Europa x Turquia

Depois dos últimos acontecimentos na Europa, fiquei pensando na exacerbação dos sentimentos nacionalistas dos países ricos sobre os imigrantes de nações pobres e seus descendentes, vistos como ameaça econômica e cultural em um contexto de recessão.

Já tem um tempo que estou querendo falar sobre esse assunto. Você pode me perguntar: o que eu tenho com isso? Eu devolverei a pergunta, afinal, vive num mundo globalizado e ter que saber o que pode afetar a sua vida é o mesmo que perguntar, o porque que acessa a internet.

O Brasil não é uma ilha!

Alguém se lembra que, em Maio de 1993, neonazistas incentiaram uma casa de imigrantes em Solinger, na Alemanha? Foram mortas duas mulheres e três meninas turcas. Na ocasião foi dado um alerta mundial.

No ano anterior, a violência contra imigrantes, especialmente turcos, vietnamitas e ex-habitantes do bloco soviético, havia somado mais de 2.500 ataques racistas e 17 assassinatos. Na Alemanha foi restringido o direito de asilo depois que o país acolheu 700 mil imigrantes do leste europeu. Os 2 milhões de turcos e descendentes, representavam uma força econômica importante, faziam tarefas que os nativos desprezavam. Embora isolados e segregados, muitos se sentiam alemães, embora legalemtee não reconhecidos.

Na França, força políticas de extrema direita, como a frente Nacional Francesa, de Jean-Marie Le Pen, despontaram com peso parlamentar, especialmente na França, Alemanha e Grã-Bretanha com sentimentos de xenofobia contra os estrangeiros.


"Agora a Turquia não tem nada para dar à UE. Fizemos tudo relacionado ao critério político de Copenhague" - disse Tayyip Erdogan, primeiro-ministro da Turquia, na cidade italiana de Naples.

O critério de Copenhague cobre liberdades políticas básicas e todo país candidato à UE deve cumpri-las antes de começar as conversações de acesso ao bloco.

Muitos dos que se opõem à Constituição européia rejeitam também a política de ampliação do bloco. No meio de tantas coisas ruins há um sinal positivo: no dia 1º de junho de 2005, entrou em vigor na Turquia um novo código penal, considerado um marco na caminhada do país, mais um passo no caminho da democracia e do Estado de direito.

Na França, grupos de direita relacionam a questão da Turquia com o debate sobre a Constituição. E na Holanda, receiam aquilo que consideram "muitos de uma vez e rápido demais", depois do assassinato do cineasta Theo van Gogh por um muçulmano, no ano passado.

Em dezembro passado, o Reino Unido assumiu a presidência da União Européia e junto com os chefes de governo e Estado asseguraram à Turquia, depois de uma conferência de cúpula, o início de negociações para o ingresso do país no bloco. As conversações começaram no dia 3 de outubro e ali pediram para que a Turquia reconheça o Chipre, pelo menos indiretamente como Estado membro da EU.

Mesmo que o texto da Constituição não aluda em nenhuma passagem o ingresso da Turquia e mesmo que o documento não seja ratificado, o bloco pode continuar aceitando novos membros. Isto continua valendo após o "não" dos franceses e holandeses.

De qualquer forma, as negociações com Ancara estão previstas para durar dez anos.

Nossa! Tanto tempo assim? Sim, não é tanto tempo se formos pensar no passado e tudo que já passou. É assim mesmo.

Ao fim deste longo caminho, poderá haver de novo um plebiscito. A população dos países membros da EU deverão pronunciar-se sobre o ingresso da Turquia.

A Turquia é mais próxima da Europa do que muitos pensam. Os opositores ressaltam as diferenças, mas esquecem o que há de comum. Não dá para rir de "piadas de turco". É que elas ou não têm graça nenhuma, ou têm um certo teor racista. Mas algumas até têm algo a dizer, como a seguinte, que traz à tona os traumas dos europeus em relação à política européia para a Turquia:

"Qual a diferença entre 1683 e hoje?
- Em 1683, os turcos estavam às portas de Viena, hoje eles não saem da porta do Aldi (rede de supermercados mais barata da Alemanha)."

Muita gente hoje deseja que a história se repita, sobretudo o êxito do século 17, quando os exércitos otomanos foram obrigados a recuar e desistir da ocupação de Viena. Quando se ouve, em qualquer bar, alguém começar com a frase "Não tenho nada contra os turcos", seguida por um "mas", pode-se ter certeza de que se trata de uma entre muitas pessoas que não estão nada satisfeitas com a paisagem humana mista em muitos países europeus.

É verdade. A Europa está cheia de pessoas cujas raízes culturais e religiosas remetem à Turquia. Também é verdade e aumenta cada vez mais o número de descendentes dos primeiros imigrantes vindos da Anatólia há cinco décadas, descendentes nascidos e crescidos nos quatro cantos da Europa. Com isso, o número de europeus de ascendência turca está crescendo, enquanto diminui o grupo clássico dos turcos aceitos em países como mão-de-obra operária.

Por que os turcos querem entrar para a UE, se são muçulmanos e membros de uma cultura completamente diferente da européia? O Império Otomano também sempre quis chegar na Europa, por que será?

"Quem tem medo de lobo não deve virar pastor", reza um ditado anatólio.

Quem tem medo de outras religiões e culturas não devia ter chamado a esmo gente de regiões estranhas. Mas quem se diz apto a assumir uma posição de liderança na política mundial deve ser capaz de dialogar com outras culturas e religiões. O abismo que separa finlandeses e portugueses, gregos e irlandeses também é enorme. Mas os turcos têm muito em comum com os países da UE.

O que liga os turcos a irlandeses e finlandeses, portugueses e gregos é o desejo de dividir valores universais como democracia, estado de direito, direitos humanos e desenvolvimento econômico como ponto de partida para a paz interna e externa. Esta disposição de incorporar os valores e normas europeus é prova de que os turcos interiorizaram um lema do fundador da sua República: "A Turquia tem que se elevar ao nível das civilizações contemporâneas".

A fim de atingir esta meta, ou seja, de se europeizar, extinguiu-se o califado, adotou-se o alfabeto latino e conferiram às mulheres direitos e deveres bastante modernos para a jurisdição da época. No entanto, bem antes do acordo de associação de 1963, os turcos já tinham se ocupado um bom tempo da Europa. Em 1492, os judeus espanhóis, cujos descendentes são membros respeitados da sociedade turca até hoje, foram salvos da Inquisição. O compasso três por quatro da valsa vienense conferiu ao gosto musical otomano uma nova dimensão de variedade. As línguas européias foram introduzidas na Turquia, sendo hoje dominadas pelas elites do país.

Para a Turquia de hoje, a aproximação da UE e o início das negociações de ingresso na comunidade coroam um intenso processo de modernização iniciado no apogeu do Império Otomano. Isso também contou com a contribuição de diversos europeus judeus e cristãos refugiados na Turquia durante o nazismo e retornados à Alemanha no fim da guerra, dispostos a participar da reconstrução. Eles sabiam que a Turquia era uma República, proclamada dez anos antes da ascensão de Hitler ao poder e quinze anos antes do pogrom da chamada Noite dos Cristais.

Quem busca argumentos contra a Turquia atualmente só procura mostrar os pontos negativos de um país que ingressou no Conselho da Europa já no ano sua fundação e em 1952 se tornou membro da Otan para consolidar e defender os valores liberais e democráticos da Europa.

O que se ignora é que os pontos positivos predominam de longe. Foram os turcos que provaram que o Islã, como religião popular, e a democracia laica de perfil europeu não são mutuamente excludentes.

O ingresso da Turquia na UE ainda vai demorar. Pode até ser que o medo da Turquia e de sua aceitação no bloco europeu tenha razão de ser. No entanto, isso não combina com a intenção européia de se empenhar por um mundo melhor, com base na tolerância e no reconhecimento das culturas e religiões.

Patriotismo significa se empenhar pelo bem-estar do próprio país, sem repudiar outros países.

O nacionalismo, por sua vez, ergue novos muros e "cortinas de ferro" na Europa. Isso tem que ser evitado!
Diria que nos próximos anos, iremos ouvir falar muito da Turquia...
Beijus,

*Coisa esquisita, se todos falam que vão lá votar, porque tem só 8 votos?

0 comentários :

Enviar um comentário

Tenha identidade, não seja anônimo na web. Crie sua identidade virtual.

...bisbilhotaram em quietude, sem solidão

PlagSpotter - duplicate content checker tool
Licença Creative Commonsget click

Algumas coisas não têm preço


finalista the weblog awards 2005finalista the weblog awards 2006
finalista the weblog awards 2007weblogawards 2008
Verificar conteúdo duplicado

Me leve com você...

Leia o luz no seu celular

Copyright  © 2014 Luz de Luma, yes party! Todos os direitos reservados. Imagens de modelo por Luma Rosa. Publicações licenciadas por Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial- Vedada a criação de obras derivadas 2.5 Brasil License . Cópia somente com autorização.

Tem sempre alguém que não cita a fonte... fingindo ter aquilo que não é seu.

Leia mais para produzir mais!

Atenção com o que levar daqui. Preserve os direitos autorais do editor