Camarão com Chuchu

Acordei e fui para a praia...


Cochilei ouvindo o barulho do mar.
Acordei com algazarra. Hora de ir embora!


Almoço


Uma boa ação


Viram como sei me comportar? Agradeço a todos pelos votos de recuperação e carinho. Não vou conseguir ficar sem postar. Isso até é o de menos, o que anda pegando é o meu dia a dia. Embarcamos em projetos ambiciosos que bem ou mal, traz um certo desgaste. Porém, de onde estamos não há volta.

Escrevendo postezito e ouvindo Eels, electro-shock blues - Uma das músicas do cd está no inicio da postagem e se lembrarão de uma música cantada pelo Supla. Nem sei se é a mesma música, mas que parece, parece. O cd não é lançamento e Mark Oliver Everett descreve a realidade da consciência humana, após o suicídio da irmã e a descoberta de que a mãe estava com câncer. Um requiém direto e sofrido que nos convida a entender essa sensação de perda, de simular a pior das hipóteses. Na época do lançamento do disco em 1988 foi criticado por levar à público suas desgraças; a mídia tanto elogiou quanto criticou pelos mesmos motivos. Ele no direito de defesa, disse apenas que sabe fazer música daquilo que sente, do que não sente, deixa para os outros. O mocinho é bravo! Beck tentou chegar perto com Sea change. Verdade é que intimamente, o álbum nos leva a sentir saudades do glam rock de David Bowie.

Hum...estou esquecendo do Chuchu

Quando era criança adorava comer chuchu, feito refogadinho, cortado em quadradinhos com bastante pimenta do reino. Este último ingrediente proibido em casa para as crianças. Ora, eu ia para a casa da minha avó e lá tinha muito chuchu na cerca. Cerca de arame farpado, porque antigamente era assim, nada de muros e cerca fechada era só para criadores de galinha. Para as galinhas cerca de bambú (Quero ver quem será o engraçadinho a fazer trocadilhos).

O chuchu perdeu sua graça quando li um crônica na Escola que metralhava a sua existência. Quem souber dessa crônica rica em fibras, me fale. Nunca mais lembrei do autor, mas lembro de tudo que foi dito nela.

Verdade é que muitas coisas que acontecem, só entendemos na hora da prática, na marra. O bonde vai andando e quando vemos se não corrermos atrás, o perdemos. No Brasil, como sempre; o bonde passa e muita gente nem sabe se ele era para passar ali naquele momento. Os horários do bonde mudam a todo momento.

O bonde já passou e com um monte de Chuchu dentro. Amanhã eu conto.
Boa semana!
Beijus,

3 comentários :

  1. Ai Luma, meu deu um inveja (boa) desse seu dia na Praia. Aqui choveu sem parar!
    Vim te pedir ajuda para divulgar a Semana da Endometriose, tem mais informacoes no Photos&Fatos.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  2. Chuchu era algo que eu roubava do prato que minha mae colocava na janela para esfriar... Bons tempos!!
    BJS

    ResponderEliminar
  3. Luma:

    Eu adoro camarão com chuchu ! E sempre faço na Páscoa e é só prá mim, pois lá em casa ninguém gosta de camarão (!) acredite. Segundo meu avô, chuchu é o 4 estado da água...(rs) não tem gosto de nada. Mas eu gosto.

    Obrigada pelo e-mail. Vou tentar.

    beijos querida e boa semana!

    ResponderEliminar

Tenha identidade, não seja anônimo na web. Crie sua identidade virtual.

...bisbilhotaram em quietude, sem solidão

PlagSpotter - duplicate content checker tool
Licença Creative Commonsget click

Algumas coisas não têm preço


finalista the weblog awards 2005finalista the weblog awards 2006
finalista the weblog awards 2007weblogawards 2008
Verificar conteúdo duplicado

Me leve com você...

Leia o luz no seu celular

Copyright  © 2014 Luz de Luma, yes party! Todos os direitos reservados. Imagens de modelo por Luma Rosa. Publicações licenciadas por Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial- Vedada a criação de obras derivadas 2.5 Brasil License . Cópia somente com autorização.

Tem sempre alguém que não cita a fonte... fingindo ter aquilo que não é seu.

Leia mais para produzir mais!

Atenção com o que levar daqui. Preserve os direitos autorais do editor