Utilidade para a morte

Utilidade para a morte
As cenas se repetem, quase que diariamente em salas de espera de UTIs ou em emergências dos nossos hospitais. Após um longo período de ansiedade entre um acidente de trânsito ou um derrame cerebral ocorrido com um parente, familiares recebem a notícia tão temida: o falecimento de seu ente querido.

Surge então a figura de um profissional desconhecido pela maioria das pessoas: o coordenador intra-hospitalar de transplantes (CIT). Afinal, que figura misteriosa é essa, que optou por trabalhar na fronteira entre a vida e a morte?

Um número crescente de profissionais, oriundos de diversas áreas da saúde - enfermeiros, médicos, assistentes sociais ou psicólogos - vem recebendo treinamento especializado, que incluem simulações com atores, visitas a salas de operações, além de noções sobre imunossupressão e bioética.

A formação que ainda é incipiente em nosso país, já que não existem cursos universitários reconhecidos pelo MEC, tem um objetivo claro: aumentar o número de doadores potenciais em doadores efetivos. Através da identificação de doadores potenciais em setores de maior probabilidade para execução do procedimento, tais como salas de emergências como UTIs, é função do coordenador intra-hospitalar - CITs (denominado Transplant procurement manager, em alguns países) gerenciar todos os detalhes técnicos relacionados às cirurgias de tranplante, visando garantir o cumprimento da lei e agindo em benefício dos pacientes em lista de espera, sempre respeitando e confortando, dentro do possível, os familiares que avalizam a doação.

Na maioria dos CITs, esse trabalho poderia ser enormemente facilitado pela simples discussão em família do tema Doação de Orgãos. Sugerem, por exemplo, que esse assunto delicado deva ser debatido, na tranquilidade de um café da manhã em casa ou durante uma atividade de lazer. Estranho?

Talvez nem tanto. Pense nos pacientes que morrem todos os dias em filas de espera. Uma morte pode salvar uma vida. Saiba que, mesmo se todos aceitassem doar seus orgãos após a morte, seria impossível atender aos milhares de necessitados, em número crescente. Provavelmente nunca haverá doadores suficientes. E se fosse você o necessitado?

Sabemos também que no Brasil, muitos transplantes deixam de ser realizados por falta de comunicação. Números do Registro Brasileiro de Transplantes de Orgãos (ABTO) demonstram baixo aproveitamento dos doadores potenciais, aqueles que já se encontram nas UTIs com diagnóstico de morte encefálica. Menos de 1/4 destes pacientes são convertidos em doadores efetivos. Podemos comparar essa situação à morte de pessoas por falta de medicamentos, na existência de um tratamento disponível, mas inacessível. Ou, porque não, a morrer de fome em um país que joga comida fora.

Sou doadora de orgãos. Minha família já sabe. Como iniciei esse assunto? Perguntei ao meu irmão se ele aceitaria um orgão para ter a sua vida salva. E você aceitaria?

Links:
ABTO - Associação Brasileira de Transplantes de Órgãos
DOEAÇÃO - Você se sentirá feliz

O post "Utilidade para a morte" apareceu primeiro em "Luz de Luma, yes party!".

82 comentários :

  1. Paulo08:03

    MORTE! É um assunto proibido para muitos. Medo, desconhecimento, falta de fé...
    Oficialmente ainda não sou doador porém, não tenho nenhuma restrição caso ocorra o inevitável. Confesso que também tenho certa dificuldade de falar sobre o assunto. Pra falar a verdade eu gostaria de viver bastante e usar minhas "peças" o máximo de modo que nem serviriam para a reposição em outra "máquina".

    Um abraço!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Paulo!
      As pessoas estão vivendo muito e os prováveis doadores são pessoas jovens que sofreram algum acidente fatal.
      Depois de uma certa idade começamos a envelhecer também internamente e na autópsia, todos os orgãos são retirados do lugar e se você não for cremado, o corpo que estará no caixão, será um simples saco com os orgãos que foram retirados para serem analisados na autópsia. Estou escrevendo isso, pois já ouvi coisas sobre o "retorno" sem um orgão. Então, se acredita nisso, peça para não fazerem autópsia em seu corpo.
      Se quiser saber mais sobre como fazem autópsia, leia o post "Uma serpente com a boca cheia de colgate".

      Eliminar
  2. , triste saber que muitos morrem, e podem salvar vidas e não fazem...
    , agradecido pela visita em quimeras. volte quando desejar.
    , beijos meus.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Pedro!
      Saber que ao morrermos poderemos dar uma vida com mais qualidade para alguém, é reconfortante!
      Beijus,

      Eliminar
  3. Luma, eu já avisei aqui em casa que sou doadora tb. Faz tempo...
    Como disse o Paulo, preferia usar os meus órgãos por muitos anos, até esgotar, mas não vejo porque não já deixar avisado.
    Beijos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Cris!
      Também prefiro usar os meus orgãos até que a vida me seja tirada, mas e depois? Se eles estiverem em condições de doação, por quê não?
      Beijus,

      Eliminar
  4. morte é sempre assunto proibido, mas não concordo em viver fingindo qw ela não existe. Essa é nossa única certeza e por aqui já divulguei minha posição sobre doação de orgãos e sobre meu velório, o primeiro, faço questão em q atráves dos meus orgãos seja celebrada a vida e com relação ao segundo, não quero reunir pessoas naquele clima pesado de choros de perda, quero q todos lembrem de mim por tudo q realizei em vida e não a minha imagem num caixão. desejo ser cremada.
    Bjocas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Lili!
      Fugimos do assunto por medo de encarar a realidade. Não é bom pensar que um dia iremos morrer e deixar tudo o que conquistamos para trás. A morte é a maior prova de desapego que existe. Não somos donos do nosso corpo, ele apenas nos foi emprestado.
      Mas se não quer velório tem que deixar isso explicado para a família, pois aqui no Brasil, antes da cremação, eles fazem o velório.
      Beijus,

      Eliminar
  5. Oi Luma! Como vai?
    Este é um bom tema para uma discussão, eu também já abordei este assunto em família, só não me lembro agora a situação. Eu sou doador de órgão e dôo sangue porque tenho consciência de que isso é muito importante. Acho que vale a pena citar também o tráfico de órgãos que querendo ou não existe fazendo com que quem realmente precisa não tenha acesso aos órgãos doados porque eles não chegam até os pacientes.
    Enfim... Espero que uma dia a situação se converta e isso não se torne mais um grande problema. Minha família já sabe, se eu morrer pode doar tudo que prestar e o que sobrar, crema!

    Beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Ed!
      O tráfico de órgãos existe sendo você doador ou não. Sabe que traficam até o corpo inteiro para faculdades de medicina?
      Beijus,

      Eliminar
  6. Difícil pensar como seria minha reação ao perder um ente querido.
    jamais me entristeci sobremaneira por conta disso.
    Aliás, nem sei se tenho um ente querido, que não sejam uns três ou quatro por aí...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Ivan!
      Depois que você perde mãe e pai, se acostuma melhor com a ideia da morte e da inutilidade que acrescentamos à nossa vida, nos apegando a coisas que não levaremos além túmulo!
      Beijus,

      Eliminar
  7. Flor ta dando erro sim, e pra piorar aquele alternativo que tu me deu, não ta abrindo não!

    Beijos

    ResponderEliminar
  8. Olá! depois de um longo e tenebroso inverno estou de volta. Como sempre é um prazer retornar à sua casa, que como sempre está muito bem arrumada. Meus parabéns.
    Voltarei sempre.
    um abraço
    Viscondi
    http://sohphotos.blogspot.com

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Viscondi!
      Seja bem-vindo novamente!!
      Beijus,

      Eliminar
  9. Luma, esse é um assunto que mexe com todos.
    Morte. doar.
    Não sou doadora.
    tenho vergonha de dizer que ainda não me decidi por medo...
    Foi muito bom ler seu post.
    Será que eu vou precisar de passar pelo desespero para entender ?
    Não sei luminha,mas estou sendo super sincera.
    Tenho medo de doar?
    e olhe, sou generosa em vida, não entendo essa minha resistencia.
    vc mexeu comigo.
    ponto pra vc!
    bjos grandes.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Marília!
      Você ainda não está preparada e por isso o medo.
      Eu te entendo... também tinha medo antes de entender todo o processo.
      Beijus,

      Eliminar
  10. ia que tocasse Dirrty no meu velorio, olha quanto a doação de orgãos também sou doador, antes nao pensava assim, mas me coloquei na situação de alguém que precisa e mudei de ideia.
    beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Thiago!
      Um amigo morreu na fila de espera por um fígado e tantas pessoas morrem em acidentes... Não é justo não salvar uma vida!
      Beijus,

      Eliminar
  11. tai ai coisas sobre as quais eu sempre me pego pensando... bom post...

    ResponderEliminar
  12. Lá em casa todo mundo já foi avisado que quando eu morrer podem doar tudo... tá escrito na minha carteira de motorista tb. No Rio não escrevem na Carteira? Em Brasília sim... pelo menos quando a tirei, escreviam... :-)))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Chris!
      Na minha carteira de motorista não está escrito, somente na identidade da OAB. Também não é opcional, pois não existe essa opção ao preencher formulário. Deveriam padronizar, não é mesmo?
      Beijus,

      Eliminar
  13. Bom dia, Luma-Linda!
    Ontem, no Encontro com Fátima Bernardes, assisti que na Austrália, as escolas estão levando seus alunos p/ assistirem à simulações de salvamento de pessoas acidentadas por conta do alcoolismo. Tudo tão real e chocante!
    Qto à doação de órgãos, fico pensando: Jesus doou sua própria vida p/ nos salvar! Veja isso!!!
    Por ser um tema profundo, penso eu que deva ser discutido de maneira leve, sim, numa atmosfera tranquila e serena, pra de repente ser encarado com mais naturalidade, quem sabe. Durante o café da manhã, sim, pq não?
    Se eu aceitaria receber um órgão p/ ter minha vida salva? Sem dúvidas!
    Se eu doaria? Confesso que levei anos para chegar à uma conclusão: sim! Mas explico pq: não por falta de consciência/solidariedade que eu demorei p/ chegar à essa conclusão. Foi por pura, acredite, infantilidade de ser punida por Deus mais tarde.
    Ainda não tomei as providências cabíveis, mas não tardarei mais pq nunca sabemos o dia de amanhã, mto embora eu sempre peça à Deus que me presenteie com mtos e mtos anos de vida!
    Tenha um lindo dia, amiga!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Karin!
      Lembro de um vídeo australiano que foi veiculado na internet no ano passado; uma propaganda do governo para prevenção de acidentes. Será que é esse? Acho muito chocante para criança assistir, talvez pré-adolescentes que sentem vontade de aprender a dirigir.
      Se nem mesmo a vida é nossa, que dirá o nosso corpo. Lógico que temos que zelar por ele, para entregá-lo em bom estado e também para vivermos mais, mas nada justifica o apego à matéria.
      As ideias devem ser colocadas progressivamente, em gotas homeopáticas e por isso serem discutidas de forma amena em situações do cotidiano.
      Na bíblia não diz nada sobre doação de órgãos, até porque naquele tempo a medicina não era tão avançada, mas como citou, Jesus doou a vida, porque não doarmos nossos órgãos? Sei de religiões que não aceitam a transfusão de sangue. Ainda não entrei em detalhes sobre isso e não sei os motivos para não acontecer. Taí, preciso ler sobre isso :)
      Não precisa tomar providências, basta avisar sua família.
      Beijus,

      Eliminar
  14. Olá Luma...Esse tema deveria ser matéria escolar.

    Bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Wilian!
      Também acho. Mas a nossa cultura evita falar em morte, que dirá falar com crianças!
      Beijus,

      Eliminar
  15. Há muitos anos sou doadora de órgãos. Porém estou durando tanto que estou "gastando" todos eles muito, sobrecarregando e nem sei se poderão ser aproveitados, se minha família escutar minha vontade! beijos,chica

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Chica!!
      Hehehehe que bom que está durando tanto :)
      Ainda bem, não é? Sinal de que leva uma vida saudável!!
      Beijus,

      Eliminar
  16. Luma,tb sou doadora.Não sei se quando morrer vai dar pra aproveitar alguma coisa,mas já doei tudo quando renovei a carteira de motorista há alguns anos atras e avisei a familia tb,senão não adianta nada!Um ótimo post pra conscientizar a todos!bjs,

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ótimo, Anne!!
      Vou ver isso quando renovar a minha carteira de motorista, pois a atual não consta nada!
      Beijus,

      Eliminar
  17. Muito pertinente o tema.Acho louvável a doação de órgãos,mas cofesso,desde que li o livro COMA e com essa hitória das quadrilhas que roubam órgãos fiquei pra sempre assustada,não que tenha medo dde morrer,mas morrer na hora certa;Mas,é um caso pra se pensar melhor.Quando meu ex marido morreu,ele e sua companheira no mesmo dia,não doamos os órgãos ,pelo menos dele,porque é mt difícil lembrar isto na hora da agonia ,da surpresa como foi o acidente que o envolveu.Penso,que deveria ter um órgão por cidade talvez,para nos cobrar,nos pedir.Valeu o tema!!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Zilda!
      Eu não li o livro e acho que você não deveria ser induzida por ele, ainda mais sendo a pessoa esclarecida que é. Talvez o que possa ter acontecido, é que o livro responda os seus anseios. Daí é dar murro em ponta de faca.
      Também acho necessário que tenha uma pessoa encarregada para pensar em assuntos que para a família não é urgente naquele momento. Está em lei, mas como tudo nesse país, existem leis - as melhores - mas não há cumprimento delas.
      Beijus,

      Eliminar
  18. Eu sou doadora, uma questão de opção.
    Beijo Lisette.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Lisette!
      Até pela causa que você defende, não deveria ser opção. Deveria de ser obrigação e você deveria veicular no seu blogue.
      Beijus,

      Eliminar
  19. Passei por isso recentemente com a morte de um ente querido, morte cerebral, a família autorizou a doação de órgãos, mas a conduta do setor de transplantes foi tão infeliz,despreparados e sem ética, que a família voltou atras e não doou os órgão.
    Acredito que a central de transplantes precisa se preparar e muito para lidar com essa situação.
    Abraços.Sandra

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Sandra!
      Infelizmente o nosso sistema de saúde anda à Deus dará, o que dirá o nosso sistema de transplantes, mas podemos pensar em uma realidade diferente e não deixar para as nossas famílias uma decisão que deve ser nossa.
      Beijus,

      Eliminar
  20. Olá Luma..:)
    Realmente o assunto é muito polêmico!
    Humm..doação de órgão é uma coisa, porém, há também tráficos de órgãos, há tráficos de drogas, bem como, há tráficos de seres vivos, pessoas, animais...etc., certo?..Humm, creio que são assuntos polêmicos :))
    Las Habitaciones de la Muerte .(Documentos TV)
    Ps. Existem vários outros documentários abordando outros temas também...:) Divirtam-se..:)temo e ótima semana!!
    Ótemo e ótima semana!!
    A big Hug and Tchauzinho



    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Elena!
      Existe o tráfico, porque não existe demanda para suprir a carência. Vai ter sempre alguém querendo lucrar; é a guerra do poder! Se tem quem venda é porque tem quem compra. Quem compra quer salvar a vida de um ente e nem sempre sabem que o orção recebido é motivo de tráfico.
      Obrigada pelo documentário. Mais a noite quando chegar em casa vou assistir.
      Beijus,

      Eliminar
  21. Muito boa postagem!
    Também sou doadora, embora em meus documentos esteja como "não". Há um tempo atrás falaram do mercado negro de órgãos e de pessoas que ficavam "esperando" acidentes na estrada pra passar órgãos. Me parece tudo muito bizarro, mas como nesse país a falta de ética e respeito é o que impera, acho que muitos têm medo disso.
    Minha família sabe e acho que se podemos ajudar quem necessita, por que não?

    Abração e ótimo final de semana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Bruxinha!
      São vampiros acobertados pelo sistema e entrar em contado com os órgãos credenciados serve para não ficar à mercê dos traficantes.
      Bom fim de semana!!
      Beijus,

      Eliminar
  22. Eu também sou doador de órgão, minha esposa já sabe. Pode tirar tudo até a pele e depois cremar.

    ResponderEliminar
  23. Oi Luma! Eu também sou doadora de órgãos. Como disse o seu leitor acima, nem enterrada quero ser, quero ser cremada. Então, mais um motivo para aproveitar todos os órgãos possíveis. Beijo!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Renata!
      Isso aí, vamos dar utilidade para a nossa morte!
      Beijus,

      Eliminar
  24. Acho ótimo poder doar os órgãos e salvar a vida de várias pessoas.
    Big Beijos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Luma, voltei para dizer indiquei seu blog como um dos blogs para as pessoas conhecerem no nosso dia: Blog Day!
      Big Beijos

      Eliminar
    2. Oi, Lulu!!
      Oba!! Que notícia boa! Tinha me esquecido do Blog Day...
      Obrigada!!
      Estou na estrada e quando chegar em casa, vou lá no seu blogue!
      Beijus,

      Eliminar
  25. Se eu soubesse que tinha que morrer não tinha nem começado a jogar... hehehe! Mas #fazparte, nzé? E quanto a doar tá certíssimo. Sou doador... menos do fígado - pois esse tá judiado por demais... hahahahaha! Bjs!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ahhhhhhh, Fred! Água existe para beber, viver existe para morrer!! (rs*) Que horrível isso que escrevi!! Cara, fica um tempinho sem fazer arruaça que o fígado recupera :) Beijus,

      Eliminar
  26. OI LUMA!
    CHOCANTE!
    ASSIM É PARA NÓS O ASSUNTO, MORTE.
    E PORQUÊ, SE SABEMOS QUE É O FINAL DE TODOS NÓS?
    ACHO QUE PARA MELHORARMOS NO QUESITO DOAÇÃO, TERÍAMOS QUE EM PRIMEIRO LUGAR DESMISTIFICARMOS ESTE FINAL DE VIDA QUE TANTO NOS ASSUSTA.
    POST MUITO VÁLIDO.
    ABRÇS
    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Zilani!
      Não tem como correr da morte! Se vamos encará-la, vamos dar um fim mais digno aquilo que nos foi dado de graça!
      Beijus,

      Eliminar
  27. Eu e meu esposo já combinamos caso de para aproveitar algo somos doadores, acho que isso deveria ser lei, para que deixar estragar debaixo da terra se podemos salvar vidas? Só quem tem pessoas na família esperando um doador sabe o sofrimento.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Patrícia!!
      Está certa, deveriam existir leis, mas como o nosso país é regido pela democracia, temos liberdade de escolha. Deus também nos deu a livre escolha.
      Beijus,

      Eliminar
  28. Não há gesto mais lindo do que esse, Luma... gostei das informações. beijinhos e lindo final de semana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Barbie!
      Que bom que gostou!!
      Beijus,

      Eliminar
  29. Uma postagem para ser aplaudida e divulgada, quando minha querida irmã faleceu aos 41 anos de neurisma cerebral, ficou quinze dias em coma e quatro com morte cerebral, nós pra falar a verdade estávamos tão chocados que imagine não entendemos que ela não poderia voltar, para nós havia uma chance e olha que somos todos esclarecidos, nenhum profissional do hospital nos procurou e falou sobre a doação, só depois de tudo finalizado, em casa é que fomos cair em nós, e nos perguntamos porque não nos procuraram para a doação de órgãos? Os hospitais brasileiros em sua maioria não fazem este trabalho de conscientizar a família que realmente não existe mais chance nenhuma, e que poderia se salvar uma ou mais vidas, é uma pena Luma, uma pena, parabéns pela postagem, beijos Luconi

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Luconi!!
      Obrigada por compartilhar!
      Sem querer você fez uma denúncia. Acontece muito nos hospitais brasileiros, tanto particulares quanto públicos. Eles deixam a pessoa em coma enquanto existe "vaga" e depois a morte acontece. Eles enchem os familiares de esperança, somente visando lucros. Infelizmente os hospitais precisam estar equipados para que aconteça a retirada dos órgãos doados, mas se não entraram em contato com a família, certamente porque não possuem estrutura para tal.
      Uma pena realmente, mas fique tranquila!! Papai do céu zela por aqueles que têm boa vontade!
      Beijus,

      Eliminar
  30. Nossa saúde pública é PODRE, Luma. Aliás, o Profissão Repórter exibiu uma grande reportagem sobre isso na última terça. Não temos o direito nem de ficar doentes e somos tratados feito lixo. Ninguém se importa, estamos jogados e sem perspectiva de melhora. É bom lembrar também que os planos de saúde são verdadeiros ASSALTANTES e os hospitais particulares tb estão longe de serem essa maravilha toda (com raras exceções). Enfim, ótima postagem. bjssss

    ResponderEliminar
  31. ps: também sou doador e acho a medida extremamente válida. Acabei fugindo um pouco do tema, mas precisava desabafar sobre a saúde no Brasil. bj

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Sérgio!
      Gostaria de ter assistido ao programa, mas estou sabendo do que está acontecendo. Sinto na pele todas as vezes que preciso marcar uma consulta médica aqui na cidade em que moro. Mesmo consulta particular você entra em fila de espera de quase um mês. Ainda bem que nunca precisei de emergência!
      Não está fugindo do assunto. Algumas pessoas relataram de entes queridos que faleceram, eram doadores e não foram feitas as doações por falta de estrutura para tal. Nosso sistema de saúde está falido!
      Beijus,

      Eliminar
  32. seria bom se a utilidade para a morte fosse livrar o mundo dos que fazem mal a vida de outros, infelizmente quase nunca é...como dizem: parece que só os bons morrem .....

    Então, acho que a doação de órgãos é uma boa utilidade pra morte. Eu já avisei que, tirando o cérebro (não desejo a confusão e conclusões do meu pra mais ninguém rs), podem aproveitar tudo

    Já minha mãe não é a favor da doação, é da turma que acredita no 'tirou nessa vida, vai vim com problemas nesse órgão na próxima'.

    Não acredito, mas respeito. Até porque a gente só tem as certezas do que a gente acredita... e ela acredita no que acredita. Assim como eu.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Lu!
      Viver é um fato real. Depois que morremos, quem pode afirmar uma coisa ou outra? Não sei de onde a sua mãe tirou essas conclusões pois garanto que não foi do espiritismo. Mas devemos respeitar a opinião de todos. Você decide por você e ela por ela! Seguindo a linha de raciocínio da sua mãe, seria o mesmo que afirmar que quem morre de infarto, na próxima vida virá sem coração? Pois "infarto" é a morte do coração. Se você faz uma ponte de safena para recuperar o coração, estará retirando uma safena da perna ou braço. Voltará na outra vida com a perna ou braços mutilados? E quem arrancou um dente, voltará banguelo na outra vida? ;)
      Beijus,

      Eliminar
  33. Aqui podem retirar os órgãos sem pedirem autorização, desde que a pessoa falecida não tenha declardo de maneira oficial em vida não querer ser doadora.

    Em parte, não me choca muito esse procedimento. Mas entregar a um pai e a uma mãe o corpo sem os olhos de um filho com cerca de vinte anos morto num acidente , parece-me de uma crueldade e de uma insensatez inconcebíveis!

    Bom fim de semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, São!
      Aqui no Brasil ainda não chegamos nesse estágio de desenvolvimento. Mas acho que você está errada em pensar desse modo, afinal, os olhos estarão fechados pelas pálpebras e não se nota diferença. Em todo o processo pos-morten, todos os órgãos são retirado para autópsia e depois colocados dentro do corpo - como se o corpo fosse um saco. Sabemos que ninguém "acorda" após a autópsia... não existe recostura dos órgãos!
      Beijus,

      Eliminar
  34. Luminha,
    Quando minha irma entrou pra facu de medicina fez a familia inteira ser doador de orgão. Vamos preservar a vida!!!!
    Beijs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Bandys!!
      Virei fã da sua irmã!
      :)
      Beijus,

      Eliminar
  35. Carinhosamente passando para
    desejar um feliz e abençoado Domingo.
    Sem falar das saudades , que tenho no coração.
    A vida tem dessas coisas de vez em quando
    testa nossa fé e força para lutar.
    Beijos no coração carinhos e afagos na sua alma.
    Evanir.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Evanir!!
      Obrigada pelas palavras e bom domingo para você também!
      Beijus,

      Eliminar
  36. Lugar impróprio para o link, mas ontem minha "chefa" falou de um clip da Anitta e sinto por discordar sobre a dança da garrafa... http://www.youtube.com/watch?v=JdsO7T8mT78

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Patrícia!
      Como escrevi no seu blogue, não conheço o trabalho da moça. Se temos a preocupação em educar as meninas em relação ao que veem quando estão longe dos nossos olhos, precisamos escolher com quem elas vão ou o lugar onde frequentam. Se no passado a dança da garrafa causou e já não causa mais, o grande lance foi a revisão da dança "twerking", muito cultuada nos EUA pelas mulheres negras e recentemente vista por uma mulher branca em rede nacional americana (Miley Cyrus) - lá causou porque mulheres brancas "respeitavam" os costumes das mulheres negras. Mas aqui no Brasil não temos a cultura da supremacia branca e particularmente acho de extremo desgosto para os pais de outrora, verem suas meninas dançando desse modo sugestivo, como se fossem dançarinas de bordéis. E a tal Anitta diz que aprendeu a profissão na igreja... rs.
      Beijus,

      Eliminar
  37. Bem colocado a visão do dia a dia num hospital. Um gesto nobre. Deixar pra quem precisa viver aquilo que seria pó em breve. Sou totalmente a favor da doação de órgãos. Abraços, Luma

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Ruby! As pessoas deveriam repensar suas posturas com relação a doação de órgãos... beijus,

      Eliminar
  38. Oi Luma!

    Minha linda, estava com uma vontade enorme de vir aqui ler você. Meu tempo para Internet está mais curto e por isso tenho que me concentrar nas pessoas queridas para mim.

    Eu gosto muito da maneira como fala da Morte. Você demonstra não ter aquele medo da morte que a grande maioria têm. Já disseram que a morte não é de todo ruim. E só é ruim para os que ficam. Difícil tarefa dos médicos que citas no post.

    Não sei se você sabia, mas todos aqueles que tiveram ( como eu ) e mesmo que não tenham mais, qualquer doença auto-imune estão descartados de qualquer doação de tecido?

    Porém admiro aos doadores e principalmente a família que permite isso.

    Beijos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Iza!
      Estou ligada!!
      Iza, depois que perdemos as pessoas que nos são mais caras nessa vida, temos que encarar a morte com outros olhos. A minha mãe nunca me colocou medo dizendo coisas sobre a existência de algo ruim depois da morte. Ao contrário, depois só existe a paz. E também, acredito no ditado "O inferno é aqui". Pois então, vai que depois da morte, que a vida existirá e isso aqui não passa de um sonho?
      Eu já sabia dessa informação e tudo isso é verificado antes da doação.
      Saudades de você!
      Beijus,

      Eliminar
  39. Avisei para a minha família, que venho puxar o pé de todo mundo se eles não me doarem. Baita egoísmo querer levar o corpo para o cemitério ou para o crematório.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Lili!!
      Você me deu uma boa ideia!
      Bora puxar o pé desse povo egoísta!!
      :D
      Beijus,

      Eliminar
  40. tem que ser feito de baixo pra cima, assim como a conscientização ambiental está sendo construída: não adianta comunicar para os pais conversarem com os filhos. Tem que levar pra escola para colocar os filhos pra conversarem com os pais, assim a próxima geração já vem com origem consciente, e o ciclo passa a girar de maneira positiva, transcendendo a religiosidade e quaisquer outro tipo / natureza de tabus. Beijo!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Está certo, Tony! O ato vem do amadurecimento e a criança precisa crescer sabendo que ela vai morrer e que é natural. Mas é um assunto evitado por todos e os pequenos crescem com a morte, que vira medo. SAber que uma pedacinho de você pode salvar outra vida é fenomenal! Precisamos aproveitar desse avanço da medicina. Beijus,

      Eliminar
  41. Quando a luta é pela vida, acho que todos aceitariam um órgão doado para continuar vivendo.
    Eu e meu marido somos doadores também e já informamos a família, mas tenho cá minhas dúvidas se eles cumpririam nossos desejos. Aquela questão religiosa de achar que tem que chegar 'completo' do outro lado. O que não tem fundamento para mim, já que entendo o corpo como uma simples 'casca' para minha experiência terrena e meu espirito é eterno, para eles com certeza é um grande empecilho.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi, Lu!
      Não vai chegar nunca completo do outro lado, a não ser que não faça autópsia... pois quando ela é feita, todos os orgãos são retirados dos seus lugares para serem analisados e depois colocados de volta. Nosso corpo vira essa casca que você citou, apenas para segurar os orgãos. As pessoas deveriam saber dos detalhes de uma autópsia para não se iludirem. Fiz um post falando sobre como ela é feita. Algumas pessoas comentaram que não conseguiram ler todo o texto. Acho que ficaram apavoradas.
      Beijus,

      Eliminar

Tenha identidade, não seja anônimo na web. Crie sua identidade virtual.

...bisbilhotaram em quietude, sem solidão

PlagSpotter - duplicate content checker tool
Licença Creative Commonsget click

Algumas coisas não têm preço


finalista the weblog awards 2005finalista the weblog awards 2006
finalista the weblog awards 2007weblogawards 2008
Verificar conteúdo duplicado

Me leve com você...

Leia o luz no seu celular

Copyright  © 2014 Luz de Luma, yes party! Todos os direitos reservados. Imagens de modelo por Luma Rosa. Publicações licenciadas por Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial- Vedada a criação de obras derivadas 2.5 Brasil License . Cópia somente com autorização.

Tem sempre alguém que não cita a fonte... fingindo ter aquilo que não é seu.

Leia mais para produzir mais!

Atenção com o que levar daqui. Preserve os direitos autorais do editor