Balanço

Hoje eu acordei muito confusa.
Fiz café, coloquei-o em uma xícara e o perdi pela casa.
Igual tonta, procurei pela xícara.
Desisti e fiz outra xícara.
Deitei-me aos pés da cama e olhando para o teto, fiquei.
Não sei quanto tempo.
O teto. Vazio.
Esfriou o café. Fiz outra xícara.
Me imaginei como o personagem do curta que o Henrique postou.
Calma, gente! eu não matei ninguém.
Só matei algo dentro de mim e ficou espaço.
E para que servem os amigos, nessa hora?
Eles não advinham.
Mas estou com uma lágrima no canto do olho que teima em não cair.
Sofremos em consequência da sinceridade.
Algumas pessoas preferem viver de mentiras, do que sofrer com as verdades.
Eu estou sofrendo com isso e quero retirar algumas coisas da minha vida.
Acho que hoje arrumo as gavetas do meu armário.



Deito fora as imagens,
Sem ti para que me servem
as imagens?

Preciso habituar-me
a substituir-te
pelo vento,
que está em toda a parte
e cuja direcção
é igualmente passageira
e verídica.

Preciso habituar-me ao eco dos teus passos
numa casa deserta,
ao trémulo vigor de todos os teus gestos
invisíveis,
à canção que tu cantas e que mais ninguém ouve
a não ser eu.

Serei feliz sem as imagens.
As imagens não dão
felicidade a ninguém.

Era mais difícil perder-te,
e, no entanto, perdi-te.

Era mais difícil inventar-te,
e eu te inventei.

Posso passar sem as imagens
assim como posso
passar sem ti.

E hei-de ser feliz ainda que
isso não seja ser feliz.
(Raul de Carvalho)

Luminha churumelas, vai agora andar de bicicleta. Porque o que programou ontem, para fazer hoje, foi por água abaixo.

Porque é assim, cai a noite e é assim, ah essa lua sobre mim!

Quero agradecer à todos que leram a entrevista que dei ao Júlio, comentaram aqui e lá, me mandaram e-mails, recadinhos no twitter, mybloglog, last.fm e wikio.
Especialmente ao Dácio, essa riqueza de pessoa que me fez um poema lindíssimo e ao Júlio, que apesar do pouco que conheço, já dá amostras para que veio.
Vocês são muito fofi's e estão no meu coração!

3 comentários :

  1. Oi, Luma!

    Bom dia!!

    Eu tbm já fiquei a olhar o teto muitas vezes, mas, quando nada encontramos, é melhor refletir...

    Espero que seu dia melhore amiga. Eu gosto demais de vir aqui e aprendi a fazer de vcs meus irmãozinhos das letras.

    Acabei de ler um post que tem muito a ver com o seu e recomend a leitura.
    http://irrequietosacepipes.blogspot.com/

    Beijos

    ResponderEliminar
  2. Ahhhh a Nilza é mesmo excepcional, por isso faz parte da minha vida.

    Que bom que se identificou, posso dizer o mesmo do que li aqui.

    A sinceridade, embora necessária, causa feridas que são complicadas de cicatrizar, mas, se pensarmos bem - e devemos - o fato de ocultar algo ou sei lá, não ser sincero (sem chegar ao ponto de mentir) fere ainda mais.

    Mas, espero que esse "arzinho" triste que captei aqui, logo se dissipe.

    Conte cmg !

    beijos.

    ResponderEliminar
  3. Espero que vc já esteja menos tristinha...

    ResponderEliminar

Tenha identidade, não seja anônimo na web. Crie sua identidade virtual.

...bisbilhotaram em quietude, sem solidão

PlagSpotter - duplicate content checker tool
Licença Creative Commonsget click

Algumas coisas não têm preço


finalista the weblog awards 2005finalista the weblog awards 2006
finalista the weblog awards 2007weblogawards 2008
Verificar conteúdo duplicado

Me leve com você...

Leia o luz no seu celular

Copyright  © 2014 Luz de Luma, yes party! Todos os direitos reservados. Imagens de modelo por Luma Rosa. Publicações licenciadas por Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial- Vedada a criação de obras derivadas 2.5 Brasil License . Cópia somente com autorização.

Tem sempre alguém que não cita a fonte... fingindo ter aquilo que não é seu.

Leia mais para produzir mais!

Atenção com o que levar daqui. Preserve os direitos autorais do editor