Bebemos, Papa!


Fotos tiradas na missa em Aparecida do Norte

Não sei se houve contradição de notícia ou se o Papa Franciso também quebrou mais um protocolo, mas foi veiculado que a vinícola oficial da Jornada Mundial da Juventude seria a Salton, a mesma que fornece vinhos para as Igrejas e que seria servido ao Papa Francisco um vinho canônico, com álcool exclusivo das uvas, elaborado há 70 anos. Durante as missas seria servido um vinho de qualidade superior, o Talento 2007, uma mistura de três tipos de uva: Cabernet Sauvignon, Merlot e Tannat com preço girando em torno de R$ 55 a garrafa de 750ml.

Acontece que li uma outra notícia, afirmando que um vinho de Jundiaí, interior de São Paulo, seria servido ao Papa. O vinho somente comprado em Adega, em garrafas de 750 ml, custa R$ 16 e perto do vinho anterior, bem mais barato.

A verdade é que dificilmente você encontrará um argentino que não goste de vinho, pois lá se produz e são elaborados vinhos muito bons.

Você se pergunta, por que os argentinos gostam tanto do Brasil, mesmo que aqui a população não os veja com bons olhos? Na verdade, isso tudo não passa de uma grande brincadeira, pois se não é, deveria de ser! Somos a praia dos argentinos!
Houve um tempo de vacas magérrimas no Brasil em que a nossa moeda desvalorizada atraia turistas do mundo todo, mas ninguém fez mais festa nesse país do que os argentinos. Quem circulava por Búzios nos anos 80 assistia a cidade trocar o charme do sotaque francês de Brigitte Bardot pelo espanhol dos portenhos, que invadiram a nossa praia - literalmente.

Hoje com a moeda brasileira mais forte (?), a situação se inverteu e quem faz a festa na Argentina somos nós. Buenos Aires é ótima para se fazer compras, os hotéis estão mais baratos e nossos compatriotas se refestelam pela cidade que muitas vezes já foi citada - por ignorância geográfica - como a capital do Brasil. Uma pena que não seja - desculpem-me os excessivamente patriotas, pois são apenas conjecturas - mas a capital argentina, além de linda, é um luxo só, com seus monumentos, hotéis e cafés imponentes.

Porém, o meu paraíso argentino é a região de Mendoza, responsável por 90% da produção de vitis vinífera do país. Segundo o último levantamento feito pelo Instituto Nacional de Vitivinicultura, 914 produtores estão espalhados pelas cinco regiões vitivinículas de Mendoza.
Ainda que a cepa mais plantada seja a francesa Malbec, os enólogos mendocinos dominam com galhardia outras variedades. Entre as tintas, estão o cabernet sauvignon, merlot, pinot noir, sangiovese, syrah e tempranillo. Entre as brancas - apesar do enorme sucesso da espécie torrontés riojano - é a chardonnay que ocupa a maior área plantada. Mas isso não impede o crescimento de outras brancas elegantes, como chenin, pinot blanco, sauvignon blanc e semillon ugni. São boas surpresas para o paladar e o bolso. E não para por aí.

Com a promessa de ser um grande produtor de vinhos - o que vem se confirmando anos após anos - a Argentina está atraindo vinicultores de várias partes do globo, sejam eles do Velho ou do Novo Mundo. Um dos primeiros a apostar nisso foi a vinícula italiana Masi. Instalada em Tupungato, vinifica o Passo Doble com o tradicional método italiano ripasso - técnica usada no Veneto, na Itália, no qual as uvas, depois de fermentadas, são depositadas em barris que contêm a borra de vinhos mais potentes.
Outro produtor internacional que aposta na região é o grupo O'Fournier - seus vinhos são um retrato da modernidade, ou seja, são bem vinificados com um leve toque de complexidade aqui e ali, deixando a fruta aparecer para arrebatar o nariz e o paladar do novo consumidor - uma marca registrada do magnânimo enólogo Michael Rolland, consultor do grupo.

A Bodega Cavas de Weinert - uma das mais antigas e talvez a mais conhecida entre os brasileiros - consegue conjugar a história de uma época atrás de sua arquitetura com a modernidade dos vinhos. O dono da bodega é o brasileiro Bernardo Carlos Weinert, que começou a produzir vinhos em 1975, restaurando uma vinícola já existente.
Entre os templos da vanguarda e do conforto estão a Bodegas/Pousada Vistalba de Carlos Polenta; a Bodega Salentein e, claro, a Bodega Catena Zapata. O endereço destes produtores e muitos outros estão no site Wines of Argentina, instituição que promove vinhos do país e é uma das mais organizadas no gênero.

Finalizando, deixo uma dica de um ótimo lugar em Mendoza para comer, comprar vinhos e livros sobre o tema, o El Gran Bar 23, que dispõe de um menu surpreendente.

Apesar de toda a implicância que temos com os argentinos, é preciso admitir que hoje eles nos dão duas alegrias: quando perdem para nós no futebol e com seus vinhos de alta qualidade.

Participando da BC - Países, uma volta ao mundo - Aproveitando a visita do Papa Francisco ao Brasil

"Deus confiou ao homem e à mulher o cultivo e o cuidado da Terra, para que todos pudessem morar nela, mas o egoísmo e a cultura do desperdício levaram ao descarte das pessoas mais fracas e necessitadas."

92 comentários :

  1. Há há há... você é uma pândega. Não sou um apreciador de vinhos. Na verdade não saberia distinguir, num teste cego, um garrafão desses vinhos baratos de um vinho premiadíssimo. Mas sempre ouvi falar de lugares lindos para se visitar lá. Conheço quem seja apaixonado e vá, em todas as férias, para a Argentina. E sobre as duas alegrias, posso dizer que fico muito mais feliz com a vitória deles sobre a nossa seleção do que com a vitória de uns times aqui do estado de São Paulo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Profe!!
      Sou? Não sou dada a muitas orgias gastronômicas... rs.
      Em geral, os lugares onde se produz vinho, a natureza agradece e nos mostra um arsenal de cores, tanto do solo quanto do céu.
      Daquela última vez que lhe contei que fui ao Chile, também foi a última vez que estive na Argentina. A América do Sul é muito rica em lugares e devíamos explorar mais antes de partir para outros continentes.
      Sobre o futebol, sempre torço pelo Brasil e a Seleção argentina sempre será rival, pelo peso de serem bons oponentes. Creio que os Argentinos são mais fanáticos por futebol que o Brasil. É impressionante como a indústria local do futebol funciona e bem.
      Boa semana!!
      Beijus,

      Eliminar
  2. Eu também não entendo essa rivalidade,apesar de que, se deixada somente no campo do futebol, é bastante saudável e bem vinda. Não sou muito de vinhos, mas os métodos de produção,a s variedades das uvas, enfim,todo o processo me parece interessante. Sobre o tema, gostei muito do livro "La Bodega", do Noah Gordon, já leu?

    Beijos e bom fim de semana ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Luciano!
      É verdade, a rivalidade dentro o esporte é sempre muito saudável, pois podemos superar limites e a vitória traz muita alegria coletiva.
      Sobre "La Bodega", li por causa de uma resenha que fez! :) Gostei de saber das lutas e guerras políticas da Espanha do último quarto do século XIX e a vida quotidiana dos camponeses. O vinho mesmo, custa a aparecer!!
      Boa semana!!
      Beijus,

      Eliminar
  3. Isto é uma aula para quem não domina o tema sobre vinhos e vinicultura.
    Vou apresentar este seu post Luma, e o seu blog claro, para uma apreciadora de vinhos e que conhece bem o assunto. Inclusive esteve recentemente em Mendoza...Maria Glória D'Amico.
    Um beijo grandão...bom dia e saiba que é sempre uma alegria estar por aqui....
    Mais um beijo pela sua dedicação e o carinho para comigo.
    Astrid Annabelle

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Astrid!!
      Nem tanto!! :) Oba!! Vamos prosear sobre vinhos bastante então! Eu já conheço a Maria Glória D'Amico e será um prazer recebê-la em meu blogue, através do seu convite!
      Obrigada você pelo carinho!!
      Beijus,

      Eliminar
  4. Uma aula de cultura neste post. Adoro um bom vinho
    com uma boa companhia.

    Beijos

    ResponderEliminar
  5. Luma, Luminha, você arrasa!
    Como disse a Astrid isso é uma aula e das boas.
    Estou tentando me tornar uma enófila(existe esse feminino?)
    Aos poucos vou apreciando alguns vinhos. O que caiu no meu paladar e só bebo dele é da uva Cabernet sauvignon.
    Como vê, estou nascendo agora. (risos)
    Xeros

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Ana Karla!!
      Vocês estão me mimando...
      Está certo sim! Enófilo é um estudante de vinhos ou apenas apreciador. Já o enólogo é um graduado que cuida da produção de vinhos exclusivamente.
      Começou bem, a uva Cabernet Sauvignon é a rainha das uvas!
      :)
      Beijus,

      Eliminar
  6. Luma, como sempre, arrasando nos textos. Sou apreciadora de vinhos, já tive muitos (marido ganhava) do mais requintado ao mais simples. Gosto dos mais doces ou um demi-sec. (dizem que quem gosta de vinho doce não sabe apreciar o produto...rsrs) Não conheço nada de nada, só sei que a uva cabernet faz os vinhos mais fortes, mais "rascantes", gosto menos.
    Imagino que o "vinho do papa" deva ser especial, (o das missas, ordinariamente também, para os padres), sem teor alcoólico.
    Não li nada sobre isso, até me deu curiosidade, agora. rs
    Beijo, Luma.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Lúcia!!
      Não existe regra para o gosto pessoal e por isso tantas variedades de vinhos.
      Os vinhos usados em missa, são confeccionados seguindo as regras da Igreja. No passado, eles eram feitos com 100% de uvas Isabel, uma híbrida americana responsável pela maioria dos vinhos suaves comercializados em garrafões, mais baratos que os vinhos finos de mesa. Atualmente a maioria das vinícolas autorizadas ainda continuam a usar essa mesma uva.
      Beijus,

      Eliminar
  7. Luma, adoro vinho e ultimamente tenho me fartado de bons vinhos argentinos. Adoro Buenos Aires e fiz uma vagem para Bariloche com meus pais inesquecível. Acho que a Argentina é um dos poucos países que voltei várias vezes...A carne é uma delícia, os cafés, os doces de leite, o vinho, o tango, os brechós, o Soho...me deu até vontade de voltar.
    Vinho de garrafão de Jundiaí só é bom para fazer vinho quente cheio de frutas, canela e açucar.
    bjs lindo final de semana
    y

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Santinha!!
      Alguns brasileiros pensam na Argentina e se lembram apenas da existência de Buenos Aires. É um país para se visitar várias vezes pois cada região tem suas características peculiares.
      Quando for comprar o vinho em Jundiaí, compre o que presta! Do contrário, somente para fazer quentão mesmo! :) O vinho que o Papa tomou na missa em Aparecida, vinhos brancos e rosés da Adega Maziero (11-4584-1810).
      Boa sorte!!
      Beijus,

      Eliminar
  8. LUMA excelente texto, gosto de vinho mas não entendo nada deles, mas foi muito bom aprender um pouquinho aqui, obrigada por compartilhar seus conhecimentos, beijos Luconi

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada você, Luconi!!
      Para esquentar desse frio, nada como uma taça de vinho. Mais que duas faz mal, heim?
      Boa semana!
      Beijus,

      Eliminar
  9. Oi Luma!Ah,um dia quero ir na Argentina,dizem que Buenos Aires é muito parecida com as capitais da Europa,é vero?Mas não gosto muito de vinhos,acredita?Será porque os que eu provei não eram bons?Beijos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Ane!!
      É verdade sim! Buenos Aires se parece com cidades européias não à toa; ela foi erguida por burgueses europeus na colonização espanhola e depois na imigracao italiana, no início do sec. XX.
      A capital argentina consegue preservar suas raízes sem deixar de ser moderna, cosmopolita e urbana. Toda a estrutura é grande e planejada, transpirando contemporaneidade, porém com alma de aristocracia falida.
      Paladar depende de cada um e um vinho pode ser bom para um e ruim para outro. Quando um vinho consegue agradar muitos, ganha notoriedade e por isso seu status. Vinhos ruins costumam dar dor de cabeça no dia seguinte. Se não entende de vinhos, esse pode ser um parâmetro de eliminação :)
      Beijus,

      Eliminar
  10. Deixou cá um apetite para visitar Buenos Aires!!! Além de uma vasta informação sobre os vinhos produzidos no país...Por cá também temos ótimos vinhos de mesa, de várias regiões, além do famoso vinho do Porto... Diariamente bebo muito pouco, o que é quase nada. Mas, num jantar entre amigos, é companhia indispensável :)

    Bjo, Luma :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Odete!!
      Adoro os vinhos portugueses e com amigos é acrescentar - é frutificar! :)
      Beijus,

      Eliminar
  11. Luma é cultura etc.Etc.Etc............
    Com certeza tive uma visão mais clara dos vinhos argentinos, e o que vc acha dos chilenos?
    Grata por compartilhar esses saberes deliciosos!

    Bom fim de semana p/ vc e família!

    Bjõesss

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Bia!
      Os vinhos chilenos são de boa qualidade e mais consumidos no Brasil por serem mais baratos que os argentinos. Um bom vinho chileno costuma ser muito mais barato do que outro vinho do mesmo nível vindo de outro país, por causa da sua geografia que contribui para a produção dos vinhos, eles produzem mais, barateando a comercialização. Destaque para as uvas Cabernet Sauvignon e Carménère.
      Beijus,

      Eliminar
  12. Olá Luma
    Maravilhoso post, eu adoro vinho mas só o seco. Quanto aos argentinos acho que é só rivalidade no futebol mesmo,somente os mais fanáticos é que tem essa aversão, pura ignorância por sinal.
    Não estou acompanhando a visita do papa ao Brasil, portanto estou totalmente por fora do que esta acontecendo.
    Um belíssimo fim de semana. Beijinhos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Verinha!!
      Podemos dividir o copo! Também prefiro vinho tinto e seco. Também compartilho das impressões sobre a ignorância na comunhão entre povos. Isso é o fim da picada!!
      Boa semana!!
      Beijus,

      Eliminar
  13. Não sou conhecedora nem consumidora de vinho, mas adoro ouvir e ler sobre o assunto. Filmes e documentários sobre produção de vinho são sempre interessante, com paisagens lindas e muita tradição.

    O exagero de piadas de argentinos e a arrogância em relação à música e à cultura argentina sempre me incomodaram. Pelo menos para o cinema, na última década, os brasileiros se tornaram mais abertos. Também fico feliz por um Papa humilde, carismático, mais próximo do povo e tão bem recebido aqui no Brasil.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Bruxinha!!
      Comentei acima com Prof. Bauru (Rogério Souza) sobre as paisagens e os filmes nos gratificam com elas, mesmo se os filmes não sejam lá grande coisa. Acho que o primeiro filme que assisti tendo as videiras como pano de fundo foi "As vinhas da ira"; um filme antigo baseado em um romance de John Steinbeck. Aliás, esse livro está entre "Os 100 livros do século do Le Monde". Vale como indicação de leitura!
      Percebo também essas mudanças. Que bom!!
      Beijus,

      Eliminar
  14. Vou levar para meu Blog e ler com calma.
    Obrigada.
    Bom finde.
    Beijos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Jô!
      Como disse-lhe anteriormente, não será necessário. Até prefiro que não leve, ok?
      Beijus,

      Eliminar
  15. Humm, eu acho uma tremenda besteira essa birrinha de brasileiro com argentinos. Lembro-me bem quando Búzios e algumas cidades praianas do sul, ficaram cheias de argentinos, donos de bares, restaurantes e casas, acho que foi ali que os brasileiros se enfezaram com eles, mas deve ser mais pela inveja na época de estarmos duros e eles com grana. Agora a coisa se inverteu e estamos mais lá do que eles cá. Eu mesma já fui 3 vezes a Argentina, pena que ainda não fui à Mendoza, mas maridex quer ir porque adora a região e os vinhos argentinos. O Papa, certamente, quis adotar uma postura elegante para conosco e aceitou nossa safra, embora tenhamos também excelentes vinhos fabricados por aqui. Eu fico com os Pinot Noir Casa Valduga brasileiros e o marido gosta dos mais fortes como o tannat e ultimamente anda de amores com os Alentejanos. E eu, meio doente, não tô podendo tomar mais de uma tacinha por semana. pena, gosto mesmo!
    E você tem razão, Buenos Aires é uma beleza de cidade, cheia de cultura e livrarias em cada esquina.
    beijos cariocas


    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Beth!!
      Muito bem lembrado sobre os argentinos serem donos de restaurantes e hotéis. A concorrência é sempre saudável e precisamos ainda aprender com os argentinos a arte de bem receber para melhor desenvolver o nosso turismo. Que é capenga demais!!
      Incentive o seu marido a visitar Mendoza! Você vai amar!!
      Depois da publicação desse post, soube que ele beberá fora das missas, o Angélica Zapata, um vinho lendário feito pelo notável enólogo Nicolás Catena.
      Pinot Noir é uma uva difícil de manusear e o resultado é o aroma peculiar. Apesar de sinônimo de vinho tinto, ela é a responsável, muitas vezes, pela espinha dorsal do Champagne. Muitos vinhos do alentejo utilizam-se da casta Pinot Noir e talvez por isso o seu paladar se ajustou à eles. Se puder, um dia prove o Herdade da Figueirinha Pinot Noir 2009. Muito bom!!
      Beijus,

      Eliminar
  16. Hahaha... alfinetada sutil no finalzinho, hein! Adoro.
    Eles iam muito pra Camboriú, Florianópolis. Qdo estive por lá, me senti na Argentina... rs! Não sei se continua assim.
    Tenho várias amigas que foram pra Argentina nos últimos anos, mas confesso a vc que não tenho vontade de ir. Sei lá... só se ganhasse a viagem! rs
    Um ótimo findi!!
    Bjns
    :)

    P.S.: Eu não tenho TV paga, então baixo GOT e outros seriados, aqui:
    http://www.vm-series.com/search/label/Game%20of%20Thrones
    ^^

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Cici!!
      Obrigada pelo link!
      Antes de visitar a Argentina, não tinha boa impressão, justamente por causa das agências de viagem que costumam empurrar pacotes para países do Hemisfério Norte, o que para eles é benéfico. Essas mesmas agências criam barreiras para que visitemos países da América do Sul e mesmo com o Mercosul, nada mudou. Se não for por iniciativa nossa, acabamos por não conhecer paraísos terrestres!
      Quem sabe um dia você ganhe a viagem?
      Beijus,

      Eliminar
  17. Oi Luma!
    Também ouvi a notícia sobre o vinho que seria servido, acontece que conheço a vinícola Mazziero lá de Jundiaí , minha terra...mas confesso, o vinho de lá não é tão bom como o vinho daqui do Sul, mas tem fama....
    Adoro vinho bordô Albert, de Flores da Cunha!
    Também não tenho nada contra argentinos, e um dia vou passear pela Argentina!
    O frio continua e me deixa tão mal!!!
    bjsssssssss


    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Lena!
      Não conheço esse vinho de Jundiaí e parece que além do Talento, foram servidos outros vinhos, entre eles, um licoroso da região de Farroupilha. De certa forma, serve para promover os nossos vinhos. Ainda vou experimentar os vinhos de Flores da Cunha. Sei que tem alguns premiados.
      Beijus,

      Eliminar
  18. Oi Lumiminha,
    Ja fui duas vezes a Argentina e
    só sinto esse clima de rivalidade no futebol.
    Adorei a aula de vinhos, mas num bebo nada que contenha alcool.(Nem xarope, hahaha)Portanto desejo que o papa tenha gostado do vinho, por esse valor se faz coisas muito mais util.
    Saudade de vc.

    Beijos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Bandys!
      Também, queridona!
      Que bom que gostou! Não sabia dessa sua particularidade. Sua pressão deve ser bem baixa :)
      Beijus,

      Eliminar
  19. Puxa, vinhos argentinos, dicas de compras e tudo mais...
    Gostaria de provar esse vinho de Jundiaí, mas vou ter que me contentar com um vinhozinho local mesmo.

    :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Allan!
      Sua sugestão não é de todo ruim :)
      Beijus,

      Eliminar
  20. Aprecio vinho , desde que tenha qualidade....e, para cúmulo, aguento, rrrss

    Mas só bebo socialmente.

    Tinha previsto um cruzeiro a Rio de Janeiro e Buenos Aires, mas a péssima governação actualmente em Portugal com cortes brutais nas reformas(para as quais se descontou durante toda a vida) talvez me impeça a realização desse sonho.

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, São!!
      Tomara que as coisas mudem e que você venha logo conhecer os lados de cá. Acho que vai gostar!!
      Beijus,

      Eliminar
  21. Depois de aula sobre vinhos, acho que se o Papa pudesse escolher, escolheria o Chapinha, que é bem baratinho.... hmmmm adoro! Acho que o que menos ele se importou foi com o vinho que serviriam. É só o Papa e não um especialista em vinho...
    Mas adorei a aula sobre vinhos... tão longe de mim, e tão perto com sua descrição primorosa!
    E argentinos? Tudibom, uai!

    Luma, um lindo domingo pra vc!
    Beijos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Clara!
      Se o Papa escolheu levar algum vinho, levará o argentino, Angélica Catena, um vinho aclamado por unanimidade internacional como líder inquestionável de qualidade no novo mundo.
      Bom domingo!!
      Beijus,

      Eliminar
  22. Excelente post. Adoro vinho e gostei muito de Buenos Aires. Quero conhecer Mendoza.
    Abraços

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Tânia!
      Você vai gostar de Mendoza!
      Beijus,

      Eliminar
  23. Eu não conheço nada de vinhos e adorei aprender e viajar por aqui!
    Bj

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Ana Paula!
      Que bom que gostou!!
      Beijus,

      Eliminar
  24. Eu não entendo nada de vinho minha irmã vive me explicando mas não gosto do seco então imagina né kkk, gostei do post.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Patrícia!
      A verdade é que só aprendemos sobre algo, quando gostamos!
      :)
      Beijus,

      Eliminar
  25. Oi Luma!!
    Não entendo de vinhos...rsrs e também não tomo...rsrs mas suco de uva aprecio muito...rsrs
    eu morei na região de Jundiaí, terra da uva e do morango cidade boa muito gostosa!
    bom final de semana!
    daniela

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Daniela!
      Suco de uva também tem que ser bom, senão estará bebendo apenas corante. O melhor suco de uva nacional é o da marca "Superbom". Anota aí! Esse vinho foi recomendado por pesquisadores ortomoleculares que analisaram várias marcas.
      Fui apenas uma vez em Jundiaí em um casamento e nunca mais voltei. Na verdade, não me lembro muito da região.
      Beijus,

      Eliminar
  26. Olá Luma, deixando o meu carinho, beijos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada pelo carinho!!
      Beijus,

      Eliminar
  27. Ótimo post, não sei muito sobre vinhos, mais achei bem informativo o seu post. Gostei muito!
    Bjus Luma

    http://blogluminoso.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
  28. Olá, Luma!
    Maravilhoso texto, amo vinho
    Feliz domingo
    Bjsssss.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Feliz domingo, Araan!!
      Beijus,

      Eliminar
  29. Olá Luma,

    Estou de volta. Não sabia que os Brasileiros tinham algo contra os Argentinos (os que eu conheço, tal como tu, adoram o país e as pessoas)...

    Gostei de ver o Papa Francisco no Brasil.

    Beijoooss

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Hehehehe essa "richa" faz parte do folclore, já!
      Aqui o Papa Francisco foi "quase" unanimidade!
      Beijus,

      Eliminar
  30. Luma e Astrid:

    adorei ler este post ... li sem piscar e fui até os dias que passei em Mendoza, uma cidade alegre, que dorme tarde, que faz siesta, que jorra água cor de vinho nas fontes. Além das vinícolas, do vinho, da boa comida, o que não me sai da lembrança, é a alegria que paira na cidade. amei Mendoza.
    Aqui uma aula, parabéns Luma!
    Estive, nesta mesma viagem, em Santiago do Chile! Um esplendor e vinhos excelentes! Uva carmenère uma das minha preferidas: de origem francesa, porém, atualmente é exclusividade do Chile.
    Astrid, obrigado mesmo por me indicar esta leitura, pois pretendo voltar a Mendoza e guardei todas as dicas deste post!
    Parabéns mais uma vez Luma!
    Beijos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Maria Gloria!
      Seu comentário me fez retornar à Mendoza mais uma vez!
      A cidade é um convite à preguiça, mesa farta e boa bebida. Um paraíso na terra! A última vez que fui a Mendoza, também peregrinei pela cordilheira até Quito, onde provei o rosero, uma bebida gelada com frutas vermelhas, abacaxi, maiz (uma espécie de milho) picado e vinho branco. Bastante refrescante!
      O uva carmenère estava praticamente extinta, quando descobriram que ela estava crescendo anonimamente em meio ao cultivo de uvas merlot. Já pensou?
      Espero que lhe seja útil!
      Muito bom te ver por aqui!!
      Beijus,

      Eliminar
    2. ... preciso conhecer o rosero ... kkkkkkk!
      A cordilheiro, estive na chilena, mas quero mais! Amei!
      Beijocas Luma!

      Eliminar
    3. Este é o rosero Luma? Acesse:
      http://translate.google.com/translate?hl=pt-BR&sl=es&u=http://www.thamay.com/index.php/features/77-el-rosero-una-bebida-refrescante&prev=/search%3Fq%3Drosero%2Bbebida

      Eliminar
    4. Oi, Maria Glória!!
      Sim, esse é o rosero! Tem o aspecto de um "ponche". É beber e relaxar!! Muito gostoso tomar no final de tarde em uma daquelas varandas... rs.
      Beijus,

      Eliminar
    5. Um dia experimentarei, pode crer! kkkkk, bacione!

      Eliminar
  31. Luma, achei uma delícia sua postagem, e surpreendente, porque começou falando do Papa e emendou nas belezas e delícias argentinas. Moro no Paraná, ou seja, relativamente perto dos hermanos, e pretendo um dia visitar esse lugar belíssimo. Adorei suas dicas, e adoro também um bom vinho.
    Um abraço!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Bia!!
      Deve conhecer mesmo! Não vai se arrepender!!
      Beijus,

      Eliminar
  32. Oi, Luma.
    Gosto de vinhos, mas o máximo que consigo é distinguir um "seco" de um "suave". Bom, também percebo, pela cor, a diferença de um "tinto" para um "branco". É um bocado, não é mesmo? Mas... Que aula!!! Obrigado pela excelente postagem.
    Abração.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Hahahaha está brincando!!
      :)
      Beijus,

      Eliminar
  33. Muito interessante o texto embora os vinhos não sejam a praia de uma abstémia. O ano passado fui a um encontro de blogueiros, e no programa havia uma visita a umas caves. Acredita que tive que usar máscara porque ia desmaiando mal entrei na adega?
    Um abraço e uma ótima semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Elvira!!
      Não deixa de ser pitoresco!!
      Uma ótima semana para você!!
      Beijus,

      Eliminar
  34. Tudo isto porque Luz de Luma também é cultura. Parabéns, conseguiu em um só post, falar da vinda do Papa, relacionar ao vinho e participar da BC dos Países. Realmente muito bom.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Raquel!!
      Tantos assuntos em tão pouco tempo para estar no blogue, que fazemos tudo junto e misturado!
      Beijus,

      Eliminar
  35. Oi Luma
    Não tenho conhecimento sobre vinhos mas consigo degustar um bom vinho com certeza. Essa rivalidade entre os dois países é uma demonstração preconceituosa de pessoas incultas. Arrasou no post minha flor. Um ótima semana
    Beijos
    Gracita

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Gracita!
      Estamos na vida e com moderação, o vinho faz bem... até desentope veias... rs.
      Nenhum preconceito é bom!
      Beijus,

      Eliminar
  36. Olha, eu morei muitos anos em Campinas e virava e mexia eu ia até Jundiaí para comprar vinho! Tem uns ótimos por lá!!!

    Estou me devendo uma viagem à Argentina... por hora tenho me "divertido" com os vinhos chilenos... Camenère tem sido o meu favorito...

    Gostei muito do post! Grande Abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Latinha!
      Pois não sabia que Jundiaí tinha vinhos bons, só sabia da alta produção de morangos!
      Me encanta a história da uva carmenère.
      Beijus,

      Eliminar
  37. Acho impressionante é o Papa conseguir tomar vinho numa taça desse tamanho e não deixar escorrer nada na roupa...deve ser a prática :)

    eu fiz um curso sobre vinhos uma vez, mas curso vapt-vupt de um dia, como eu trabalhava com cozinha, me ajudou a escolher as combinações pra montar cardápio, mas hoje acho que nem me lembro mais das 'regras'

    Hoje eu raramente tomo vinho porque fico com a pele do rosto toda vermelha, mas em dias de frio um golinho vai bem com os caldos a noite...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Lu!
      Acho que você não sabe, mas obrigatoriamente, tais vinhos precisam ser brancos ou rosés, o que facilita a limpeza no caso de respingo na roupa do sacerdote. Algo mais difícil, caso o incidente fosse com o vinho tinto - o mesmo porque é proibida a tal limpeza, pois, para os católicos, o vinho tinto representa o sangue de Cristo e, sendo assim, não pode ser lavado.
      Alguns mitos caíram para a combinação de pratos e talvez hoje precisaria de um novo curso para fazer as combinações.
      Você deve ter a pele bem clarinha para isso acontecer. Uma amiga coloca pedrinhas de gelo no vinho - isso para muitos é sacrilégio, mas cada um degusta como se sente melhor!
      Beijus,

      Eliminar
  38. Mas so voce mesma, com essa cabeça tao criativa para ir la pesquisar o vinho do Papa. Eu jamais pensaria nisso, hehehehe. Ate por que nao sou das mais conhecedoras. Mas confesso que fiquei muito curiosa. Inclusive com essa regiao da ARgentina. Mendoza, que nao conheço nadica. Só Buenos, e como ja arrastei pe por ali. Em geral programa de filhos pequenos, tanto um quanto outro em diferentes fases. Minha Argentina é de crianças pequenas. E nosso dinheiro valer lá é aquele alento para uma moeda tão vacilante. Mas ja estive em B.A. em uma situaçao assim: nosso dinheiro valendo muito perto do deles. Ok. Mas as coisas carezimas, dolarizadas. Eles nao podendo consumir, colocaram o preço la no alto para ganhar com o turismo. Mas isso foi so uma vez. Que bom. Bjos Luma, boa semana!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Camille!
      Eu não pesquisei... estava lendo o jornal quando li a notícia e pelo Papa ser argentino, uma coisa levou à outra (rs*). Se curte vinho, o passeio é imperdível!!
      Boa semana!!
      Beijus,

      Eliminar
  39. Eu tb pensei que o Papa iria tomar o vinho de Jundiaí...Gostei demais do seu artigo,pelos caminhos de diversas vinículas e a questão da rivalidade entre Brasil e Argentina. Agora temos mais uma: eles tem Papa e a gente não!...rss...bjs e boa semana,

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Anne!
      A gama de vinho aumentou, ainda bem que o vinho canônico não tem álcool, já pensou se fosse o contrário?
      Como o Papa Francisco bem frisou, parece que os brasileiros querem demais!!
      :)
      Beijus,

      Eliminar
  40. Luma,eu voltei pra deixar um beijinho pra sua sobrinha!Agora que vi seu comentario no Mamães em rede tb!Bjs,

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Podexá, Anne!! Vou encher ela de beijus... Obrigada, queridona!!

      Eliminar
  41. Oi! Luma! E muito obrigado pelo seu comentário, e pela sua visita aos "Anônimos da Poesia e da Arte". Mas como nada entendo de Vinhos, pois "minha alma Russa" só entendia de cachaçaça, e quando entendia, e se, entendia: a minha "Aura" Nordestina decidiu participar desta conversa salutar que o povo ARGENTINO precisa urgente tomar conhecimento em nome do bom relacionamento entre estas duas NAÇÕES amigas.
    As nossas "brigas" são como as de irmãos na mesa... E!Graças a Deus.
    Mas existe: uma Cidade: localizada pra lá de Nazaré das Matas; com alma Argentina, gentílico Buareense, e cognome... Buenos Aires.
    Ver Poema: Fábula Nordestina de, 01/11/20012, em, "Anônimos da Poesia e da Arte", e compartilhe com amigos: todos degustando o bom vinho Argentino... Mas se fiserem opção por uma "boa cachaça", a nossa Buenos Aires tem; e "das boas": para Russo nenhum botar defeito, agora! A "coisa" pega.
    Um grande abraço!
    Dr. Ademar Raimundo de Barros (desculpe esse desnessário Dr).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Ademar!
      Jura que tem uma cachaça chamada Buenos Aires? Que nome inusitado, ainda mais sendo nordestina. Mas dizem que o nordeste vai produzir grappa. Como faz? :)
      Depois vou lá procurar pela fábula!!
      Beijus,

      Eliminar
  42. Creio que essa "rivalidade" só exista no futebol, Luma... ;] Eu estava doida para ver o Papa, só não fui por quê as ruas estavam cheias demais, enquanto que o Reivellon atrai aproximadamente 1 milhão de pessoas, a JMJ atraiu 3... talvez eu vá na próxima, até lá, vou frequentando a Paróquia aqui perto de casa mesmo, pois estou numa fase que sair em multidões assim não é a melhor ideia. beijos e linda semana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Barbie!
      Devia ter ido! Apesar da multidão, não havia bebidas, não houve uma briga sequer. Estavam todos na paz! Nunca alegria infinita e sem tamanho! Se eu fosse você iria para a Cracóvia, já que gosta de viajar e é católica. Quem sabe, heim?
      Beijus,

      Eliminar
  43. Um exemplo para uma nação, beijo Lisette,

    ResponderEliminar
  44. Ah, adorava conhecer a Argentina!!!!!

    Muitos beijos para si
    Jorge

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quem sabe um dia, Jorge?
      Beijus,

      Eliminar

Tenha identidade, não seja anônimo na web. Crie sua identidade virtual.

...bisbilhotaram em quietude, sem solidão

PlagSpotter - duplicate content checker tool
Licença Creative Commonsget click

Algumas coisas não têm preço


finalista the weblog awards 2005finalista the weblog awards 2006
finalista the weblog awards 2007weblogawards 2008
Verificar conteúdo duplicado

Me leve com você...

Leia o luz no seu celular

Copyright  © 2014 Luz de Luma, yes party! Todos os direitos reservados. Imagens de modelo por Luma Rosa. Publicações licenciadas por Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial- Vedada a criação de obras derivadas 2.5 Brasil License . Cópia somente com autorização.

Tem sempre alguém que não cita a fonte... fingindo ter aquilo que não é seu.

Leia mais para produzir mais!

Atenção com o que levar daqui. Preserve os direitos autorais do editor