"O que parece ser a decadência da cultura é o seu puro caminhar em direção a si mesma" — T.W. Adorno

Republicando - Da série: nada mudou.
Texto escrito originalmente em 23.03.2005

Hoje no finalzinho da tarde, resolvi sentar em um quiosque com amigos para tomar um chopinho. Nada como uma brisa do mar pra refrescar a alma, as idéias e espantar o calor. Papo vai, papo vem, cai o assunto BBB. Quem vai ficar com o milhão? Me senti como um espectador de partida de ping-pong. Não assisto ao programa e parece que a partir de agora, tenho por obrigação assistir. Senão fico fora da conversa. O Brasil inteiro assisti BBB?

Fiquei a pensar, enquanto ouvia ecos; Jean...Jean...Jean e de vez em quando; Pink...Pink...Pink e que se transformaram em Jean-ping e pink-pong...

Parece que a televisão aboliu de vez o tênue limite entre o real e o virtual. Todos os candidatos abrem mão de sua privacidade e a TV é autorizada a transgredir a privacidade alheia e os espaços físicos e psicológicos são invadidos. Tudo isso quando somado a uma hollywoodização do cenário, dando a ilusão ao telespectador estar tendo acesso ao "mundo real" dos outros como se fosse o "mundo verdadeiro". Qualquer ingênuo sabe que há algo de teatralismo histérico e exibicionismo dos participantes, já que todos sabem que estão sendo filmados, mas um quantum de gozo é obtido em ver. O voyerismo banal e compulsivo do telespectador certamente é maior que qualquer interesse científico ancorado na Psicologia Social, Antropologia ou Sociologia, até porque os personagens são uniformes.

Por sua vez o voyerismo é o oposto do exibicionismo, o indivíduo não interage com o objeto. No caso dos Reality Shows o termo é usado por extensão, não tendo que ter necessariamente contexto sexual como forma particular de prazer. A ação é substituída pelo olhar.

Alguém pode ressuscitar uma hipótese que diz que o reality show está se apropriando das pulsões perversas voyeristas do público que assiste aos programas, há um público faminto de intimidades alheias. Com a "tv realidade", o voyerismo saiu do universo vergonhoso; saiu da psicopatologia social e ganhou um espaço industrializado, publicamente aceitável e lucrativo.

Os programas de realismo show foram inspirado nos experimentos do Psicólogo Social, P. Zimbardo, décadas atrás e filmados primeiro em laboratório e depois reprojetados em uma casa montada, foram filmadas a maior parte das situações e depois levadas pela tv com a autorização dos participantes. Aqui passou no GNT, em 3 partes, com o nome de Zoológico Humano, onde o interesse parecia ser mais científico que comercial.

Mas antes deste experimento, o voyerismo já era um dos instrumentos básicos do cinema. Ainda na época do cinema mudo, Hitchcock e outros diretores afirmavam que quando se filma um close-up do ponto de vista de alguém, vincula-se o público aquela experiência. É a única forma de arte em que se exibe a mesma informação ao espectador e personagem simultaneamente.

Hitchcock com “Janela Indiscreta”, Kiestowsky com “Não Amarás” e Brian de Palma com “Dublê de corpo”, capturavam imagens de uma janela na ânsia do descobrimento de cenas inquietantes.

Por que o cinema e a televisão se utilizam do voyerismo?
“Padrões internos de prazer impõem a masculinidade como ponto de vista” (Mulvey) Isto posto, uma sociedade que se diz tão moderna, os mais velhos achando uma indecência tal conjunto de situações. Regredimos? A sociedade continua machista?

A mulher na cultura ocidental encara o “ser olhada” e por isso sua imagem é constantemente associada, na publicidade, à venda de produtos. A tela escala os homens como detentores do olhar e as mulheres como espetáculo – no caso em questão, a mulher se transforma em um bem de consumo.

UP! DATE! * A foto acima, foi só pra contrariar. O Mundo deixando de ser machista e os meninos, bens de consumo...
Pablo Espósito mostrando bumbum

Dinheiro compra dignidade?
Beijus,

4 comentários :

  1. O tempo passa e a mídia continua alienando as pessoas. O poder, comprando sua dignidade.
    Conosco tudo ótimo. Beijos e ótima semana!

    ResponderEliminar
  2. Verdadeira aula.
    Eu creio que tudo isso tem a ver com o individualismo exacerbado do mundo moderno que conduz à solidão.
    Só assim, de longe, conseguimos nos "aproximar" dos outros.

    beijos

    ResponderEliminar
  3. Muito bom Luma, realista e atual. Será que essa "ótica do feminino" um dia vai mudar? Vamos dar tempo ao tempo, santo remédio.

    beijos querida e boa semana!

    ResponderEliminar
  4. LUMA!!! Que bom ler isso... Porque ate entao eu achava que era so eu quem pensava assim, me sentia meio ET. Aqui eh a mesma coisa, e eu ate que tentei ver so para nao ficar por fora da conversa no escritorio, mas nao da, ah! Nao da mesmo... Muito para minha cabeca.

    ResponderEliminar

Tenha identidade, não seja anônimo na web. Crie sua identidade virtual.

...bisbilhotaram em quietude, sem solidão

PlagSpotter - duplicate content checker tool
Licença Creative Commonsget click

Algumas coisas não têm preço


finalista the weblog awards 2005finalista the weblog awards 2006
finalista the weblog awards 2007weblogawards 2008
Verificar conteúdo duplicado

Me leve com você...

Leia o luz no seu celular

Copyright  © 2014 Luz de Luma, yes party! Todos os direitos reservados. Imagens de modelo por Luma Rosa. Publicações licenciadas por Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial- Vedada a criação de obras derivadas 2.5 Brasil License . Cópia somente com autorização.

Tem sempre alguém que não cita a fonte... fingindo ter aquilo que não é seu.

Leia mais para produzir mais!

Atenção com o que levar daqui. Preserve os direitos autorais do editor