felizes e traz de volta a alegria que ele nos proporcionou. Sinto assim. E, quando ouço canções nostálgicas, emociono-me. Inevitável.
    Beijo, menina

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Denise!
      Acho que o sofrimento do passado tem que ser assimilado e diluído nas lembranças. Eu gosto tanto de lembrar com os amigos, com a família... que até mesmo fatos que não foram bons, tornaram-se engraçados! Lógico que alguma coisa foi mudada do contexto ou não nos lembramos inteiramente do fato! :D
      Beijus,

      Eliminar
  13. Nossa, que saudade do toca-discos e dos velhos vinis! Na infancia, ouvia os discos do Balao Magico, e depois, na adolescencia, ganhei o sonhado "walk man" e rodava sem parar as fitas do Roupa Nova, Roxette, Legiao Urbana... E bom relembrar! E esse fim de semana e especialmente nostalgico: encontro de 10 anos de formatura, com a velha turma da faculdade! Amei o post, Luma, um abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Giselle!!
      Esses encontros são sempre bons para relembrar fatos ocorridos durante o curso! Muito bom!!
      Ah, o Walk Man foi anterior ao disk Man e até mesmo o minidisk que citei no post! Hum... adoro Roupa Nova!!
      Beijus,

      Eliminar
  14. Difícil encontrar alguém sem trilha sonora mais que especial, não é Luma ? E a vitrolinha!!! Ah! conta tantas histórias... adorei ler este seu post. Vou verificar os links agora. Sei que irei gostar.
    Beijão.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Astrid!
      Acho difícil não! Outra vez que fiz um post sobre música, duas pessoas comentaram que não gostavam de ouvir música. Não é impossível!
      Beijus,

      Eliminar
  15. Não sei o que seria da minha vida se não fosse também a música.Todos os dias escuto e tantas vezes encontro nelas respostas para perguntas presentes dentro de mim.E exatamente pelo sentimento de saudade(amiga fiel e companheira da minha vida) ser mais notório em dias frios é que procuro evitar músicas de letra ou melodia que considero tristes para mim.Hoje uma amiga me ofereceu alguns clips da série 'playing for change' presente no youtube e com as músicas também dancei.
    Abraço fraterno,bom final de semana pra você!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Bergilde!
      A música é uma forma de distrair o pensamento e nos levar para lugares que um segundo atrás não imaginávamos pensar. Se te levou a dançar, é porque é boa mesmo!!
      Beijus,

      Eliminar
  16. Luma!
    A música faz parte do meu cotidiano, tenho sempre uma que traz a lembrança de bons momentos, tem algumas que trazem momentos tristes também, porém prefiro não ouvi-las, esquecê-las.
    Agradeço por trazer recordações e nostalgia.


    Agradeço o carinho de sua visita, obrigada! Logo estarei totalmente restabelecida.
    Que seu final de semana seja esplendoroso!!
    cheirinhos
    Rudy
    Blog Alegria de Viver e Amar o que é Bom!
    "É melhor calar-se e deixar que as pessoas pensem que você é um idiota do que falar e acabar com a dúvida."(Abraham Lincoln)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Rudynalva!
      Eu não coleciono músicas pois tenho a tendência de enjoar se ficar ouvindo, mas quando aleatoriamente escuto no rádio ou uma outra pessoa coloca para escutar, a surpresa sempre me traz a lembrança que tenho associada a essa música.
      Fique boa logo!!
      Beijus,

      Eliminar
  17. Pois eu sei o que é uma vitrolinha(já sou de outros tempos). Gostei do
    conteúdo deste seu post. Desejo que esteja bem.
    Bj. e bom fim de semana.
    Irene Alves

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Irene!!
      Algumas pessoas chegaram por aqui procurando por "vitrola" antes que eu tenha pensado em escrever esse texto. Então imaginei que muitos não sabem... Nós sabemos, não é mesmo? :D
      Beijus,

      Eliminar
  18. Oi, Luma, como vai?
    Achei muito apropriada a distinção que fez entre nostalgia e passado... a nostalgia me parece o perfume bom que ficou da nossa história. Mas claro, sem deixarmos de olhar o futuro, buscá-lo da melhor maneira possível, para que deixe seu perfume também.
    Meu pai também ouvia muito vinil... há muitas músicas que me lembram essa época, não vou falar de uma específica, mas sempre lembro desses momentos quando escuto Clara Nunes ou ABBA.
    Um abraço!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Bia!
      Costumo diferenciar a saudade da nostalgia, mas sei que muitas pessoas não fazem distinção. A minha definição é parecida com a sua - com a nostalgia não sofremos - é como um perfume no ar.
      Muito bem lembrada a Clara Nunes. Lembro dela de branco cantando na beira do mar...
      Beijus,

      Eliminar
  19. Luma
    desculpa, nem consegui ler o texto direitinho
    o trailler do filme me deixou, sem concentração, hahaha
    fiquei só lembrando do meu primeiro beijo, ou melhor dos primeiros beijos
    vi a preocupação do garoto, em alinhar os pés e lembrei que minhas amigas ficavam me ensinando como deveria ser o primeiro beijo. Na hora esqueci todas as instruções das amigas, tasquei foi a mão no pescoço do amado ( o que não era adequado para a época, ele podia pensar que eu era leviana, rs) Ah, quer saber, se ele pensou ou não, depois de certo tempo, ele me trocou por outra garota rica e despudorada. E ainda por cima, desapareceu. Sem deixar um adeus, sequer. (nossa, poque estou falando tudo isso? ) Foram recordações. Teve música também, do Roberto Carlos. Talvez seja esse o motivo, de não gostar de ouvir, apesar das músicas serem ótimas. ( tres anos depois encontrei o tal ex namorado, que me viu uma moça bonita e quis reatar o namoro, desculpando-se e perguntando se tinha chance de voltar. (Oi??) Ah, me poupe!
    Ficou lá no passado!
    eu gostaria de ter uma versão moderna de toca-discos, guardei um L.P. da Connie Francis, e minha música preferida: Siboney
    (do arco da velha, rsrs)
    beijos Zizi

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. kkkkkk só você Zizi!! Mas sabe, eu ri muito com o trailler do filme e com o menino todo desengonçado dançando na frente da menina. Os homens são como pavões, não é mesmo? (rs*)
      Gostei de saber da sua história! Ah, nós mulheres somos sempre reprimidas pelas outras...
      Fui procurar a música que indicou e nao conhecia mesmo! Mas parece que ela era bem conhecida, pois tantos artistas regravaram...
      Beijus,

      Eliminar
  20. Ei Luma,eu ainda tenho os LPs lá de casa,eu herdei e um dia deste meu irmão me pediu uns pra mandar gravar em CD,mas dizem que o som do vinil é melhor que o CD em determinados aspectos,só não sei te dizer quais...Nostalgia é comigo mesmo,eu adoro relembrar o passado,mas não pra viver nele,mas pra dar uma injeção de ânimo no presente.Bjocas!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Ane!!
      Empreste com a certeza da devolução :D Eu trato os meus como tesouro! Nostalgia não tem nada a ver com viver no passado. De vez em quando faz bem!!
      Beijus,

      Eliminar
  21. A música faz parte das nossas vidas e não há quem não se recorde delas nos momentos das lembranças passadas. Outro dia lamentei ter disponibilizado dos meus vinis ,(tinha alguns da Jovem Guarda ), já que voltaram a gravar nesse formato.Penso que ficará somente nas coleções especiais não deve pegar devido a agilidade da tecnologia que anda a galope .
    É um texto perfeito no quesito saudade Luma _ saudade da boa vitrolinha ... eu tenho ! e também da boa música , nao gosto dessa 'pauleira 'funk que rola nas rádios.Acho mais deprimente que alegre.Há quem goste e nada contra -mas saudade não vai deixar... rs
    abraços Luma e bom domingo
    * desculpe nunca mais conseguir postar algo sobre como foi que participei do
    'bookcrossing', participo sempre e acho importante testemunhar mas fico bloqueada e passa o dia sem que eu o faça. Me desculpa querida.
    Adoro o movimento dos livros circulando ...
    abraços

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Lis!
      Alguns desses LPs estão nas mãos de colecionadores e custam uma boa bagatela! Um outro motivo para você lamentar ter disposto deles.
      Também duvido que essa pauleira vá no futuro desencadear algum tipo de nostalgia. Estou afirmando sem pensar nas pessoas que gostam, e como gostam, não?
      Quanto ao bookcrossing, fique à vontade. Quando o desbloqueio passar, você manda notícias!! :)
      Beijus,

      Eliminar
  22. Lembro de quase todos os discos que tive, alguns dão até medo! rsrsrs Lembro daqueles que escutava com os meus tios e gosto de lembrar. Não é viver no passado e sim ter boas lembranças. Adoro os tempos atuais, acesso a tanta informação, música do mundo inteiro, com facilidade, no meu computador. Estou muito feliz com esta época e também por ter tantas lembranças.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Ana Paula!
      Você entendeu o sentido que quis dar ao post! Aqui não prego para ninguém viver de passado, mas se lembrar dos bons vínculos que o passado nos deixou.
      Beijus,

      Eliminar
  23. Meu primeiro som foi um parecido com um destes.
    Eu também gosto de músicas nostálgicas.
    Tempos que música era música e não arranjos sintetizados.
    Ainda tenho um toca discos, 3 em 1, mas não tenho mais nenhum vinil o que me arrependo amargamente de ter me desfeito.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Claudio!
      Temos que viver o presente, mas não podemos esquecer das coisas boas do passado! O que se leva dessa vida?
      Beijus,

      Eliminar
  24. Um dia destes, eu vi a foto do secador de cabelo cor de rosa que eu e a minha irmã ganhamos dos meus pais e fui a uma viagem bem longa ... a nossa vitrola era um móvel, que ficava na sala e eram muitos os discos que ouvíamos ... quando era a vez dos meus pais, a rotação era mudada, se não me engano para 78? E os discos bem cuidados, pois podiam quebrar ... lembranças ... assim como os pratos italianos de uma Itália pobre, por conta da guerra, mas apetitosos até por conta da simplicidade, a música também é parte importante do meu passado, onde a gente tirava o tapete da sala nos finais de semana para o famoso bailinho ... kkkkkk. Beijão Luma!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Maria Gloria!!
      Imagino a viagem!! Os discos podem também arranhar, o que estraga ouvir todo ele - a agulha pulando também é nostalgia... rs.
      Muito bom tirar o tapete para dançar!!
      Beijus,

      Eliminar
  25. Querida Luma
    Gostei imenso do seu texto! O nosso passado é o nosso substracto, a base em que assentam o Presente e o futuro.As músicas fazem-me recordar bons momentos! As músicas e as fotografias...
    Felizmente que pertenço a uma época em que as músicas eram de tal maneira boas,que hoje ainda os oiço a serem tocadas em outros ritmos ou até iguais como no filme Mamma Mia.E muito interessante é também ouvir filha e netas a trautearem canções do meu tempo.Às vezes a minha neta fica admirada por eu conhecer esta ou aquela música,pois não sabe que ela já se ouvia no meu tempo. É bom demais a mesma música agradar a três gerações!!!
    Obrigada por me ter levado a viajar até ao passado,tão feliz!!!
    Parabéns pelo seu texto.
    Uma boa semana.
    Beijinhos
    Beatriz

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Beatriz!
      Vivemos uma época que podemos passear no tempo e ouvir tudo aquilo que no passado somente era disponível se fóssemos na loja comprar. Isso abre oportunidades para conhecermos novos artistas - tenho me dado esse prazer e conhecido muita coisa que no passado dos meus pais e dos meus avós faziam sucesso. Posso garantir que dentro da evolução da música, cada fase teve o seu melhor. Assim também posso afirmar que os meus avós achavam que a época deles era melhor que a dos meus pais, assim como meus pais afirmavam que a época deles era melhor que a minha e eu, nesse mesmo processo, podería dizer que a minha época foi melhor. Não, eu gosto muito do que tenho escutado atualmente... rs. Mas sou uma exceção. Acho.
      Beijus,

      Eliminar
  26. Que delicadeza de postagem. Parabéns! :)
    Vi o título e logo pensei na 1ª vitrola portatil que tivemos em casa, comprada a perder de vista, uma Philips vermelha cuja tampa se separava. Está lá na garagem da minha mãe. Tem uma chave que permite tocar 3 rotações de LPs.
    Por aqui, vitrola chama-se gira discos. Minha sogra tem um daqueles da década de 50-60, com rádio e pés palito. Móvel bonito que meu marido queria vender ou dar e eu insisti que lá ficasse. Agora ostenta uma tv LCD em cima daquela raridade. Faz um bonito contraste!
    Tocam ainda dentro de mim a abertura do "Vila Sésamo" da Globo (dos irmãos Vale) e da abertura Cultura que tinha uma versão em português da canção do programa norte-americano. E lembro de tomar banho de tanque (delícia!) e minha mãe cantar "Mamãe Passou Açúcar em Mim".
    Adorei curtir estas lembranças.
    Lindo início de semana,
    Bjk.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Luciene!
      Meu irmão conta que um dia estavam na casa de um amigo, quando outro chegou com uma dessas vitrolas que separava a tampa. Foi o maior sucesso!!
      Eita, não deixa seu marido dispor dessa relíquia!
      Que lembranças deliciosas com sua mãe e vou procurar essa musiquinha para cantar por aqui!!
      Beijus,

      Eliminar
  27. Luma, parabens por esta delicada postagem!

    Nunca esquecerei a felicidade que senti ao ganhar minha primeira vitrolinha.
    Então pude ouvir as várias historias da Disney que uma prima me deu.
    Passado o tempo, comecei ouvir musicas da Era Disco! E como dançava!
    Ela ia para os aniversarios e era muito valente para fazer a turma toda se sacodir.

    Bom, enquanto eu lia seu texto, chamei minha filha e perguntei se conhecia a palavra "vitrola"
    - Laura, voce sabe o que é vitrola?!
    - Mais ou menos, eu não me lembro o que é não!
    - O que vc acha que é uma vitrola?
    - É aquele negocio de tocar CD grande?! tocar disco.
    - E o que é disco?
    - Mãe, voce é burra?! Disco de musica, né, mãe?!

    kkkkkkkkkkkkkk

    Até que ela é bem informada aos novos 13 anos! .....

    Então mostrei a sua imagem... a expressão foi cruel!

    Beijos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Sissym!
      Sei até quais eram os disquinhos da Disney! Eram coloridos, cada um de uma cor?
      Uma graça a sua filha aceitar passar pelo teste!! (rs*)
      Beijus,

      Eliminar
  28. O meu irmão herdou o gira-discos dos meus pais, nem sei se ainda funciona ;)
    Beijinhos cheios de boas recordações!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Madalena!!
      Pede para ele testar!! Bom para se lembrar de como era...
      Beijus,

      Eliminar
  29. Saudades da minha..post vintage!!
    Abraços.Sandra

    ResponderEliminar
  30. Lumita, que assunto mais porreta este! Eu sou ligadona em música e minha família também, aqui em casa a tv fica ligada no canal da sky em músicas, adoro baladas! Eu também tive esta vitrolinha, depois comprei uma pro meu filho quando criança e agora ela pertence à minha sobrinha mais nova. Discos de vinis tenho-os até hoje lá na casa em Petrópolis e um toca discos que vez em quando ligo para curtir e o filho curte também e já tentou roubar-me. hehe
    Músicas, tenho algumas na memória afetiva, posso citar algumas, como:
    If com Breads, todas dos Beatles, a época dourada da MBP e da Bossa Nova e canto até hoje, no banheiro, Reflections of my Life e It's to late da Carly Simon. Ah são tantas! adoro! hehe
    beijão carioca



    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Beth!
      Muito espertinho o seu filho!! :D De muito bom gosto as suas lembranças!!
      Gosto de lembrar junto com outras pessoas, é um bom exercício pois cada um lembrar de algum fato e se o fato é conjunto, podemos saber os pontos de vistas diferentes!
      Beijus,

      Eliminar
  31. Luma, além de tudo isso que vc falou tão bem, eu tenho a impressão de ouvir uma música e me "transportar" para outro lugar. Outro dia estava assim, dirigindo, ouvindo música, a minha mãe falou comigo e eu "hã, desculpe, estava em Veneza" e ela, "ah não, essa música me lembra Paris". Vai entender? Eu já me perdi várias vezes no trânsito! Se eu faço um caminho diferente, desligo o rádio. Bjs.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Hahaha Patrícia!! Você morar em uma cidade pequena e desviar o caminho é bem diferente de quando mora em uma cidade grande! Melhor desligar o rádio!
      :)
      Beijus,

      Eliminar
  32. Que fofo esse post. Adorei. A musica é realmente um grande instrumento de pesquisa. A Musicoterapia faz esse inventario com a familia de pacientes que nao podem falar por conta propria, ate dos sons que foram ouvidos numa gravidez, as musicas que asmaes gostavam e ouviam. Um excelente trabalho para quem nao pode se comunicar, ou nao consegue -pelo menos nao como nós fazemos, como os autistas. E para nós é essa delicia de memórias,como voce falou. E por falar em memórias, tb tive aquele sapatinho de duas cores. Não era de Golf o meu, era comprado na "Polar" mesmo. Haja memoria. Que delicia. Um beijo Luma. Ah e aquilo que nao te respondi^: é da Maia sim. Bjosss

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Camille!
      Tenho um texto sobre musicoterapia e duas blogueiras aplicam aos filhos autistas.
      Acho que a loja "Polar" até fechou!! (rs*) e eu me lembro do sapato, imitando o oxford masculino - um clássico!
      Fez bem em não responder. Eu até deletei a pergunta. Sou amiga da Maya e por isso perguntei.
      Beijus,

      Eliminar
  33. A própria foto já dá saudade, Luma! Ainda tenho uns 150 vinis... e que falta sinto daquele tempo! Excelente post, boa semana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que barato, Árabe!!
      Uma sessão nostálgica cairia bem!
      Beijus,

      Eliminar
  34. Bahhhhhhhhhh, Luma... essa do Roxette marcou mais gente por aqui... hehehe! Eu #soudesses que tem trilha sonora (mesmo que imaginária) pra tudo nessa vida!!! With or without (U2), The Sound of Silence... ai, ai... nostalgia #megusta! Beijooooooooos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Boas músicas lembradas, Fred!!
      :D
      Beijus,

      Eliminar
  35. Olá Luma:)

    Me lembro dessa música e adoro. Que saudades de ouvir:)
    Gosto muito de música e oiço todo o dia - não passo sem ela:)

    Boa semana!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Formiguinha!!
      E pensar que tem gente que não gosta de música!!
      :D
      Beijus,

      Eliminar
  36. Oi Luma! Só não tem memória quem é doente. Meu pai tem coleções de vinis com músicas belíssimas e bandas raras como Abba, por exemplo, adoro! Beijo!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Renata!
      Seu pai deve ser uma pessoa boa de conversa! Eu aprendo muito sobre música conversando com os mais velhos!
      Beijus,

      Eliminar
  37. Não podia deixar de passar por cá, não tive uma vitrolinha mas um gravador portatil que com suas fitas K7 faziam muito bariulho na época. Tudo passa... mas uma música que me marcou bastante foi "Menina Veneno" do Ritchier. Sabes como eram nossos corções de adolescentes, né?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Gilberto!!
      Faziam barulho e também enrolavam bastante!! Já desembolei algumas fitas! Ritchie comemorou 30 anos de Menina Veneno. Sei disso porque ele é vizinho de uma amiga no Rio e está lançando um filme sobre a cidade esse mês!
      Beijus,

      Eliminar
  38. Jesus me abana... eu tive uma vitrolinha dessas... a minha tinha a tampa laranja! E que alegria quando a ganhei! Tô véia! rs...rs...rs... Bjks Tetê

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Hahahahaha Que isso, Tetê!! Você é uma mulher antenada!!
      :)
      Beijus,

      Eliminar
  39. Minha primeira vitrolinha ganhei numa rifa da escola. Era usada,mas funcionou bem até minha irmã e eu comprarmos uma outra,mais moderna. As musicas sempre embalaram minha infancia e adolescencia. Até hoje é assim. Todos temos uma trilha sonora na vida!...rss...gostei do video,especialmente da cuspida dele após o beijo...rss....Boa semana,Luma! bjs,

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Anne!
      Rifa da escola também é nostalgia! Hahahaha essa cuspidinha só perdeu para a dancinha!
      Boa semana!!
      Beijus,

      Eliminar
  40. Sem palavras, Luma. Lá em casa a vitrola ficava no quarto. Os irmãos mais velhos gostavam dos Beatles e eu cresci ouvindo Hey Jude, Help, While My Guitar Gently Weeps, entre outros clássicos. Não deu outra, também me amarrei nos britânicos. Adorei a sessão nostálgica. A ilustração do post (vídeo e música) está sensacional. Bateu uma saudade de tudo o que já vivi e o receio do que ainda vou viver. E ficou, também, a vontade grande de conhecer aquele lago. Grande abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Carlos!
      A nostalgia nos pega de assalto quando menos esperamos, antes disso é pura saudade! Como um perfume que paira no ar... Que cheiro será deve ter o lago?
      Ah, então vem daí a sua paixão pelos Beatles!! :D
      Beijus,

      Eliminar
  41. Oi, Luma.
    Postagem muito bonita.
    Minha filha ficou com quase todos os meus LPs. Mas, me sobrou uma enorme quantidade de 78rpm. Preciso conseguir uma vitrola que os toque.
    Quando minha filha colocou um vinil na vitrola, minha neta ficou maravilhada. Nunca tinha visto um CD que tocava dos dois lados.
    Minha música... São tantas. Principalmente dos tempos de namoro com a Nina. Até hoje ela canta lindamente o "Al di la".
    Abração.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, J.F.!
      Não entendo das rotações, mas será que os toca-discos atuais não tocam?
      Bela descrição da sua neta! Ainda não tinha pensado sobre esse detalhe dos dois lados.
      Ui, a Chica também tem essa música dentro da sua caixinha nostálgica! Eu não conhecia mas fui lá no youtube fazer uma viagem no tempo!!
      Beijus,

      Eliminar
  42. OILUma, eu adorei o post. Me lembro bem da minha vitrolinha e dos meus vinis. Aliás, o meu primeiro vinil sem considerar os disquinhos amarelos foi o Tutti Frutti da Rita Lee. Eu vi o filme com a minha filha e nós adoramos.
    beijos
    Chris
    Inventando com a Mamãe

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Chris!!
      Você e sua filha são parceiras e você devia ter um blogue sobre cinema. Estou com Moonrise Kingdom em casa para devolver na locadora. Com dó, pois é tão divertido e meigo!
      :)
      Beijus,

      Eliminar
  43. Sabe, Luma querida, "Nostalgia" devia ser meu sobrenome.
    Vivo intensamente a nostalgia... e, modestamente falando, de uma forma inteligente, porque (pelo menos hoje!) aprendi a filtrar do meu passado somente o que me faz bem reviver.
    E até do que não vivi tenho saudades, acredita? Engraçado, né? Vai entender...
    Costumo até dizer que "sinto saudades de um tempo que não vivi..."
    Quer ver só???
    Muitas músicas me marcaram profundamente, mas nenhuma tanto o quanto "Mandy", de Barry Manilow! Ai, ai... estou aqui suspirando...
    E, amiga, obrigada por seu carinho com meu filho, comigo, com minha família, viu?
    Obrigada por suas palavras, sempre incríveis!
    Bjs em seu coração especial!
    Deus abençoe!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Karin!
      Quem se lembra, nunca esquece! E por isso é sempre bom lembrar das coisas boas para dar uma "peneirada" no que levaremos para o futuro! Dessa vida temos que aproveitar o seu melhor. O momento que está vivendo com o seu filho será sempre lembrado no futuro com nostalgia...
      Beijus,

      Eliminar
  44. Ótimo texto, Luma. Acho difícil tirar a tristeza da nostalgia porque acaba sendo inevitável, já que toda lembrança carrega um pouco desse sentimento. As músicas eram muito melhores e muito mais marcantes. Que saudades de Roxette. Tenho CD, inclusive. Mas tenho tb vitrola do meu pai, quebrada, mas tenho e inúmeros vinis. Várias músicas da Shania Twain me marcaram. Enfim, bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Sérgio!
      Como se lembrar de momentos bom com tristeza? A não ser que o presente não esteja bom! :D
      Tenho ouvido muito pouco cd e para falar a verdade, no final de semana estou programando tirar a maresia deles! Aqui embasa tudo!!
      Lembro quando Shania Twain foi lançada e faz tempo que não escuto. Boa pedida para esse finalzinho de noite!!
      Beijus,

      Eliminar
  45. Curioso este post... Quando lembro de um presente que o meu Pai me tenha oferecido na infância, é justamente um toca-discos. Tanto disco de vinil que eu escutei nele, foram mesmo muitos.

    Se tivesse que tocar o meu passado apenas com uma única música... hum... boa questão... momentos bons menos bons... hum... processing... wait a moment please... processing... vou fazer batota e vou colocar 2 musicas: http://www.youtube.com/watch?v=E4IN-OsYjDc e esta http://www.youtube.com/watch?v=ZW0DfsCzfq4 =)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tell me more, tell me more...
      Curioso, Alexandre... essas duas músicas são de filmes que fazem-me lembrar de meu irmão e minha irmã. Minha irmã era doida pelo John Travolta! Tanto que a sua festa de aniversário daquele ano foi "Nos tempos da Brilhantina". Todos tinham que ir caracterizados e lembro que o pátio da minha casa ficou cheio de motos, garotos com jaquetas de couro e meninas com saias rodadas!
      Muito bacana o primeiro vídeo! Em um dado momento quem assobia começa a rir e depois disso, ficou muito mais divertido!!
      :)
      Beijus,

      Eliminar
    2. ;) Like. Este mundo ás vezes fica tão pequeno.

      Eliminar
    3. Pequeno e confortável :D É assim que gosto!!

      Eliminar
  46. Boa noite Luma!
    Lendo o seu nostálgica memória musical, veio a imagem dos meus pais fim de semana ouvindo LP de Clara Nunes e Benito de Paula. Nós chamávamos o som de eletrola, hoje soa até esquisito rsrsrs.
    Sonhe com anjos luzes!
    Bjossss

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Boas lembranças, Bia!!
      Noutro dia vi o Benito de Paula no programa da Fátima Bernardes e achei o máximo!!
      É verdade... Eletrola!! "Vitrola elétrica", um passo à frente da manivela!!
      :)
      Beijus,

      Eliminar
  47. Muito lindo Luma esta nostalgia que vem nos elevar o espirito e não deixar aquele ranço de saudosismo triste.
    Ah, tenho muitas musicas que nem o tempo apaga de minha memoria.
    Gostei amiga.
    Tambem adquiri uma nova vitrola de vinil com interface de computador.
    Uma linda semana a voce .
    Meu terno abraço de paz e luz.
    Bjo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu sei que tem, Toninho! Sempre que vou no seu blogue, você tem uma música boa para nos mostrar e lembranças para nos contar.
      Ainda não testei passar os vinis para o pendrive. Acho estranho não ver o disco rodar! :) Qual a graça?
      Beijus,

      Eliminar
  48. Oi Luma
    Perfeito esse post
    Ando um pouco sumida e sem tempo para o blog.
    Mas sempre que posso dou uma pincelada aqui e outra ali...
    Que viagem no túnel do tempo você me permitiu agora !!!

    Amei
    Bjs
    Debby :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Debby!
      Que bom que gostou!! Você é sempre bem-vinda!!
      Beijus,

      Eliminar
  49. Qtas recordações tive lendo o seu texto, Luma! Na minha casa (da minha infância) meu pai tinha uma vitrola e três músicas vieram à minha mente: Hey Jude, dos Beatles, Yes do Tim Moore e Não Se Reprima do Menudo, mas essa última eu tinha medo de ouvi-la pq um dia minha irmã chegou da escola, ligou a vitrola e colocou esse disco pra mostrar que se inverter a rotação o refrão diz "Satanás vive!" Todos nós lá de casa ouvimos e ficamos aterrorizados, hahaha, meu pai partiu o disco no meio, rsrsrs.
    Bjs Luma e viva a nostalgia... boa! rs
    www.viveraprendendo.com

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nossa, Sileni!! Não sabia o que acontecia com essa música. Já me falaram de uma música da Xuxa... Mas acho que por causa da voz ficar distorcida, levamos a pensar que isso é mesmo dito. Eu prefiro não acreditar e em consequência, não ouvir! Se por acaso ouvisse, faria a mesma coisa que o seu pai fez!
      Viva a nostalgia!! Vou lá conhecer a música Yes!
      Beijus,

      Eliminar
  50. Oi Luma,
    Que delícia de postagem!
    Minha trilha sonora não é pequena...
    muitas músicas tocaram e tocam dentro de mim!

    'Depois do silêncio,o que mais se aproxima de expressar o inexprimível é a música'. (Aldous Huxley)

    Bjs!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Clau!!
      Uma frase linda que deixou para constatar uma verdade que existe em todos nós! Tantas músicas e tantos acontecimentos complementam-se! Tantas que muitas vezes esquecemos, mas basta apertar um botãozinho - no caso, a música - que lá vem toda a lembrança e detalhes daquele acontecimento!
      Beijus,

      Eliminar
  51. Olá Luma!

    Adorei o post, simplesmente lindo. Todos nós, creio, temos uma banda sonora na nossa vida. ;)
    Recordar é viver.

    Beijos,

    Cris Henriques

    http://oqueomeucoracaodiz.blogspot.com

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A vida é uma sinfonia sem fim!! :D
      Beijus, Cris!!

      Eliminar
  52. A musica no final do post me fez lembrar dos tempos onde a grande estrela da casa, já em Curitiba, era a tv de 29 polegadas. Rei do Gado era programa para quem estava em casa... almir sater e sergio reis cantam como se estivessem do meu lado :).

    Meus pais tiveram vitrola, mas se desfizeram como inumeros pedaços da história deles para garantir a sobrevivencia dos filhos. Meu pai e meu irmão foram adeptos saudáveis das fitas K7, e eu vi meu irmão atravessar todos os aparelhos: teve MD player, Diskman, MP3 Player, usamos muito winamp e o imesh... hoje além de tres aparelhos com 32gb - 300 discos, rs - que cabem nos bolsos tenho um dock para eles, sem contar Deezer, Grooveshark e as rádios online.

    Todos os meus relacionamentos tem uma playlist e uma musica chave, e a mania de passar 90% do tempo acordado acompanhado por musica chega ser até mais que a conexão com momentos do passado, são formas de deixar o presente com o tamanho certo, e viver cada dia adicionando seus sons e sabores... para os demais momentos também tenho minhas musicas, até havia feito um especial com as 18 que marcavam meu "periodo zero" até os 23 anos...

    que delicia de post! bjos :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Tony!
      Agora fiquei com vontade de assistir essa novela. Vou te contar! Eu andava tão estressada com o trabalho que fui no médico e ele falou que era eu assistir novela, pois não havia nada mais relaxante. Sou ansiosa para esperar os capítulos... Vou ver se tem em dvd.
      Passamos por tantos aparelhos! Ultimamente compro ou escuto música on-line. Quando estou em casa também acesso fm on-line - gosto de ouvir música aleatoriamente! Conforme as músicas se apresentam, vou fazendo as ligações.
      Estou envergonhada, porque de ex-relacionamentos não lembro de música, mas de perfume ou comida. Por que comemos tanto quando estamos namorando? :D
      Que bom que gostou!!
      Beijus,

      Eliminar
  53. Belíssimo texto, Luma. Penso como você. A música acompanha momentos de vida e faz também vida! Tenho poemas escritos depois de ouvir algum música que marcou momentos, ela acaba por ser integrada no nosso processo de crescimento. É memória, sim! Por vezes alguma nostalgia mas sem ser tristeza! :). E o vinil foi parte da história musical! O meu filho guarda alguns quase como relíquias...
    BJO :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Odete!
      Eu percebi pelos comentários, que a maioria remete a nostalgia e também a saudade como uma volta ao passado de forma a curtir tristeza. A nostalgia é como um perfume que nos remete a um momento vivido com beleza.
      Seu filho sabe das coisas!! :)
      Beijus,

      Eliminar
  54. Interessante, também penso em minha vida como uma linha do tempo não marcada por 'datas', mas por eventos específicos. Há uma certa associação a números mas algo mais 'empírico' do qual não conseguiria explicar nem a um cientista e nem a um numerólogo. A vitrolinha? A minha era um estojo laranja. Fim de semana passado curti muitos momentos de nostalgia na feirinha da Benedito Calixto, no bairro Pinheiros. Encontrei bonequinhos Playmobil por lá. Não resisti. Mesmo danificados, comprei 3. Beijos, Paula

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Paula!
      Também não sou ligada em datas e quando vou fazer "as contas" sempre acho que elas estão erradas - não parece que o tempo passou tão rápido (rs*). Às vezes também me confundo, por ser caçula e ter vivido também a história de vida dos meus irmãos mais velhos.
      Ha ha ha não posso visitar essas feiras!! ;)
      Beijus,

      Eliminar
  55. Luma, gostei muito da sua reflexão. As músicas marcam a nossa história de uma forma linda, e são âncoras para voltar no tempo :D
    bjssss

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Dayse!!
      Fico feliz que tenha gostado! A música para mim é uma válvula de escape para lembrar de fatos. Tenho a impressão de que a música me procura! :D
      Beijus,

      Eliminar
  56. Grata e feliz por a encontrar! Sou sua seguidora há um tempo largo!
    Na realidade, a nostalgia para mim, me recorda um tempo passado de muita felicidade e de terna lembrança.

    Amei o que li e o que vi!

    Natal Feliz!

    Maria Luísa - os7degraus -

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Maria Luisa!
      Vou sempre no seu blogue através do feed, mas ultimamente ele tem me deixado na mão e por isso, resolvi usar o seguidores do blogger. Feliz com a sua presença por aqui!!
      Beijus,

      Eliminar
  57. Muito interessante e terna a cena de amor na praia!
    Belos tempos...

    Maria luísa

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Achei muito engraçada! Principalmente a parte em que o garoto age como um pavão :D Os homens fazem isso para conquistar, não é mesmo? O garoto tão desengonçado... rs.
      +Beijus,

      Eliminar
  58. Bom dia,Luma
    O texto faz a gente pensar. Por vezes nos lembramos sempre das coisas ruins, mas e das boas?Quando colocamos a trilha sonora daquele momento, fica muito bom.
    Muito bom o texto me fez pensar.
    Valeu, amiga.
    Bjs
    Lúcia

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Lúcia!
      Lembrar das coisas boas é um bom exercício para também nos livrarmos de amarguras. Se lembramos somente de coisas tristes, ficamos amargos! Melhor ter doçura do que amargura, não acha? :)
      Beijus,

      Eliminar
  59. Que saudade. Vinil, tenho alguns, guardei-os, só a vitrolinha essa não tenho.
    Esse filme, adorei.
    Bjs.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ah, esse fim de semana vi uma vitrola em uma feira de antiguidade! Mas acho que é melhor você comprar uma nova, pois essas veem até com lugar para colocar o pendrive :)

      Eliminar
  60. Boa noite Luma.
    Que delícia de lembrança.
    Vinil tenho alguns, a vitrolinha essa não, mas saudades muitas e imensas.
    Adorei.
    Beijos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Rita!!
      Seja bem-vinda ao luz!!
      Eu garanto que você não precisa ouvir os vinis para se lembrar do porquê os guarda! :) Devem carregar muitas histórias boas!!
      Beijus,

      Eliminar

Tenha identidade, não seja anônimo na web. Crie sua identidade virtual.

...bisbilhotaram em quietude, sem solidão

PlagSpotter - duplicate content checker tool
Licença Creative Commonsget click

Algumas coisas não têm preço


finalista the weblog awards 2005finalista the weblog awards 2006
finalista the weblog awards 2007weblogawards 2008
Verificar conteúdo duplicado

Me leve com você...

Leia o luz no seu celular

Copyright  © 2014 Luz de Luma, yes party! Todos os direitos reservados. Imagens de modelo por Luma Rosa. Publicações licenciadas por Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial- Vedada a criação de obras derivadas 2.5 Brasil License . Cópia somente com autorização.

Tem sempre alguém que não cita a fonte... fingindo ter aquilo que não é seu.

Leia mais para produzir mais!

Atenção com o que levar daqui. Preserve os direitos autorais do editor