Boxe é esporte


No Domingo passou pela tv a luta do russo, Oleg Maskaev e Peter Okhello, da Uganda. Peter foi derrotado e Maskaev manteve o cinturão do Conselho Mundial de Boxe. A luta foi transmitida ao vivo de Moscou e a platéia estava lotada. Assisti 5 minutos, foi o que suportei.

César Monstro, integrante da equipe Minotauro e participante do Predador Fight Championship, questionado sobre o seu preparo para um combate em Ribeirão Preto, respondeu: “Já passei por quase tudo na vida, Vendi picolé, lavei quintal dos outros. Hoje vivo profissionalmente da luta e quero fazer uma grande exibição. A porrada come, mas nosso corpo está preparado para isto. Somos gladiadores que estão acostumados a sangrar”.

Isso não deveria ser normal mas a platéia quer sangue.
Não chega a ser uma birra contra o boxe em si. Pessoalmente não admito dois homens trocando murros, ainda que dentro de certas regras. Compreendo a briga movida pela cólera, não a rixa combinada, a agressão estudada. Sempre achei o boxe um esporte estúpido, mas há quem goste. Problema de gosto.
O que me assombra é a mania de chamar a troca de socos de “Nobre Esporte”. Nobre por quê? A baixaria domina o background das lutas, um submundo gravita em torno dos campeões. Tudo é macetado, até mesmo as lutas em si, que são decididas pela cartolagem. Rola muito dinheiro para montar o circo - jamais me convencerão de que é honesto um sujeito ganhar numa só noite milhões de dólares.
Há muita coisa de errada nisso. Mas errado mesmo é considerar nobre um tipo de esporte que cria débeis mentais: muitos dos pugilistas, depois de certa idade, passam a sofrer de distúrbios cerebrais. O caso mais dramático foi de Joe Louis – por sinal, um dos mitos válidos gerados pelo boxe.
Tivemos a cena de canibalismo explícita de um cara que comeu a orelha de outro diante da platéia mundial de milhões de pessoas. Compreendo a raiva que moveu Mike Tyson, ele foi pago para lutar. Violar as regras do jogo fica por conta do emocional a que todos temos direito. O que não entendo é o deslumbramento da platéia.

Dize-me do que gosta e direi quem és.
Beijus

Technorati Tags: ,

0 comentários :

Enviar um comentário

Tenha identidade, não seja anônimo na web. Crie sua identidade virtual.

...bisbilhotaram em quietude, sem solidão

PlagSpotter - duplicate content checker tool
Licença Creative Commonsget click

Algumas coisas não têm preço


finalista the weblog awards 2005finalista the weblog awards 2006
finalista the weblog awards 2007weblogawards 2008
Verificar conteúdo duplicado

Me leve com você...

Leia o luz no seu celular

Copyright  © 2014 Luz de Luma, yes party! Todos os direitos reservados. Imagens de modelo por Luma Rosa. Publicações licenciadas por Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial- Vedada a criação de obras derivadas 2.5 Brasil License . Cópia somente com autorização.

Tem sempre alguém que não cita a fonte... fingindo ter aquilo que não é seu.

Leia mais para produzir mais!

Atenção com o que levar daqui. Preserve os direitos autorais do editor