Encontros e Desencontros


Deitados numa cama em um quarto de hotel, a jovem Charlotte e o ator de meia-idade Bob Harris discorrem sobre a vida.

- Fica mais fácil? - Ela pergunta, aflita.
- Quanto mais você sabe quem você é, e o que você quer, menos você permite que certas coisas te chateiem - Ele responde.

É difícil não se reconhecer nos pequenos e delicados diálogos que surgem da inusitada relação entre Charlotte e Bob, perdidos numa cidade desconhecida e, por que não?, em suas próprias vidas: Ela, uma estudante que abandona tudo para viver em função do marido, o egocêntrico John; E ele, um homem que vive uma crise no casamanto e passando por diferentes questionamentos.

Encontros e desencontros (Lost in translation), considerado por muitos como a obra-prima de Sofia Coppola, ao lado de "As virgens suicidas", prima pela melancolia que, verdade seja dita, não agrada a todos, mas dono de profundos questionamentos nos diálogos. Para assistir com o (a) amado (a), sozinho (a) ou durante um ataque de dor de cotovelo. #Ficaadica

"A vida é a arte do encontro, embora haja tantos desencontros nesta vida", já dizia Vinícius de Moraes. Ou, para quem já se cansou dos desencontros, faça como Sally irmã de Charlie Brown: "Acho que descobri o significado da vida. É só a gente ficar por aí até se acostumar com ela".

Lógico que nesse meio tempo você pode fazer um monte de coisas; sair, conhecer pessoas, amar, desamar... até você se acostumar com a vida. Se você encontrou a "pessoa", não vai fugir de amar, desamar... amar, desamar... até você se acostumar com a vida, ficar velhinho (a) e achar que tudo é bobagem.

Os olhos dos outros negam a nossa existência.
Os olhos do jardineiro, desconfiam:
- O marido é ou não é o homem que sabe fazer a mulher feliz?
Perguntaram-me esses olhos com um início de indignação:
- Então por quê? Por que trabalho para fazer bonito esse jardim?
Respondo, entre tímida, estiolada e resoluta, passeando com os olhos no rosto dele, que um belo jardim ajuda-me a ter esperanças de que o marido aprenda a amar com flores.
Entendemo-nos, pois: Gente com gente, trabalho com trabalho.
Choro minhas pitangas por cá
[quando o trabalho não dá certo.
Certamente ele chora com as dele em algum lugar
[longe dos meus olhos.
Não fosse assim,
não teríamos esse diálogo de olhos tão claros
[um ao pé do outro.
E cheios de pétalas de rosas.
O jardineiro espalha o adubo sobre a terra
(um tom de marrom a mais que o adubo).
Parece um balé de cores próximas.
Um balé de movimentos leves
executado delicada e magicamente pelo jardineiro
com o aparente desauxílio da força muscular.
Meus olhos marejam sobre terra firme e adubada.
Os olhos dos outros rezam a nossa existência.

Memorial de uma oração por um amor com flores, poema de Camila do Valle - Prima que agora mora na Amazônia - Não se acostumou com a vida e foi morar na selva. Mentira! Quem mora na Amazônia sabe que ela está agitando.

Engraçado como o amor é sempre lembrado com "regar a plantinha". Nina Becker quando fez o show de lançamento no Espaço Sérgio Porto, de "Gambito Budapeste" - Título do CD que mistura o nome de uma jogada de xadrez com apelidos dela e do marido - entrou no palco envolta em um robe de cetim, grávida de oito meses ao lado do marido (o que é o amor...) e primeira estrofe de "Cadê você?" Todo dia rego as plantas pra quando você chegar..., ela não conseguiu cantar porque caiu na gargalhada diante do microfone - felicidade materna, felicidade no amor? - E declarou: "É estranho falar de você contigo aqui do lado". A vibração caseira, tão despudoradamente contrária ao profissionalismo, combinava com o clima em que eles compuseram as músicas no sofá de casa. O jardineiro apoiando a sua amada "Ah, eu vou cantar".

Frei Betto, n'A Arte de Seduzir, escreveu: "A felicidade é um bem do espírito, jamais dos sentidos, da cobiça ou da arrogância. É feliz quem ousa destampar o próprio ego e conectar-se com o transcedente, o próximo e a natureza".

Esqueça as convenções e verá que os desencontros diminuirão. É por isso que gosto da filosofia da irmã do Charlie Brown.

A vida sem script é melhor de ser vivida.

115 comentários :

  1. Ufa que tema amiga.
    Houve um tempo em que me interrogava sobre o porquê de certas coisas acontecerem na nossa vida. Com o avançar da idade fui encarando os encontros e desencontros como uma inevitabilidade do destino.
    Um abraço e bom fim de semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os ânimos vão se acalmando com o tempo e os acontecimentos tomam uma proporção menos dimensionada. Quando jovens, tudo é motivo para ir à forra, depois quase nada é merecedor do nosso estresse. Imagina os desencontros... tornam-se circunstanciais. Beijus,

      Eliminar
  2. Oi, Luminha!
    Tantas reflexões legais leio aqui. Filme da talentosa Sofia Coppola, poema...hummm, que beleza!
    Adoro te encontrar pelas blogosferas da vida, sabia?
    Inspirado fim de semana, amiga!Bjssss

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também gosto de te encontrar pelas blogosferas da vida!! As reflexões não são conclusivas. Vamos pensando... rs. Beijus,

      Eliminar
  3. Que lindo te ler sempre,Luma! E, que bom é nos deixar levar, sem coisas estipuladas, scripts bem programados...Nem sempre conseguimos, mas quando e sempre que experimentamos, vale a pena!! Só ganhamos! Tudo é lucro então! beijos,ótimo fds!chica

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Chica!! Lógico que temos que programar a nossa vida, mas apenas o básico, afinal, precisamos sobreviver. No entanto, devemos reconhecer as dificuldades como coisas passageiras e os desencontros estão inseridos nesse contexto da dificuldade. Viver sem script é aproveitar para viver o bom momento dentro de uma maturidade, sem se importar muito com o que virá depois.
      Beijus,

      Eliminar
  4. Oi Luma,
    Vir por aqui é tomar um banho de cultura...
    Obrigada pela visita, volte sempre...
    abs,

    ResponderEliminar
  5. Gostei imenso e de facto temos que deixar de ser autómatos e domados e sermos nós próprios com todos os defeitos e virtudes...porque tudo tem uma explicação e nessa busca por vezes perdemos-nos por completo...

    Bom fim de semana do lado cá do oceano.

    Beijos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, Fatyly! Esse deve ser um meio de viver aproveitando o que a vida nos oferece de melhor!!
      Bom fim de semana!! Beijus,

      Eliminar
  6. .


    Alto bonito e sensual.
    O que faria uma Jovem
    solteira e cheia de sonhos
    se esse sujeito a quisesse
    como mulher?

    Veja na postagem de ama-
    nhã, domingo, no meu blog.

    Um beijão do,

    Palhaço Poeta






    .

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada pelo convite!! Logo mais vou no seu blogue!! Beijus,

      Eliminar
  7. Bom dia, olha eu aqui se novo. Dessa vez no Safari...
    Olha, eu tentei assistir a esse filme, duas ou três vezes, mas ele me causa sono. Aquela cena em que eles se encontram no elevador me causa um tédio. Enfim, quando dou por mim as letrinhas já estão subindo. Ainda ontem eu estava escrevendo dois artigos distintos e curiosamente acabou sendo acerca de Jane Austen, num primeiro momento a autora era o foco e no momento seguinte o seu livro "orgulho e preconceito" - próximos, mas distintos e ambos focavam num tema comum: o amor. Jane Austen morreu sem um Mr.Darcy e ainda hoje há quem procure em sua biografia um grande amor que justifique o personagem que por sua vez, conseguiu sair de sua zona de conforto para amar Elizabeth Bennet. História comum. Repetida inúmeras vezes na vida, nos filmes, nos livros - mas eu acho que nos dias atuais as pessoas estão exigindo demais do outro e assim a arte do desencontro anda prevalecendo porque se houve um tempo em que a gente se acostumava ao outro, hoje a gente quer o direito de moldar, modificar o outro.

    Bacio

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Lu, o filme é reflexivo e se gosta de filme de ação, ele não será uma boa pedida. O roteiro dele não é saturado, é muito bom, tanto é que recebeu o Oscar de melhor roteiro original. Mas é certo você sentir tédio, já que esse é o sentimento que os dois personagens estão sentindo quando se encontram pela primeira vez no elevador.
      Procurar o amor no outro, não é o melhor caminho para a satisfação pessoal. Temos que achar o amor em nós. Uma autora como Jane Austen sempre será conjecturada, afinal, no passado as fontes de inspiração sempre vinham de um amor romântico.
      Bacio

      Eliminar
  8. Luma,

    Quando comecei a não permitir mais ser atingida pelo que não me interessa, a firmar o que realmente quero para mim, foi a melhor escolha que fiz. Isso eleva a estima.

    Beijinhos e otimo final de semana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sissym, você compreende bem a proteção que devemos ter com o que chega perto de nós e reconhecer aquilo que faz-nos mal. Beijus,

      Eliminar
  9. Luma, tua colocação sobre o "Lost in Translation"foi de uma sensibilidade ímpar. A reprodução deste diálogo, me fez lemrar de outros, inclusive daquele em que ela lhe propõe a formarem uma "banda". Charlotte e Bob construíram numa desconstrução de sentimentos, uma relação que permanece dentro de mim.
    Bjs
    Janeisa

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não foi à toa que Tokio foi a cidade escolhida para as filmagens. Dois perdidos na tradução - dentro de uma cultura diferente, o mesmo que estarem sozinhos na multidão. para alguém de outra cultura, estar em Tóquio – uma sociedade tão diferente, onde qualquer gesto é carregado de significado – provoca uma sensação de impotência ao não poder decifrar nem ao menos o que se sente e expressar isso em palavras. Há um vácuo de sentido. Esse sentimento influencia os personagens, que, ao se encontrarem, acabam por procurar preencher este vácuo no relacionamento entre eles. Quem não tiver paciência com o filme, perde. Beijus,

      Eliminar
  10. "Até ficar velhinho e achar que tudo é bobagem". Às vezes me sinto tão velhinha, Luma...
    beijo, menina

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também, Denise!! Acho que perdemos energia demais como nada! :) Beijus,

      Eliminar
  11. Não lembrava bem dos detalhes. Deu vontade de assistir de novo. Essa frase "quanto mais você sabe quem você é, menos deixa que as coisas te chateiem" é uma grande inspiração, uma das melhores maneiras de encarar a vida, tão importante quanto perceber que tudo é bobagem.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quando jovens potencializamos demais os acontecimentos ou sentimentos. Com o passar dos anos reconhecemos melhor nossos envolvimentos, ou assim é esperado! Beijus,

      Eliminar
  12. Luma:
    Pois é! Tem razão...
    São estes pequenos encantos que fazem a vida ser assim.
    Cheia de detalhes. Uns para serem modificados e outros para serem apreciados.
    Bom fim de semana.
    Beijos.
    Anny

    ResponderEliminar
  13. Eu sou do tipo que envelhecer ao lado de quem se ama, desfrutando tudo, é a melhor forma de se "acostumar com a vida".

    Bom fim de semana!

    Vote certo! =)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A gente se acostuma com o amor, mas não com o desamor. Podemos desamar o nosso amor por um dia, ou por um momento! Se é amor, passamos por cima, refazemos o nosso conceito e caimos na real de nossas escolhas! Beijus,

      Eliminar
  14. A gente vai se acostumando com a vida e isso dá uma leveza maravilhosa .

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, Leila!! Quando escutamos "É a vida", de forma resignada, não quer dizer que houve entrega dos pontos, mas uma constatação que é a própria natureza da vida. Beijus,

      Eliminar
  15. Oi Luma
    Estamos em sintonia, fiz um poster que agendei para segunda que fala do encontro e esta filosofia "acostumar com a vida" para mim parece ser : aceitação, nem sempre muito fácil diante das nossa sede de controle.
    bjs
    Bom final de semana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Norma!! Estou acessando o bloguinho somente hoje e logo mais vou no seu blogue ler a postagem.
      Quem tem razão? Brigamos tanto por nossas razões e no final, sacamos que pouco importa quem tem razão. O importante é ter paz! Beijus,

      Eliminar
  16. Luma, como fico antenada no que vc sugere, e me dou bem, vou assistir Encontros e desencontros. Já tentei, logo que foi lançado, mas não fui à frente, achei muito chato. Como agora sou mais fã da Scarlett, vamos ver.
    A vida é um eterno (enquanto dura) aprendizado. Cada dia aprendo mais e me sinto melhor (ou não). Tenho mais gabarito para separar cada momento. Viver é uma grande aventura. Beijo! (Bom voto. Vote!)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Espere que goste dessa vez! Pense: o filme é chato mas tem pontos altos (rs*). Encarar a vida depende do nosso humor. Se estamos bem, a vida é olhada com mais positivismo. Beijus,

      Eliminar
  17. O negócio é ir vivendo, curtindo os bons ENCONTROS e ignorando ao máximo os DESENCONTROS. Porque realmente a idade nos faz ver que muitas cOisas são apenas BOBAGENS

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isso, Susi!! Vamos valorizar o que realmente importa!! Beijus,

      Eliminar
  18. Oi Luma!
    É, a vida não pode seguir um script, o importante é viver o melhor possível, também concordo com a irmã do Charlie Brown.rsss
    Beijinhos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uma graça a irmã de Charlie Brown!! (rs*)
      Beijus,

      Eliminar
  19. Em relação ao seu comentário, na minha astronomia:
    "O segredo da eterna juventude"
    - Já sabia...
    ou alguém lhe disse?

    Beijinho para si!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estudei sobre o assunto :) Me interesso por astronomia.
      Beijus,

      Eliminar
  20. Adorei o filme Encontros e Desencontros. É muito bonito e sensível.
    Que post lindo! O melhor da vida é que tudo pode acontecer e que se pode ver beleza nas surpresas, nos reencontros, nas novidades ou mesmo na rotina.
    Beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Verdade, Nadia!! Por que falam mal da rotina? Sair da rotina todos os dias também pode virar rotina!! Beijus,

      Eliminar
  21. Bom dia Luma!

    Entre encontros e desencontros, aqueles que se respeitam e amam á vida, vão encontrando formas para conduzirem-se por estes jardins colhendo flores e esbajando felicidade.

    Abraços e um excelente final de semana.

    Jota.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O importante é aprender a olhar além dos encontros e desencontros. A vida tem muito mais a oferecer! Beijus,

      Eliminar
  22. Luma, acho que adotarei a filosofia da Sally, na verdade acho que já estou adotando. O ser humano tem sempre a tendência a estra no comando, não é? Um abraço, lindo domingo!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Verdade, Bia!! Quando as coisas fogem do controle, a maioria desespera e não vê que o controle pode ser passageiro em outras mãos. Nessa vida, nada é definitivo!! Beijus,

      Eliminar
  23. Este pensador, viajeiro entre Sois
    Esta Ave pousada em mil embarcações
    Esbarco que passa sem vela ou remo
    Esta arca repleta de vibrantes emoções

    Esta mestiça flor de açafrão
    Este ramo de espinhos cravados na mão
    Esta alma que não ousa largar opinião
    Este homem vestido de solidão

    Bom fim de semana

    Doce beijo

    ResponderEliminar
  24. Luma, bom dia.
    passei para retribuir o seu carinho.
    Há 2 anos e meio, parei de fumar. Fiquei 3 meses em depressão, a partir daí apareceu a psoríase. O médico me disse que é uma doença de fundo emocional. Estou tratando, mas, esse último mês foi de muita dor e incômodo. Talvez seja o tempo úmido que ajudou para as fissuras não fecharem.
    Um grande abraço. Obrigada mais uma vez pela sua força com o meu trabalho.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É uma doença psicossomática que também tem agravamento por influências segundárias. Tente achar uma válvula de escape para o estresse. Beijus,

      Eliminar
  25. Luma, voltei. Eu sinto falta de um grande amor. Enquanto isso não acontece, nem sei se vai mais acontecer, distribuo o meu amor com a família e amigos.
    E a vida sem script é muito melhor de ser vivida sim.
    Beijos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Virgínia, basta você sentir amor dentro de você! A capacidade de amar você possui agora achar uma pessoa dígna desse amor é bem difícil. Boa sorte!! Você é uma pessoa muito querida!! Obrigada pelo carinho!! + Beijus,

      Eliminar
  26. Nossa Luma, quanta coisa linda..
    Gostei dessa parte de amar, desamar, amar de novo..
    Tem toda razão.. temos que deixar os medos de lado e viver da melhor maneira possível, fazendo de tudo para sermos extremamente felizes né?
    Porque viver a vida sem tentar ser feliz não vale a pena..
    Um beijo carinhoso e um finzinho de domingo especial viu?
    Sheila

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quem não arrisca, não petisca!! É um dito popular tão antigo e ultimamente pouco usado. As pessoas estão bastante acomodadas, até mesmo no amor!! Depois que amamos, fazemos o quê? O amor há de nos servir e nós a ele!! Beijus,

      Eliminar
  27. Luma,

    Post sensível, delicado, mas de um peso filosófico e emocional enorme!
    Ainda estamos em busca de como viver, como ser feliz, como ser plenos, mas ainda acreditamos que as coisas materiais nos possibilitarão isso, uma pena, porém uma experiência necessária para valorarmos aqui que realmente nos completa.
    Grandes beijos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Cissa! Só com o passar do tempo conseguimos enxergar a realidade e aquilo que nos satisfaz realmente. Beijus,

      Eliminar
  28. Tenho que ver esse filme!
    Já anotei a frase da Sally, gostei bastante!

    Desejo-lhe uma semana iluminada

    Ps: Seu comentário foi sim! ;)

    Um terno abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que bom que gostou!!
      Beijus,

      Eliminar
  29. Não vi o filme, mas post é magnífico!

    O cuidado com que constróis cada edição é louvável.

    Beijo grande e boa semana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada! Seus comentários me incentiva bastante!!
      Beijus,

      Eliminar
  30. Oi Luma!Boa dica de filme.Esse é daqueles que a gente tem que ver devagar,sem pressa,né?Engraçado você citar Sally personagem do Charles Schulz,que adoro!Um beijo!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Verdade, Ane! Quem tem pressa não presta atenção nos diálogos, não se aprofunda e acha o filme chato! (rs*)
      Beijus,

      Eliminar
  31. Vi Sofia em "O Padrinho III" e uma das melhores interpretações que vi até hoje em cinema foi a reacção de dor desse genial actor chamado Al Pacino na cena em que a assassinam defronte dele, que no filme é seu pai.

    Bons sonhos, linda

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não assisti ainda, São! Eu adoro o Al Pacino e já anotei para pegar na locadora! Obrigada pela sugestão!! Beijus,

      Eliminar
  32. Confesso que preciso ver novamente este filme.Este é um daqueles filmes que compõem nossa cinemateca pessoal.Abre portas, levanta véus...
    Nesse post intenso,as questões do amar/desamar/amar de novo sob o olhar de cada um no todo dos dias.
    Vamos querendo sim,ficar por aqui e nos acostumarmos, mas com alguma ousadia e pouco script( quando der).
    Bjkas, Luma e boa semana.
    Calu

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Com tantos amores e desamores, encontros e desencontros, tem uma hora que somos expectadores de nossa vida e queremos sair desse script!! Por isso a vida sem script é melhor!! Beijus,

      Eliminar
  33. Oiiiiiiiiiiii
    faz muito tempo que não trocavamos umas linhas.
    Pelo visto, o ator Bob Harris está em processo de autoconhecimento no filme, a chamada crise da meia-idade que serve de catapulta para profundas descobertas ;)
    Ai o amor, o amor, e o ego não se dão muito bem mesmo.
    Também andei regando a plantinha mas na Teia Ambiental. Senti sua falta. Beijuuuuuuuuu.
    Rute

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Rute!! A Teia Ambiental caiu em dia de eleição e além disso, estou viajando sem tempo para programar postagens.
      Não tem quem não entre em crise a partir de uma idade, até por necessidade de fazer um balanço da própria vida! Assiste o filme que você vai gostar! Beijus,

      Eliminar
  34. Você pessoalmente, gosta das obras melancólicas?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não, até porque a melancolia não faz parte do meu dia a dia.

      Eliminar
  35. Olá:)

    A vida é mesmo assim feita de encontros e desencontros, por vezes são mais os desencontros. Deve ser um filme interessante:)

    Boa semana!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acho interessante, outras pessoas já não acham. Tudo vai depender da disposição de cada um para compreender os diálogos. Boa semana!! Beijus,

      Eliminar
  36. Belo post Luma. Tive a oportunidade de assistir esse filme Encontros e Desencontros. Muitas vezes procuramos felicidade em tantas coisas que julgamos ser ideais, quando na verdade a gente passa por momentos felizes.
    Big Beijos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Lulu, a realidade as vezes é tão dura que a pessoa fica cega para as coisas boas. A melhora da qualidade de vida é porta de entrada para que a luz se instale e a cegueira vá embora. Big Beijus,

      Eliminar
  37. E é por tudo isto que eu gosto muito dos seus textos, Luma. Vão sempre até ao fundo :)

    Muitos beijos
    Jorge

    ResponderEliminar
  38. ... e não é, Luma? Mais um belo texto, unindo assuntos aparentemente desconexos. Boa semana, amiga!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Na vida tudo se conecta ou deveria :) Beijus,

      Eliminar
  39. Será que estou ficando velhinha? Pq eu já acho que tudo é bobagem.
    Bj.

    ResponderEliminar
  40. Encontros, desencontros, momentos... e eu já passei da meia idade!
    abraços!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Lena, acho que eles perduram a vida toda!!

      Eliminar
  41. Olá Luma,

    antes eu quase morria com os desencontros, hoje eu preocupo primeiro com o meu bem estar.

    Bejim e obrigada pela visita.

    ResponderEliminar
  42. Luminha,

    Quando pinta script(é por que as vezes eu me saboto)
    eu rasgo, faço fogueira, e vou viver a vida.
    Li sua resposta em baixo, ué mais se não for transmissão de pensamento seria o que?? rsrs!:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Hehehehe eu escrevi "Tomara que seja mesmo transmissão de pensamento!", por que estou torcendo para que seja transmissão de pensamento - sinal que temos sincronia! Outra coisa, não sei :)
      Beijus,

      Eliminar
  43. Costumamos complicar um pouco, às vezes sem querer, a vida, que é tão simples... é só viver e sentir seu sabor...
    Amei, Luma!!! Como sempre, excelente texto...

    Ótima semana pra vc.
    Beijos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não podemos adiar viver!!
      Ótima semana para você também!
      Beijus,

      Eliminar
  44. Luma querida, escrevestes pra mim? rs
    Que post perfeito, como sempre! Você é demais!
    Beijosssssssssssssss
    Vero

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Veronica!!
      Para você ver como somos tão iguais! :)
      Beijus,

      Eliminar
  45. A Luma escreve pras casadas, pras solteiras, pras desquitadas, pras desgostosas... rs! Brincadeira!

    Gostei das pitadinhas de humor costumeiras no texto :)

    Bjs e saudades!

    Michelle

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como disse para Veronica, somos muito iguais, independente da idade. O tempo só nos torna mais lúcidas. Beijus,

      Eliminar
  46. Post filosófico mas muito legal! Sábia Sally..." acho que já descobri o sentido da vida. É só a gente ficar por aí até se acostumar com ela".Bj e fk c Deus.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A revolta sem ação, não vale nada!! Beijus,

      Eliminar
  47. Olá, amiga Luma!
    Pela sua prestigiosa apresentação, fiquei até curioso para assistir ao filme.
    A vida é repleta de encontros e desencontros, mas vale a pena pelos encontros, por mais efêmeros que sejam.

    Ah, depois ler o cordel para minha filha e sua amiga, chegamos à conclusão de que a raposa é um bom símbolo do político.

    Parabéns pela versatilidade!

    Abraços.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Assiste, Bento!!
      Achei o máximo a raposa.
      Obrigada, você!
      Beijus,

      Eliminar
  48. Adorei o post!! Nós ficamos chateados se nós mesmos permitirmos isso!!!

    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Temos nossas fragilidades e os desencontros nos fazem pensar nelas. Mas como bem disse, se permitirmos! Tão bom achar tudo uma bobagem!! Beijus,

      Eliminar
  49. Gostei da definição de Sally.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uma fofa!! Adoro esse personagem! :)

      Eliminar
  50. Oi Luma,
    Eu adoro este filme e tenho o DVD. Preciso revê-lo, pois já faz tempo que vi pela última vez.
    Não conhecia a filosofia da Sally, mas vou incorporá-la em meu dia a dia.
    :)
    xoxo

    GOSTO DISTO!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que legal, Betty!!
      Para não se aborrecer com a vida ou com as pessoas, acho tanto melhor! Nos acostumamos e achamos bobagem tudo que é demais para nós. Beijus,

      Eliminar
  51. Luma,que maravilha de post cheio de dicas legais de filmes e tb de vida!Sem sript a vida fica mesmo muito mais leve!Adorei te visitar!bjs e meu carinho,

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que bom que gostou, Anne! Obrigada!! Beijus,

      Eliminar
  52. O amor sempre foi igual. Amar é uma dádiva. Mas confunde-se muitas vezes amor com subserviência sobretudo em pessoas pouco bem formadas! E no dia a dia a rotina quebra o encanto se esse amor não fizer parte de um so. Mas será isso possível? Tendo em vista que são sempre duas pessoas e não uma- isto tendo em vista o tradicional!- como durante uma vida não haver "terramoto"?
    Pois...acostumar-se à vida. Melhor, moldarmo-nos! ´Nós a ela, ela a nós!
    Fantástico mais este post Luma
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quando não há amor-próprio, será um amor sofrido, sem crescimento e troca. Alguém ama demais e outro ama de menos. Antigamente esse modelo era comum, mas atualmente só nos cantões, onde a falta de informação e liberdade de conduta ainda poda a mulher. Ela não escolhe, é a escolhida. Obrigada, Túlia!

      Eliminar
  53. Tô numa fase de MUITAS perguntas e quase nenhuma resposta..... desistência quase certa :(
    Boa sorte, não importa qual seja suas decisões

    Até mais

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Silvia, quando não há respostas, tente não pensar e desvie o seu pensamento para coisas diferentes. Talvez algo que lhe traga novidades ou sentido ao instante em que vive. Boa sorte para você também! Beijus,

      Eliminar
  54. Oi Luma!

    Perfeito! Eu continuo acreditando que a vida é a arte do encontro - sem sombra de dúvida. Vinícius estava certíssimo em sua afirmação, para sempre meu Poetinha amado.

    beijos querida, boa semana!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tina, infelizmente os desencontros acontecem! Melhor não valorizar tanto eles e prestar mais atenção nos encontros, não é mesmo? Boa semana para você também! Beijus,

      Eliminar
  55. Luma
    Eu acho bacana assuntos de encontros e desencontros poia a vida é assim. Uma boa quarta feira pra voce!
    com amizade Monica

    ResponderEliminar
  56. Luma,

    a valorização pessoal através do auto-conhecimento e dos limites que (nos) impomos nem sempre é atingida, pois temos uma tendência muito grande de não seguir intuições e deixar nossos encontros e desencontros por conta do "acaso" ou do 'destino" quando, na verdade, somos os únicos donos das nossas vidas e nossos melhores "jardineiros". Muitas vezes, no afã de cuidar e regar as plantinhas do "outro", deixamos que as nossas minguem, secas e famintas. Me parece existir uma tendência ocidental e cristã de só conseguirmos nos purificar através do sofrimento...

    Grande beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Zeca, às vezes temos que "forçar" as coisas darem certo. Nada cai do céu, nem mesmo os acasos. Como dizem, nada é por acaso.
      Ah, como tem gente sofredora nesse mundo! Gente que deveria sofrer de verdade para parar de fazer fita. Beijus,

      Eliminar
  57. Encontros e desencontros, cada um deles tem seu lado bom e o ruim,
    todos fazem parte.
    Beijo, boa quarta

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. São complementos. Precisa existir um para que o outro exista!
      Beijus,

      Eliminar
  58. Foi bom ter vindo pra cá, bem nesse texto (um entre a dezena que estava parada desde setembro no meu e-mail, esperando ansiosos por leitura) e re-ler em pilulas coisas que já escrevi como posts inteiros, justamente para não esquecer que desarmados de algumas coisas é que vivemos em plenitude, encontramos e desencontramos, reencontramos e enfim perdemos, pra viver de forma completa. O filme foi uma boa lembrança que tinha sumido das minhas listas de "para procurar" :)...

    ResponderEliminar

Tenha identidade, não seja anônimo na web. Crie sua identidade virtual.

...bisbilhotaram em quietude, sem solidão

PlagSpotter - duplicate content checker tool
Licença Creative Commonsget click

Algumas coisas não têm preço


finalista the weblog awards 2005finalista the weblog awards 2006
finalista the weblog awards 2007weblogawards 2008
Verificar conteúdo duplicado

Me leve com você...

Leia o luz no seu celular

Copyright  © 2014 Luz de Luma, yes party! Todos os direitos reservados. Imagens de modelo por Luma Rosa. Publicações licenciadas por Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial- Vedada a criação de obras derivadas 2.5 Brasil License . Cópia somente com autorização.

Tem sempre alguém que não cita a fonte... fingindo ter aquilo que não é seu.

Leia mais para produzir mais!

Atenção com o que levar daqui. Preserve os direitos autorais do editor