Antes tarde do que nunca!

A lili me chamou para uma brincadeira entitulada "Vale a pena ler de novo", criado pelo HELDÉR.

Tenho que republicar um texto que eu tenha gostado, de minha própria autoria, podendo atualizá-lo, se necessário. A tarefa passará para outros 5 blogueiros. Ei-los: Euza Noronha, Adelaide Amorim, Ismael Benigno, Dilberto Lima Rosa e Maria Elisa Guimarães.

O texto que escolhi não foi publicado no "Luz de Luma" e sim no "Crônicas da Fronteira" - Achei justo integrá-lo agora aqui.

na fronteira
Foto: Grzegorz Adamski

Doce era a ilusão de segurança das rotinas. Prezava-as.
Mas aquele dia era um dia diferente.
O dia estava chuvoso, frio e isso não a impediu que saísse para a rua.
Vagueou sem destino até que entrou naquele mesmo café. Todos os dias era ali que ia almoçar e jantar.
Mal entrava e recebia um sorriso rasgado do garçon, que já nem perguntava, vinha apenas servir-lhe, com meia garrafa de água e meia garrafa de vinho. Levava com ela um livro, fingia ler algumas páginas, mas essencialmente sonhava acordada. Pensava nele, na sua vida, alheia a tudo o que se passava a sua volta.
A chuva teimava em cair, fustigando as vidraças. Lá fora, viu gente que corria de um lado para o outro, tentando protegerem-se.
Não reparou naquele homem, sentado à frente, que a olhava curioso.
Pagou e saiu. Não viu que o homem a seguiu.
Percorreu o caminho até a casa, cabeça baixa e olhar perdido.
Entrou no prédio e subiu as escadas. Não viu o homem....

Novamente saiu de casa e o destino leva-a ao mesmo café.
O garçon trouxe o jantar. A chuva estava suspensa e o negro da noite venceu o negritude daquele dia.
Repara num homem que estava sentado à sua frente. Ele sorri-lhe, ela devolveu o sorriso. Um sorriso triste, de alguém, para quem a vida já nada significava.
Sem uma palavra, ele juntou-se à ela e acariciou-lhe uma das mãos. Mãos frias de um coração vazio....
Sairam juntos do café, e percorreram as ruas da cidade.
E recostada à um carro, ela sonhou a sofreguidão de um grande amor.

Era o seu aniversário de casamento.
Um casamento sem brilho, sem emoções, um fardo para a sua alma.

A partir desse dia, depois de muitos anos, sonha que vive um grande amor. Fantasia sobre a sua vida e revive, ainda que por breves momentos, o sabor da paixão.

Alguma coisa mudou dentro dela, não olha mais os outros no café com olhar de indiferença, olha os outros clientes com uma curiosidade assanhada, como se pudesse beber deles a vida que não tinha; O casal de namorados a beijar-se; as três amigas que vinham desabafar suas mágoas e um casal de gays com ar culpado, que claramente tinham outras famílias em casa, mas que todos os dias se encontravam ali antes de subirem para um quarto do Hotel ao lado.

Todos fantasiando a felicidade. Não se sentia mais só.
Tudo o que via analisava e o que não via imaginava. Completava a realidade de cada um com os seus próprios sonhos e assim vivia feliz.
Saía dali somente quando começava a esvaziar, mas não ia ainda para casa.
Encostava-se em um carro. Rua vazia de vida naquela hora, via os carros que passavam e sentia a impressão que produzia neles. Muitos olhavam para ela como se fosse doida, com a curiosidade natural de ver uma mulher sozinha aquela hora da noite. Muitos homens solitários como ela, abrandavam, olhavam-na demoradamente, tentando percebê-la.
Às vezes, havia um que parava. Confundia-a com uma prostituta, perguntava-lhe o preço. Ela sorria, entrava no carro, fazia-lhe tudo e não levava nada.
O calor de um corpo, a intimidade, mesmo que falsa, para ela não tinha preço.
Separam-se, sem trocar um olhar ou uma palavra.

E com muito prazer,
Luma invadiu o espaço do Edgar [Que agora está grávido! Viva!]

Beijus,
Luma

Comente aqui também!

11 comentários :

  1. QUERIDA!!!!!!
    Vou fazer, vou fazer
    Que feliz que fico com vc lembrando de mim
    Tiador muito.
    Vc viu meu post que cita voc~e?
    beijo, beijo, e mais beijos
    Meguita
    Vou fazer com muito gosto e até jpá sei. Só tenho dois, vou decidir qual;-))
    Meguita

    ResponderEliminar
  2. , "Todos fantasiando a felicidade" que pena isto se tornar algo "normal"...
    , beijos meus.

    ResponderEliminar
  3. Olá, Luma o/

    Valeu pela visita no meu blog tosco e pelos comments o/ Gostou dos "poeminhas"??? rssss. Ahh... já tem postagem nova lá... se quiser aparecer (e tiver tempo, e saco, pra isso, claro...rsss), é mto bem vinda :)

    Abraços o/

    ResponderEliminar
  4. Belo texto, muito belo. Não tenho palavras...

    ResponderEliminar
  5. Só posso mesmo dizer que veleu a pena essa reedição, afinal, como tenho pouco mais de 2 meses que leio seu blog dificilmente o leria... bom texto, e ficou uma vontade absurda de fumar!

    ResponderEliminar
  6. @Gustavo - É mesmo, faltou o cigarro!! (rs*) Beijus

    ResponderEliminar
  7. Muito bom isso aqui.

    Pelo visto valeu a pena criar esse meme.
    ______________
    terças e sextas eu posto algo novo lá, ora capítulos do livro, ora 'textoemas'.

    O-O
    x*

    volte sempre que puder!

    ResponderEliminar
  8. Oi, Luma!
    Voltaste definitivamente às plagas? Fico feliz em te ver de volta. Esse texto lembra um livro que lí e que se tornou filme, o "Mr.Godbar", conheces? Trata desse tipo de solidão desesperada que as pessoas costumam tentar driblar mantendo relações furtivas e vazias, mas tem um final triste.
    A idéia do meme é muito boa.
    Beijossssssssssssssss!

    ResponderEliminar
  9. Pungente retrato da solidão.

    ResponderEliminar
  10. Bom diaaaaaa!!
    Olha eu passando logo cedo só pra te desejar uma ótima sexta-feira.
    Hum... Eu não q não tive o prazer de conferir este post na primeira publicação, adorei essa brincadeira.
    Parabéns pela escolha.

    Luma, que seu fim de semana seja repleto de momentos agradáveis e que sua vida possa ser abrilhantada pelo perfume das flores.
    Feliz dia,
    Feliz final de semana,
    Feliz Primavera!!!

    bjs
    Cláudia

    ResponderEliminar
  11. Ótima escolha, Luma! O texto está ótimo! Bjos!

    ResponderEliminar

Tenha identidade, não seja anônimo na web. Crie sua identidade virtual.

...bisbilhotaram em quietude, sem solidão

PlagSpotter - duplicate content checker tool
Licença Creative Commonsget click

Algumas coisas não têm preço


finalista the weblog awards 2005finalista the weblog awards 2006
finalista the weblog awards 2007weblogawards 2008
Verificar conteúdo duplicado

Me leve com você...

Leia o luz no seu celular

Copyright  © 2014 Luz de Luma, yes party! Todos os direitos reservados. Imagens de modelo por Luma Rosa. Publicações licenciadas por Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial- Vedada a criação de obras derivadas 2.5 Brasil License . Cópia somente com autorização.

Tem sempre alguém que não cita a fonte... fingindo ter aquilo que não é seu.

Leia mais para produzir mais!

Atenção com o que levar daqui. Preserve os direitos autorais do editor