Festim Diabólico e as engrenagens da arte de representar


manacleNa postagem anterior foi falado tanto em como criar filhos e da responsabilidade famíliar, que vasculhando a memória lembrei dessa história:

Dois filhinhos-de-papai de Chicago, nascidos milionários – Nathan Leopold, 18 anos, e Richard Loeb, de 17 – confessaram ter matado de pancadas um colega de 14 anos de idade, Robert Franks, por esnobismo intelectual e diversão.
Presos porque Leopold deixou cair seus óculos, um modelo raro, próximo ao corpo nu de Franks, escondido numa mata nos arredores de Chicago, os rapazes chocaram o mundo ao admitir friamente a sua culpa.
Os dois eram sexualmente ambíguos e emblemáticos de uma juventude rica dos anos 20: Universitários, endinheirados, simpáticos, viajados e às vezes brilhantes, mas sempre frívolos, esnobes e dominados pelo tédio.
Segundo contaram à polícia, Leopold e Loeb planejaram o “crime perfeito” por influência do filósofo Nietzche – como o conceito de super-homem – e para provar a sua superioridade intelectual sobre os investigadores.
A vítima, conhecida deles, foi escolhida ao acaso, à saída da escola.
Após o crime, tentaram receber US$ 2 mil de resgate do pai de Bobby Franks, mas a polícia descobriu o cadáver antes que o dinheiro pudesse ser entregue.
Leopold e Loeb não tinham qualquer problema financeiro. A cobrança do resgate era apenas uma forma de cortejar mais de perto o perigo, aumentando a “emoção” do crime. Ao confessar, a dupla não fez questão de atenuantes. Tratava-se apenas de “matar alguém”.
Pais e irmãos do assassinos chegaram a frequentar a lista de possíveis vítimas, mas foram descartados porque isso poderia expo-los como suspeitos.
Diante de tais confissões e da atitude permanentemente debochada dos réus durante o julgamento, o enforcamento de ambos era considerado uma certeza cristalina.
Eis que entrou em cena o personagem mais notável do caso: o Advogado Clarence Darrow, considerado o melhor de seu tempo nos EUA, defensor dos assassinos e da causa impossível. Perante um júri embevecido, Darrow expôs uma jóia de retórica forense à qual não faltou a ousadia de chamar os frios criminosos de “poor boys” ( “pobres rapazes” ).
Darrow poderia alegar insanidade mental. Não o fez. Reconheceu a incapacidade de seus clientes para o convívio em sociedade, mas condenou a pena de morte em tese, insinuou que o público queria a morte dos dois “porque eles são ricos” e fez um ataque brilhante ao sistema educacional americano. Depois sublimou o papel representado pelo juiz, o de guardião do bem estar da comunidade, para perguntar se o enforcamento dos réus configuraria tal benefício. Deu certo: Leopold e Loeb foram condenados a pena de prisão perpétua por 99 anos.

E tudo acabou na tela

Baseado numa peça de teatro “Rope’s end”, de Patrick Hamilton e escrita pouco tempo após o crime de Leopold e Loeb, o filme “Festim Diabólico” (Rope), de 1948, comete o seu próprio, digamos – crime cinematográfico. Alfred Hichcock, diretor e produtor, realizou um filme famoso por “não ter cortes” e ser rodado “num único plano-seqüência”.
Não é bem assim. Como cada rolo só comportava na época dez minutos de imagens, o que o mestre do suspense fez foi disfarçar habilmente os pontos de emenda. O Tour de Force contribui para o interesse histórico do filme, mas faz dele um dos mais lentos e teatrais do cinemático Hitchcock.
Da história real “Festim diabólico” aproveita apenas o perfil psicológico dos criminosos – homossexuais, bem-nascidos e intelectualmente esnobes – e sua motivação fútil para o crime, aí incluída a fascinação com o pensamento nietzschiano. O resto é invenção.
James Stewart faz o papel de um professor que desmascara a dupla. O filme traz ainda uma das aparições mais criativas do diretor em cena: o perfil de Hitchcock que surge, em néon, na fachada de um prédio em frente ao apartamento dos assassinos.

Bem, o final não é o mesmo da história real. Aliás, vocês devem saber que em se tratando de Hitchcock, nunca é o final que interessa, mas o percurso até lá.

Sei que o "Luz" é frequentado por 3 ou 4 estudantes de cinema. Aqui é explicado toda a estrutura complexa do filme como também todos os seus desafios técnicos.

Aos demais que ficaram interessados no filme, ele está disponível em dvd. E, se você ficou pensando na história que deu origem, não só no filme e peça teatral, mas em toda uma polêmica nos EUA; pense sobre os verdadeiros valores que devemos passar para nossos filhos e a importância do convívio familiar. Leia mais...

Beijus,

0 comentários :

Enviar um comentário

Tenha identidade, não seja anônimo na web. Crie sua identidade virtual.

...bisbilhotaram em quietude, sem solidão

PlagSpotter - duplicate content checker tool
Licença Creative Commonsget click

Algumas coisas não têm preço


finalista the weblog awards 2005finalista the weblog awards 2006
finalista the weblog awards 2007weblogawards 2008
Verificar conteúdo duplicado

Me leve com você...

Leia o luz no seu celular

Copyright  © 2014 Luz de Luma, yes party! Todos os direitos reservados. Imagens de modelo por Luma Rosa. Publicações licenciadas por Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial- Vedada a criação de obras derivadas 2.5 Brasil License . Cópia somente com autorização.

Tem sempre alguém que não cita a fonte... fingindo ter aquilo que não é seu.

Leia mais para produzir mais!

Atenção com o que levar daqui. Preserve os direitos autorais do editor