Noite fria

Em determinado momento do conto "Der Mauerspringer" (Os Saltadores do muro, 1982), de Peter Schneider, o protagonista se dá conta de uma singular mudança de paradigma: - nos mapas de Berlim Ocidental, o Muro é assinalado por um tênue traço rosa que divide a cidade e, nos mapas da parte oriental, o mundo termina em uma faixa negra além da qual só existe o nada.

"Moro em uma cidade siamesa", diz ele, que passa os dias em busca da própria identidade no confronto com histórias do cotidiano em dois Estados jovens, nascidos depois da segunda guerra, mas ideologicamente opostos.


Vídeo “Bridge the Divide” em comemoração ao 20º aniversário do Muro de Berlim, mostrando o trabalho de Above

Flores, lágrimas, risos e champanhe. Novembro de 1989. As imagens do Muro de Berlim apinhado de gente tomando porres, cantando, chorando de alegria e em cenas raras na Alemanha, de beijos e abraços entre pessoas que nunca se viram fazem parte da galeria dos momentos gloriosos do século XX.

Desespero, coragem extrema, perseguição e morte. Desde que a estranha construção de placas de concreto e arame farpado foi erguida por unidades armadas da República Democrática Alemã, na noite de 13 de Agosto de 1961, alemães orientais jamais desistiram de cruzá-la e muitos chegaram do outro lado, através de túneis subterrâneos pacientemente cavados, nadando pelos tubos de esgotos, em estranhos aparelhos voadores ou simplesmente pulando o muro - Para reencontrar a família dividida, amigos, a liberdade. Mais de 200 perderam a vida.

muro de berlim

165,7 quilômetros de concreto e arame farpado. 300 torres de observação com guardas armados dia e noite. Na parte interna do muro "Faixa da Morte", salpicada de minas e mecanismos que, ao menor toque, detonavam poderosos feixes de luz. Também no pé da parte interna do muro, pregos de aço de 12 centímetros literalmente prendiam os corpos em queda. Por entre as cercas elétricas dos canais subterrâneos, só o que passava era o cocô das duas partes da cidade.

O Muro da Vergonha. Para os berlinenses, é Die Mauer, uma entidade misteriosa e ameaçadora, parecida com o castelo de Kafka com 30.000 soldados orientais para manter vigilância constante. Para os comunistas, este "muro de proteção antifascista", se destinava a impedir o brain drain de técnicos que debandavam para o lado ocidental em busca de melhores salários.

A condição de cidade dividida ao longo de décadas, fez de Berlim um lugar particular, em que o ódio e ressentimento cresciam na mesma proporção que a indiferença e do desinteresse. Auseinanderleben é um verbo de difícil tradução: "viver cada um para um lado oposto". O que ocorreu com alemães ocidentais e orientais, marcados durante quarenta anos por ideologias, possibilidades e sonhos opostos.

Foi História em rítmo acelerado o que aconteceu naquela noite fria de 9 para 10 de Novembro, coroando um movimento de revolução pacífica na Alemanha Oriental - à qual o ocidente assistiu incrédulo - e esboroando o regime da Alemanha Comunista. A população saiu da sombra; o regime do líder Erich Honecker tombou empurrado pela pressão crescente da oposição, levando de arrastão o muro. O movimento popular começara em Agosto, com centenas de alemães orientais refugiados em Berlim Oriental, Budapeste e Praga.

"Nós somos o povo. Nós somos o povo". Tímido no início e cada vez mais forte, o refrão se repetia toda segunda-feira em Leipzig, depois na missa de São Nicolau, ecoando pelas principais cidades do leste.

Em 7 de Outubro, 40º aniversário da RDA, o líder soviético Mikhail Gorbatchov, profere a célebre advertência: "Quem chega atrasado é punido pela História" - no caso, o regime alemão oriental, que ainda fechava os olhos diante da fuga em massa de seus cidadãos através de países vizinhos.

A panela de pressão estourou! Egon Krenz, sucessor de Honecker, telefonou para Gorbatchov e este recomendou que a fronteira entre as Alemanhas devia ser aberta como válvula de escape, prevenindo uma rebelião que poderia pôr fim ao controle comunista.

O muro foi erguido por determinação de um líder soviético, Kruchov, e derrubado por ordem de outro. Sua queda espantosamente súbita marcou o fim da divisão do mundo em duas doutrinas, a comunista e a capitalista.

Na noite de 9 de Novembro, o porta-voz Günther Schabowski, membro do Politburo, lê um comunicado vago dizendo que os alemães orientais podem solicitar viagens particulares. Assombrados, nem todos os guardas de fronteira conseguem interpretar o enigmático comunicado. Nem precisam, já não dá para conter.

muro de berlim
Veja imagens históricas da queda do Muro de Berlim

Às 21h30m um jovem casal chegou à passagem da Bornholmer Strasse, apresentou o documento de identidade e atravessou para Berlim Ocidental. Em poucas horas, as massas forçam a travessia nos pontos de passagem, realizam o sonho de cruzar o muro sem perigo de levar um tiro, e são recebidos com euforia, fogos de artifício e batucada, e, melhor entre os presentes, 100 marcos, o cobiçado dinheiro alemão ocidental.

Em 1999, sentindo o preço da unificação dolorosamente em seus bolsos, os alemães ocidentais, desinteressados do destino de seus primos do leste, seguem suas vidas. Do "outro lado", independentemente da idade é preciso começar dramaticamente do zero. No lugar das "Paisagens Florescentes" imaginadas por Helmut Kohl, existia desemprego, desilusão e uma disparidade salarial ainda grande, comparada com o Oeste.

A divisão de Berlim foi, durante quase 30 anos, um marco de desesperança e se prestou a uma guerra de propaganda sórdida em que, entre mortos e feridos, ninguém se salvou, psicologicamente.

Os "restos" do muro ainda estão nas cabeças. São grandes os desafios para evitar que se concretize o vaticínio do final de "Der Mauerspringer": "Estes muros ainda estarão de pé quando não houver mais ninguém para passar por eles".

Em tempo: para participar da comemoração da queda do Muro de Berlim, você pode deixar mensagens, via twitter acrescida da hashtag #fotw sobre o evento, que aparecerão no muro virtual Berlin Twitter Wall, em diversas línguas. Mesmo que você não queira postar no twitter, super legal ler as mensagens, principalmente das pessoas que passaram por essa parte da História. Ah, a China bloqueou o acesso. Lógico!


imagem

E naquela vibrante madrugada de quinta para sexta, do 9 para o 10 de Novembro de 1989, provou-se que nem tudo dura para sempre.

Leia algumas opiniões:
  • "Mas quando todas a fronteiras possíveis caíram, de repente ficamos com medo e constatamos que somos uma sociedade de mentalidade estreita, que não quer impulsos de fora"
  • ...a queda do Muro "levou uma multidão em direção à merda nacional": "O orgulho nacional reavivado e o desejo de ser alemão são cada vez mais consenso nacional"
  • "[Na Moldávia], de fato, tudo está como antes, não temos uma democracia de verdade"
  • "Antes era tudo proibido. Agora as pessoas pensam que democracia significa 'nós podemos fazer tudo', podemos até matar alguém. É uma interpretação muito estranha de democracia. E é assim, não só no meu país, como em diversas ex-nações soviéticas"
    Opiniões de Jovens dramaturgos do Instituto Goethe de Londres, que apresentam festival com peças da Polônia, Reino Unido, Dinamarca, Suécia, Sérvia e Romênia, em busca da expressão artística para a queda do Muro e suas consequências. [leia matéria]
Muitos alemães dizem que o muro ainda é perceptível e outros, vão mais além, querendo-o de volta. O que você acha disso?

7 comentários :

  1. Oi, Luma.

    É verdade: nada dura para sempre. Pena que esse "muro", apesar de derrubado, continua de pé em várias cidades do mundo, mas de uma forma mais triste ainda: é o muro da exclusão social que, de forma tão feia, divide as grandes cidades do mundo todo.

    Bom fim de semana!

    Bjs.

    ResponderEliminar
  2. Oi, Luma!!
    Primeiro quero me desculpar por demorar a visitar seu blog... falta-me tempo, mesmo! Amai! Amei! Informação relevante e apresentada em linguagem simples, mas rica! Parabéns!!! Difícil encontrar um blog realmente informativo, educativo... São tão poucos!!!
    Já tô te seguindo!!!
    Beijins!!!

    ResponderEliminar
  3. O Muro de Berlim foi uma atrocidade injustificável, mas, como disse a Dalva no comentário acima, ainda existem muitos muros a serem derrubados, evitando que continuemos a ser "another brick in the wall".

    ResponderEliminar
  4. Um dia voce pode editar o que escreve. São texto culturais
    Com carinho Monica

    ResponderEliminar
  5. Acho que a queda do muro foi conveniente para os poderosos do mundo que o substituíram por outros muros invisíveis, que tornaram maior a distância entre ricos e pobres, cavaram um buraco enorme onde esconderam as oportunidades de campo de trabalho em grande parte do mundo enfim, sempre os poderosos oferecendo demagogias em nome da mentira que segura as coisa exatamente como querem.
    Obrigada.

    ResponderEliminar
  6. Néctar da Flor faz a primeira Blogagem Coletiva onde o tema é: Um conto de amor com cheiro de Néctar da Flor. É com muita felicidade que convidamos todos a conhecer um mundo encantado que há dentro de cada um. Conte um conto, seja personagem da sua história e sinta cada palavra escrita na hora que for contar.


    As 10 melhores postagens com o tema levarão um layout personalizado ou uma página de scrapbooking digital. O restante das informações já estão incluídas na imagem acima e a inscrição já está aberta.


    Basta colocar nessa postagem o seu nome, o nome do blog que irá concorrer e o email.


    Faça parte dessa festa... que festa?


    Aquela que se fantasia com emoção...


    ... VEM?


    Obs: Quem for participar tem que levar esse selo abaixo e deixar visível para todos verem.

    ResponderEliminar
  7. Eu gostaria de ter escrito isto. Quanta observação e conhecimento. Admirável. Um grande abraço Raquel.

    ResponderEliminar

Tenha identidade, não seja anônimo na web. Crie sua identidade virtual.

...bisbilhotaram em quietude, sem solidão

PlagSpotter - duplicate content checker tool
Licença Creative Commonsget click

Algumas coisas não têm preço


finalista the weblog awards 2005finalista the weblog awards 2006
finalista the weblog awards 2007weblogawards 2008
Verificar conteúdo duplicado

Me leve com você...

Leia o luz no seu celular

Copyright  © 2014 Luz de Luma, yes party! Todos os direitos reservados. Imagens de modelo por Luma Rosa. Publicações licenciadas por Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial- Vedada a criação de obras derivadas 2.5 Brasil License . Cópia somente com autorização.

Tem sempre alguém que não cita a fonte... fingindo ter aquilo que não é seu.

Leia mais para produzir mais!

Atenção com o que levar daqui. Preserve os direitos autorais do editor