Sexta-feira 13


A origem da Sexta-Feira 13 é associada a um dia de azar e biblicamente, a origem do n.º 13 como sendo um número azarado, prende-se com a Última Ceia - eram 13 aqueles que estavam à mesa e uma vez que foi Judas quem o traíu (o 13.º apóstolo), levando-o à morte numa sexta-feira, o dia passou a estar associada à morte.

Historicamente o motivo tem a ver com o fato de, no dia 13 de Outubro de 1307, a Ordem dos Templários ter sido declarada ilegal, o que levou à caça, tortura e condenação à morte de vários membros desta ordem. Isso foi só pra constar...

Se em 2005 não consegui ver todos os filmes que me despertaram interesse, o mesmo aconteceu em relação aos discos, já que ficou muita coisa por ouvir e que tentarei consertar em 2006. Na lista dos melhores que ouvi, o preferido é "The Witching Hour", dos Ladytron. O que daqui alguns dias poderá ser outro. (rs*) Um dos maiores trunfos deste quarteto de Liverpool é o contraste das suas vocalistas, Helen Marnie e Mira Aroyo. A doçura e fragilidade da voz de Marnie encontra um apropriado contraponto nas intrigantes e soturnas vocalizações de Aroyo. Recuperam sonoridades dos anos 80, contextualizadas no presente, evitando exercícios de nostalgia oportunista e gerando um refrescante e experimental disco pop.
Joan Baez e Bob Dylan
Exemplo de nostalgia: "Blood on the tracks", talvez o melhor de todos os discos de Bob Dylan que está evidentemente marcado pela separação da mulher e mãe dos seus filhos. Mas ele sempre recusou essa associação dizendo que essas canções não são sobre aquela dor, aquela mulher ou aquele afastamento. E tem razão. Quando as ouvimos elas são sobretudo sobre nós e sobre as nossas histórias, medos e fracassos.
Não há aqui envolvimento político e nenhuma forma de rejeição dos episódios pessoais, mas a tentativa de evitar atalhos na interpretação das canções.

As mães dizem semmpre: «O importante é que se dêem bem». Geralmente para vaticinar a validade das relações alheias. «Ele é meio metro mais alto que ela!», «Ela quer viver à custa dele!», «Os signos são incompatíveis!». A tudo isto as mães respondem: «O importante é que se dêem bem». Como se todas as divergências ou aparentes incompatibilidades tivessem solução, com vista a um quotidiano pacífico e sem ondas.

A prova de que esta máxima até tem o seu quê chega-nos, desta vez, de outra mãe: a Natureza. Diz a imprensa internacional que, na costa do Quênia, um hipopótamo-bebê que sobreviveu ao tsunami adoptou uma tartaruga gigante como sua nova mãe. «O hipopótamo órfão, com menos de um ano e pesando cerca de 300 kg, adotou a tartaruga centenária como mãe, e ela parece estar bem feliz em seu papel de mãe adotiva. Os dois nadam, comem e dormem juntos».

Perante isto, haverá forma de contrariar as mãe da próxima vez que elas nos vierem com essa sentença?...
Pois que sei que existem alguns movimentos estranhos, conxavos e confabulações envolvendo a minha pessoa.
Eu respeito as diferenças entre as pessoas, mas valorizo mais ainda o que elas possam ter em comum.

0 comentários :

Enviar um comentário

Tenha identidade, não seja anônimo na web. Crie sua identidade virtual.

...bisbilhotaram em quietude, sem solidão

PlagSpotter - duplicate content checker tool
Licença Creative Commonsget click

Algumas coisas não têm preço


finalista the weblog awards 2005finalista the weblog awards 2006
finalista the weblog awards 2007weblogawards 2008
Verificar conteúdo duplicado

Me leve com você...

Leia o luz no seu celular

Copyright  © 2014 Luz de Luma, yes party! Todos os direitos reservados. Imagens de modelo por Luma Rosa. Publicações licenciadas por Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial- Vedada a criação de obras derivadas 2.5 Brasil License . Cópia somente com autorização.

Tem sempre alguém que não cita a fonte... fingindo ter aquilo que não é seu.

Leia mais para produzir mais!

Atenção com o que levar daqui. Preserve os direitos autorais do editor