Do lado de dentro

...Porque é possível ocasionalmente, por breves instantes, encontrar as palavras que abram as portas de todas as inúmeras divisões no interior da nossa cabeça e exprimir alguma coisa – talvez não muita coisa, mas alguma – a partir da enorme quantidade de informação que está contida em nós, da forma como um corvo voa à maneira como um homem se desloca, da observação de uma rua ao que fizemos num certo dias há doze anos. Palavras que exprimem alguma coisa da complexidade profunda que faz de nós precisamente aquilo que somos, do significado momentâneo do barômetro à força que criou os homens diferentes das árvores. Alguma coisa dessa música inaudível que vai correndo, instante após instante, no nosso corpo, como a água de um rio. Alguma coisa da essência de um floco de neve ao pousar sobre as águas de um rio. Alguma coisa da duplicidade, da relatividade e da qualidade meramente fugaz de tudo isso. Alguma coisa da sua importância omnipotente e da sua profunda ausência de significação. Quando as palavras, num instante de tempo único e preciso, conseguem fazer isso e nesse instante torná-lo parte da assinatura vital de um ser humano – não de um átomo, de um diagrama geométrico ou de um monte de lentes sobrepostas – mas de um ser humano, a isso chamamos poesia.

Esta é a 5ª frase paragráfo completao da página 161 (Não escolher a melhor frase e nem o melhor livro, aquele que estiver mais próximo e finalmente repassar o desafio para outros cincos blogs) do livro "O Fazer da Poesia", de Ted Hughes.

Eu mudei esse meme que o Lord Fênix me passou; coisas pela metade não valem e enquanto fui copiando a frase, vi que não poderia deixar de copiar o parágrafo todo! E também sintam-se à vontade para adotarem o sentido correto de um meme!

21 comentários :

  1. Olá Luma!

    Uma palavra só: Fantástico!!

    A escrita de Ted Hughes era fantástica e a de Sylvia não ficava nada atrás, apesar se ser mais desesperada (decerto fruto dos conflitos internos, devido à morte do pai).

    A vida deste casal era o caos instalado (a nível emocional). Vi o filme e amei, amei e amei!
    Claro que o trágico fim desapontou-me por completo, porque esperava que ela lutasse mais pela vida, mas principalmente pelos seus filhotes lindos! Ted era um pobre hedonista, um desgraçado a nível emocional, e egoísta...não obstante: um excelente escritor (que na minha opinião nunca mais escreveu nada tão glorioso quanto o primeiro livro por culpa)!

    Bela homenagem, Luma!

    Beijos

    ResponderEliminar
  2. Nossa, nossa... Realmente, você estava inspirada nesse post!!!

    E, como você, acredito que o meme em questão deve ser readaptado...

    Besos...

    ResponderEliminar
  3. Talvez despedidas sejam dolorosas, e a noite apenas ressalta o quanto pode ser doída a separação - a angústia de ter que enfrentar uma noite sem sono, à espera do dia seguinte.
    Beijo

    ResponderEliminar
  4. Oi, Luma ! Vim retribuir a sua visita, sempre muitíssimo bem-vinda.
    Da proxima vez avisa que eu mando fazer um bolinho de fubá com côco, um suco de maracujá natural, um chá de maçã com canela e a gente lancha juntos trocando uma prosa, né !
    BeiJÔKA !

    ResponderEliminar
  5. Se preferir, vem de noitinha que eu faço pizza aos quatro queijos e a gente enche a cara de vinho Beaujolais.

    ResponderEliminar
  6. Essas horas eu grito aleluias (nem que sejam só aqui dentro da cabeça).
    Delícia ler um blog que tenha conteúdo.

    Amo Sylvia,e ler um post assim me deixou com os olhos brilhando e um sorriso "desstamain"...

    Beijo!

    ResponderEliminar
  7. Exelentes dicas Luma. Meu Deus você realmente estava inspirada.
    Por isso gosto de vir por aqui, sempre nos presenteando com maravilhosas indicações e dicas, e por cima, seus comentários e criticas, pra lá de ótimas.
    Beijos de final de semana fique com deus e na sua Luz.
    Rô!

    ResponderEliminar
  8. Bom final de semana...Abraços!!!

    ResponderEliminar
  9. post lindo e rico em informação e sentimentos! no fundo eu tenho a impressão de que os maiores poetas não batiam muito bem da cuca, tanto que toda essa inquietação é refletida nas obras deixadas.

    ps: procurei sobre o vídeo que vc postou, falando da amazônia e vi que ele é fake, parece que foi criado como uma mídia alternativa pelo guaraná antartica (pasme), algo do gênero. vai saber...

    ResponderEliminar
  10. Luma linda! que seu final de semana seja repleto de luz.

    Post, fantástico, bjs

    ResponderEliminar
  11. Luminha, obrigada pela dica do Gabriel, eu procurava este material há um tempão, por causa do centenário o Barzinho vai fazer uma homenagem. Adorei o blog do moço de BH e ele já entrou em contato comigo!
    Sobre suas linhas, menina quanto sentimento envolvido nestas pessoas. Entre amores e suicídios, a dor é inspiração. Vou procurar ver. Beijão!

    ResponderEliminar
  12. Belo texto, lindo post!!! Parabéns!!! Vim te convidar a retornar ao Compartilhando as Letras, t~em post novo por lá.Beijinhos.

    ResponderEliminar
  13. Tive uma tarde de silêncios, agora na noite, acompanho o cansaço da pele e o desgaste da alma. Não aprecio muito os domingos e acho que estou melancólica. O texto mexeu comigo, causou suspiros aqui nas minhas laterais. Por isso deixo meu silêncio.
    Abraços meus e desejo de uma linda semana.

    ResponderEliminar
  14. O engraçado é que quem tem sofrimento na sua carga de vida expressa de uma forma única os seus sentimentos.
    Obrigada pelo carinho, sempre! E por sempre lembrar de mim. ;)
    Bjitos!

    ResponderEliminar
  15. Oiêee!
    O filme Sylvia é excelente. A história real surpreende e choca mais que a ficção. O outro filme, Gigante de Ferro é, de fato, uma obra prima.
    Deixei um mimo pra vc lá em casa.
    http://esturdio.blogspot.com/2008/07/mimo-amigo.html#links
    Boa semana e beijocas.

    ResponderEliminar
  16. Seus posts são sempre um aprendizado para mim!

    Boa semana! :)

    ResponderEliminar
  17. Querida...Sylvia é um dos meu favoritos...

    Bjos e uma linda semana!!!

    ResponderEliminar
  18. luma querida, vc conhece minha paixão por sylvia. acredito q ela era infinitamente maior q ted. ele sabia disso. ela sabia disso tbm. mas sua "confusão" pessoal não deixava q ela libertasse isso. não considero ted culpado. mas um impulsionador para tudo oq aconteceu. acho q ele foi criminoso quando colocou as mãos nos trabalhos de sylvia. no cinquentenário de sua morte, (a de sylvia) serão destrancados os textos q ele, ted fez a gentileza de proibir a publicação. espero anciosa pela data. oq será q existe nestes textos q ted trancou até chegar a hora em q estivesse morto para q todos pudessem finalmente ler? "cartas de aniversário" é para mim o melhor de ted hughes. por várias razões. ah...sylvia com paltrow deixa muito a desejar. mt mesmo. mas para quem deseja conhece-la é um bom começo. beijo! ( p.s: dica: leia "o terno tanto faz como tanto fez" o livro infantil de sylvia )

    ResponderEliminar
  19. Luma, vc mudou o template??! Eu estou vendo a barra do blogger....Se precisar de qualquer ajuda é só chamar :-) Bjs

    ResponderEliminar
  20. Excelente postagem, Luma.

    ResponderEliminar
  21. eu te lia antes, te perdi, e te achei agora procurando ted hughes. post ótimo ótimo mesmo!
    beijo
    tatoca

    ResponderEliminar

Tenha identidade, não seja anônimo na web. Crie sua identidade virtual.

...bisbilhotaram em quietude, sem solidão

PlagSpotter - duplicate content checker tool
Licença Creative Commonsget click

Algumas coisas não têm preço


finalista the weblog awards 2005finalista the weblog awards 2006
finalista the weblog awards 2007weblogawards 2008
Verificar conteúdo duplicado

Me leve com você...

Leia o luz no seu celular

Copyright  © 2014 Luz de Luma, yes party! Todos os direitos reservados. Imagens de modelo por Luma Rosa. Publicações licenciadas por Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial- Vedada a criação de obras derivadas 2.5 Brasil License . Cópia somente com autorização.

Tem sempre alguém que não cita a fonte... fingindo ter aquilo que não é seu.

Leia mais para produzir mais!

Atenção com o que levar daqui. Preserve os direitos autorais do editor