Programando a própria morte

Li uma notícia semana passada que não me saiu da cabeça. Um adolescente de 16 anos, trocou informações em um fórum virtual na internet e salas de bate papo, planejando com um mês de antecedência o momento e a maneira que deveria ser a sua morte. Indagava sobre o método mais fácil para cometer o ato.

O fato foi consumado no último dia 26 de Julho. Antes disso, em seu blog, ele anunciou que se mataria a partir das 11h do dia 26. Três horas mais tarde, às 14h18min, o ato se consumou.

Naquele dia, estando on-line, mostrou fotos das grelhas que seriam usadas e disse tê-las colocado para queimar no banheiro de sua casa. Não suportando o calor, pediu orientação de como proceder com o excesso de calor e ainda indagou "alguém por favor pode me dizer ... quando eu posso entrar no banheiro e deitar? Por favor, me ajudem, eu não tenho muito tempo". A falta de tempo estava relacionada com o retorno dos pais.

Os participantes do Chat opinavam e acertavam os preparativos para a morte por intoxicação

"Como você está se virando? Espero que você consiga o que você quer. Talvez você vá voltar em um momento tossindo"

O adolescente dizia: "Eu não suporto esse calor. O que eu devo vestir para tornar isso mais suportável? O que eu posso fazer? Pelo amor de Deus alguém por favor me ajude."

triste
Horas mais tarde alguém diz: "Acredito que funcionou, já que ele não tem estado em contato..."

Nesse interim uma jovem canadense, avisou a polícia de seu país sobre o que estava acontecendo e esta contactou a polícia federal no Rio Grande do Sul. Quando a polícia chegou à casa do adolescente, já era tarde.

A investigação começou. O Instituto-geral de Perícias (IGP), faz as analises do computador do adolescente. A polícia Civil investiga os residentes no Brasil e no exterior que participaram do ato insano. Embora o caso envolva pessoas provavelmente de fora do país, o assunto será investigado pela Polícia Civil. A Polícia Federal deverá auxiliar. O caso também será apurado pela Delegacia da Criança Vítima.

A última notícia que se tem do caso, é que um ex-bombeiro da polícia de Chicago, foi quem ensinou como proceder e incentivou o adolescente.

Documentos serão enviados para a Interpol na França e depois serão encaminhados para Chicago.

A legislação brasileira considera crime a indução, instigação ou auxílio ao suicídio. A pena prevista é dois a seis anos de reclusão, sendo duplicada no caso de a vítima ter menos de 18 anos.

Não sabemos a que ponto chega o pensamento destrutivo do ser humano. Fiquei abismada com esses espaços destinados exclusivamente ao estímulo ao suicídio. O Próprio Orkut mantém algumas dessas comunidades.

Esses doentes continuam vivos. Difícil entender certas mentalidades... 

5 comentários :

  1. Sinceramente, não entendo por que a sociedade criou tanto enxame em torno do suicídio!!! As pessoas tratam como se fosse a coisa mais pavorosa do mundo! Não deixar morrer é muito fácil, mas ajudar em vida ninguém quer. Todo mundo ignora o sofrimento alheio, e aí, quando a pessoa decide morrer, acham um absurdo. Pra mim ninguém tem nada a ver com isso. Se o outro quer se matar ou ão é assunto dele. O que as pessoas tem de fazer é oferecer ajuda, amor, acolhimento e tratar os outros com respeito, compreensão, não ficar condenando quem se mata. Nem todo mundo é obrigado a ser feliz, a gostar de viver. Tem gente que sim e tem gente que não. Cada um sabe das suas coisas e faz da sua vida o que quiser. O que ninguém tem o direito é de interferir na vida de outrem.
    Não digo isso porque sou uma suicida, mas porque fico intrigada com a repercussão disso.

    ResponderEliminar
  2. Tô fora.
    Que quiser morrer, que morra!
    Eu prefiro continuar vivinha da silva, até onde me for possível.
    Sei que a vida é um perrengue. Mas, há tantas coisas boas nessa nossa vida. Apenas é preciso saber viver.
    Cultivar sonhos, definir e perseguir objetos, amar incondicionalmente, libertar o ser amado quando for necessário, viver. Simplesmente viver!
    Beijão Luma.

    ResponderEliminar
  3. Lamentável mesmo ontem vi um filme de 5 jovens que planejaram um suicídio coletivo alguns desistiram é triste mesmo.

    ResponderEliminar
  4. A morte como espectáculo sempre acompanhou a História...e este é um sinal dos tempos que vivemos.
    Surpreende-me que este caso (já comentado por alguns dos meus alunos) tenha sucedido no Brasil, país que tendemos a associar à alegria. No meu Alentejo o suicídio acontece com frequência, a maior parte das vezes na velhice e no meio rural. Há uma espécie de crença que não se deve dar trabalho aos outros ou ser inútil perante o trabalho. Também temos um provérbio cruel: «A quem morre por que quer não se lhe reza por alma»...cruel e pedagógico.
    Beijocas

    ResponderEliminar
  5. Além deste jovem, Luma, uma moça também anunciou a propria morte no ano passado (2013). É chocante. Quantas vezes as pessoas assistem agressoes publicas, ou ajudam a comete-las, sem nada fazer para impedir?! Existe tanta maldade dentro das pessoas, inclusive das crianças. Conheço uma muito manipuladora e que chega a assustar.

    Eu não sabia deste rapaz, mas soube do outro caso, então, a internet está sendo um palco de confissão assistida.

    Bjs

    ResponderEliminar

Tenha identidade, não seja anônimo na web. Crie sua identidade virtual.

...bisbilhotaram em quietude, sem solidão

PlagSpotter - duplicate content checker tool
Licença Creative Commonsget click

Algumas coisas não têm preço


finalista the weblog awards 2005finalista the weblog awards 2006
finalista the weblog awards 2007weblogawards 2008
Verificar conteúdo duplicado

Me leve com você...

Leia o luz no seu celular

Copyright  © 2014 Luz de Luma, yes party! Todos os direitos reservados. Imagens de modelo por Luma Rosa. Publicações licenciadas por Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial- Vedada a criação de obras derivadas 2.5 Brasil License . Cópia somente com autorização.

Tem sempre alguém que não cita a fonte... fingindo ter aquilo que não é seu.

Leia mais para produzir mais!

Atenção com o que levar daqui. Preserve os direitos autorais do editor