Floresta não é flor que resta


imagem greenpeace

Num post passado, alguém comentou que não aguentava mais nada falando sobre Amazônia. Não vou falar quem foi mas é por aí; temos que bater na mesma tecla sempre, até que atitudes sejam tomadas.

Lá na escola, aprendemos que o nosso país, assim como a Rússia, possue uma das maiores extensões de florestas do mundo. Porém não aprendemos que essa extensão, não nos garante, pelos diferentes biomas e ecossistemas presentes, que a silvicultura desempenhe a sua atividade econômica, com a exploração florestal, para o suprimento do mercado de madeira somente de florestas nativas.

Usamos da madeira sem tomarmos consciência. Olhe à sua volta! A silvicultura junto com o desenvolvimento do setor produtivo e industrial, investe cada vez mais na cultura de eucalipto, proporcionando o uso de áreas, em diversas regiões do país, que garantem o crescimento econômico e desenvolvimento social sem afetar o equilíbrio ambiental.

As florestas plantadas, como as de espécies dos gêneros Pinus e Eucalipto são a base do suprimento das indústrias deste setor. O Brasil ainda tem uma modesta área coberta com essas florestas, mas que já contribui para minimizar o impacto degradador das florestas nativas.

Não podemos esquecer que o modelo econômico de ocupação de nosso solo foi e ainda é decorrente da expansão da atividade do setor primário, hoje mais notadamente pelo agronegócio, que de forma eficiente e com competividade mantém o equilíbrio de nossa balança de pagamentos.

Na década de 60, a Silvicultura foi alavancada com um plano nacional para o setor de celulose e papel e siderurgia a carvão vegetal, com estabelecimento de distritos florestais e legislação específica de incentivos fiscais para o reflorestamento.

Hoje com a consciência dos erros e acertos, o setor desfruta de investimentos de origem público e privado, cumprindo leis ambientais, plantando mais florestas, suprindo as indústrias brasileiras, com avanço tecnológico e certificação de suas empresas e produtos.

Infelizmente o total de florestas plantadas no país não passa de 1%, razão pela qual o consumo de madeira ainda é proveniente de dois terços das florestas nativas, com toda a sorte de desrespeitos à legislação ambiental, em especial ao Código Florestal.

A base florestal tem se ampliado, destaque para os estados de Minas Gerais, São Paulo, Paraná, Bahia, Santa Catarina e Rio Grande do Sul que em 2005 plantaram 78,70% das florestas de eucaliptos e pinus.

O Estado do Rio de Janeiro, onde moro, lamentavelmente não se preparou para traçar uma política para o desenvolvimento da economia florestal e assiste ao desenvolvimento de outros estados, que ampliam cada vez mais as suas áreas de plantio, associando plantios próprios e de fomento.

O atual governo é uma mula para traçar planos de política agrícola e priorizar o que sucessivos governos deram de prioridade para a pasta das Secretarias de Agricultura e meio ambiente. Vivemos um verdadeiro abandono e descaso, com os orgãos estaduais responsáveis pelas atividade de agricultura e pecuária, reflexo direto da decadência da atividade produtiva do setor, do exôdo rural e da degradação de extensas áreas outrora produtivas de nosso estado.

Aqui a legislação ambiental é restritiva e inibidora para a participação de empreendedores privados que possam modificar o quadro de abandono das terras. Sei que um novo orgão está sendo criado para tratar das questões ambientais e que fará a fusão com vários outros existentes e combalidos, mas e aí? O governo do estado precisa ter uma nova visão e vontade de quebrar paradigmas; perceber o que os outros estados vêm promovendo para o desenvolvimento da economia florestal, com responsabilidade social, crescimento econômico e interesses comuns de longo prazo em prol da sociedade.

O único passo que o estado do Rio de Janeiro deu, levou-o para a retaguarda. Impôs restrições ao desenvolvimento do setor florestal que em nada contribuindo para a redução dos desmatamentos de nossa cobertura florestal e para alavancar a cadeia produtiva do setor. Tal cenário inibe o emprego e a geração de renda, prejudicando a arrecadação de tributos que poderiam servir para o aparelhamento do próprio estado.

Desejo que o nosso governo resgate o desenvolvimento do setor agropecuário, florestal e pesqueiro, com respeito, preservação e ampliação das áreas de recursos naturais remanescentes, através de políticas afirmativas e passe a usar melhor os seus royalties de petróleo. Aproveite enquanto tem!!

Hoje é
Dia de Proteção às Florestas e o Faça a sua parte, promove uma blogagem coletiva para que todos possam refletir sobre esse ecossistema. Participe!

16 comentários :

  1. Primeiramente queria reverenciar este Blog. Muito bom. Sou editor e responsável pelo blog Cultura Nordestina: http://culturanordestina.blogspot.com/, nele divulgo os diversos ramos de nossa cultura popular nordestina e brasileira. Gostaria de saber se é possível adicionar meu blog em sua seção de links. De antemão já agradeço a atenção. Aguardo retorno. Obrigado.

    ResponderEliminar
  2. Gostei muito de teu texto, Luma!
    Acho que temos que continuar batendo nas mesmas teclas sim! Os métodos é que tem que ser modificados, mas a conscientização e da denúncia são sempre os pilares, e vc os têm feito. Parabéns! Admiro-te!!!
    Posso copiar este texto? Estou ajudando num projeto de Educação Ambiental, posso? Cito a fonte...
    Abs
    Leandro

    ResponderEliminar
  3. denise rangel14:53

    Luma, lindona
    Obrigada por participar da postagem, viu?
    E eu é que não agüento as pessoas torcerem o nariz quando se fala em questões ambientais. Tomara que os filhos destas pessoas não tenham de sofrer as conseqüências de seu descaso.
    Em relação às florestas e áreas ambientais, os governos só se interessam pelo que lhes trouxer lucro ou visibilidade política. Mas a gente tem sim, que fiscalizar e denunciar os desmandos que ameaçam a vida humana.
    beijo, menina

    ResponderEliminar
  4. Tb fiz meu post! adorei a iniciativa do blog faça a sua parte!

    ResponderEliminar
  5. Tudo aquilo que denunciamos certamente já foi ou será denunciado por "n" outras pessoas ou veículos de informação. É bater na msma tecla sim! É preciso insistir até que as pessoas tomem consciência de suas responsabilidades e dos seus direitos. O governo não divulga e nem tem interesse em divulgar os direitos dos cidadãos.
    E no que diz respeito às nossas reservas florestais, é importante que os governantes passem a ver sua preservação como uma necessidade de todos e uma obrigação governamental.
    E como somos todos responsáveis pelos representantes que elegemos, é nossa obrigação cobrar deles o respeito às nossas necessidades.

    Beijos.

    ResponderEliminar
  6. olá, luma.
    ótimo testo. voltarei mais vezes

    beijos em seu coração.

    betomelodia.blogspot.com

    ResponderEliminar
  7. Parabéns pela sua consciência e nos arrependeremos e muito no futuro bem proximo pelos males q fazemos para a natureza como um todo.

    Bjs e saudades de vc!!

    ResponderEliminar
  8. Luma,
    Bom texto e ótima reivindicação. Precisamos de uma política séria nacional e local sobre florestas.
    Eu postei sobre agricultura familiar e florestas.
    Abraços
    Luiz Ramos

    ResponderEliminar
  9. Oi Luma... olha eu aqui!!!

    Fale sempre da Amazônia, precisamos cada vez mais saber o que está acontecendo...

    Estava lendo posts antigos... Denunciar seu blog?... nada a ver heim?? Tem gente que não tem nada na cabeça.

    Bjos

    ResponderEliminar
  10. Olá Luma tudo bem tomei conhecimento desse blog maravilhoso através do blog: Leio o mundo assim através de um comentário seu sobre pedofilia.
    Eu fico tão triste com o discaso de nossos governantes com nossas florestas isso me causa muita tristeza.
    Um forte abraço e mais uma vez parabéns pelo seu blog.

    ResponderEliminar
  11. Só há uma coisa que não concordo ... o eucalipto ...
    Bebe a água toda da natureza.
    É verdade que resiste a pragas e incêndios, sua casca o protege, mas o que dá?
    Carne pra canhão, ou pasta para papel.
    É um crime substituir árvores quer demoram dezenas e dezenas de anos, de madeira exóticas, por eucaliptos.

    Mas se ninguém denunciar ... mais vale plantar os ditos eucaliptos.

    Tem sempre uma cruzada a "cumprir"

    Bom fim de semana.

    ResponderEliminar
  12. Oi, guria!
    Passando aqui para conferir e roubar um selinho aí ao lado sobre esta sacanagaem de censura à blogagem política.
    Beijo!
    bom findi

    ResponderEliminar
  13. Luma, infelizmente esse governo estadual está pior do que o do casal de garotinhos que nos atormentou por 8 anos...
    Será que um dia vamos aprender a votar ?
    Um beijão.

    ResponderEliminar
  14. Oi, Luma, a scary business. The forest *and* the trees.

    We need more "Johnny Applesseds" ;->

    Beijus!

    ResponderEliminar
  15. Querida ÇLuma

    Seu título diz tudo e coloca nossa tragédia mundial em poesia... O texto esclarece e conscientiza: que o digam os pobres gnomos que foram expulsos de seus troncos de seiva viva e agora migram para o Sul.

    Beijos.

    ResponderEliminar
  16. Oi, guria!
    Passando aqui para conferir e roubar um selinho aí ao lado sobre esta sacanagaem de censura à blogagem política.
    Beijo!
    bom findi

    fabricia

    ResponderEliminar

Tenha identidade, não seja anônimo na web. Crie sua identidade virtual.

...bisbilhotaram em quietude, sem solidão

PlagSpotter - duplicate content checker tool
Licença Creative Commonsget click

Algumas coisas não têm preço


finalista the weblog awards 2005finalista the weblog awards 2006
finalista the weblog awards 2007weblogawards 2008
Verificar conteúdo duplicado

Me leve com você...

Leia o luz no seu celular

Copyright  © 2014 Luz de Luma, yes party! Todos os direitos reservados. Imagens de modelo por Luma Rosa. Publicações licenciadas por Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial- Vedada a criação de obras derivadas 2.5 Brasil License . Cópia somente com autorização.

Tem sempre alguém que não cita a fonte... fingindo ter aquilo que não é seu.

Leia mais para produzir mais!

Atenção com o que levar daqui. Preserve os direitos autorais do editor