Boas Vindas...



Yvonne,
Felicidades na nova morada!!



Esse ano de 2006 será o lançamento de "O Código de Da Vinci", o filme. Imagino que não poderemos chamar de filmezinho porque será estrelado por Tom Hanks. Quem viver, saberá!

Se, como habitual, todas as modas são passageiras, a longa lista de lançamentos literários de 2006 não deixa esconder a continuidade da tendência iniciada por Brown, tendo títulos como Labyrinth de Kate Mosse (que fala de uma seita católica e da busca pelo cálice sagrado), The Last Templar de Raymond Khoury, The Templar Legacy de Steve Berry ou The Last Cato de Matilde Asensi, entre muitos outros.

A temática é, portanto recorrente e a protagonista é quase sempre a Igreja Católica (fácil de envolver em controvérsias). Por parte das editoras, a expectativa em relação aos números das vendas deste gênero de livros é muito grande, chegando mesmo às 350.000 cópias por uma primeira edição. A ficção baseada em fatos reais sempre atrai leitores e espectadores, no caso do Cinema.

O que Brown fez com o seu sucesso foi, de algum modo, criar, não um gênero, mas uma categoria onde todos esses títulos podem ser inseridos. E uma categoria bastante popular, acrescente-se. Essa popularidade deve-se, para além da temática controversa, ao gênero thriller/suspense, que está na genese de construção da maioria destes livros. A escrita desses livros é bastante linear: frases simples, sem construções gramaticais complexas ou vocabulário desconhecido. Além disso, e já tendo "O Código da Vinci" uma certa construção cinematográfica, até mesmo na sua forma; os capítulos dividem-se como cenas de um filme.

Dan Brown, conseguiu, portanto, a fórmula certa para levar os livros a um enorme número de públicos e, a julgar por algumas novidades editoriais do próximo ano, essa fórmula vai ser usada até à exaustão.

Obstante não planejo ler o restante dos livros que virão atrás da onda de Dan Brown. Não que ache "O Código da Vinci" um mau livro. Além disso, condeno atitudes pseudo-intelectuais de pessoas - e tive um conhecido que afirmou que "jamais leria Dan Brown" só porque toda a gente lê. Um livro, e quem diz um livro, diz um filme ou uma música, não é mau só porque toda a gente o lê, o vê ou a ouve - quando muito, pensar-se-ia o oposto - porque não usa uma escrita absolutamente incompreensível para o leitor. Mas também não acho que Dan Brown tenha um talento à medida do seu sucesso.

Pronto! Na época que todos estavam lendo esse livro falei pra mim mesma que não ia dar opinião. Mas agora já foi.
E ouvindo no repeat


Eu não disse que estava docinha?!

0 comentários :

Enviar um comentário

Tenha identidade, não seja anônimo na web. Crie sua identidade virtual.

...bisbilhotaram em quietude, sem solidão

PlagSpotter - duplicate content checker tool
Licença Creative Commonsget click

Algumas coisas não têm preço


finalista the weblog awards 2005finalista the weblog awards 2006
finalista the weblog awards 2007weblogawards 2008
Verificar conteúdo duplicado

Me leve com você...

Leia o luz no seu celular

Copyright  © 2014 Luz de Luma, yes party! Todos os direitos reservados. Imagens de modelo por Luma Rosa. Publicações licenciadas por Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial- Vedada a criação de obras derivadas 2.5 Brasil License . Cópia somente com autorização.

Tem sempre alguém que não cita a fonte... fingindo ter aquilo que não é seu.

Leia mais para produzir mais!

Atenção com o que levar daqui. Preserve os direitos autorais do editor