O clitóris

Pensei com meus botões: "Se Ronzi pode falar do pênis, por que eu não iria falar do clitóris?"

Pois bem; essa parte minúscula, sensível e querida da anatomia feminina, de tempos para cá, em festas e saraus (rs*) não se fala em outra coisa. O clitóris e suas adjacências foi tema de um caderno inteiro de um jornal paulista e do New York Times, que não admite vida inteligente abaixo do umbigo e atreveu-se a tratar do assunto.

E daí? Desde quando o clitóris esteve fora de moda? E por que esse alarido em torno de um assunto que sempre existiu?

De imediato, digo que o livro: “O Anatomista”, do argentino Frederico Andahazi, tem sua parcela de culpa. Ainda não o li, mas dizem que é bom. Nesse livro é contada a história de como o veneziano Mateo Realdo Colombo descobriu o clitóris em 1559.

A idéia de que o clitóris precisou ser descoberto (no bom sentido) é chocante. Significa que ele sempre existiu e que a primeira mulher já nasceu com ele, assim como nasceu com o baço ou o pâncreas, mas não sabia da sua existência ou não sabia para que servia.

Bem, milhões de mulheres na história não sabiam para que serviam o baço ou o pâncreas e não perderam nada com isso, considerando-se a pouca utilidade desses órgãos para o prazer sexual. Mas é quase inacreditável que, digamos, nos tempos de Sodoma e Gomorra, nenhuma mulher desse conta do próprio clitóris. Das duas, uma: ou as mulheres do passado não tinham a menor curiosidade sobre o próprio corpo ou, ao contrário, já sabiam tudo do clitóris, mas preferiram guardar esse segredo dos homens.

Como terá sido a descoberta do clitóris por Colombo? Uma veneziana mais assanhada lhe terá soprado o segredo? Ou sua façanha cienífica foi resultado de milhares de horas de pesquisa? Pesquisa de campo, é claro.

Fico imaginando o nosso Colombo debruçado sobre mulheres e mais mulheres, olhando daqui, pegando dali e, à falta de lupas e microscópios, quase enfiando o nariz no seu objeto de pesquisa. Como será que as mulheres reagiam a esse exame? Não é possível que na terceira ou quarta mulher, uma delas não tivesse literalmente reagido. Ou então, Colombo fez a pesquisa em cadáveres, mas nesse caso, como poderia saber qual era a reação da mulher?

Seja como for, ao perceber que, pelo manuseio, aquele singelo ponto feminino fazia a moça reagir e emitir sons e revirar os olhinhos, Colombo terá tido consciência da importância de sua descoberta? Teria gritado “eureka!”, dando um susto na mulher e cortando o seu barato? Ou apenas fez anotações e guardou a informação para continuar pesquisando até ter certeza que atingira o alvo? Quero crer, evidentemente, que Colombo fazia as suas pesquisas dentro do maior rigor científico, ou seja: Vestido.

Imagino também que, ao certificar-se de que aquele pontinho dava prazer à mulher, Colombo presumisse que talvez houvesse outros pontos femininos igualmente sensível. E quem sabe dedicou-se a investigar umbigos, axilas, saboneteiras, etc., em busca de reações semelhantes. Ao perceber que, em muito desses pontos, as mulheres só sentiam cócegas, ele deve ter-se concentrado no clitóris e abandonado o resto da mulher. Isto, sim, é que é rigor científico.

Mateo Realdo Colombo não era parente do outro Colombo, o genovês Cristóvão, que, 67 anos, descobrira o novo mundo. E duvido que se impressionasse com a proeza de seu xará. Afinal, ninguém sabia ainda para que servia aquele trambolho no meio do mar. Se assim foi, Mateo podia ser esnobe. O verdadeiro Novo Mundo era o que ele havia descoberto, em mares, nunca dantes navegados, mais perigosos e profundos.

Vocês acham que realmente foi Mateo o descobridor da pérola?
Ah! Quem ainda não descobriu, tem tempo nesse fim de semana...

Não percam hoje o ENCONTRO BLS - Blogueiros, no Pizza Park que fica na Cobal do Humaitá no Rio, a partir das 19 h.

0 comentários :

Enviar um comentário

Tenha identidade, não seja anônimo na web. Crie sua identidade virtual.

...bisbilhotaram em quietude, sem solidão

PlagSpotter - duplicate content checker tool
Licença Creative Commonsget click

Algumas coisas não têm preço


finalista the weblog awards 2005finalista the weblog awards 2006
finalista the weblog awards 2007weblogawards 2008
Verificar conteúdo duplicado

Me leve com você...

Leia o luz no seu celular

Copyright  © 2014 Luz de Luma, yes party! Todos os direitos reservados. Imagens de modelo por Luma Rosa. Publicações licenciadas por Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial- Vedada a criação de obras derivadas 2.5 Brasil License . Cópia somente com autorização.

Tem sempre alguém que não cita a fonte... fingindo ter aquilo que não é seu.

Leia mais para produzir mais!

Atenção com o que levar daqui. Preserve os direitos autorais do editor