Resgatando a capacidade de lembrar

Clique e leia/veja entrevista completa

Quando visualizei a imagem ao lado, lembrei de um artigo que li tempos atrás (bem lá atrás) e queria lembrar o nome do autor - eu me lembrava do texto e não lembrava de todo o resto - Fui puxando o fio da memória, tentei lembrar o lugar onde estava, em que situação estava e tals. Foi um exercício mental; um exercício que deveríamos fazer todos os dias. Eh, não somente músculos atrofiam...

E hoje começam os debates televisivos. O Povo de São Paulo não deveria se empolgar com candidatos que apenas esquentarão a cadeira por dois anos para depois usarem-na como trampolim para candidatura à presidência do país. Sabemos de suas reais intenções, mas o povo... Povo iludido. E me contradiz ver resultados de pesquisas como abaixo e constatar que São Paulo, mostrará em cadeia nacional que essa eleição, antes mesmo de começar já está condenada. Eleições para manter quem está no poder? A não ser que o povo tome atitude e vote nos "outros"



Vamos ao artigo escrito por Lorenzo Andreotti

Vejo com muito pesar a amnésia brasileira. E o que é mais triste é que ela não é parcial. A exemplo de certas enfermidades fatais, é generalizada, se alastra, contaminando até os segmentos mais vitais. O retrato mais gritante vem da política. Digo gritante porque está aí para quem quiser ver. Políticos matreiros fazem bobagens há 30 anos e continuam sendo eleitos. São Paulo, a cidade mais rica do Brasil, mostrou em cadeia nacional que sua Câmara estava condenada pela corrupção. Eleições e... 50% foram reeleitos.

Na cultura nem se fala. Talentos nascem e morrem no anonimato, outros chegam a ser vistos, mas são imediatamente esquecidos. Na política - que não é minha área -, posso fazer pouco (só disponho de um único voto). Porém a cultura é meu terreno fértil e, graças a Deus, tenho autoridade para lembrar o que foi esquecido, resgatar o que foi ignorado e é nesta condição que relembro (para quem esqueceu) e apresento (para quem nunca ouviu falar) o Barão de Itararé (1895-1971), pseudônimo de Aparício Torelli, o Aporelli, um dos maiores humoristas deste país.

Estamos tão embotados do humor sem qualidade do nível de Tom Cavalcante e Casseta & Planeta que vale a pena "desenterrar" o Barão com seu humor de cidadão livre e isento de preconceitos e compromissos ideológicos.

O Barão era um personagem. Nascido em São Leopoldo (RS), gostava de contar seu insólito nascimento. Grávida, sua mãe viajava em uma carroça. Lá pelas tantas, a carroça caiu em um barranco e quebrou a roda. Foi então que - como disse mais tarde - o Barão "saiu para ver o que estava acontecendo".

Em 1926, Aporelli, morando no Rio de Janeiro e já um jornalista conhecido, fundou o jornal "A Manha" (alusão ao "A Manhã", um dos maiores jornais da época). O periódico - um marco no humor brasileiro - era uma espécie de sátira da política nacional. Seu pseudônimo também tinha história. Em 1930, a Aliança Liberal, sob a liderança de Getúlio, iria travar uma batalha decisiva em Itararé. O combate não chegou a existir, mas Aporelli embarcou: veiculou na "A Manha" que ele próprio tinha participado da luta e, por seu destaque no campo de batalha, ganhou o título de "Duque de Itararé". Mais tarde, rebaixou o título para barão, "como prova de modéstia", acrescentou.

Engajado, o Barão participava ativamente da política nacional e, em 1933, lançou-se em campanha contra o integralismo. A princípio, disse, pensou em aderir, pois ouviu o lema "a Deus, Pátria e Família" e pensou que fosse "adeus, Pátria e Família". Por conta de ousadias como esta, foi preso diversas vezes. Mas o Barão não deixou por menos e, anos mais tarde, se referia a seus períodos de cárcere como "épocas em que me enclausurei para meditação e retiro espiritual como hóspede do Estado e com guarda permanente à minha disposição".

Na década de 40, seus chistes corriam de boca em boca, espalhando gargalhadas pela cidade. Dizia que sua experiência na política fez com que corrigisse a célebre afirmação de Augusto Comte "Os vivos são sempre e cada vez mais governados pelos mortos". Barão retificava: "Os vivos são sempre e cada vez mais governados pelos mais vivos". Máximas sobre a pobreza, como: "Pobre só levanta a cabeça para ver se vai chover!", "Pobre, quando mete a mão no bolso, só tira cinco dedos"; Pobre só vai para frente quando dá topada"; "Quando pobre come frango, um dos dois está doente"? Pois é. Todas são do Barão.

O humorista também submetia antigos provérbios a saborosas distorções modernas: "Diz-me com quem andas e eu te direi se vou contigo"; "Em terra de reis, quem tem um olho é cego"; "Quem vê cara não vê que horas são". Também sabia filosofar: "O homem é um animal que pensa; a mulher, um animal que pensa o contrário"; "Sabendo levá-la, a vida é melhor do que a morte". Viva o Barão!

Bom fim de semana!
Beijus,
Luma

2 comentários :

  1. muito bacana esse resgate do Barão de Itararé. Quanto à política nacional, estou sem esperanças mesmo...

    ResponderEliminar
  2. Viviane16:52

    Oi, Luma!!
    É triste ver figuras que a gente tanto ouve falar, sobre suas séries de trapalhadas e saber que tantos têm coragem de dar os seus votos...e a conversa que eu mais ouço é a seguinte: Ele fez isso ou aquilo mas sempre me ajudou...mesmo que seja com aquilo que já era direito da pessoa...mesmo usando dinheiro público e na frente o próprio nome....Quanto ao Barão de Itararé amei as histórias...
    beijo, Vivi

    ResponderEliminar

Tenha identidade, não seja anônimo na web. Crie sua identidade virtual.

...bisbilhotaram em quietude, sem solidão

PlagSpotter - duplicate content checker tool
Licença Creative Commonsget click

Algumas coisas não têm preço


finalista the weblog awards 2005finalista the weblog awards 2006
finalista the weblog awards 2007weblogawards 2008
Verificar conteúdo duplicado

Me leve com você...

Leia o luz no seu celular

Copyright  © 2014 Luz de Luma, yes party! Todos os direitos reservados. Imagens de modelo por Luma Rosa. Publicações licenciadas por Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial- Vedada a criação de obras derivadas 2.5 Brasil License . Cópia somente com autorização.

Tem sempre alguém que não cita a fonte... fingindo ter aquilo que não é seu.

Leia mais para produzir mais!

Atenção com o que levar daqui. Preserve os direitos autorais do editor