Homenagem ao Cronista Maior

J.Carlos

Não sei se Rubem Braga chegou a ter alguma de suas crônicas ilustradas por J.Carlos. Se teve, nada mais adequado.

Aquele fino traço do grande desenhista, associado à caricatura leve e brejeira a emotividade lírica, correspondia com exatidão ao texto do grande cronista.

J.Carlos era, com exatidão, o Rubem Braga do desenho, assim como Rubem Braga, também com exatidão, seria o J.Carlos da crônica, em condições de dar ao texto breve a luz, a cor, o movimento, a graça, emocionando, fazendo sorrir, sem lhe falhar sequer a concordância de uma singularidade específica que os tornava inconfundíveis.

Querem a prova? Vejam, na coleção do Para Todos, de O Malho e de Careta, as ilustrações de J.Carlos. Leiam em seguida as crônicas de Rubem Braga com sua arte de reter a atenção do leitor, o tempo que vai fluindo, a impressão, a anedota, o perfil de breves traços, pretexto para uma prosa irretocável.

Quem tem experiência profissional da revista e do jornal, sabe que há dois estilos de crônica: um, ajustado à revista; outro, ajustado ao jornal. Este, mais próximo da flagrante essencialmente poético em que Rubem Braga era o mestre incomparável.

Um velho crítico francês, Sainte-Beuve, estudando uma das obras-primas da cultura literária universal, a Introdução à Vida Devota, reconheceu que bastava que seu autor, São Francisco Sales, terminasse de escrevê-la, para que seu período estivesse perfeito. Nada mais que o ato de levantar a pena da folha de papel. Não precisava retocá-lo. O que tinha de dizer estava dito. E no tom que individualizava o texto, ajustado à assinatura do escritor.

Assim também o nosso Rubem Braga.

Convém assinalar ainda outro traço distinto do grande cronista: sua crônica, ao começo ao fim da vida de seu autor, não precisou descrever uma linha evolutiva. Surgiu como devia ser. Com um tom próprio. Com um modo de ser que imediatamente a individualizava. Plenamente amadurecida.

Por vezes, se a crônica volvia aos velhos temas, sempre encontrava recursos novos, sem deixar de ajustar-se ao molde perfeito, que vinha de suas origens.


Daí a unidade expressional da obra de Rubem Braga. Sobretudo mestre da crônica de revista, que exigia a paz do fim de semana para ser lida e relida. A ponto de fazer da falta de assunto o seu assunto - sem que Rubem Braga experimentasse jamais aquela terrível sensação vivida por Eça de Queiroz quando dizia que, para escrever a crônica, ficava com a pena a apontar para o papel, sentindo que estava a espremer um limão seco.

Rubem Braga jamais viveria esse momento. Sempre fluente. E lírico. Mesmo diante do drama ou da tragédia. Com o poder de dar expressão à banalidade da vida corrente, insuflando-lhe admiravelmente o rigor e a duração da obra de arte.

A crônica, por sua própria natureza, é um gênero que se desfaz com o passar do tempo. Mudam os temas, mudam os assuntos, a própria vida se modifica. É natural que a crônica, espelhando os momentos fugidos, também passe, levando consigo os velhos cronistas.

No caso de Rubem Braga, não será assim. Ele soube dar perenidade ao texto que deveria ser efêmero. Guardando a beleza antes que o momento seguinte a desfizesse. Mesmo quando o cronista assumia o tom grave de um profeta do Velho Testamento, para invectivar o bairro ameaçado: "Ai de ti, Copacabana, porque eu já fiz o sinal bem claro de que é chegada a véspera do seu dia, e tu não viste; porém minha voz te abalará até as entranhas"

Outros cronistas passaram, Rubem Braga não passará. Não nascera para o conto ou para o romance. Menos ainda para o ensaio. Toda a sua inspiração o acompanhava. Bastava-lhe debruçar-se de uma sacada de janela, olhando o mar, a rua, a praia, a árvore, a alameda, um casal de namorados, um banco de jardim, um menino com uma peteca, a meninazinha que aprende a andar de bicicleta no dia de Natal, para que o transe poético da crônica o dominasse.

Ainda bem que nos ficou o consolo de que, em cada texto de Rubem Braga. Ninguém mais presente que ele, em tudo quanto lhe fluiu da pena. Basta-nos, para isso, reabrir um de seus volumes. Ao acaso. Ei-lo, diante de nós, vivo, singular, único - tal como Deus o fez para aplauso e afeto de seus contemporâneos. Daqueles que tiveram o privilégio de vê-lo e ouvi-lo. Ainda que só uma vez. O suficiente para reconhecer que ele soube dar perdurabilidade ao seu tempo. Diluindo na poesia de seu lirismo todas as amarguras.

24 comentários :

  1. Texto irretocável, Luma. Gostoso ver esse reconhecimento que um dos cronistas de que tanto gosto tem vindo de pessoas de cujos textos gosto de ler. Não tem jeito. Bons textos atraem bons leitores. Você é prova disso.

    ResponderEliminar
  2. Linda homenagem a dois grandes Mestres . Parabens!

    ResponderEliminar
  3. adorei muitoo!!!
    adoro crônicas
    fez muito bem na postagem
    bem interessante
    beijos

    ResponderEliminar
  4. Não conseguiria escrever uma mensagem para cada um, mas querendo que receba meu carinho e gratidão por mais esse ano de amizade e convivência deixo aqui meus desejos


    Quisera
    neste Natal
    armar uma
    árvore dentro do
    meu coração e nela
    pendurar, em vez de
    presentes, os nomes de
    todos os meus
    amigos. Os amigos de longe e
    os de perto. Os antigos e os mais
    recentes. Os que vejo a cada dia e os
    que raramente encontro. Os sempre lembrados
    e os que as vezes
    ficam esquecidos. Os
    constantes e os intermitentes.
    Os das horas difíceis e os das horas
    alegres. Os que sem querer magoei ou,
    sem querer me magoaram. Aqueles a quem
    conheço profundamente e aqueles que me são
    conhecidos apenas pelas aparências. Os que pouco
    me devem e aqueles
    a quem muito devo. Meus
    amigos humildes e meus amigos
    importantes. Os nomes de todos os
    que já passaram pela minha vida. Uma
    árvore de raízes muito profundas, para que
    seus nomes nunca mais sejam arrancados do
    meu coração. De ramos muito extensos, para que
    novos nomes, vindos de todas as partes, venham juntar-se
    aos existentes. De sombra
    muito agradável, para que nossa
    amizade seja um momento de repouso,
    nas lutas da vida. Que o natal esteja vivo em cada dia
    do ano novo que se inicia, para que as luzes e cores da vida
    estejam presentes em toda a nossa existência e concretizem, com
    a ajuda de Deus, todos os nossos desejos. Feliz Natal!
    Feliz Natal!
    Feliz Natal!
    Feliz Natal! Feliz Natal!


    QUE A HARMONIA, O SENTIMENTO DE SOLIDARIEDADE E COMPAIXAO, O RESPEITO E AS ALEGRIAS DESSA ÉPOCA DO ANO SE SOLIDIFIQUEM NO MAIS PURO AMOR, ENCHENDO DE LUZ TODOS OS CORAÇOES...
    E QUE ESSA LUZ ALCANCE TUDO E TODOS... MUITA PAZ!
    Com amor
    Regina

    ResponderEliminar
  5. Grande Rubem Braga. Imaginar que ele foi apaixonado pela Tonia Carreiro. Que tempo interessante. Que passa, e se tornam cronicas de uma epoca. Ainda assim como diz voce, ele soube dar perdurabilidade ao que escreveu. Talento fica.
    Beijao querida!

    ResponderEliminar
  6. Luma, obrigado por visitar o blog "Na Janela com Gadomski" nesse ano de 2011. Agradeço seus comentários e visualizações. Um feliz e santo Natal para você e sua família. Muita prosperidade em 2012. Um abraço!

    ResponderEliminar
  7. Um belo texto em que você homenageia o grande cronista Rubem Braga e ao desenhista J. Carlos de fino traço em suas ilustrações.

    Luma
    Agradeço a ua amizade e desejo a você e a sua família um Natal de muita Luz e um ano de 2012 de muita Pazs.
    Beijos.

    ResponderEliminar
  8. Olá. Seu blog é muito bom, sem palavras para descrever...

    Sigo já faz algum tempo.
    Se não for incomodo gostaria que desse sua opinião sobre meu blog!

    Adoro a criatividade que você tem aqui e seria uma honra para mim poder compartilhar com vc os meus textos e meu espaço!

    Bjo grande
    Obrigada
    Feliz Natal

    ResponderEliminar
  9. Gosto muito deste escritor e poeta. Tenho no blog algumas de suas ccomposições por considero-o, como vc, imortal.
    bjs
    Feliz Natal e boas festas.

    ResponderEliminar
  10. Apesar de não conhecer tanto a obra do Rubens Braga, parabenizo pela homenagem em um texto perfeito.
    Big Beijos

    ResponderEliminar
  11. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  12. Homenagem linda.

    Hoje passo para desejar umas Festas Felizes e um Ano 2012 pleno de saúde e projectos!

    beijocas

    ResponderEliminar
  13. Ei minha Linda! HO, HO, HO!
    Feliz Natal querida, que seja uma noite feliz, de paz, tranquila e cheia de amor! ;) Muito obrigada pela linda cia durante o ano! :)) Adoooooro! :D
    Beijo, beijooooo!
    She

    ResponderEliminar
  14. Olá Luma! Eu também adoro Rubem Braga e achei as ilustrações excelentes. Tem razão, ele continua vivo em cada uma de suas linhas! Um beijo! Feliz Natal!

    ResponderEliminar
  15. Não quero constranger quem não leu o texto e acha que homenageei Rubem Braga. O homenageado é J. Carlos, o cronista do lápis como era chamado. Um dos grandes design gráfico que o Brasil teve e por culpa dele existe o personagem Zé Carioca, que a Disney criou depois que J. Carlos recusou um convite para trabalhar naquele reinado. Agradeço aos que passam por aqui sem pressa.

    ResponderEliminar
  16. Oi Luma querida
    Eu li o texto e entendi sua homenagem a J. Carlos, mas eu não o conhecia. Fui no link para saber um pouco mais.
    Não comento sem ler, inclusive porque seus textos são excelentes.
    Ás vezes temos uma intenção e acabamos tendo outras repostas por fazermos associações.
    bjs

    ResponderEliminar
  17. Eu sei que o homenageado foi o cartunista, mas ele nao nao conheço e gosto tanto do Rubem Braga...Que alem de tudo foi amigao do meu padrasto. E assim soube dele mais de pertinho.
    Nao me ative ao titulo. Leio cada virgula do que voce escreve.
    Beijao!

    ResponderEliminar
  18. Olá, querida
    Um santo e abençoado Natal junto aos seus queridos!!!
    Que o Menino Deus esteja em seu coração plenificando-o de ternura!!!
    Bjm natalino

    ResponderEliminar
  19. Estou viajando pelos links e grata surpresa sobre o Zé Carioca. Quando era criança, sempre que ouvia algo do Brasil, vinha acompanhado deste personagem. Pesquisando agora pela web, constatei que a família de J.Carlos nunca exigiu nada da Disney.
    O papagaio de J. Carlos fumava charuto, vestia um colarinho e usava bengala. Pouco depois disso, surgiu o Zé Carioca, que também fumava charuto, vestia colarinho e usava um guarda-chuva para se apoiar.
    Seleções Reader's Digest escreveu "Em Alô Amigos, Disney criou um novo personagem - o Zé Carioca, um papagaio inspirado num desenho do inesquecível caricaturista brasileiro J. Carlos, que Disney tentou levar para Hollywood para trabalhar em seus estúdios. O Zé Carioca de J. Carlos até hoje pode ser visto na Disneylândia"
    Fiquei sabendo um pouco mais da história dos quadrinhos brasileiros e de quebra da cultura das melindrosas brasileiras. Elas não mostravam o bumbum.

    ResponderEliminar
  20. Luma, eu LI o texto todo, como sempre o faço e gostei das imagens, conforme citei. Bela homenagem. Apenas citei que eu gosto do Rubem Braga (bem mais do que das imagens). Eu SEMPRE leio os posts e talvez não tenha olhos tão aguçados para os ilustradores e me perdoe por isso, é uma falha.

    ResponderEliminar
  21. Querida Luma; adorei o texto e a homenagem foi bem merecida.
    FELIZ NATAL, querida! Que ele seja de saúde, paz, realizações e fé.
    Beijos

    ResponderEliminar
  22. Luma:
    Obrigada pelas informações aqui postadas.
    Só conhecia Rubem Braga e agora sei do J. Carlos.

    Beijos.
    Anny.

    ResponderEliminar
  23. Que linda crônica. Voce fala de Rubem
    Braga com muita sabedoria.
    Linda homenagem

    Bjs

    ResponderEliminar

Tenha identidade, não seja anônimo na web. Crie sua identidade virtual.

...bisbilhotaram em quietude, sem solidão

PlagSpotter - duplicate content checker tool
Licença Creative Commonsget click

Algumas coisas não têm preço


finalista the weblog awards 2005finalista the weblog awards 2006
finalista the weblog awards 2007weblogawards 2008
Verificar conteúdo duplicado

Me leve com você...

Leia o luz no seu celular

Copyright  © 2014 Luz de Luma, yes party! Todos os direitos reservados. Imagens de modelo por Luma Rosa. Publicações licenciadas por Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial- Vedada a criação de obras derivadas 2.5 Brasil License . Cópia somente com autorização.

Tem sempre alguém que não cita a fonte... fingindo ter aquilo que não é seu.

Leia mais para produzir mais!

Atenção com o que levar daqui. Preserve os direitos autorais do editor